Del Nero na ativa



Marco Polo Del Nero pode ter se licenciado da presidência da CBF, alvo de investigações do FBI, mas segue dando as cartas na entidade e negociando contratos para a confederação.

Depois de perder três patrocinadores de peso (Michelin, Sadia e P&G), foi ele quem acertou com a Chevrolet uma ampliação do contrato com a fabricante de automóveis. A empresa, que estampava sua marca no calção da Seleção, irá fazê-lo também nas costas das camisas de treinos. Também foi ele quem acertou acordo com um laboratório, que passa a partir de hoje a ser parceiro da Seleção.

Além disso, Del Nero conversa com outros dois patrocinadores da entidade que ameaçam romper contrato com a CBF, seguindo os três que já o fizeram, se não houver mudanças estruturais na confederação, cuja imagem está pra lá de desgastada, na lama mesmo. Com um ex-presidente preso há quase um ano no exterior e Del Nero e Ricardo Teixeira na mira dos norte-americanos, tanto que o primeiro nem mais sai do Brasil, dizer o quê?

E o tal do coronel Nunes (coronel Antônio Carlos Nunes, é isso?), aquele que ninguém sabe quem é e a que veio, segue perdido na presidência. Quando foi ao Paraguai para a eleição do presidente da Conmebol estava perdidinho, perdidinho, alheio a tudo o que se passava a seu redor e demonstrando tal desconhecimento do mundo da bola que assombrou alguns jornalistas. E também dirigentes de outros países.

Não seria hora de refundar a CBF???



MaisRecentes

Santos em SP



Continue Lendo

Fuga de patrocínio



Continue Lendo

Verdão vai às compras



Continue Lendo