Lava Jato em Itaquera



A Operação Lava Jato deve passar um pente fino na relação entre empreiteiras, governos federal, estaduais e municipais e as arenas construídas ou reformadas para a Copa de 2014.

Entre elas está a do Corinthians, em Itaquera, que segundo o ex-presidente Andrés Sanchez, hoje deputado federal pelo PT-SP, só foi viabilizada graças à interferência de Lula.

A obra coube à Odebrecht, uma das construtoras alvo da Lava Jato e que teve seu presidente preso no ano passado.

Os custos tanto do estádio corintiano quanto de pelo menos outros seis usados no Mundial e que receberam recursos ou benefícios públicos e tiveram obras tocadas pela Odebrecht ou a Andrade Gutierrez estariam na mira das investigações.

O orçamento inicial da arena do Timão não foi seguido à risca e a conta acabou mais salgada do que se esperava.

Vale lembrar que o estádio voltou ao noticiário depois que Frederico Barbosa, tido como o principal engenheiro da obra, passou a ser inquirido por ter ajudado a reformar o sítio em Atibaia (SP) que Lula insiste que não é seu, em caráter pessoal e sem a cobrança pelo serviço, segundo afirmou o funcionário da Odebrecht à imprensa.

No Corinthians a oposição também se movimenta para esclarecer a construção da arena, já que o clube terá que pagar mais de R$ 800 milhões pelas obras, o que não é pouco, não. Uma parte espera desembolsar com o dinheiro que receber pela venda dos direitos de nomear o estádio, negócio que Andrés pretendia fechar até fevereiro de 2012 e acabou se alastrando por pelo menos mais quatro anos.



MaisRecentes

Haja coração!!!



Continue Lendo

Cânticos brasileiros



Continue Lendo

Seleção no divã



Continue Lendo