Economia são-paulina



A direção do São Paulo não quis cometer com Edgardo Bauza o mesmo erro da anterior com Juan Carlos Osorio.

Quando o colombiano chegou ele imaginava que teria um elenco forte à disposição e não tinha ciência de que o Tricolor iria tentar se desfazer de algumas de suas estrelas e atrasar o pagamento de salários e direitos de imagem à parte do elenco.

No caso do técnico argentino, que passou à direção uma lista com nomes de atletas sul-americanos, ele já foi informado, antes mesmo de assinar contrato, que o clube passa por um momento difícil fora das quatro linhas e que os recursos são poucos.

Com os pés no chão, a diretoria não imagina que o time chegará ao título da Libertadores e no departamento de futebol a expectativa é que, alcançando as quartas de final do torneio, a campanha já pode ser considerada boa.

Com pouco dinheiro em caixa, o São Paulo quer que Bauza tenha mais contato com os responsáveis pelas categorias de base e possa usar mais valores de lá, algo que os técnicos anteriores raramente faziam.

O treinador é estrangeiro, mais uma vez, mas a receita, como se vê, é caseira.



MaisRecentes

Nova caminhada



Continue Lendo

O desabafo de Cuca (ainda)



Continue Lendo

As críticas de Cuca



Continue Lendo