Passos de tartaruga



Os trabalhos da CPI do Futebol no Senado estão caminhando a passos de tartaruga, segundo avaliação de pessoas próximas à cúpula da CBF e dois senadores, um da base governista, o outro não.

A comissão, que deveria concluir suas investigações no final de dezembro, seguirá trabalhando até julho do ano que vem.

A avaliação, porém, é de que está a reboque do FBI, responsável pela prisão de dirigentes de futebol na Suíça em maio, incluindo José Maria Marin, comandante da CBF de 2012 a 2015 e então vice mais velho de Marco Polo Del Nero, presidente da entidade.

Passado quase um semestre das prisões em Zurique até agora pouco se avançou nas investigações e o próprio Marin, hoje nos Estados Unidos, cumpre prisão domiciliar, em seu milionário apartamento na Quinta Avenida, com direito, entre outros, de ir ao mercado duas vezes por semana.

Enquanto isso por aqui nem os sigilos fiscal e bancário de Marin foram quebrados e de novo a CPI ainda não apresentou nada. Resta saber se, como tantas outras, terminará em pizza. Pelo bem do futebol brasileiro seria interessante que não.



MaisRecentes

Elogios a Loss



Continue Lendo

Não vai ter Copa?



Continue Lendo

O escândalo de Platini



Continue Lendo