Pizza são-paulina?



Os conselheiros do São Paulo estão divididos. Uma parte acha que agora que Carlos Miguel Aidar deixou a presidência do Tricolor seus atos no Morumbi não devem ser investigados e sua gestão tem de ser esquecida para não manchar ainda mais a história são-paulina. Outra quer que Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, que assumiu o comando do clube em lugar de Aidar, monte uma equipe para vasculhar os atos de seu antecessor e vá a fundo nas investigações, doam elas a quem doer.

Em reunião no escritório do advogado e conselheiro do São Paulo Ives Gandra ainda antes da saída de Aidar a discussão foi no sentido de não avançar nas apurações, deixando o passado pra trás a fim de conciliar o clube, que ainda vive em pé de guerra. Eu, particularmente, acho um absurdo, já que, se Aidar lesou o clube, como indica Ataíde Gil Guerreiro, que quase foi às vias de fato com o dirigente, o São Paulo tem que ser ressarcido do prejuízo que teve.

Segundo Gil Guerreiro, que se desligou do futebol no final da gestão Aidar e voltou ao departamento assim que Leco assumiu, o primeiro teria recebido dinheiro de negociação de jogadores e contratos de marketing.

Se as investigações irão adiante ou não ainda não sabemos, embora a tendência seja de enterrar os casos e olhar apenas para o futuro, para preservar a instituição, o que, repito, acho um absurdo.

Terminando em pizza ou não, boa parte dos conselheiros que defendem apurações acha que tudo deve ser feito sob sigilo a fim de não prejudicar ainda mais a imagem do São Paulo e contatos futuros com eventuais novos parceiros.

Tricolor paulista, quem te viu, quem te vê. O clube dos antigos cardeais, como costumo dizer, virou a agremiação da baixaria, basta ver uma reunião do conselho em que ameaças de agressão física parece que viraram regra, como se as coisas pudessem ser resolvidas na mão e não no diálogo. Os tempos, de fato, mudaram.



  • SrBlack

    Passar qualquer clube a limpo no Brasil é complicado por causa da politica (e rabos presos) unico jeito disso acontecer sera se o JJ quiser tirar o sangue do Aidar senão vai acabar em pizza.

    • João Carlos Assumpção

      O Juvenal Juvêncio defende investigações, sim, mas boa parte dos cardeais, que se reuniram para tirar o Aidar da presidência, teriam prometido que o dirigente se afastando do Morumbi as coisas parariam por aí. O que é uma pena para o São Paulo e para o futebol brasileiro. Como você bem disse passar qualquer clube a limpo no Brasil é complicado mesmo.

  • xerem

    Realmente, enquanto esses “dirigentes” de equipes continuarem empurrando a sujeira para baixo do tapete, não vamos conseguir evoluir no esporte, Aliás, só empurram porque têm o rabo preso. Até quando a impunidade vai continuar nesse País? Falo de um modo geral, não só no futebol, mas na política também. É inadmissível isso que acontece e já faz tempo, desde o seu descobrimento, na verdade. Janca, continue com seus posts esclarecedores a respeito do que acontece nos bastidores do futebol, não deixe de noticiar nada, nós “simples” torcedores, podemos nos rebelar com esses dirigentes, não sendo mais sócios torcedores, não indo mais a estádios de futebol, temos que parar de enriquecer os abutres que militam nesse esporte que já foi motivo de orgulho para nós brasileiros. Grande abraço Janca, gosto muito de ler suas matérias

    • João Carlos Assumpção

      Pô, muito obrigado pelos elogios. De verdade. Em relação a nossos dirigentes, porém, de fato temos muito a lamentar. São o atraso do nosso futebol. Os responsáveis principais pelos 7 a 1. Que já são 8, 9… Grande abraço e desde já um bom final de semana, Janca

  • Matheus Francisco

    É claro que o São Paulo vai passar por uma reestruturação, mas na minha opinião já começou errado.
    Onde já se viu reintegrar um funcionário que agrediu seu superior? Por mais que o Ataíde tivesse razão, ele jamais poderia agredir seu superior, primeiro pela hierarquia, segundo por que se trata de um outro ser humano.

    O São Paulo deveria aprender com o erro e se cercar de pessoas melhores. Em um caso como esse, tanto Aidar, como Ataíde deveriam ser banidos do clube, pra nunca mais assumir cargo algum.

    O São Paulo de hoje parece o Palmeiras de anos atras e vice-versa

    • João Carlos Assumpção

      As versões sobre se teriam saído na mão ou não ainda são várias e conflitantes. Agredir seja lá quem for está errado, agressão física não dá, mas contestar o comandante, por que não? É um direito. E um dever. Pelo menos nesse caso. Tanto que Aidar renunciou ao cargo.

      • Matheus Francisco

        Contestar eu até entendo. É um direito e um dever, caso ele tenha provas para isso.
        Eu me refiro á um caso de agressão, seja ela verbal ou física. Em qualquer empresa séria isso é motivo de demissão e dependendo do caso por justa causa.

        Mas eu me pergunto, se ele (Ataide) tem provas, por que não apresenta? Por que ele não divulgou na hora?
        Divulgar só quando convém não acho correto. Entendo que uma pessoa correta ao ver algo errado vai denunciar, e não apenas quanto convém.

  • Clayton Souza

    Incrível como em todo o post, você repete isso: “quem te viu quem te vê”, “clube dos antigos cardeais” e agora “clube da baixaria”. Como que querendo nivelar o São Paulo por baixo, tripudiando da atual situação. É no mínimo curioso. Janca, o São Paulo vai dar a volta por cima e resgatar sua imagem e padrão de excelência. Nem que seja no médio e longo prazo. O clube passa por uma crise histórica, sem precedentes, mas se eu fosse você não apostaria contra um clube que tem tamanho patrimônio, tradição, torcida, mídia, e gente capaz (há sim dentro clube pessoas honestas e competentes).

  • Clayton Souza

    As pessoas que provocaram o caos atual, Janca, elas passam. O São Paulo FC e sua história de glórias é perene. Tem DNA e força para se recuperar, e você no fundo sabe disso.

  • Carlos Ramos

    Talvez essa seja a oportunidade de aposentar o Rogério Ceni!!! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…..

    STJD denunciará Ceni por declarações sobre “pênalti de bastidor” do Vasco

    O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) protocolará uma denúncia contra o goleiro do São Paulo, Rogério Ceni, por conta de declarações dadas após o empate por 2 a 2 com o Vasco, no domingo, no estádio do Morumbi. O experiente jogador reclamou da marcação de um pênalti contra o Tricolor e da expulsão do lateral Matheus Reis, argumentando que o árbitro Dewson Fernando Freitas assinalou a infração por sofrer pressão nos bastidores.

    “Foi um pênalti de bastidor”, acusou Ceni. “O juiz é bom, mas cometeu um erro grave. O pênalti estava dado antes da partida”, prosseguiu o goleiro, após o término da partida.

    À Gazeta Esportiva, o procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt, confirmou que será movido um processo contra Ceni, mas não quis comentar a denúncia. O goleiro responderá por desrespeito à arbitragem, conforme prevê o artigo 258, inciso 2, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva. Uma condenação poderá resultar em uma pena de 15 a 180 dias.

  • luis

    Tem que investigar sim,fazer uma operação pente fino geral. Se tem conselheiro que estão contra,é porque deve alguma coisa. Nada vai manchar a história do nosso clube se continuar a investigação,mas sera manchada se protocolar toda essa sujeira. Não vamos aceitar isso tem que investigar doa a quem doer e fora todos bandidos ladrões e corruptos do futebol.

MaisRecentes

Protestos à vista



Continue Lendo

Ajustes no São Paulo



Continue Lendo

Mattos em xeque



Continue Lendo