O humor de Marin



Familiares de José Maria Marin estão muito preocupados com o estado do cartola, que estaria tendo oscilações de humor na prisão na Suíça.

Dizem que o ex-presidente da CBF teria momentos de profunda depressão alternados com outros de extrema irritação e inconformismo pela detenção.

À Justiça suíça afirmou não haver provas contra ele e luta para não ser extraditado para os Estados Unidos, onde o processo começou. Se for o caso, irá recorrer à Suprema Corte suíça para não ir à América do Norte.

A família de Marin, que cogitou alugar casa em Zurique para ficar mais próxima do dirigente e depois recuou da ideia, também reclama não estar tendo acesso ao dirigente, cujo contato tem sido com os advogados que cuidam de sua defesa. E uma vez por semana.

Um médico da prisão está à disposição do cartola e tira diariamente sua pressão.

Marin está preso desde 27 de maio, sob uma série de acusações, entre elas a de recebimento de propina na negociação dos direitos de torneios como Copa do Brasil e Copa América. As investigações foram feitas pelo FBI, que se apoiou muito nos depoimentos de J. Hawilla, principal empresário de marketing esportivo do Brasil detido pelos norte-americanos no ano passado.

Se condenado, Marin, que tem 83 anos de idade, pode pegar pena de até 20 anos de cadeia.

Irritado, ele teria perguntado aos advogados que o defendem “cadê os outros”. Não entende o porquê, de entre os brasileiros, os norte-americanos terem pedido apenas a prisão dele (e Marin alega, pelo menos oficialmente, que sem provas) e do empresário José Lazaro. Fora J. Hawilla, que não pode sair dos Estados Unidos, mas depois de decidir abrir a boca e acertar as contas com o Fisco norte-americano, está em casa no país. E, diferentemente de Marin, não atrás das grades.



MaisRecentes

Nova caminhada



Continue Lendo

O desabafo de Cuca (ainda)



Continue Lendo

As críticas de Cuca



Continue Lendo