A Fifa intervém



A CBF já entrou em contato com a Fifa que ficou, caso a confederação achar necessária, de intervir no caso da chamada MP do futebol.

A CBF considera inconstitucional a medida provisória que permite o refinanciamento das dívidas fiscais dos clubes brasileiros, impondo-lhes uma série de contrapartidas, e quer derruba-la no Congresso Nacional.

Para isso conta com apoio da Fifa, que pode soltar uma nota ameaçando punir o futebol brasileiro, excluindo-o de competições internacionais como Copa do Mundo e Libertadores, com o argumento de que a soberania da CBF e das entidades esportivas no país teria sido violada pelo governo.

A MP começa a ser debatida hoje por uma comissão mista de parlamentares. De um lado estão os cartolas, de outro está o Bom Senso F.C., movimento de jogadores que defendem a medida. O relator será o deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ).

Para a CBF é um absurdo o governo querer, com a medida, limitar mandatos dos dirigentes e os gastos dos clubes com o futebol, além de forçar as federações que organizam campeonatos a mudar seus estatutos.

A entidade considera uma intervenção do governo no futebol, o que o Bom Senso rebate, dizendo se tratar de um novo enquadramento dos clubes e suas administrações, que têm de ser mais responsáveis.

A guerra, enfim, começou pra valer em Brasília e, apesar de o governo dizer que não recua e não irá mexer no conteúdo da MP, a CBF insiste em altera-lo. Nem que seja pedindo ajuda da Fifa. Que viria com ameaças, ameaças e mais ameaças.



  • Mario

    Acho ridículo qualquer governo ter medo da Fifa , Ela esta blefando e mesmo q tente punir o Brazil , basta encarar a briga no tribunal Suíço q ganha facil.

    Não acredito na MP , ela não vai passar no congresso sem emendas ou sem virar uma lei frankenstein e mesmo passasse como ela é hj não mudaria nada no Futebol , por q é opcional
    a entrada do clube no refinanciamento.

    nem um clube no mundo iria entrar em um programa que pode o rebaixar por não pagar dividas se tivesse a opção de não entrar , mas na europa os clubes são rebaixados por não pagarem as dividas , lá o governos foram fortes e não deram opção de escolha aos clubes.

    • janca

      De fato a entrada do clube no programa é opcional. Em relação à Fifa, concordo. Ridículo um governo como o do Brasil, sede da última Copa e quer queiram quer não única pentacampeão mundial, abaixar as calças ou a cabeça, o que for, enfim, para a Fifa. Que está blefando, concordo com você.

    • Cleibsom Carlos

      Obviamente caso o Lei seja aprovada do jeito que está muita coisa mudará no futebol brasileiro e é justamente por isso que os clubes recorreram à FIFA. A palavra “opcional” que consta no projeto é apenas uma figura de linguagem porque, caso algum clube recuse a se enquadrar na nova Lei, basta o Governo cobrar à vista judicialmente a dívida milionária desse clube com a União. Como 99% dos clubes brasileiros estão em fase pré-falimentar nenhum deles aguentaria o tranco de uma cobrança judicial deste porte. O caso é bem mais complexo do que algumas observações simplistas fazem parecer…

      • Mario

        os clubes podem entrar em outros refinanciamentos das dividas que dão menos descontos e menos facilidades e prazos para pagar por isso é opcional .

        • janca

          Sim, a entrada é opcional.

        • Cleibsom Carlos

          Cara, novamente eu digo que tudo isso é figura de linguagem…Como você mesmo disse, as outras formas de financiamento das dívidas com a UNIÃO dão BEM menos descontos e BEM menos facilidades…Os clubes, em fase pré-falimentar, não têm capacidade de oferecerem as garantias necessárias para se adequarem às condições desses financiamentos. Esse projeto estava sendo encarado como a “tábua de salvação” dos clubes brasileiros pelos mesmos antes da vitória do Bom-Senso, que conseguiu barrar a maracutaia que a bancada da bola tentou fazer na calada da noite para que o projeto fosse aprovado sem as garantias agora inclusas. Repito: o “opcional” de opcional não tem nada!

          • Mario

            é uma questão tributaria e não de linguagem .

            o inicio do projeto era de perdão da divida total sendo a tabua de salvação dos clubes , agora não é mais ou pode soltar a ser depende do q sair no congresso sendo assim para manter autonomia e se livrar das exigências do governo podem optar por outro tipo de parcelamento q o governo faz e não exigem as mesmas coisas.

            lembre-se estamos falando sobre os cartolas , ele não ligam para dividas ou falir o clube para manter seus poderes.

  • Leandro

    Se os clubes e CBF não querem se adequar, simples: só não aderirem ao REFIS!

    Quanto ao governo, simples também: EXECUTE os devedores.

    • janca

      Até porque o governo é credor. Tem mesmo que exigir contrapartidas. E os clubes melhorarem suas gestões, Leandro.

  • Josué

    Bom dia Janca, deixa eu entender, a Sra. fifa (sim, em minúsculo) que sobrepor as Leis e determinações de um País, com ameaças de desfiliação ????

    • janca

      Sim, a Fifa se acha acima dos governos nacionais, Josué.

      • janca

        E lembrando que é errado falar em intervenção do governo no esporte e no futebol, ao contrário do que pensam CBF, federações e clubes.

  • Pedro

    interessante a fifa pune confederações que levao seus problemas a justiça comum e agora a cbf quer que intervenha ?…a logica diss que seria melhor ate pro futebol que os clubes acaben com a farra dos sem dinheiro já que endividan os clubes e eles sain como se nada tivesse acontecido time/clube fican com dividas ABSURDAS e ninguen e responsável por elas …ahh demais esta disser que se clubes fossem tratados como empresas com,uns ou cidadãos comuns todos eles terian quebrado ….gastar dinheiro alheio e fácil …difícil e pagar as dividas

    minha humilde opinião

  • Zé Garoto

    Engraçado que a CBF sempre se utiliza do fato de ser uma instituição privada. Mas utiliza o nome Brasil como representante da nação. Quem autorizou a CBF a nos representar?

    • janca

      Isso também acho absurdo. Usa a bandeira e as cores nacionais, comporta-se como se a Seleção fosse produto privado dela e não patrimônio nacional.

  • José Henrique

    O que esse “Sem senso nenhum” omite, é a aberração de jogador de futebol ser regulado pela CLT como trabalhador comum. Isso gera absurdos, como esse de jogador entrar na justiça (é ganhar) pedido de horas extras, cobrando por jogar aos domingos.
    Não sei onde enxergam que esse bom senso, está ao lado dos clubes.
    Não é o que estamos vendo. Não há uma reivindicação sequer em favor dos clubes de futebol.
    Empresários por exemplo, mais ricos que clubes, e estes arcando com todos os encargos sociais, e impostos, para valorização da “mercadoria” jogador, e encherem os bolsos de dinheiro, deixando quireras para os clubes.
    Isso o “Sem senso” nem toca. Se omite, e aí perde credibilidade.

MaisRecentes

Pela saída de Levir



Continue Lendo

Apoio a Jô



Continue Lendo

Os preços da Seleção



Continue Lendo