Protesto do Red Bull



A direção do Red Bull Brasil entrou em contato com a Globo e o SporTV, aborrecida com o tratamento que o clube recebeu domingo no amistoso diante do Palmeiras.

O SporTV, que exibiu o jogo, e a Globo, em seus programas jornalísticos, referiram-se ao time como RB ou RB Brasil para não fazer propaganda gratuita da Red Bull.

A empresa que montou a equipe, no entanto, alega que fez altos investimentos e que chegou a hora de colher os frutos e ver seu time chamado pela mídia de Red Bull, independentemente de fazer ou não campanhas publicitárias na TV e em determinados veículos de comunicação. Insiste em ver a equipe chamada de Red Bull Brasil, não de RB. Reclama ainda que teve o logo alterado no amistoso de domingo, tudo porque a TV queria evitar a divulgação da marca.

Na Fórmula-1 a questão, já discutida pela empresa com a TV, é parecida. A escuderia Red Bull Racing é tratada pela Globo e outros veículos da mídia apenas como RBR, sigla que acabou ficando na língua do amante do automobilismo.

O problema, no entanto, não se reduz ao Red Bull Brasil. A Allianz, que dá nome ao novo estádio do Palmeiras, reclama que seu nome também não é citado quando Globo ou SporTV e alguns outros veículos de comunicação se referem à arena. O protesto da empresa também já chegou à direção das emissoras, mas não teve êxito até aqui, pois elas insistem em não a chamar de Allianz Parque.

O Corinthians, apesar de ainda não ter vendido os direitos de nomear seu estádio, também reclamou quando sua arena passou a ser chamada de Itaquerão ou simplesmente Itaquera e reclamou de veículos como UOL, “Folha”, LANCE! e LANCENET, sendo que os dois últimos passaram a se referir a ela como Arena Corinthians. O Timão acha que os apelidos dificultam as negociações dos chamados naming rights e tem razão. No início confesso que não concordei com a posição do grupo LANCE!, que acatou o pedido do Corinthians, mas respeitou, claro. Depois até reconsiderei minha opinião, embora entenda os motivos, que não são ligados às áreas comerciais, para a “Folha”, por exemplo, chamar o estádio de Itaquerão.

É, enfim, um assunto que ainda vai dar muita discussão e não é nada recente, aliás. Nos anos 90, quando os times de vôlei tinham o nome de empresa, muitos veículos, inclusive a “Folha”, referiam-se a eles, sempre que possível, pelo nome da cidade que representavam. E quando os clubes, nas coletivas pós-jogos, passaram a mostrar seus patrocinadores atrás do técnico e dos jogadores, emissoras de TV começaram a focar bem na cara dos entrevistados para não exibir gratuitamente propaganda de terceiros.

Mas será que o investimento que empresas como Red Bull e Allianz fazem no futebol deve ser menosprezado pela mídia? Só se acertarem ações diretamente com o departamento comercial dos veículos de imprensa merecem um retorno? Questão complicada para os marqueteiros de plantão…

Só acho que chegarmos ao ponto de inventar ou abreviar o nome de um time para não expor determinada marca é complicado. Mas no mundo em que o dinheiro fala mais alto, sei não, sei não… No fundo e no raso tudo gira em torno disso. Ou pelo menos a questão envolvendo Red Bull, Allianz Parque e a mídia.

E no final, como apontaram alguns, todo o rebuliço em relação ao time ser chamado de RB Brasil acabou rendendo frutos e muito espaço na mídia para a Red Bull. Mais do que ela teria se o imbróglio não tivesse acontecido, o que deve fazer sua direção até festejar tudo o que está acontecendo…



  • Mario

    a questão com a globo é de contrato , na hora de vender os direitos de transmissão tem q negociar ou impor uma cláusula obrigando a ela a a chamar o estadio ou clube (no caso a Red Bull e times de volei) com o nome q foi batizado , os clubes não podem ser submissos na hora de fazer seus contratos .

    agora Janca , vc não concorda com o Lance de chamar o estadio do Timão de arena corinthians q é um pedido simples , mas vc não vê problemas em ganhar dinheiro falando do corinthians e outros clubes sem não pagar nada por isso ?

    para mim é simples , os jornais , jornalistas e etc q não pagam nada e não tem contratos com os clubes, mas tem q ser parceiros e dar uma ajuda aos clubes chamando as arenas pelo nome q foram batizadas e outras ações de marketing , afinal são todos parceiros e tem q se ajudar pois seu o futebol falir todos vão perder.

    • janca

      Você está distorcendo minhas palavras, Mario, não disse que não concordo com o LANCE! de chamar o estádio de Arena Corinthians até que o nome seja vendido, disse que no início não concordava, embora acatasse. Depois mudei de ideia, mas entendo a posição da “Folha”, que acha que a própria torcida se refere ao estádio por apelido e não por Arena Corinthians. Que o povão mesmo não diz “vou para a Arena Corinthians”, mas sim “vou para Itaquera”, referindo-se à ida a um jogo do Timão. Sobre a mídia ganhar audiência falando de times de futebol acho natural. É um assunto público. Só faltava proibirem a imprensa de citar o nome do Corinthians e o de outros clubes, isso não entendo, seria um absurdo. Fora que os clubes também lucram com a exposição da marca (a deles e a de seus patrocinadores e parceiros comerciais).

      • Mario

        não distorci , apenas formulei uma pergunta baseada no q vc escreveu e vc respondeu mudando o foco e não dando uma resposta direta , o q é direito seu.

        o povo é um coisa , jornalistas ou jornais são formadores de opinião e não povão , senão não precisaria de diploma ou universidades de jornalismo .

        os clubes e jornalistas tem q ser parceiros como disse no primeiro comentario e mas sem censurar os fatos , agora se um meio de comunicação muda o nome ou não entende certas necessidades basicas do marketing do clube para ajudar o parceiro , por q tem q direito de cobrir treinos diarios e coletivas dentro das dependencias do clube ?

        • Fabio

          Parabéns pela sua colocação Mario , esta correto !!

        • janca

          Respondi sim. Clubes e jornalistas não têm que ser parceiros. Só falta você querer que a imprensa só fale bem dos clubes e dos dirigentes e dos jogadores para jogá-los pra cima. Não. A imprensa tem que ser crítica. Sobre o estádio do Corinthians respondi que entendo a posição da “Folha” e expliquei o porquê, embora não seja a minha e chamo o estádio de Arena Corinthians, coisa que muito torcedor não faz.

          • Marcos

            Janca, acredito que deveriam ser parceiros sim. Outro exemplo está em quando a TV fecha o foco no rosto dos entrevistados, tecnicos ou jogadores, para não aparecerem os patrocinadores do clube. Acho uma pena não enxergarem que quanto maior o business, melhor para todos. Tanto TV quanto os clubes.
            E sim, o assunto é público, mas o a imprensa obviamente se beneficia dos acontecimentos e interesse do público PELOS CLUBES. Portanto meu amigo, parceria seria de fato mais construtivo.

          • Mario

            nunca falei em censurar jornalistas ou meios de comunicação , mas é sempre assim qnd se cobra uma postura da impressa para ajudar os clubes , por falta de argumento vcs vem dizer q é tentativa de censura .

            se Jornalistas e meios de comunicação q sobrevivem cobrindo os clubes não tem q ser parceiros e entender as necessidades de ambos os lados no marketing , por q deixar eles entrarem dentro do clube e cobrir treinos , coletivas e deixar seus funcionarios darem entrevistas exclusivas ou de radios transmitirem jogos?

            se precisam se mostrar na impressa , só precisam da Globo q já paga pelos campeonatos e tem maior poder de penetração de midia no território brasileiro .

          • janca

            Jornalistas não têm que ser parceiros de clube, dirigente ou jogador. Tem que informar. Assim como colunista e os próprios veículos de comunicação têm de opinar e se colocar. E sempre se colocam de uma forma ou de outra. A neutralidade absoluta, como costumo dizer, não existe. Agora no caso o que pega são os interesses comerciais, são eles que estão por trás de tudo isso. E a discussão pode ser e deve ser entre a relação da imprensa e do comercial e quanto o comercial influi na cobertura da mídia. Mas discordo que os clubes para se mostrar precisem só da Globo. Não mesmo, por mais poderosa que seja a emissora detentora dos direitos de TV. E de fato relendo seu comentário você não fala em censura, peço desculpas. É que muita gente acha (ou muito torcedor) que a imprensa teria que pagar para cobrir os clubes ou acompanhar os jogos, por exemplo. Disso discordo. Achei que fosse sua tese. Algo do tipo paga, fala bem, se não fica de fora. Não é por aí. Mas relendo seu comentário, que tinha lido rapidamente, você não fala nisso.

          • Mario

            então jornalistas e meios de comunicação q não entendem a necessidade do aspecto de parceria no marketing dos clubes tem q ser separados no tratamento diario e se dar privilégios aos q dão , é um negocio e não é pessoal ou sobre criticas ou elogios , se não ajuda o Marketing fica por ultimo na hora de ser atendido ou recebido no clube ou é cobrado um taxa para cobrir o clube no seu dia a dia dentro do clube.

            mas qnd eu falei da Fox vc usou esse argumento para defender a Globo no post do mata-mata.

          • janca

            O papel da imprensa não é fazer marketing para os clubes, você está bem equivocado ao propor parceria entre os meios de comunicação e o marketing dos clubes. Já, já vão pedir parceria com o marketing dos governos… Não é essa a função. O que não quer dizer que não seja pertinente a reclamação da Red Bull, que quer ver seu time chamado pelo nome que tem, não por RB. Se vai conseguir ou não são outros 500, porque a Globo não é obrigada a chamar o time pelo nome completo nem o estádio do Palmeiras de Allianz Parque. Obrigada não é. Já sobre o mata-mata a Globo pode defende-lo, quem somos nós para cercear a liberdade da empresa de preferir modelo A ou B? O que não quer dizer que eu prefira o mata-mata para o Brasileiro, sigo defendendo os pontos corridos. Um direito que também tenho, aliás. Opinião é opinião.

          • Gleibson Filho

            Janca, acompanho e gosto do seus textos, quero discordar apenas do seu posicionamento quanto à resposta dada ao amigo leitor: ninguém exige que jornalistas sejam “parceiros” ou apenas falem bem do clube. No estudo conceitual do jornalismos há um valor que anda esquecido: ser referencial. O que significa isso, ser imparcial, passar a notícia e informação sem qualquer passionalismo. Veja, há décadas a imprensa critica a falta de profissionalismo dos clubes, aí, quando eles tomam uma atitude profissional como o Direito de Nome de um estádio, por exemplo, ao invés de apoiarem e prestigiarem a área de jornalismos se posiciona como área comercial do veículo. Ou seja, não é referencial. Além disso, tem razão o Marcos, Fábio e Mario, quando dizem que a impressa forma opinião, aí jornalistas anti-bandeira. Veja, em que momento chamaram o Allianz Park de “Barra Fundão”? Não fizeram por se tratar de um bairro nobre. Isso é elitismo. Mas creio que, no caso da Globo, não há recurso enquanto clubes continuam na mão dela.

          • janca

            Não é Allianz Park, é Allianz Parque. E não sei se a Barra Funda é bairro nobre… O problema seria continuar chamando o estádio de Parque Antarctica… E durante muitos anos muitos se referiram a ele assim… E se você ler o comentário a que você se refere o leitor estava falando sim em parceria de jornalistas e marketing dos clubes. Agora se você acredita em imparcialidade absoluta, acredita em Papai Noel. Porque na vida estamos o tempo inteiro nos posicionando. O tempo inteiro. Inclusive ao editar uma notícia, escolher o espaço para ela, qual clube terá mais destaque hoje, qual será o viés da matéria… Não há imparcialidade absoluta. Um toque de subjetividade faz parte da vida, quer queiramos quer não. E do jornalismo também.

          • Marçal

            O povo batizou vários estádios brasileiros com o nome do local onde estão erguidos e não seria diferente com o Itaquerão. O mais emblemático estádio brasileiro de nome Mário Filho, é conhecido como 99,99 por cento da população mundial e isso não o torna menos importante.
            A televisão, o rádio, os jornais, as revistas, assim como qualquer midia eletrônica, são empresas que tem necessidade de faturar, para manter-se e proporcionar lucro a seus investidores, não tem obrigação nenhuma de divulgar (sem contrapartida financeira) o nome de quem quer que seja.
            Vivemos em um mundo capitalista e a emissora tem o direito sim de fazer sua parte e fez, qual seja mostrar o evento, mas isso não a obriga a fazer publicidade gratuita, até porque a empresa que comprou o clube para expor sua marca é riquissima e pode pagar por inserçoes publicitárias.
            A marca da empresa é forte, mas mesmo na Fórmula 1, seu nome é citado em lingua inglesa por televisoes e midias como RBR e na América Latina, como Toro Rosso. O sistema Globo, não inventou nada de novo. Cada um luta com suas armas.A empresa com sua “esperteza” e a emissora com seu poder de camuflar uma marca. Assim é o capitalismo!

          • Mario

            Marçal leia meu primeiro comentario sobre a tv , sobre as radios elas transmitem os jogos sem pagar nada e ainda usam muitas vezes a instalações do estadio e do clube de graça é justo?

            sobre midias jornal , jornalista e blogueiros seria um gentileza já q vivem das noticias do clube .

            e como vc diz o mundo é capitalista , logo os clubes tambem tem q ser com quem sobrevive de noticias dele.

            o povo realmente batizou muitos estadios no passado , mas o mundo e povo estão mudando e se o jornalistas q são formadorres de opinião e ajudaram muito no batismo no passdo chamarem os estadios pelo nome de batismo ajuda muito nessa evolução

          • Mario

            concordo não é obrigação dos jornalistas e meios de comunicação ajudar no marketing seria uma gentileza , mas os clubes tambem não tem obrigação de abrir o clube , o ct e colocar o tecnico e jogadores para darem entrevistas para todos , podem muito bem separar os jornalistas e suas empresas dando beneficios aos parceiros e outros vão ter q correr mais para conseguir noticias e etc.

          • janca

            Se for do interesse dos clubes podem fazer isso que você diz, sim. Ninguém é obrigado a abrir treinos, dar entrevistas. Mas não acho que seja do interesse dos clubes, não… A exposição na mídia é interessante para eles e seus parceiros comerciais. Ou muitas vezes é.

          • Mario

            mas tem horas q tem jogar duro para ganhar e evoluir nos objetivos , senão nada vai mudar.
            abrçs

          • janca

            Abs.

        • Gilson

          Concordo com vc Mario, os times tinham que cobrar de todas as mídias para falarem deles tb, isso é um absurdo da Globosta que só atrasa o futebol brasileiro e deixa os times em decadência sem patrocínios. O câncer do futebol é a globo e quem pensa igual ela.

          • isso de cobrar a cobertura é um absurdo, pois uma coisa q mto jornalista diz qdo o cara não quer falar e é um fato: os repórteres são nada mais do q um intermediário entre a torcida e o time, sendo assim é necessário que se tenha

            senão imaginemos o seguinte cenário: o corinthians por exemplo pega e começa a cobrar pela cobertura ao passo q o palmeiras, são paulo, santos não. quem vc acha q vai ser boicotado? ou vc acha q a imprensa em geral vai pagar de bom grado pra ir lá? se sim, é mta inocência

            e aos corintianos principalmente, agradeçam ao andrés por td isso, pois um dos q implodiu o clube dos 13 e fez as negociações serem esse lixo q são hj em dia, foi ele.

            não existe em curto prazo chance de os clubes negociarem em bloco(e assim atenderem aos seus interesses) por conta dele, que quis se promover fazendo isso(uma tentativa frustrada de ganhar poder na cbf), bem feito q o bandido amigo saiu

            isso td só é reflexo de mto amadorismo dos dirigentes q acatam contratos feitos visando apenas o lucro da emissora, não um algo que possa ser vantajoso também a eles clubes

          • Marçal

            Mário;
            Se voce acha que o tal ditado: A voz do povo é a voz de Deus, está errado, reze, faça campanhas publicitárias ou use o método que quiser, mas nada…nada ,,,nada que voce invente, vai mudar o que foi batizado pelas pessoas, mesmo que isso a seu modo de ver represente atraso em relação a essa “modernidade” preconizada por voce!
            A Ponte estaiada, na marginal pinheiros, tem um nome. Qual é?
            A rodovia Ayrton Senna, até hoje é chamada por muitos de rodovia dos trabalhadores.
            Assim é o Brasil…e isso faz parte da cultura popular, essa que depois estudiosos incorporam a hábitos e fazem com que o palavreado e hábitos das ruas se incorporem ao dicionário e aos costumes válidos e reconhecidos de um povo. Um livro não dita costumes. O inverso é verdadeiro

          • Rogério

            Infelizmente a visão do brasileiro é restrita. Como disseram todos, o negócio é o dinheiro, e por este motivo que uma empresa PAGA para ter o seu nome em um estádio de futebol, em um time, seja de vólei, basquete, futebol e etc… Essa empresa paga para ter o seu nome e sua marca expostas nas mídias, sejam elas televisivas, radiofônicas ou impressa. Quando as empresas deixarem de pagar por isso, pois, não tem contra-partida, ai o Vôlei, o basquete, o futebol acabam e a “imprensa” não vai mais transmitir, narrar ou escrever sobre isso, e meu caro jornalista, pode procurar outra coisa para fazer, pois, rico emprego está vinculado a uma atividade que precisa de dinheiro para se manter.

    • Mauricio

      Engraçado que a ESPN já abordou isso sobre a mídia brasileira e que isso tudo so faz o futebol brasileiro cair ainda mais. Na Europa eles respeitam isso, por isso sao cada vez mais ricos e organizados. O futebol brasileiro esta falido e isso e do interesse dos clubes, pois cada vez mais surgem escândalos de desvios e outras manobras. Bom pra quem acompanha os campeonatos Espanhol, Ingles, Italiano e Alemão sabem como a ESPN chamam os estadios.

    • Marçal

      Falha na minha redação ao não citar o nome Maracanã, como é conhecido mundialmente o estádio Mário Filho, no Rio de Janeiro.

    • Xará, se a FPF, CBF ou o que seja fizer um contrato exigindo os veículos que estão comprando direitos de transmissão de falar / mostrar logos etc, simplesmente a Globo vai levantar todos os podres desses dirigentes das federações. Ela vai colocar lá quem faça um contrato do jeito que ela quer, como ela sempre fez em diversos seguimentos da sociedade.

      Então não temos solução?

      De fato não sei, mas o fato é que eu não acompanho mais futebol por canais globais, mesmo sendo difícil tento dar o mínimo de retorno para eles. Quem manda no mercado é o consumidor e por isso mesmo acho utópico uma saída benéfica.

      • A solução é uma só Mário (o problema é que os “grandões” já anteciparam as cotas dos próximos 5 anos e estão na mão da “RGT”). Deixar só Curica e Flalido com a Globo… os outros clubes que fechem comas outras emissoras… Já deve ter uns 5 clubes hoje que não adiantaram cotas a partir de 201… que estes 5 comecem, inclusive o Palmeiras que está reclamando… Ou vocês acham que a Record por exemplo não falaria Allianz Parque ao transmitir o Brasileirão… As pesquisas mostram que no Estado de São paulo a audiência do trio de ferro é praticamente a mesma… então… é só ter peito e parar de chorar em rede social…. AÇÃO é a palavra… Abraço janca, e como sempre parabéns pelo comentário…

        • Assim como acho utópico a população mudar seus hábitos para mudar o mercado, acho muito difícil saírem das mãos da Globo. É muito rabo preso!

  • pedro paulo de almeida

    Ontem mesmo no programa jogo aberto da band, o denilson chamou também o red bull de rb brasil, persebi na hora, ainda falei alguem vai chiar, não acho certo mesmo, porque jornalistas, imprensa cobram apoio das empresas no esporte e quando as que colaboram tem seus nomes abreviados ou simplesmente ignorados, só encher os bolsos de vcs e de jogadores não dá né, vamos dividir essa bagaça cassete. pronto falei.

  • Matheus Kniss

    Isso é ridículo. Grupos como a Red Bull e a Allianz, que investiram em RB Brasil e Palmeiras, precisam ter seus nomes veiculados pra que possam auferir lucro sobre o investimento que fizeram. A máfia jornalística nesse país é violenta, os caras boicotam, e boicotam mesmo, e não estão nem aí pro que vai acontecer. Tem dinheiro de empresário nessa brincadeira, cara. Tem gente ali, botando dinheiro pra ver o negócio acontecer, fortificar, e com certeza lucrar também, porque ninguém faz isso de graça. Eu mesmo fiquei confuso durante a transmissão do SporTV; não entendi o que era “RB” de “RB Brasil” até me atentar ao emblema no uniforme, porque mesmo o distintivo da equipe pelo SporTV havia sido alterado. Ridículo.

    • janca

      Também achei estranho no começo a tal história do RB. Pensei: que time é esse? Segundos depois me dei conta do que estava acontecendo…

      • Junior

        Discordo do ponto que o jornalista ou jornal tenha que pagar para cobrir o clube, isso já está sendo pago com a exposição do clube nas mídias, também discordo e muito da “amada globo” por não querer divulgar o verdadeiro nome do clube só por que não foi paga por isso, acho que se a emissora comprou os direitos sobre os jogos tem que pronunciar o nome correto do time seja ele qual for, se não quiser não pronuncia, e se por acaso o palmeiras vier a quebrar e para não fechar as portas faz uma parceria com uma empresa que exige seu nome complementando o nome do time, neste caso será que a globo vai deixar de pronunciar o nome o nome?

    • Paulo Eduardo

      Me desculpa, apesar de concordar com sua opinião vc diz que o Red BUll investiu no RB Brasil….

      RB Brasil não existe!!!!!! Red Bull criou sem próprio clube…

      Espero que entenda o que eu disse…

  • Kim Nascimento

    Janca, bom dia!

    Respondendo sua pergunta: Não! Não merecem ser menosprezados. A conta é simples:
    Com mais investimento = melhor qualidade no futebol. O que significa mais audiência para as emissoras e mais verdinhas no bolso. Tem jogos no futebol brasileiro que são sofríveis de assistir. As marcas de calmantes vem sofrendo quedas nas vendas, pois basta ver alguns jogos para cair no sono.
    A mídia me parece estranha. Reclama quando os clubes fazem qualquer boicote ou barram a entrada de jornalistas em determinadas áreas, mas são os primeiros a boicotarem patrocínios e “naming rights” que os clubes conseguem para melhorar o espetáculo.

    E acrescento ainda que veículos como a Folha muitas vezes parecem ter “birra” com determinados clubes. Os caras plantam uma crise por dia e uma contratação bombástica por semana. Se o Corinthians contratasse todo mundo que o Neto da bandeirantes diz que “já fechou!”, teríamos uma seleção.

    Apesar de ser Corinthiano, espero que o Eurico Miranda cumpra o que prometeu de bater de frente com a globo.

    Abraços!

    • MARCO MORAES

      Neto……., da Band????? Jornalista???? Não sei, ainda, como deixam esta figura falar em público, ainda mais em TV. Mas, o que fazer?????? Mas quem fala o que quer, escuta, sempre, o que não quer…….. . Eurico bater de frente com a Globo?? Como dizia Vovó: Duvi D O —DÓ!!!!!!!

      • Kim Nascimento

        Eurico já deu provas que, com o clube dele forte ou com apoio, bate de frente.

        Visto a final contra o São Caetano que entrou com o símbolo do SBT estampando a camisa do Vasco. O problema é que os dois clubes de mais torcida do Brasil são “garotas de programa” da globo (pra não dizer outra coisa).

        São Paulo, Palmeiras, Vasco, Inter.. São clubes que podem começar a mudança.

        Abraços!

        • Zico

          ´´Eurico já deu provas que, com o clube dele forte ou com apoio“ kkk
          Do jeito que fala parece até que o EURICO está no primeiro mandato !!! Clube forte sendo que na sua gestão teve o primeiro rebaixamento . Primeiro !!!! Depois veio o segundo !!
          Esse é o saldo da ditadura MIRANDA que vocês querem?? Ok.. continuem assim !!
          Se você não sabe ele proibiu a ESPN de ir lá cobrir.. Daqui a pouco fala que a ESPN é da Globo também !!

    • janca

      O LANCE!, pensando no bem do futebol e dos clubes, foi um que passou a chamar o estádio do Timão de Arena Corinthians. Mas a “Folha” entende que sua função não é ajudar os clubes, mas de retratar o que acontece e não se trata de birra com A ou B mesmo. Tenho certeza disso. Não há perseguição com o Corinthians. O fato de usar o apelido do estádio não é perseguição, embora muitos vejam como tal. Abs.

      • Kim Nascimento

        Nem acho que seja perseguição o fato do estádio ser chamado de Itaquerão, digo no geral.

        As vezes parece que a folha e alguns de seus colunistas (isso inclui blogueiros do Uol) torcem por crises nos clubes.

        Digo isso porque leio noticias de praticamente todos os clubes Brasileiros.
        Parabéns pelo Blog Janca, me tornei leitor assíduo!

        • janca

          Também não acho que seja perseguição ao estádio, a “Folha” não é contra time A ou B. E valeu pelas palavras, Kim. Abs.

      • MARCO

        Mas a “Folha” entende que sua função não é ajudar os clubes, mas de retratar o que acontece

        Cara a midia não está ajudando ninguém, é apenas chamar as os lugares e clubes pelo nome, ou vc gostaria de ser chamado por jinca, jonca, juncu….

      • MarioH

        Eu acho correto o que o Lance decidiu. Infelizmente a Folha está de birra com o Corinthians. O clube faz um grande sacrifício em investimento e quando pede apoio da imprensa esportiva recebe um chute no traseiro. Sabemos que o seu parceiro Milton Neves também faz birra mas isso ele confessa que faz para zoar e trás mais audiência ao seus comentários.

  • essa globo uma porcaria das grandes e se acha dona de tudo chega

  • Guilherme

    Não é só no Volei e no futebol que isto acontece, podemos ver os times da liga futsal, a maioria deles são com nome de empresas, mas o Sportv chama estes times pelo nome da Cidade, ignorando as empresas que investem neste esporte.

    • janca

      Sim, é verdade. Mas não é só o SporTV que faz isso, que fique claro. Mas bem lembrado, Guilherme.

  • Alexandre Campos

    Os meios de comunicação sempre fazem duras (e merecidas) críticas aos dirigentes do esporte brasileiro em geral. Em outros esportes como o vôlei, onde as equipes são formadas e “bancadas” por empresas que batizam estes times como o Unilever que é chamado de Rio de Janeiro, o Nestle chamado de Osasco, etc.

    O que me deixa chateado é que quando a mídia se refere aos estádio da Europa, neste caso eles falam os nomes de todos os estádios corretamente como no caso do Emirates Stadium (Arsenal), Allians Arena (Bayern) e por aí vai.

    Para melhorar o esporte brasileiro, todos tem que fazer sua parte, clubes, federações, atletas, treinadores e a imprensa. Não adianta a imprensa “cair de pau” em cima dos dirigentes se ela mesma não faz a parte dela.

    Já vim muito atleta ter que esconder a marca de seu patrocinado para dar entrevista na TV, isso é uma tremenda sacanagem.

    Entendo que quando um marca se prontifica a apoiar o esporte, é mais do que merecido que esta marca seja divulgada sem restrições. A imprensa esportiva brasileira tem pensamento pequeno ao achar que faz propaganda gratuita quando exibe ou cita um patrocinador, ela ainda não percebeu que se ela não restringe a exibição da marca, irá incentivar outras marcas a investir no esporte, com mais dinheiro, maior será a qualidade do espetáculo, que trará mais audiência para a mídia, que faturará mais com publicidade.

    • janca

      Infelizmente muitas vezes o comercial e o jornalismo acabam se misturando quando não deveria. Ah! O dinheiro… Ele também move a mídia.

  • Claudinei Buccioli

    Enquanto o monopólio existir, ficaremos sujeitos à vontade da emissora que tem os direitos da transmissão!! Acontece que os clubes vendem a mãe para a todo poderosa, depois não tem peito para pleitear nada!!!!

  • sidnei

    parabens pelo post, temos que se unir para acabar com esse boicote quem perde são os clubes brasileiros.

    • janca

      E os clubes e seus patrocinadores têm o direito de protestar. É legítimo. Agora se vão ser atendidos ou não são outros 500…

    • janca

      E obrigado pelo elogio, Sidnei. Elogios são raros…

      • Elogiei você acima… kkkk, inclusive SEMPRE elogio sus posts…kkkk

        • janca

          Valeu (risos).

  • Gonçalo Vieira

    A questão é simples, boa parte da imprensa parece não aceitar fazer a tal “propaganda” grátis para o clube, só que parece esquecer ou ignorar que isso não cabe a ela, afinal esses próprios meios quando cedem sua imagem para outrem exigem que seja exposto a sua marca, então quando um clube com o Red Bull Brasil tem em seu nome uma marca é de direito que a imprensa o trate como tal, sendo assim as emissoras ao abreviarem o nome estão indo contra o direito deles, com relação ao estádio do corinthians isso da torcida chamar de itaquerão vai por parte da imprensa que joga o nome, sendo ela formadora de opinião que é, ai cai na boca do povo, isso acontece com o Atlético Paranaense que tem seu estádio com nome de Kyocera Arena mas a Globo insiste em chamar de arena da baixada, ocasionando perdas econômicas para o clube haja vista que não há a exploração da marca pelo clube, então como alguma empresa vai querer comprar naming rights se sabe que a imprensa não aceita chamar seu nome, será que esses meios de imprensa querem que os clubes nas negociações exijam uma contrapartida para eles? so assim acho que iriam falar o nome certo.

    • janca

      Acontece com o Atlético-PR sim. O estádio sempre foi conhecido pelo seu apelido, Arena da Baixada, digamos assim. Ou alguém fala Kyocera? Não. Mas se vendessem os direitos de nomear estádios como Pacaembu, Morumbi e Maracanã alguém acha que seria fácil mudar o nome? Quase impossível. E ó que o primeiro é o Paulo Machado de Carvalho, o segundo é o Cícero Pompeu de Toledo e o terceiro o Mário Filho. Alguém sabe disso? Mas não há reclamação porque não há dinheiro envolvido. No máximo as famílias dos homenageados podem ficar chateadas. Reparem nisso. Abs.

      • Paulo Eduardo

        Primeiro parabéns pelo Post Janca.

        Mas mee desculpem, vcs estão equivocadíssimos nesses comentários sobre a Arena da Baixada.

        A Kyocera já não tem mais os direitos de nomes há anos!!!!! E faz muito tempo ….

        Foi entre 2005 e 2008 o contrato… foram apenas 3 anos. Depois de 2008 o Atlético buscou outros parceiros até pq os valores na época eram muito pequenos e até hoje os naming rights não foram novamente comercializados.

        Abraços

        • janca

          Sim, mas no período em que teve os direitos quase ninguém chamava a arena de Kyocera, Paulo Eduardo. Foi um nome que não pegou. Abs.

  • alessandro mendes

    Não sou um ANTI GLOBO, sendo que a atitude é vergonhosa. sendo que acho fácil de se resolver. façam como o vasco e coloquem o logo da band / record ou SBT. o time tem um nome e ele deve ser respeitado… mesma coisa ela faz no volei com a Unilever , entre outras equipes. os clubes devem fazer uma representação ou irem até a justiça contra a emissora, ou futuramente não negociar mais com a mesma.

    Todos os jogadores na hora da entrevista devem falar alianca parque e os jogadores devem citar o nome do clube a cada resposta para os jornalista e se manifestarem publicamente !!! falta coragem a dirigentes e jogadores, eles só brigam entre si.

    A unica emissora de TV que respeita é a ESPN, poís ela tem a mesma atitude com os clubes europeus.

    • Seria interessante, mas a Globo se antecipou a isso, colocando cláusulas impedindo os clubes de exibirem emissoras de TV como patrocinadoras de camisa – tanto que o Grêmio Barueri, alguns anos atrás, foi impedido de fechar esse tipo de patrocínio.

  • Essa questão está beirando o exagero. Assistia ontem um programa sobre turismo no GNT e chegaram ao cúmulo de esmaecer a logo do carro que a apresentadora dirigia para que não aparecesse a marca.
    O futebol, assim como em todos os outros esportes, necessita dos patrocinadores para sobreviver. Eles querem, obviamente, que seus nomes e marcas tenham a maior visibilidade possível. Por outro lado, as empresas de comunicação esportiva também necessitam do esporte para viver. É puro amadorismo achar que uma é mais importante que a outra. Nos EUA isso não existe. As empresas de comunicação escancaram os nomes dos patrocinadores nos uniformes porque sabem que, quanto mais dinheiro injetarem nos clubes, melhor para o negócio. De ambos!
    Essa atitude da Rede Globo é uma tremenda babaquice e pode, no longo prazo, matar a galinha dos ovos de ouro. Afinal, quem vai querer investir sem ter a contrapartida da visibilidade?

    • janca

      Essa é a discussão que deve ser travada, o x da questão, digamos assim. Fora a relação entre comercial e imprensa e quanto o primeiro influi na cobertura jornalística.

      • alessandro mendes

        Janca, tem dois pontos importanates.

        1- Os clubes terão que negociar o valor do patrocinio e mais um valor para a globo ?

        2- os clubes dão acesso aos jornalistas e suas empresas de forma gratuita, onde que eu saiba , lhe fornecem algumas comodidades como lanches, agua, banheiro, acesso a internet , local coberto para abrigar da chuva e sol. oq eles ganham com isso ?

        Os clubes não devem comprar elogios , porém , eles podem cobrar uma ajuda de custos.

        ex: toda a semana saia uma matéria a qual o flamengo era esculhambado devido a estrutura do seu CT, sendo que o Flamengo tentava ao máximo , dentro das suas condições dar um bom atendimento a imprensa. pq o Flamengo tem q tratar bem usn caras que jogavam a imagem do clube no lixo ? pq o clube tinha de dar benefícios a eles , poís na verdade o jornal, revista, tv que sobrevivem dos clubes em sí.

    • Essa é uma coisa que os próprios clubes deveriam ter resolvido: a criação de uma Liga de clubes. Daí, as regras seriam ditadas pelos interesses dos próprios clubes. Mas a maioria dos clubes devem à CBF, que não está nem aí pra eles.

  • Charles

    globosta,câncer do Brasil!

  • Marcelo

    Simples é só mudar para Touros Vermelhos,significa a mesma coisa e acaba com os argumentos da emissora

    • Ok, então vá comprar o energético “Touros Vermelhos”.

  • emerson

    No caso da Red Bull a globo nao falar o nome tudo bem, porem a manipulação de escudo caberia um bom de um processo.

    Eu acho que o Palmeiras e Corinthians quando fossem negociar os direitos da TV, deveriam colocar a clausula no contrato que a rede globo e obrigada a falar o nome das Arenas, caso contrario nao assinassem o contrato, e tão simples de ser resolvido.

    • janca

      Não deu para entender a coisa do escudo… Manipular escudo é impressionante…

      • Marçal

        Sua inteligência financeira deve ter te feito milionário!
        Se a emissora, for obrigada a falar o nome do estádio e se não o fizer perderá o contrato, quem sairá perdendo? O Corinthians, não perde nada, né? Só 170 milhoes de reais em 2016.Não é nada mesmo, para um clube que dizia um dirigente 171, que faturaria 2 bilhoes por ano em 3 anos (ele falou isso em 2010). Os dois clubes, assim como 99% dos clubes brasileiros estão na miséria e aposto tua vida de que nenhum clube é tão inteligente como voce, nesse aspecto de dinheiro!

  • Ayres Santos

    Janca, gosto muito de seus textos e tal, mas essa discussao mostra claramente o “tupiniquismo” dos orgaos de imprensa brasileiros. Moro nos EUA e nunca vi a ESPN, ou ate a Sky e BBC (Britanicas) deixar de mencionar o nome dos estadios da Premier League, NBA, NFL, MLB, etc, etc, etc. É claro que os naming rights sao parte do “deal” que permite a esses clubes terem estrelas e valorizarem o espetaculo, o que por consequencia gerara mais audiencia para as emissoras. A tacanhice e estupidez da imprensa brasileira é impressionante. A impressao que tenho é que estao contentes com o status quo, clubes falidos com elencos ridiculos e elencos de aluguel – so um exemplo Cruzeiro foi campeao brasileiro, meio time ja foi embora. Na ultima libertadores, nem um clube brasileiro na semifinal, times brasileiros perdendo revelacoes constantemente. Alemanha 7×1 Brasil. So pra usar um exemplo passado, citado acima, os imbecis que recusavam citar o nome das empresas no volei, quase liquidaram um produto de muito sucesso, o volei Brasileiro. Centenas de empresas deixaram de investir por causa disso. Se o patrocinador nao expoe a marca, nao investe. É isso que a Globo quer? Vai ser estupido assim la na Lopes Quintas…. Licao numero um de marketing – QUANTO MAIS VALORIZADO E “SAUDAVEL” FOR O SEU PRODUTO, MELHOR PARA QUEM O DIVULGA! Enfim, continuem com a cabeca enfiada no buraco.

    • janca

      De fato muitas empresas deixam de investir por conta disso e o vôlei é um caso típico, Ayres. Bem lembrado.

    • A Globo investe nos esportes apenas para que outras emissoras não o façam. Se os jogos ocorrerem no horário da novela, ela deixa de exibir o jogo e exibirá a novela.

  • Marçal

    Assim como a empresa “espertamente” comprou um clube (se interessada mais no esporte que no negócio, teria começado de baixo, como todo clube e disputado todas a divisoes, até chegar lá), para expor sua marca os exibidores, que pagam muito bem pelo direito de exibição, tem o direito de não veicular publicidade gratuitamente.
    A empresa está pensando nos lucros de seu negócio e a emissora tambem! Simples assim e acredito que as emissoras só terão o interesse em divulgar as marcas se houver uma contrapartida financeira por parte dos clubes, seja para divulgar o nome dos estádios patrocinados ou mesmo nesse caso, que particularmente acho que foi colocado de uma maneira “forçada”, pela empresa.
    Lembro-me que a alguns anos a própria FIFA, proibiu que torcedores fossem a estádios com faixas “patrocinadas” e isso foi respeitado de lá para cá.
    A emissora investe quantias imensas para colocar uma programação no ar e não tem que fazer “caridade”, principalmente porque estamos falando de uma empresa riquissima e de penetração mundial. Negócio é negócio.Assim é o capitalismo e cada um luta com suas armas.
    Na fómula 1, a empresa é chamada de Toro Rosso, e isso não é só no Brasil e sim em todos os paises de lingua espanhola tambem. Nos paises de lingua inglesa é citada como RBR.

    • Arthur Furtado

      Olá Marçal. Não quero defender a empresa, mas a Red Bull não comprou um time que estava na primeira divisão paulista e mudou o nome. A empresa montou um time, construiu um CT em Campinas mas agora se transferiu para Jarinu, e chegou a primeira divisão disputando e ganhando os acessos JOGANDO bola. E no caso da F1, Toro Rosso é Toro Rosso (STR), e Red Bull é Red Bull (RBR)! Apesar de pertencerem a empresa Red Bull. No esporte em geral, a Red Bull investe pesado em várias modalidades, que podem ser montando equipes e formando atletas ou patrocinando apenas. No futebol a empresa FORMOU 5 times: Alemanha o Red Bull Leipzig; Áustria o Red Bull Salzburg; Estados Unidos o Red Bull New York; Ghana o Red Bull Ghana; e Brasil o Red Bull Brasil. Inclusive o Thierry Henry jogou em New York. Portanto vejo como missão deles no investimento do esporte a formação de atletas.

      • Marçal

        A missão deles é ganhar dinheiro e penetrar em um mercado, que é o de esportes porque a principio o produto estava fortemente ligado a “baladas”, sendo misturado com bebidas alcoólicas e era indicado pelos seus consumidores, quase como uma “droga” licita, pois tinha, ou tem, o poder de manter alguem “ligado”. A empresa de trouxa, não tem nada, e só quer publicidade de graça, mas isso a emissora tem o direito de negar-se a fazer.
        Que fique bem claro, que não chamei o produto de droga e sim relatei o que ouvi e ouço nas ruas a respeito dos chamados energéticos .Por poucas vezes, consumi o produto e não tenho nada contra ele.

        • Arthur Furtado

          Concordo que todo objetivo de uma empresa é ganhar dinheiro. Mas quanto a missão deles no esporte, confio que o propósito é bom e saudável para muitas pessoas. Quanto ao energético não é uma droga, pois cafeína em excesso não é droga. Mas se misturar com bebida alcoólica vira droga pelo fato do álcool ser uma droga.

          • Marçal

            Não chamei de droga…fui bem claro….e sua santidade sabe que os energéticos tem uma imagem fortemente ligada a mistura com bebidas alcoólicas. Não sejamos ingenuos!

  • Francisco

    O mais engraçado é que acabei de ler um post no G.E. e eles diziam o contrario , kkkk de que a diretoria do Red Bull Não ligou muito pra isso , e que já estão acostumados com esse tipo de boicote. kkkk

    • janca

      A direção já reclamou até publicamente, dizendo que é um desrespeito aos próprios jogadores e profissionais que trabalham para o clube. Ter o nome “alterado” e não citado nos jogos.

  • Emerson Castro

    O dia que os clubes (liga de clubes) conseguirem sair da coleira que os prende a Globo, vão conseguir vender os direitos de transmissão por um valor digno e impor que quem transmitir, que anuncie o nome do estadio como o clube quer e pra que esse tipo de coisa que esta acontecendo com a Red Bull não aconteça mais.

  • Pulga

    O primeiro caminho é tirar a autonomia da Globo dentro do futebol, os clubes precisam ter responsabilidade financeira e não depender exclusivamente das cotas televisivas da mesma. É um trabalho árduo, pois sabemos que a Globo é ditadora, e não mudará enquanto o “poder” for dela.
    Se o aporte financeiro aos clubes é gigante, isso tem de ser diminuído, porém as gestões desastrosas de vários clubes atrapalham. Fair Play financeiro no futebol brasileiro já.

  • DRA+

    Acho que no caso do Red Bull fica mais difícil arrumar alguma coisa diferente, já que é um clube formado recentemente e (ainda) não tem peso no cenário nacional. Com relação ao Palmeira, é sentar e impor isso. Caso contrário, mete um pé na bunda da Globo e passa a transmitir on-line, o que vai gerar receitas com publicidade, podendo até mesmo se equiparar ao valor pago pela Globo atualmente. Um pé na bunda da Globo possibilitaria também a venda de jogos isolados para outras emissoras, rendendo alguns milhões. Tenho pouco conhecimento no show business e por isso posso estar falando besteira. Mas depois dessa avalanche verde que se criou com o Avanti, o céu é o limite para o Verdão. Creio que, além de pagar as dívidas, os clubes deveriam ter como meta depender cada vez menos da Globo, ou, quem sabe, fazê-la refém dos clubes, e não o contrário. Afinal, os artistas são os jogadores, e não os repórteres, cameramen, Leifert e os diabos …

    • rodrigo

      na verdade não é pertinente o que diz DRA +, porque não se esqueça, ninguém joga sozinho… o seu parmeirinha jogando contra meu coringão, se um dos dois não tivessem ligados a emissora (que me recuso dizer o nome – para não fazer a “tal” propaganda) não haveria a transmissão desse jogo.

      Que a emissora detentora dos direitos é um cancêr, isto é fato. E muito disto tem a ver com corinthians e flamengo, que são os maiores produtos. Por outro lado, destes clubes, receber prá lá de cem milhões/ano é muita vantagem. Grana garantida.

      O racha dos clube dos treze não foi benéfico nesta parte para o futebol.

      Entendo que o ideal seria os clubes se organizarem e aí sim, acabarem com o monopólio existente. Acabar com os jogos as 22 horas. Tirar este poder todo dos braços da emissora citada. Negociar com mais de uma emissora (ESPN, FOX, as da própria detentora, mídias impressas e virtuais), ganhando menos de uma única, mas tentando angariar o maior volume possível de recursos de vários lados. Colocar cláusulas contratuais da obrigatoriedade de promoção das marcas e por aí vai.

      Essa realidade está longe de acontecer. Encararemos a tal emissora mais um bom tempo e talvez daqui outros tempos tenhamos que acordar de madrugada para ver jogos, que serão usados para tapar o programa daquele apresentador das madrugadas de sábado que não dá mais audiência.

      Sobre a questão marketingXcomercialXimprensa, a questão já fora bastante discutida e é claro que clubes fortes geram notícia.

      Imaginem acordando no domingo de manhã, ligando o computador e a capa do lance informa:

      “Fechado: Com o apoio da empresa XXXXX, Rooney( ou qualquer outro, seja em fim de carreira) jogará 3 temporadas no Coringão”

      O site sairia do ar e as edições impressas nem chegariam as bancas !!!

      • Marçal

        Todo esse povo que defende essas marcas para terem supremacia no futebol, deveriam pensar e tentar cantar;
        Para o Palmeiras:
        Quando surge a Crefisa imponente
        No gramado a luta a aguarda….
        Para o Flamengo:
        Uma vez Guaravita
        Sempre Guaravita
        Para o Corinthians;
        Salve a Caixa
        a campeão das campeãs….eternamente dentro dos nossos …..e por ai vai!
        É a morte do esporte!

        • Respondeu bobagem, Marçal. Ninguém está propondo alterar o nome dos clubes tradicionais. A Allianz põe dinheiro no Palmeiras ao dar nome ao estádio. É uma renda a mais para o Palmeiras, mas que pode não existir no futuro porque não ocorre o retorno desejado. Além disso, ninguém gosta de ter o nome alterado: imagine se, ao invés de te chamarem de Marçal, te chamem por alguma abreviação?

    • Marçal

      No dia em que os clubes tiverem juizo financeiro e não sejam dirigidos por pessoas que só pensam em seu projeto pessoal e politico.No dia em que os clubes não devam nada a ninguem. No dia em que os clubes tenham dinheiro de sobra para investir ao invés de pedir adiantamento a CBF, federaçoes e a emissora…esse dia o Hulk Magrelo será o Super-Homem e o Marcola, terá virado santo.

  • Atualmente, o Galvão Bueno e o Reginaldo Leme chamam a RBR de Red Bull, o resto da equipe continua a falar RBR. Por que $$erá??

    • Willian

      Bem lembrado, Luis.

      Não precisa nem responder.

      • Marçal

        Voce está escutando coisas….todos da Globo na F1, chamam de Toro Rosso!

        • Arthur Furtado

          Toro Rosso é Toro Rosso (STR) e Red Bull é Red Bull (RBR)!

          • Marçal

            É a mesma marca! Esperteza dobrada!

          • Arthur Furtado

            É a mesma marca sim! Você aprendeu porque te ensinei em outro comentário. 😉

    • Fala aí chará… kkk concordo com você (com esse nome só pode estar certo)… kkk

  • Victor Curvo

    O mais engraçado de tudo é ver as mesmas emissoras que se recusam a se referir ao Red Bull, como o time que é, se referirem ao estádio do Manchester City como Ettihad Stadium e ao do Arsenal como o Emirates Stadium. Da mesma forma, se referem ao evento do UFC que é disputado na Arena HSBC. Além de serem contraditórios, estão na contramão do business esportivo, pensando tão somente no seu umbigo, que, cá pra nós, já tá bem farto!

  • VICTOR

    Eu concordo com a postura das emissoras em não divulgar os nomes das empresas. Nada é de graça, se o grupo ter seu nome divulgado constantemente na televisão que pague por isso. E pague muito caro. Não é justo uma marca se aproveitar de um campeonato e querer aparecer de graça. Façam um acordo com a globo e paguem por isso.

    É muita ingenuidade pensar tão pequeno assim, coitadinha da Red Bull, esses caras faturam bilhões.

    • janca

      Direito de chamar por um apelido, mesmo que criado pela emissora, ela tem, isso ninguém está contestando. Mas que a discussão é pertinente, é. Mídia e comercial. Ou marketing.

    • Cleibsom Carlos

      Cara, você está equivocado. Se um time se chama Red Bull é como Red Bull que ele tem de ser chamado e não RB. Que palhaçada é essa!!??

      • Marçal

        O dono do Red Bull, não pensou no esporte…só pensou em divulgar a marca.
        Para ser respeitado e considerado, deveria começar lá embaixo como futebol amador e ir galgando as divisoes, como todos clubes fazem. Isso é honesto…o resto é querer comprar o primeiro lugar numa fila de INSS.
        A Globo tem todo o direito de não fazer propaganda de graça, principalmente em se tratando de uma marca mundialmente famosa e que fatura bilhoes. Já se foi o tempo de fazer caridade para rico. Se isso existiu algum dia, já deixou de existir. Se existe algum trouxa no mundo, esse trouxa não leva o sobrenome da familia dona da emissora.

        • Arthur Furtado

          Marçal, o Red Bull fez isso. Veja:
          2008 – Primeiro ano. Disputa série A4;
          2009 – Acesso para a série A3;
          2010 – Campeão paulista série A3;
          2014 – Vice campeão paulista série A2;
          2015 – Disputar série A1.

          • Marçal

            Foi campeão da série A2, com qual nome? Em que cidade?

          • Arthur Furtado

            Da série A2 foi VICE campeão em 2014 Marçal, assim como escrevi.

            A camisa Azul do Red Bull é legal! rsrs compra uma também!

          • Marçal

            Nem de graça, quero, pois não ganharei nada para isso e só comprei até hoje, duas ediçoes de camisas do clube que admiro, quando estavam sem publicidade. Não sou homem sanduiche para estampar uma coisa que vai dar dinheiro para alguem, sem eu ganhar nada!
            A empresa é riquissima e deve pagar por publicidade assim como as outras. Esperteza demais tambem provoca tombos!

          • Marçal

            Voce enrolou a resposta a minha pergunta das 13:53!
            Que tal o seu clube, ser comprado, mudar de nome e de cidade? Voce vai achar maravilhoso, né?
            Onde estará a história de um clube que tanto admiramos?
            Onde estará a graça de defender com unhas e dentes o nome de algo que aprendemos a gostar desde crianças?
            Ja propus acima….lá encima…….troque o nome de seu clube do coração pelo nome do patrocinador e cante a letra do hino. Ficou lindo, né?
            Tudo se pode comprar! Esse é o lema de quem defende essa empresa, mas desde que não ponham preço no clube que admiram e nem na mae, de quem defende esse absurdo.
            O futebol é um semi-morto no Brasil. Estão jogando uma das pás de terra no defunto. Antes do enterro.

        • Cleibsom Carlos

          Se a Globo está transmitindo um jogo do time que se chama Red Bull é assim que ele tem de ser chamado e me impressiona as pessoas questionarem algo tão óbvio. O Lance não pode virar LA, independente do contexto!!! Isso para mim é o depto Comercial se sobrepondo ao depto de Jornalismo. Me lembrei agora de quando uma escola de samba do Rio homenageou o Silvio Santos e a Globo boicotou a referida escola durante toda a transmissão…Só falta alguém defender a Vênus Platinada nesse caso!!!! Tem razão de o mundo estar como está pois a ética das pessoas está elástica demais e o dinheiro paira acima de tudo!

          • Arthur Furtado

            Marçal, a Red Bull não comprou um clube e mudou de nome. Eles formaram um, criaram. Só isso. Também não apoio a compra de clube, mudança de nome, etc… Mas eles fizeram diferente, criaram um assim como qualquer outro pode criar sem ser empresa. Abraços.

  • DONIZETE

    Boa tarde Janca.
    Acho que esse fato (não citar o nome do clube), acabou sendo muito bom pra Red Bull, pois desde domingo a imprensa, escrita, principalmente, tem falado (ou escrito), muito a respeito. O que se tem discutido isso na mídia e nas redes sociais, é brincadeira. Portanto, nunca se falou tanto o nome Red Bull como ultimamente. Eles estão adorando isso e, com certeza, vão alimentar mais ainda esse assunto.
    Abraço e parabéns pelo post

    • janca

      Sabe que acho que você tem toda a razão? Nem tinha pensado nisso. Mas o fato de a Globo e o SporTV terem chamado o time de RB tem sido tão comentado que virou notícia positiva para a empresa, que não sai da mídia esportiva por conta disso. Ela acabou lucrando de uma forma inesperada, digamos assim. Abs.

  • DONIZETE

    A Rede Globo (ou seria RG?), que se cuide, pois tenho notado nos comentários de um modo geral, verdadeira aversão a essa rede de televisão, que mamou muito nas tetas da ditadura, cresceu graças aos privilégios que os generais lhe davam, mas agora que vivemos em um regime aberto, onde podemos expressar nossas opiniões, a coisa pode ficar ruim pra eles, uma vez que isso (opiniões), se espalha feito rastrilho de pólvora. O problema é que a TV aberta está um verdadeiro lixo, por isso essa rede faz o que quer com o telespectador. Infelizmente, a curto prazo, não vejo nenhuma outra emissora que possa peitar a “toda poderosa”, uma vez que são bem piores que ela

  • Janca…parabens por dar sua cara a tapa e levar a serio seus leitores e por responder tds as criticas…boas e ruins….estamos cansados de jornalistas q escrevem o q qrem e naum respondem o q naum querem….sua opnião tem q ser respeitada e de seus leitores tbm….o publico esta cansado de falar e ninguem responder…
    parabens mais uma vez….
    e qnto ao fato da globo naum falar alianz parque e red bull….isso so mostra mais uma vez o pensamento monopolista dessa emissora….q é gigante o suficiente para entender q os parceiros de seus parceiros tem q ser fortes…assim td mundo ganha.
    abç

    • janca

      Muito obrigado pelas palavras, Leonardo. Não é sempre que costumo responder, até por falta de tempo, mas dentro do possível procuro dar um retorno a quem escreve. A não ser em casos como o de ontem, um post com comentários ofensivos e xingamentos entre os próprios internautas, aí não dá. Abs. e boa terça pra você, Leonardo

  • Igor

    A melhor forma do palmeiras protestar, é o presidente proibindo seus jogadores de darem entrevistas as emissoras que não divulgarem o verdadeiro nome da arena. Duvido que eles irão aguentar 38 rodadas de campeonato sem uma única entrevista à beira do campo.

    • Difícil. Até porque boa parte dos salários dos jogadores ser baseado em direitos de imagem.

  • bruno

    A grande verdade é que nenhum de nós torcedores esta preocupado com esses nomes, esses times todos devem até as cuecas e ninguém é punido.

    Fiquem devendo para ver… perde a casa, carro inclusive a vida.

  • Mauricio

    O Brasil é uma vergonha, a imprensa só pensa em auto-promoção, busca o tempo todo o sensacionalismo e é sim tendenciosa, com raríssimas exceções. Os clubes por sua vez são totalmente amadores, comandado em sua maioria por incapacitados e pessoas que buscam o benefício próprio. Os torcedores também tem uma cultura em que mesmo com arenas novas e com todo conforto, continuam a ficar em pé onde existem assentos, quebram cadeiras e reclamam quando o clube cobra o preço justo. As federações, CBF e Comenbol é uma vergonha não produzem espetáculos, não buscam inovações e as premiações são vergonhosas. O resultado de tudo isto é, com a informação instantânea e a globalização, o futebol no Brasil está deixando de ser atrativo, e o futebol europeu ganha cada dia mais espaço, inclusive investimentos até de empresas aqui da terrinha

  • João

    Sempre a Globom…. Essa coisa é o câncer da TV aberta brasileira. Quanto a Sport TV, é migalha da mesma m……

  • Marquinho Tavares

    Será que os clubes prejudicados não deveriam entrar na justiça exigindo que sejam ditos os seus nomes e de seus estádios corretos? Isso não seria fraudar algo, principalmente no caso do escudo do Red Bull? Não seria o caso de entrarem com mandado de segurança? Como pode um clube ou um estádio terem seu nomes alterados e nada ser feito? Se fosse o próprio clube a mudar o seu nome, poderia até ser acusado de falsidade ideológica entre outros, mas e quando isso é feito pro terceiros, PROPOSITALMENTE? Infelizmente é por essa e por outras que o Brasil não vai pra frente. Não é a toa que essa TV agora Fla e Timão, que são todos do tipo “roubado ou nome trocado é mais gostoso”. Cambada de hipócritas.

  • E o que falar do verme do Neto que continua chamando o Leandro de Leandro banana? Mesmo depois do Leandro pedir para não ser chamado de banana? este neto merecia uma surra bem dada ele e o Ronaldo “não é minha mãe”

    • Nesse caso, não basta pedir para que pare: mete-se um processo nas costas do Neto.

  • Oswaldo

    Esse é o famoso tiro que sai pela culatra. Não quiseram falar o nome do Red Bull? Olha quantas matérias, e gente falando sobre o Red Bull (que ainda sai de herói da história , e a GLB saí de vilã, por não citar a marca), sem contar que TODO mundo sabe que o RB é o Red Bull, que a “Arena Palmeiras” é Allianz Parque, ou seja, não fala, como se todo mundo já não soubesse e falasse no dia a dia os nomes corretos. E quanto mais evitam falar, mais as pessoas comentam, e mais a imagem de vilã da GLB cresce. É contra-producente.

    Mas tem um motivo. Ela pensa que se divulgar a marca, os clubes conseguem mais e melhores patrocínios, que geram mais verba para o clube, que assim, podem acabar parando de adiantar cotas de tv, sem adiantar cotas, podem se ver livre das amarras da GLB e vender os direitos de transmissão de seus jogos para a BND, RDTV!, REC, etc… Enfim, é uma máfia, usando um termo popular.

    • Marçal

      Oswaldo;
      Me diga um setor da economia que não seja dominado por máfias e eu te darei um troféu!
      Quando se poe a palavra dinheiro no jogo, alguns estarão sempre para ganhar e a maioria para perder! Essa é a verdade do mundo.
      Por esses dias foi divulgado, que os 10% mais ricos do mundo, faturam mais que todos os outros 90% da população.
      Voce sabia que as grandes companhias petroliferas de refino, são controladas por judeus? Uma meia duzia delas controla o mundo!
      A dona da marca Red Bull, é uma empresa multibiliardária e se quer publicidade, use dos meios que todos os outros usam. Isso é o certo.
      Não sou fã da Globo, mas em se falando de direitos, ela os tem adquiridos e muito bem pagos e pode sim boicotar publicidade camuflada, pois é isso que a marca dona do time quer. A Globo é dona da imagem e mostra o que quer. Direito é direito! Ou voce é contra um estado legalista?

      • Cleibsom Carlos

        Marçal, é por causa de raciocínio como o seu que eu não tenho mais esperança de nada!!!!Você está defendendo algo errado apenas por que “as coisas são assim e todo mundo faz o mesmo”…Pensamentos conformistas apenas eternizam o status quo. Não é porque a Globo é dona da transmissão do evento que ela pode alterar os nomes dos envolvidos neste mesmo evento. Veja bem, ela é dona da transmissão e não do evento em si. Se ela não quer divulgar referida marca simplesmente não compre eventos em que essa marca está envolvida. No caso da Globo o problema é outro e se chama MONOPÓLIO e espero estar vivo no dia em que essa empresa desabar. Cara, aí poderei morrer feliz!!!!!!

        • Marçal

          Brigue e lute…no bom sentido…para mudar tudo. Muita coisa errada no Brasil.Até demais, mas essa coisa do “sou mais esperto” e vou dar um jeitinho, é que nos levou a esse pais horrivel sob muitos angulos, que vivemos atualmente.
          Como disse o ex-presidente do STF, querer inventar “chicanas”, para se dar bem, é ato rasteiro, covarde e de quem não demonstra o minimo de cidadania e respeito pelo pais e por seus conterraneos.
          Se acreditam que a lei está errada…MUDE A LEI….mas se ela está ai, tem de ser respeitada! Assim funciona em paises civilizados e democráticos.O resto é barbarie e ditadura.

  • Como patrocinador vejo que esta cada vez menos ventajoso investir no futebol, alem de apoio ao esporte qualquer empresa quer retorno de mídia e a maior mídia que o futebol pode nos dar chama REDE GLOBO, cada vez que ela boicota os patrocinadores de clube ela esta boicotando o nosso próprio futebol, nossos clubes precisam muito de patrocínio e todos estão vendo que esta cada vez mais difícil consegui-lo, com essas atitudes da mídia pode ter certeza que irá piorar ainda mais.

  • Luiz Carlos

    Janca,
    concordo que a RGT (como chamaremos doravante a emissora que gosta de siglas), deveria respeitar os naming rights, que não afetam em nada a parte comercial da mesma.
    por outro lado, porém, gostaria de saber sua “fonte de reclamação”, já que as declarações do pessoal da red bull não foram estas, assim como também não imaginando a Allianz fazendo uma qqueixa menor, já que a RGT tem seus direitos, mesmo pensando de forma obtusa.
    Cite as fontes, ou diga quando protocolaram esta reclamação, acho que deveria ter sido feito, mas creio que é improcedente.

    • janca

      Ninguém protocola uma reclamação dessas. A Red Bull, ontem mesmo, assim como a Allianz, por meio do Palmeiras, aliás, já havia feito, reclamou com a Globo. Já no ano passado a diretoria do clube contatara a Globo e em entrevistas o próprio diretor de futebol na época pedia para o clube ser tratado pelo nome de batismo. O mesmo pedido foi feito agora mais uma vez. Mas a Globo não tem obrigação de acatar. E no final das contas, como já apontaram alguns, a confusão tem rendido mais dividendos para a Red Bull do que ela própria esperava. E a empresa pode acabar lucrando com a situação. Vai ganhar com o tal de RB Brasil… Sobre você chamar de RGT é no mínimo ridículo. Ninguém vai entender o que quer dizer. Mas tem o direito de chama-la como quiser, assim como a Globo e o SporTV podem chamar o time de RB Brasil, como fizeram domingo, ontem e hoje.

      • Marçal

        Voce foi direto e legalista nessa observação e que bom seria se todo brasileiro pudesse entender e respeitar aquilo que no mundo civilizado é chamado de direito.
        A emissora pagou o direito de transmissão de imagens, que serão, ou já foram repassados aos clubes e ela tem o direito de exibir aquilo que lhe é conveniente.
        Há opinioes aqui defendendo boicote a emissora, esquecendo que a emissora não é dependente dos clubes e sim o contrário.
        A maioria das transmissoes do ultimo BR, teve baixos indices, em comparaçoes a novelas, filmes e outras atraçoes, e nem por isso a emissora deixou de cumprir os contratos.
        Os clubes dependem de um produto, qual seja o futebol e a emissora tem dezenas de produtos para exibir. Quem perde o que em um boicote?
        Os clubes dependem de tv, para exibir a marca patrocinadora. A tv, não depende de clubes, para ter inserçoes na sua vasta e variada programação.
        Mais inteligência, menos defesa de quem não precisa ser defendido, isso é que estamos precisando.

        • janca

          Falar em boicote é uma brincadeira. Se bem que discordo de uma coisa. A TV também depende dos clubes. Mesmo com a audiência do futebol não sendo das maiores, ainda é um produto forte pra deixar com a concorrência.

          • Marçal

            Voce com certeza tem acesso melhor do que eu aos indices dos institutos de pesquisa, mas vários jogos ano passado, sendo divulgado pela imprensa, perderam, ou empataram para programaçoes de outras emissoras. Hoje há, para milhoes de pessoas, a TV a cabo, que tambem retira boa parte dos espectadores da tv aberta.
            Uma emissora tem novelas, filmes, seriados, documentários, jornalisticos e esportes em geral, não sendo dependente de futebol. Das sete emissoras da tv aberta em SP, 5 não transmitem jogos importantes e estão bem vivas.
            Um clube de futebol, tem um produto para vender e sómente um produto e nesses casos (lei de mercado) é muito mais importante a oferta ( o que lhe oferecem), do que a procura ( o que ele deseja que lhe paguem). Os clubes seriam os grandes perdedores uma queda de braço. Não duvide disso

          • janca

            Não foram vários os jogos que perderam para outras emissoras. Foram raros os que perderam, aliás, embora a audiência pudesse ser melhor. Você cita sete emissoras de TV dizendo que cinco não transmitem futebol e estão bem vivas. Mas a principal transmite e segue dominando o mercado. E não transmite nem compra os direitos por acaso.

          • Marçal

            Acabo de ler em um blog de jornalista conceituado, que na Alemanha a empresa é proibida pela federação de ter seu nome no escudo do clube de Leipzig e usa RB Leipzig. Porque no Brasil, acham que tudo pode?

          • Marçal, “acha-se” que pode porque realmente pode: ao contrário das ligas alemãs, não há restrição ao se criar um nome para um clube aqui no Brasil, tanto que já tivemos Etti Jundiaí (atual Paulista de Jundiaí) e Pão de Açúcar FC (atual Grêmio Osasco Audax). Logo, se não há restrição na criação do nome, deve-se respeitar o nome oficial da entidade.

  • O nome Itaquerão é mais apropriado e já está na boca do povo . Nenhuma empresa ou AÇÃO de Marketing muda isso . É jogar dinheiro fora . Basta ver a Fonte Nova . Seria o mesmo que tentar mudar o nome do Maracanã , Mineirào , Morumbi , Beira Rio e outros . Os corintianos queiram ou não , o nome Itaquerão é para sempre .

    • Marçal

      O dificil é convencer os fanáticos de que isso é irreversivel!
      O dificil é convencer que nenhuma emissora de televisão vai falar nomes de “arenas”, junto com seu patrocinador.
      Quem patrocina um estádio deve saber de antemão de que o nome na fachada, é para fotos e material publicitário de suas campanhas, e não para fazer propaganda de graça. Televisão não é casa de caridade!

  • Alexandre

    Errou, a Folha/UOL apelidaram a ARENA CORINTHIANS de ITAQUERÃO por pura sacanagem,torcedor do Corinthians sempre falava que estava ou iria para ARENA CORINTHIANS.
    Eles não gostam do Corinthians e muito menos dos Andrés Sanches.

    • janca

      Não é verdade. O que a “Folha” teria contra o Corinthians? Não tem nada… Aliás o time, como o mais popular de São Paulo, é sempre destaque no jornal. Ou um dos destaques do caderno de esporte. Nem poderia ser diferente.

      • Marçal

        Corintiano acha que todo mundo inveja, tem raiva, ou está contra o clube.É caso para estudos de psicologia.

        • Junior

          A verdade é que todos seja la qual for o time sempre falam mal do Corinthians, isso não e exclusividade de são-paulino ou palmeirense são todos, o motivo só os próprios sabem dizer, mas ninguém revela o por que.
          mas isso e simples de ser explicado, o nome disso e rivalidade ou vc ja viu algum torcedor de time rival gostar por exemplo do Rogério ceni, mas ainda sim existem exceções como por exemplo o goleiro marcos do palmeiras que todos gostam.

          • Marçal

            Junior;
            Acredito que o Rogério Ceni cause certas polemicas, porque é um ser pensante num meio em que 99% dos atletas sequer tem o primeiro grau. Ele tem opinioes e as emite e isso incomoda muita gente.
            Tanto Marcos como Rogério Ceni, são os ultimos e verdadeiros jogadores destacados no futebol brasileiro a jogarem por um clube, alem do salário, por amor a camisa e isso causa inveja, pois o resto…é o resto mesmo, pensa só no dindim e nada mais.
            Não vejo o porque que corintiano é recalcado no sentido de achar que todo mundo fala mal, ou quer o mal do clube, pois é o que tem o maior espaço nas midias e o que tem declaradamente o maior numero de jornalistas a mais falar bem do que mal do clube.
            O Corintians, já foi um dia, o “coitadinho” do futebol, pois ficou a muitos anos atras, sem ganhar nada e tambem não tinha estádio, mas tudo isso passou e esse complexo de inferioridade hoje em dia, mais parece marketing para chamar mais atenção do que outra coisa.

  • Essa questão é muito importante. Porém, fica claro como os brasileiros não gostam de valorizar o que é nosso. Me recordo claramente do Galvão Bueno chamando o estádio do Arsenal de Emirates Stadium durante amistosos da seleção brasileira.

    Reportagens da ESPN, SporTV e até mesmo Globo adoram chamar o estádio do Bayern de Munique de Allianz Arena. Mas o Palmeiras não merece ter o estádio chamado de Allianz Parque?

    Está na hora de valorizar as (poucas) empresas que investem no futebol brasileiro. Globo, SporTV, ESPN, Folha, Lance e todos os outros meios de comunicação precisam se tocar disso. Daqui a pouco, não terão mais o que vender.

    É o famoso complexo de vira-lata do brasileiro. Na Europa os naming rights são lindos, aqui no Brasil é “propaganda gratuita”. Lá, é legal ter dono com passado obscuro, aqui não pode ter MSI, Unimed que já acham ruim. Ser patrocinado por um país marcado pela ditadura (Arzebaijão e Atlético de Madrid) é legal, mas pela Caixa não pode.

    • Só discordo da MSI: eram claras as intenções do grupo por aqui – leia-se lavagem de dinheiro.

  • Junior

    Na verdade a Globo e o grande monopólio do futebol brasileiro, mas a maioria principalmente dos times acatam as decisões e os contratos que a globo impõe pelo simples fato de estar nas mãos da emissora, e isso não acontece pelo simples fato de antecipar as cotas de TV e por muito mais coisas que nunca saberemos, todos tem o rabo preso.
    a globo devia é se policiar para não falar o nome é da nossa presidenta e da coja dela que estão destruindo o que resta do nosso pobre país, com essa roubalheira que estão fazendo, estão colocando as mãos no nosso bolso, essa corrupção que acontece no futebol brasileiro só é consequência do que acontece no resto do nosso país, alguém sempre quer tirar vantagem sobre outra pessoa.

  • Marçal

    Para encerrar meu parecer nessa questão, que em verdade nada muda minha vida e de ninguem leitor desse blog….ISSO É BRIGA DE CACHORRO GRANDE…proponho uma reflexão:
    Para os Palmeirenses:
    Cantem;
    Quando surge a Crefisa imponente
    No gramado que a luta a aguarda….
    Para os Corinthianos:
    Cantem:
    Salve a Caixa,
    a campeã das campeãs
    eternamente……
    Para os flamenguistas:
    Cantem:
    Uma vez Guaravita
    sempre Guaravita
    Guaravita, hei de ser…….
    É o fim do fim, do fim do fim! Ainda teremos saudades do 7×1!

  • mangiaedorme

    Somos motivos de chacotas no exterior por tudo de ruim que representamos. A debandada de empresas do nosso pais é uma realidade não divulgada adequadamente, mas adoraria ver na mídia mundial um desses CEO vir a publico e dizer alto e bom som: “Que a Globo faça as vezes da minha empresa no mercado, pois o Brasil desrespeita marcas e contratos e lá quem manda são eles e toda a classe politica beija seus pés”. Já imaginaram a alegria dos cidadãos?

    • Marçal

      Não existe contrato ou lei que obrigue a Globo a fazer propaganda de graça, exceto a propaganda politica, que é imposta pelo TSE, a ela e a todas as emissoras de rádio e TV.
      O contrato que a Globo tem com os clubes lhe dá o direito de imagem sobre os eventos e não lhe obriga a fazer qualquer tipo de publicidade gratuitamente.
      Não sou defensor da Globo, que fique bem claro, mas sim do direito que ela tem de fazer o que ela fez.Sou pela legalidade da ação dela e de todos que tem leis a seu favor.. Ela não fez nada ilegal, ou imoral como muitos aqui querem crer.
      Vivemos em uma democracia e leis foram feitas para serem respeitadas e obedecidas e no resto do mundo civilizado, tambem é assim, pois se não for é chamado de ditadura e barbarie.

      • Cleibsom Carlos

        A Globo não tem o direito de fazer o que ela fez!!!Se os clubes tivessem vergonha na cara simplesmente rompiam o contrato porque a Globo está agindo como DONA do evento quando na verdade ela é uma intermediária, como tantos outros…Quem quiser defender a supremacia do depto comercial sobre o depto jornalístico da Globo que defenda, mas é triste constatar que as pessoas não vêem nada de imoral, ilegal ou anti-ético nesse fato. Por esse raciocínio nefasto a Vênus Platinada tem todo o direito de não divulgar notícias negativas de seus anunciantes simplesmente porque eles são “parceiros”…Aliás, isso já acontece, basta ver que é impossível ver notícias negativas na Globo dos bancos e das empresas de telefonia, mesmo eles sendo campeões de reclamações nos procons da vida. Triste!!!!

        • Marçal

          A lei protege o direito adquirido e o acordo entre as partes, desde que não firam a lei. Voce não pode fazer um acordo que seja para matar alguem, mesmo que dois concordem, isso é ilegal e será punido.
          A emissora não fez nada de ilegal e nem contrariou o contrato de transmissão. Ela usou seu direito totalmente legal e válido para defender seus interesses. Qualquer um faria o mesmo e falar o contrário é querer “fazer empada com a azeitona alheia”.
          Se alguem acha que a postura da emissora é errada, que nos próximos contratos dialogue-se uma forma de que isso não mais aconteça.
          O maldito “jeitinho” e o maldito “levar vantagem em tudo”, é que estão matando o pais. Se não gostam de certas leis, a democracia permite que elas sejam discutidas e mudadas e é isso que pode e deve ser feito, para melhorar nossas relaçoes com a justiça e na sociedade, mas chamar de ilegal, imoral, anti-ético e etc…, no caso é querer driblar a lei, ou pior , ignorância de quem acha que leis são para serem desrespeitadas. Esse é o caminho para a barbárie!

          • Cleibsom Carlos

            Você está confundindo contrato com Lei, duas coisas diferentes. Os clubes e a Globo tem um contrato, mas para todo contrato existe um distrato, basta uma das partes assim desejar e tentar fazer valer o sua vontade através da Lei. Do jeito que você fala parece que para esse contrato ser alterado a LEI também tem de ser alterada e, consequentemente, a Constituição. Nada mais falso!!!É uma questão de vontade política os clubes tentarem firmar contratos menos draconianos com a Globo, pena que 99% deles não está disposto à encarar a briga…A FIFA, que não é boba nem nada, em seus contratos tem cláusulas bem claras quanto à isso para defender seus patrocinadores, tanto que em eventos organizados por ela você não verá a Globo fazendo essa gracinha de alterar os nomes dos envolvidos.

      • alessandro mendes

        publicidade gratuita ? o nome do clube é esse !!! a tv paga para transmitir os jogos do clube . ela sabia desde o ano passado que o redbull iria disputar a primeira divisão do paulista.

        vc viaja e se acha o dono da verdade. me dia qual é o nome do clube boicotado ? pq se for abreviação o Flamengo será CRF, vasco será chamado de CRVG, corinthians de ESCP e assim por diante.

        se aparecer um jogador de nome redbull , a globo irá chama-lo de RB ? rs rs rs …

        ditadura do capitalismo é oq a globo está fazendo e já faz a muito tempo. vc vê jogos de volei ? se essas empresa tivessem coragem e parem de patrocinar essas equipes o nosso volei para para o lixo. acho que 1/3 dos times tem o nome alterado pela globo !

  • Arthur Furtado

    Ainda mais sobre naming rigths: quanto será que a CBF embolsou e repassou para algum diretor da Petrobras os naming rights do Brasileirão Petrobras? Até a Globo deve ter levado uma bufunfa nessa, pois na época ela chamava em algumas oportunidades de Brasileirão Petrobras, e sequer escondeu o logo da Petrobras em aparições pela TV…
    Aqui no Brasil o sistema é bruto, rústico e sistemático!

  • José Henrique

    Se o clube fez um pedido formal, e algumas mídias resolveram não atender, não existe outra justificativa honesta possível, além de má vontade, raiva, perseguição e interesses excusos.
    O Corinthiano já percebeu isso faz tempo.
    E, só é patética as tentativas de justificar a insistência com argumentos incoerentes, quando à imprensa cobra dirigentes de falta de profissionalismo, retrógrados, amadores, etc.
    Essa ação absurda de veículos como Folha, Uol, trabalha contra o futebol.
    E, só por esse motivo, deveria (e são) repudiados por todos os torcedores do mesmo futebol.
    Imprensa que age assim, revela estatura moral muito pequena.
    E, se insistem, revelam seu caráter sectário, discriminatório é imoral.

    • janca

      Não é verdade. A mídia não tem que seguir tudo o que os clubes querem. A “Folha” e o UOL têm a linha editorial deles. Que pode e deve ser questionada. Mas é deles…

      • José Henrique

        Você falou bem. Existem mídias e “mídias”. Para mim as responsáveis e honestas são aquelas que são imparciais e contribuem com o sucesso de ‘TODOS” os clubes.

        • janca

          Imparcialidade absoluta não existe. Quando você decide qual a matéria de abertura, qual espaço pra cada uma, qual assunto é mais importante, enfim, uma dose de subjetividade vai embutida aí.

MaisRecentes

Saída de Lucas Lima



Continue Lendo

Dorival bombardeado



Continue Lendo

A grana de Nuzman



Continue Lendo