A imagem são-paulina



Executivos da Crefisa confirmam que a empresa especializada em crédito pessoal irá pagar R$ 23 milhões por ano ao Palmeiras para ser sua principal patrocinadora. O contrato é válido por dois anos.

O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, tem dito que o valor de R$ 46 milhões anunciado pelo Palmeiras é mentira e que o clube não receberá mais que R$ 30 milhões pelos dois anos de contrato.

Paulo Nobre, que preside o Verdão, segue muito irritado com Aidar e rebateu o são-paulino. Disse que ele não viu o contrato e deveria se preocupar mais com sua gestão no Tricolor, “conflituosa e cheia de escândalos”.

Disse ainda que “no Palmeiras, negociação tocada pelo presidente não tem intermediário”, uma indireta sobre o contrato que a namorada de Aidar tinha com o São Paulo para receber por negociações que ajudasse a fechar para o time do Morumbi.

A Crefisa negociava também com outros clubes, entre os quais o São Paulo, que aceitaria receber até um pouco menos do que os R$ 23 milhões acertados com o Verdão, embora a pedida inicial tenha sido de R$ 25 milhões anuais.

Pesou negativamente, no entanto, a imagem do clube do Morumbi, manchada pelas brigas públicas entre Carlos Miguel Aidar e seu antecessor, Juvenal Juvêncio, além das dificuldades financeiras pelas quais passa o Tricolor, tornadas públicas pelo próprio Aidar.

Sem a Crefisa, em vez de atacar publicamente o Palmeiras e seu patrocinador, o dirigente são-paulino deveria se preocupar com as questões de sua agremiação, já que não é a primeira vez que detona o rival e ganha manchetes de jornais por ter virado um dirigente folclórico, quando competência para trabalhar, por mais que alguns pensem que não, ele tem.



MaisRecentes

Conversas com um jovem…



Continue Lendo

Lucas Lima abalado



Continue Lendo

Rodriguinho fora?



Continue Lendo