Fôlego são-paulino



O São Paulo está de parabéns pela luta e esforço nesse final de temporada. Briga pelo título da Sul-Americana e ainda tem chances de conseguir o do Brasileiro, embora o favoritismo continue todo para o Cruzeiro.

Se os dois times de Minas fazem belíssima temporada, o São Paulo e o Grêmio também devem ser lembrados pela garra demonstrada nos últimos jogos. Especialmente no caso do tricolor paulista, que tem sido guerreiro.

Prejudicado pelo calendário mal formulado do Brasileiro, que nem respeita as chamadas datas-Fifa, com viagens extremamente desgastantes pela América do Sul e mesmo dentro do Brasil, tem tido fôlego e pulmão na reta final. Até quando, porém, não sei.

Muricy Ramalho tem toda a razão de colocar a boca no trombone contra o excesso de jogos e périplos no continente sul-americano, tendo que atender a interesses da TV e da CBF, e Carlos Miguel Aidar também tem que protestar, como aliás tem feito há alguns dias.

Se bem que, não custa lembrar, até o primeiro semestre representava e defendia a confederação de ações na Justiça, mas agora que vê seu clube prejudicado muda de posição e parte para o ataque.

Mudanças no calendário brasileiro, no entanto, antes de 2017 dificilmente acontecerão. E equipes como o São Paulo continuarão sendo prejudicadas e podem pagar caro por isso. Muito caro. Aguardemos.



  • Marcel Zanini

    A mudança de opinião do Aidar é bem conveniente, quando ganha pra advogar em prol da CBF tudo beleza, mesmo que seu clube de coração seja prejudicado, agora que é presidente do mesmo vai ficar chorando, e a ética do seu Aidar? será que tem a ver com seu bolso? só pode!
    Sendo assim, acho bem normal e correto os contratempos vividos pelo São Paulo.

    • Rodrigo

      O que uma coisa tem a ver com a outra?

      CBF está sempre errada?

      Vc não tem condições de separar o lado profissional?

      Uma coisa é o escritório de advocacia particular, outra é ser presidente de um clube.

      • Marcel Zanini

        Aí Rodrigo, suponhamos que você seja advogado, um cara mata um parente seu, aí ele consulta seu escritório sobre uma possível defesa, você o defende?

        Como você mesmo perguntou, a CBF está sempre errada? Responda aí em que ela está certa então? Nosso futebol está um caos!

        e a posição do seu Aidar anteriormente foi defende-la, agora que é presidente ele ataca? Opa, espera aí Rodrigo, o Advogado pensa uma coisa e o presidente pensa outra, ou será que o dinheiro fala mais alto nessa hora?

        Moral da história, dinheiro é bom e todos gostam, ética é pra quem tem!

        • Rodrigo

          No caso da Lusa a CBF estava correta. É estranho o que aconteceu, mas a responsabilidade pelo jogador escalado irregularmente era toda da Lusa. As suspensões sempre foram automáticas quando decorrentes de julgamentos.

          A questão do calendário nada tem a ver com isto.

          Não dá pra misturar as coisas. E vale lembrar que ele defendeu a CBF até assumir a presidência do SP, depois, que eu saiba, não advogou mais para eles.

          • Vaz

            Continua o mesmo Rodrigo, não dá para defender aquilo que você não acredita pois aí vira a grana pela grana. Ou ele acreditava na CBF ou então jogamos a moralidade no lixo o que leva a uma contradição ou a CBF é errada ou é certa não dá para ser uma coisa agora e outra antes.
            Porque agora envolve seu clube a CBF é sempre a errada mas quando envolve seu escritório de advocacia a CBF esta sempre certa? Quando o sujeito está envolvido no meio do futebol e é figura importante no conselho de um clube, ex-presidente inclusive do clube dos 13 e sempre lembrado a cada eleição no clube, deve ter no mínimo isenção, independente de ter escritório de advocacia ou no seu clube. Advogar para um cliente é uma coisa agora para uma entidade que tem como sua filiada o clube onde está envolvido é outra questão ou conflito de interesses não importando se foi antes ou depois.
            Não dá para separar as coisas com o inocente argumento de que uma coisa é a vida particular e outra a esportiva.
            Este fato gera uma contradição e no mínimo põe em xeque qualquer argumento no exercício da presidência do SPFC em que questione a CBF e gera desconfiança em relação a seus pares. Esta sempre foi um argumento válido em relação a Andrés Sanches e RT que sempre levou a desconfiança, agora temos uma situação semelhante onde o envolvimento de Aidar e CBF também é questionado.
            Não é porque é legal que é moral. Se quer defender a CBF ou quem quer que seja, que se mantenha no seu escritório de advocacia, agora acender uma vela para o santo e outra para o diabo é que não dá.

          • janca

            Correta não estava. O site da entidade, que vive na idade da pedra, dava condições de jogo ao atleta até segunda à tarde. E a partida foi no domingo… E Aidar não só defendeu a CBF como defendeu a reforma do estatuto do São Paulo, a mesma que permitiu mais um mandato para Juvenal. Que o ajudou a se eleger presidente e depois… Bem, depois já sabemos. Aidar acabou com a gestão Juvenal, que hoje avalia como péssima, e o demitiu do comando das categorias de base.

  • Marcel Zanini

    Aí Vaz, quebrou a banca com seu comentário, excelente garoto. Não é por que é legal que é Moral!

    O que não dá para entender é o cara ser expulso na Copa do Brasil e pagar punição no Brasileirão só porque a CBF os organiza.

    Campeonatos distintos, cada qual com seu regulamento e punições que valem para ambos, só no Brasil mesmo!
    E o Janca, o que pensa sobre isso?

    • janca

      Sobre Aidar e CBF? Acho que quando interessou ele defendeu a entidade. Com unhas e dentes. Como defendeu a gestão Juvenal e mais um mandato para o então presidente do São Paulo. Quando não interessou mudou de lado. Tanto em relação à CBF quanto em relação ao Juvenal, seu ex-aliado e hoje inimigo político.

      • Marcel Zanini

        Então Janca podemos dizer que o Aidar quer a brasa na sardinha dele, enquanto a moral, ética e bons costumes são deixados de lado em favorecimento próprio, hoje amigo e amanhã inimigo, que o diga o JJ.
        Abraço Janca e belo comentário!

        • janca

          Quem sou eu para falar em ética, moral e bons costumes, Marcel? Aliás o que são bons costumes? Apenas acho que o Aidar vai de acordo com a onda. Quando interessou (inclusive financeiramente) defender a CBF, ele e seu escritório o fizeram com unhas e dentes. Quando interessou, como presidente do São Paulo, partir para o ataque, resolveu faze-lo. Com Juvenal foi a mesma coisa. O terceiro mandato que o dirigente conseguiu, ajudado pelo escritório do Aidar, prejudicou muito o São Paulo. Muito mesmo. Mas não o Aidar. O rompimento com o ex-presidente e ex-aliado só veio quando interessou ao atual mandatário. Que faz, vale ressaltar, administração melhor, bem melhor, aliás, que seu antecessor. Grande abraço

        • janca

          Só mais um adendo. Em relação à Copa União, a mesma coisa. Na época Aidar foi um dos principais mentores do torneio. Pergunta se hoje o São Paulo reconhece a conquista do Flamengo, se reconhece o time do Rio como legítimo campeão de 1987, digo. Não reconhece. E por quê? Porque não interessa ao clube do Morumbi, que se acha o merecedor da famigerada Taça das Bolinhas.

  • Marcel Zanini

    Pra finalizar, como diz Peter Tosh em uma música, ” Deus me preteja dos meus amigos, pois sei quem são os meus inimigos!

MaisRecentes

Contas corintianas



Continue Lendo

Timão em 2018



Continue Lendo

Verdão aflito



Continue Lendo