Del Bosque e Casillas



Muito bom ver Iker Casillas e Vicente Del Bosque no jogo da Espanha contra a Macedônia, pelas eliminatórias da Euro-2016.

Sinal de que os espanhóis têm planejamento e uma visão que não se restringe ao curto prazo. Fora que respeitam suas estrelas, como o goleiro, que foi muito mal na Copa no Brasil, e seu treinador, que deu ótimo padrão de jogo ao time nos últimos anos, apesar da eliminação precoce e vergonhosa no Mundial de 2014.

Não, não acho que Luiz Felipe Scolari e o goleiro Júlio César deveriam continuar na Seleção, especialmente depois dos 7 a 1, que foram emblemáticos. O tempo dos dois defendendo o Brasil já era. Mas que não temos planejamento, não temos. Tanto que Carlos Alberto Parreira, que saiu execrado na Alemanha, em 2006, voltou depois de Dunga, que saiu execrado em 2010, ter fracassado na Copa da África. E agora volta Dunga após fracasso de… Parreira. Isso é tudo menos planejamento, não?



  • Mario

    sei não , acho q lá faltam boas opções de jogadores para substituir os antigos titulares tanto q tiveram q naturalizar o Diego Costa para melhorar o ataque e achar um tecnico novo tambem é dificil , não tem muitas opções melhores e disponiveis , lá as federações tem muito menos dinheiro q a CBF ou clubes europeus ,sem falar q o sucesso da seleção espanhola esta muito ligado ao sucesso e fracasso do Barcelona nos ultimos anos.

    Janca tocando no assunto dos europeus , o que achou do q falou o Michel Platini sobre o Ribery ser obrigado a continuar jogando na seleção francesa senão seria punido ?

    • janca

      Mas o técnico poderiam ter mudado depois do que aconteceu na Copa e mesmo assim mantiveram o Del Bosque, o que achei bacana. E sobre o Platini, de quem não sou fã, diga-se de passagem, não vi essa declaração dele, não. Não li, quero dizer, nem ouvi, Mario.

  • WAGNER

    Bom dia Janca, vendo sua leitura de seu texto e o comentário do Mario logo abaixo, estou nessa ideia também. A Alemanha importa jogadores aos montes como o próprio Klose, Podolski, Kurany, Boateng, Ozil, enfim, eles não tem tantos “pés de obras” como aqui. Na Espanha o mais recente foi o Diego Costa como disse o Mario, mas antes tinha o Marcos Sena, e se for mais longe até Di Stéfano. O mesmo com a França, Itália, enfim, isso só não se vê aqui na América do Sul. Eles importaram jogadores para clubes. Os clubes ficaram fortes mas a seleção ainda era fraca. Aí naturalizaram os jogadores, treinadores (menos do Brasil) e hoje precisam menos disso mas ainda nos veem como um potencial. O Felipão treinou Portugal e eles o amam lá. Aqui surge um bom jogador para seleção a cada 3 meses, mas não vinga por não ter chances no clube, que acaba utilizando um medalhão gasto e que põe na cabeça da molecada que o bom não é jogar, é ser jogador!!! Temos material humano, mas talvez falte um doutrinador fora das 4 linhas. Empresário quer dinheiro e só dinheiro. O pai do Neymar por pior que tenha sido como negociador, mandou o moleque treinar e o segurou no Santos até estar totalmente formado, diferente do que aconteceu com o Ganso que é um grande jogador, mas pecou por pensar mais no seu contrato do que na sua carreira. O Malcom é um bom e se tiver suporte e tranquilidade para mostrar futebol, será um grande jogador. Mas terão calma com ele quando perder um gol como o de domingo?

MaisRecentes

A mágoa de Ceni



Continue Lendo

Alerta a Raí



Continue Lendo

Os erros do Verdão



Continue Lendo