Tricolor e CBF



O relacionamento entre CBF e São Paulo segue melhores, especialmente depois que Carlos Miguel Aidar, que defendeu a confederação no caso Lusa no início do ano, assumiu o comando do Tricolor.

José Maria Marin quer levar quadros da equipe do Morumbi para atuar na entidade, sempre com o aval do presidente tricolor.

Gilberto Ratto, gerente de marketing do São Paulo, deve ser o responsável pela reformulação do departamento comercial da CBF. Entra no lugar de José Carlos Salim, afastado no ano passado.

O próximo alvo da CBF é Gustavo Vieira de Oliveira, filho do ex-jogador Sócrates, e que atua como gerente executivo no departamento de futebol são-paulino.

A ideia é tê-lo como uma espécie de auxiliar de Gilmar Rinaldi na Seleção e uma ponte entre o coordenador, a comissão técnica e os jogadores.

Além disso, a CBF espera que, se conseguir atrair Gustavo para seus quadros, a relação com a mídia fique melhor, seja pelo espírito conciliador do advogado, seja por ser filho de Sócrates, principal artífice da Democracia Corintiana.

O convite, no entanto, ainda não foi feito, inclusive porque o São Paulo não pretende abrir mão tão cedo do trabalho de Gustavo.

Ah! Gustavo, como já disse em várias ocasiões, é um ótimo profissional. Está anos-luz à frente de Rinaldi. Mas, se realmente for convidado, espero que recuse a proposta. Porque ser usado politicamente por Marco Polo Del Nero e José Maria Marin é complicado.



MaisRecentes

A matemática do futebol



Continue Lendo

A melhor do mundo



Continue Lendo

Aprender a perder



Continue Lendo