A luta de Paulo André



Reproduzo, abaixo, coluna que publiquei no diário LANCE! na última terça sobre a batalha do zagueiro Paulo André e do movimento Bom Senso F.C. por um futebol melhor e uma CBF democrática, seguida de três observações no final:

“Tenho mantido contato com Paulo André, uma das principais lideranças do Bom Senso F.C., e concordo com ele que a CBF e o futebol brasileiro não podem seguir como estão. A confederação é gerida por um grupo que se considera dono da Seleção, um dos principais patrimônios públicos do Brasil. Ela precisa passar por um processo de democratização. Como diz o zagueiro, Democracia Já!

Um dos caminhos para chegarmos a ela passa pelo governo e pelos clubes brasileiros, que deveriam lutar contra um sistema que os deixou em situação pré-falimentar, tanto que estão, pela enésima vez, de pires nas mãos pedindo socorro e o refinanciamento de suas dívidas à custa dos contribuintes. Sim, às nossas custas.

O que o governo poderia e deveria fazer? Exigir contrapartidas importantes dos clubes. Uma delas é que eles forçassem a CBF a mudar sua estrutura de funcionamento. Ampliando o colégio eleitoral, com participação de jogadores, técnicos e membros da sociedade civil, limitando o mandato de dirigentes e permitindo a tão necessária rotatividade de poder, entre tantas outras coisas fundamentais para a reformulação do futebol brasileiro.

Não tem sentido o governo (e me refiro não só ao Poder Executivo, ao Legislativo também) abaixar novamente a cabeça, estimulando os clubes a continuar geridos como hoje. Sem profissionalismo e responsabilização de seus dirigentes, que fazem das agremiações o que bem entendem.

Como me disse Paulo André, “a democratização, capaz de oxigenar as estruturas de poder e tornar as entidades mais técnicas e menos políticas, só ocorrerá pela boa vontade dos 47 membros com direito a voto (27 federações e os 20 clubes da Série A) ou por uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), que alterasse artigo que impede interferência (ou intervenção) nas entidades que administram o desporto”.

Ele lembra que tem “apoio das atletas do futebol feminino, cuja modalidade está jogada às traças, dos jogadores do Beach Soccer, 13 vezes campeões do mundo, mesmo trabalhando por cachê, sem calendário nem emprego fixo, de executivos do futebol e dos atletas”. E pergunta o que precisa acontecer mais no futebol para atestar a incompetência do modelo vigente. É o questionamento que também faço.

O Bom Senso já apresentou uma proposta de mudança de calendário com um mínimo de 36 jogos por ano para cada equipe profissional do país, que foi simplesmente ignorado pela CBF, além de um modelo de punição escalonado para os clubes se adequarem ao chamado Jogo Limpo Financeiro.

São sugestões que devem ser debatidas, aperfeiçoadas, levadas em consideração, não colocadas no lixo como muitos dirigentes preferem fazer. Porque o atual modelo faliu.

E não venham me dizer que fomos pentacampeões mundiais por causa dos cartolas porque essa história não dá para engolir. Fomos campeões apesar deles.

A CBF debocha do povo brasileiro. José Maria Marin, aquele que dizia que iria para o inferno se perdesse a Copa no Brasil, não toca mais no assunto. E perdeu levando de sete, a maior derrota da história centenária da Seleção. É hora de tomarmos partido. E exigir mudanças.”

* Fiscalização: Não sou a favor de uma estatização da CBF e sei que a Fifa condena intervenção do governo no futebol, mas a confederação não pode seguir gerida como hoje. Precisa de controle externo, afinal faz o que quer com a Seleção, que usa as cores, bandeira e hino do Brasil, e a deprecia cada vez mais. Jogou-a ao ridículo nos dois últimos jogos da Copa, desvalorizando-a e tornando-a alvo de deboche. Não dá mais;

* Brasileirão: A CBF já deu provas também de que não consegue organizar campeonatos, vide os que vemos decididos no tapetão por desorganização da entidade. O nível dos jogos é ruim e o público nos estádios, pequeno, perdendo feio, inclusive, para a Major League Soccer, a liga norte-americana de futebol. Mas não chegamos ao fundo do poço, como costumo dizer, pois os dirigentes não param de cavar;

* Mauro Silva: Triste a notícia de que o primeiro auxiliar-técnico pontual de Dunga tem uma empresa que realiza intermediação de direitos federativos entre clubes e jogadores, o que pode configurar conflito de interesse com seu novo cargo. Preferia aquele Mauro Silva que dizia que a CBF é um brinquedo nas mãos de meia dúzia, o que de fato é, ao que resolveu se aliar a José Maria Marin e Gilmar Rinaldi.



  • Marcos

    Parabéns pelas palavras, João. Precisamos de mais jornalistas no esporte que tratem dessas questões e deem espaço ao Bom Senso, movimento que pode alavancar e promover mudanças reais em nosso futebol. Suas ideias e as do Paulo André são muito boas. Os clubes não podem continuar vivendo de refinanciar suas dívidas e logo depois contraindo novas. E a CBF virou brinquedo de meia dúzia. Acertou Mauro Silva. O Mauro Silva de ontem. O de hoje deve ter mudado de ideia. O que um pouco de poder não faz com o ser humano, né não?

    • janca

      Também acho que o Mauro Silva de ontem acertou e é isso que temos de mudar. Por isso a importância de democratizar a CBF. Limitar mandatos de dirigentes, ampliar o colégio eleitoral, escutar outras vozes. Precisamos de novas vozes, Marcos, novas vozes.

  • PIERRE CAETANO FERREIRA

    CARO JANCA O PROBLEMA DO FUTEBOL BRASILEIRO ATENDE PELO NOME DE LEI PELÉ, ONDE SOMENTE EMRESÁRIOS ESTÃO GANHANDO, SE NÃO MODIFICAREM LOGO ESTA LEI CAMINHAMOS A PASSOS LARGOS PARA UM BURACO SEM FIM, PODEM TIARA O MARIM O DEL NERO NÃO ADIANTA SE AINDA EXISTIR A LEI PELÉ.

    • Fábio Moreira

      A Lei Pelé beneficia os empresários e acabou com os clubes. O problema é essa famigerada lei. Concordo com você, Pierre. Esse é o ponto a combater.

      • janca

        É uma questão a ser discutida, não o ponto a combater. Há tantos outros…

    • janca

      Caro Pierre, também acho que a Lei Pelé deveria ser aperfeiçoada, mas não podemos retroceder a um momento em que os atletas eram escravos dos clubes, àquela velha era do passe. Só que a ação de empresários e agentes de futebol, muitas vezes perniciosa mesmo, tem que ser coibida ou controlada. Eles levam alguns jogadores do Brasil ao exterior com 13, 14 anos, fazem dos atletas o que quiserem e os clubes que são formadores acabam ficando na mão. De fato isso tem que ser repensado, mas o problema do futebol brasileiro é muito mais amplo do que a Lei Pelé. Muito maior mesmo. A estrutura toda está falida. Temos clubes administrados como uma associação (sem fins lucrativos), algo que vem do início do século passado, numa era em que o futebol virou um grande negócio. E a CBF como se fosse uma instituição privada nas mãos de meia dúzia, quando administra um dos maiores patrimônios públicos do Brasil. Embora agora desvalorizado.

      • João

        Isso é verdade Janca. Falam que a Lei Pelé prejudicou os clubes. Pode até ser verdade, mas do ponto de vista dos jogadores, a única coisa que mudou foi o escravizador, que antes eram os clubes, e agora são os empresários.

        • janca

          Mas os jogadores não são necessariamente escravos dos empresários. Depende muito do profissional que está de um lado e do que está do outro. Há empresários e empresários, não podemos colocar todos no mesmo saco.

          • Vaz

            São escravos sim. Não podem decidir onde jogar e quando e somente os que se encontram com carteira bem cheia é que conseguem mandar os caras as favas. A escravidão só mudou de nome, antes eram os clubes e agora são os tais procuradores e dirigentes que parecem esquecer mas que são donos de parte dos atletas em prejuizo dos clubes. O que dizer por exemplo do tal grupo de sócios do Santos e sua participação nos direitos de jogadores como Neymar? São anônimos e movidos por amor ao clube? O nome de nenhum deles é conhecido mas nos bastidores se sabe muito bem quem são.

          • janca

            E mesmo assim Neymar, quando ele e seu pai quiseram, conseguiu se transferir à Europa e encher o bolso de dinheiro. A Lei Pelé acabou com o passe, o que foi um grande acerto, o que não quer dizer que não precise ser aperfeiçoada. Há muitos empresários ruins e mal intencionados, como aparece no próprio livro do Paulo André.

    • Robson Pacheco

      Que fofo…olha quem voltou, Pierrinho!!!

      • PIERRE CAETANO FERREIRA

        FALA PACHEQUITO, ESSEN ANO VOCÊ ESTÁ ALEGRE…O MAIOR DE TODOS SE NÃO CAIR ESTE ANO NÃO CAI MAIS.

        • Robson Pacheco

          Pierre, seu time está colhendo o que planta há muito tempo, só isso!!!

  • Márcio C.

    Esse Paulo André está em direção errada. Triste não é o Mauro Silva intermediar ou não jogadores, triste é você embarcar mais uma vez na do Paulo André. Os jogadores querem ganhar muito e trabalhar pouco. Janca, conselho de amigo, cai fora dessa. Conheço jogador de futebol. Pergunta pro Paulo André quanto ele tem de grana?

    • janca

      Não me interessa quanto o Paulo André recebeu na carreira de jogador. Espero que seja bastante, porque ele fez por merecer. E esse papo de que jogadores querem ganhar muito e trabalhar pouco não cola. A proposta do Bom Senso não é nesse sentido, muito pelo contrário. Inclusive tenta abrir espaço para os jogadores que atuam em times pequenos, times que muitas vezes passam mais de um semestre inativo. E esses jogadores querem atuar mais, não menos. Querem espaço. Querem emprego. Querem oportunidade de trabalho.

      • Robson Pacheco

        Eu tinha certeza de que apareceriam pessoas com esse pensamento pequeno e vazio de que o jogador de futebol, pelo fato de ganhar bem (ainda que não sejam todos) não tenha direito de ser inteligente, articulado, engajado. Na minha opinião, isso tem um nome INVEJA.

        Louvável a atitude dos jogadores do BSFC, que em momento algum pedem pra trabalhar menos e ganhar mais, até porque, diferente do que muitos pensam, o jogador está na sua empresa (clube que o contrata) diariamente, eles não trabalham só às quarta e domingos, além do mais, eles não obrigam os clubes a contratá-los oferecendo salários muito acima da realidade do Brasil, o que eu entendo que vá acontecer menos se houver uma lei de responsabilidade fiscal séria e o Fair Play financeiro que o BSFC defendem.

        Lamentável essa atitude, muitas vezes clubista, de alguns que não se cansam de reclamar do atual estado do futebol brasileiro, que não fazem absolutamente nada pra mudar o cenário, mas que adoram criticar quem tem a iniciativa.

        E tem também quem questione a qualidade técnica do jogador, PELAMORDEDEUS…não importa se é o Paulo André, o Ruy Cabeção, o Alex ou o Dida ou Rogério Ceni, o que importa é que pela primeira vez os caras estão se mobilizando pra algo que pode, a médio prazo, dar ao futebol brasileiro a credibilidade, que nunca teve, do ponto de vista administrativo e quem sabe, a longo prazo, devolver o respeito que perdeu nos últimos anos.

        Mais engraçado é que alguns torcedores são realmente contra todas essas reformas, principalmente dos clubes mais endividados. Ontem mesmo, tinha torcedor do Flamengo puto com a Dilma por ela ter alterado a lei que dizia que antes o clube só devia pagar 50% do que devia pra um atleta até o fim do seu contrato, em caso de rescisão unilateral, no caso Elano e André Santos, quando na verdade, deviam estar putos com os dirigentes que os contrataram. Mais uma vez, o Elano e o André não foram até o Flamengo pedir pra serem contratados nos moldes que foram, logo, se houvesse a Lei de responsabilidade fiscal, o ônus não seria do clube, mas do dirigente que causou o prejuízo ao clube.

        • janca

          Concordo com você, Robson, muitas pessoas, a meu ver, pelo menos, têm uma visão muito simplista das coisas. O que está em discussão aqui não é a qualidade do futebol de X ou Y, mas mudanças extracampo tão necessárias ao nosso futebol. Mas certamente há muita gente, inclusive torcedores, que prefere deixar as coisas exatamente como estão.

  • Márcio. C.

    Meu comentário não entrou. Censura?

    • janca

      Não, não censuro nada. Quando você publica pela primeira vez no blog a publicação demora um tempo para entrar. E ser aprovada. E é, mesmo quando eu não concordo com o teor do comentário, o que muitas vezes acontece.

      • Reinaldo

        Cara mala esse Márcio.

  • Márcio C.

    Faltou você dizer que o Paulo André foi um jogador meia-boca. Foi porque hoje pra mim o cara é cartola. Tenta ser cartola. Como jogador está enchendo os bolsos na China e não lutando pra mudar o futebol (se é que ele acredita nisso pra valer) no Brasil. Cai fora dessa, Janca

    • janca

      Ele segue jogador e tem todo o direito de encher os bolsos onde bem entender, inclusive porque há empregador disposto a pagar pelo seu trabalho. E acho extremamente digno jogar na China. Claro que gostaria de ver o Paulo André no Brasil, mas depois do que aconteceu no início do ano ele preferiu sair e atuar na Ásia, um direito absolutamente legítimo. Segue lutando por melhorias no nosso futebol lá da China, mas uma hora ele volta. Com mais bagagem, mais força (espero) e mais experiência. E eu o considero um jogador muito bom. Fez muito pelo Corinthians. Muito mesmo.

      • Reinaldo

        Tá certíssimo, João. Eu, como corintiano, só tenho a agradecer ao Paulo André. Torço pelo seu sucesso dentro e fora de campo.

        • janca

          Também torço, Reinaldo.

          • Robson Pacheco

            Somos 3, principalmente pela postura extra campo.

  • Marcos

    ….Janca…eu trabalhei mais de 30 anos com fuebol…e conheço muito bem a malandragem, os acertos, os conchavos e por aí à fora.
    …..Para resolver….só com intervenção…..daí quero ver a FIFA, deixar nosso Brasil fora,queria pagar para ver…pois junto tenho certeza que virão muitos países , que também estão de saco cheio, principalmente os paises sérios da Europa, aí terão que punir todos e então a coisa vai rachar para melhor….com certeza.
    …..Outra hipotese, QUE DUVIDO muito seria com a pressão, o Marco Polo, ABRIR votação para um colegiado maior(SERIA UM BELO SONHO)

    • janca

      Eu imagino, Marcos. Ontem mesmo conversei com o Ministério do Esporte que dizia que um dos problemas é justamente defenderem (alguns) intervenção na CBF. Pois a Fifa pode tirar o Brasil da Copa, de torneios internacionais, da Libertadores… Mas duvido que chegasse a tanto. A Fifa não pode interferir na soberania de países, caso do Brasil. E lamentavelmente ela, como a CBF, vive nas mãos de um grupinho. Mas há espaço agora para mudanças no nosso futebol. Que não respondem pelo nome de Marin nem pelo de Gilmar Rinaldi. Nós, como membros da sociedade civil, temos de exigir um futebol melhor. Mais bem organizado. E uma Seleção verdadeiramente brasileira. Não um brinquedo nas mãos de meia dúzia, como bem colocou o velho Mauro Silva.

  • Mario

    mas o problema é que o governo e seu representante maior ministério dos esportes (tambem conhecido como a fazendinha do PC do B do Aldo Rebelo) não é melhor q o ze povinho da CBF , basta ver suas ações nos ultimos anos , por isso não dá para contar com eles.
    ´
    Fiscalização é impossivel , pois falta vontade politica de fazer , se quisessem de verdade bastaria colocar o povo da Policia Federal , ministerio publico e imposto de renda atras dos cartolas q eles iam entrar na linha da noite para o dia.

    Eu já desisti do Brasileirão , só assisto jogos do meu time e olha lá.

    Gilmar Rinaldi , Mauro Silva , Dunga e Marin só oficializaram o q todo mundo sabe ou desconfia a anos , q a seleção da CBF é um bancão de negocios , principalmente nas seleções de base q poucos olham .

    • janca

      Certamente você não é o único a ter desistido do Brasileirão. A audiência da Globo com o campeonato está caindo e a ela também interessa ou deveria interessar um produto melhor.

  • Aqui é Timão

    PAULO ANDRÉ TINHA Q. SAIR DO TIMÃO. LÁ NÃO É LUGAR PRA FAZER POLÍTICA. DESDE O SEGUNDO SEMESTRE DO ANO PASSADO O TIME NÃO QUERIA JOGAR BOLA. PENSEM NOS CLUBES. SEM ELES NENHUM JOGADOR TEM EMPREGO. FUI

    • janca

      O Paulo André está pensando nos clubes, mais do que boa parte dos dirigentes. Sobre sua atuação no Bom Senso concomitante às funções e obrigações como funcionário do Corinthians não deveria ser um problema. Ele treinava como todo mundo, jogava o melhor que podia, não deixou, que eu saiba, de cumprir suas obrigações. E direito de fazer política todos nós temos. Mesmo os que ficam em cima do muro estão fazendo. Porque não se manifestar e ficar em silêncio não deixa de ser uma forma de posicionamento.

    • Cleibsom Carlos

      É engraçado, o Timão conseguiu seu estádio somente pela política e agora vem um desinformado escrever isso!!!

  • Na minha opiniáo o BSFC já perdeu a credibilidade hã muito tempo , se é que teve um dia . Ao tentar incluir , na Lei de Responsabilidade do Esporte , um dispositivo que puna os clubes por atrasos salariais já demonstra a intenção de olhar muito mais para si do que para o futebol brasileiro. Por que todos os trabalhadores do Brasil – incluindo os jogadores profissionais – possuem apenas o Min do Trabalho para protegê-los e o BSFC quer um proteção adicional ? É justo isso ? Todas as demais reivindicações do BSFC sào apenas para não ficar evidente que só o pagamento em dia interessa a eles . È justo reivindicar salários em dia ? Sim , claro . Mas não só para jogadores , mas , também , para operários , professores , médicos , enfim todos os trabalhadores . Esse Paulo André deu uma declaraçào que demonstra o seu caráter . Ainda atuando no Corinthians disse que se fosse torcedor não iria aos jogos do campeonato paulista . Como um empregado pode tentar prejudicar o empregador ? Ele poderia ter dito tudo , menos algo que prejudicasse o clube . E outra , que histórico de contribuição possui esse BSFC que lhe faça possuir credibilidade ? Quem é esse Paulo André ? O que já fez na vida além de jogar um futebol medíocre ? Sou a favor de mudanças na estrutura do futebol brasileiro , mas quero esse BSFC longe das decisões .

    • janca

      Silvio, seguimos discordando, já que ontem tocamos nesse assunto. Paulo André, além de jogar futebol (você o considera um jogador medíocre, eu o considero um bom zagueiro que prestou muito serviço ao Corinthians), tem procurado estudar e se aperfeiçoar inclusive para debater os assuntos que tanto mexem com o futebol brasileiro. E muda-lo para melhor. Já me manifestei sobre aquela polêmica em relação a ir a jogos do Paulista (ele, se fosse torcedor, não iria). Muita gente não iria e não foi, porque o produto está desvalorizado, os jogos são ruins, os estádios são vazios e é isso o que ele tenta mudar. Agora o que não dá é para cobrarem do Paulo André a resolução de todos os problemas do futebol e do Brasil. Ele está lutando pelo futebol, setor onde atua, não por outros ramos que também precisam de melhoras. Não dá para se dedicar com afinco a todas as causas do mundo. E acho justo o chamado Jogo Limpo Financeiro, embora não possa ser adotado de um dia para o outro, ou melhor, os clubes devem ter um período para ajustes. E eu defendo que esse período seja de três anos, embora aí haja controvérsias.

    • Robson Pacheco

      Silvio, então você discorda que os clubes tenham que cumprir aquilo que puseram no papel quando contrataram jogador A, B ou C?? Você acha justo que um cidadão chegue todo dia no trabalho, cumpra aquilo pro que foi contratado, chegue às vezes a ser agredido, como foi o André Santos recentemente, e que passe 3 meses sem receber, como os jogadores do Botafogo, e que o clube não seja responsabilizado por isso???

      Quer dizer que os caras fazem um monte de reivindicações “só” pra encobrir que queiram receber em dia? Pensamentinho tacanho esse seu, heim?! Quanto às outras categorias, que façam seus próprios movimentos, ué!!! Ou você já viu um metroviário lutando pelos direitos dos autônomos, dos médicos? Fazendo greve pra que os professores tenham aumento??

      O Paulo André, quando disse que não pagaria pra assistir um jogo do Paulistão, só expressou seu sentimento, que parece ser o mesmo de TODOS os que NÃO foram aos jogos ruins do Paulistão.

      Você perguntou:”que histórico de contribuição possui esse BSFC que lhe faça possuir credibilidade?” e eu te respondo: TEM UM HISTÓRICO MAIOR QUE QUALQUER UM QUE NUNCA TENHA FEITO NADA …Eu…VOCÊ…MARIN…DEL NERO…!!!

      Você pode até discutir a qualidade técnica do Paulo André, mesmo que essa não seja a questão, mas vai questionar o Alex, o Juan, o Dida, O Rogério Ceni também??? O cara pode até ser, na sua opinião, “um jogador medíocre”, mas é um cara extremamente culto e politizado, provavelmente mais que eu e você juntos.

      • janca

        Você tocou em alguns pontos importantíssimos, Robson. Um deles é justamente sobre a credibilidade do Bom Senso. Não tem comparação com a de um Marin da vida. E aqui, como você bem colocou, não estamos discutindo a qualidade técnica de A ou B. Mas o direito de reivindicar, que é absolutamente legítimo. Além do direito de participar do debate. É um momento em que não podemos ficar calados.

    • Robson Pacheco

      Só mais uma coisa Silvio, se você espera que as “mudanças na estrutura do futebol brasileiro” partam dos que estão no poder, senta e espera, mas procure uma poltrona beeeeeeemmmm confortável, porque é bem provável que demore bastante.

      • João

        Robson, sinceramente, você e o Janca tem muita paciência para contra argumentar essas pessoas com o pensamento tão pequeno, que se pautam exclusivamente pelo fato de alguns jogadores ganharem muito, chegando ao ponto de não conseguirem enxergar que o BS quer na verdade a melhora do produto, o que iria beneficiar principalmente a nós, consumidores. Essas pessoas acham que o fato de uma pessoa ganhar bem ela não pode ter dignidade ou simplesmente lutar por mudanças. Espero que você e o Janca continuem nessa empreitada, pois eu mesmo já perdi a paciência. Depois reclamam do país, mas a partir do microcosmo do futebol a gente pode entender porque vivemos em um país nestas condições, pois com brasileiros com capacidade cognitiva tão débil fica mais difícil melhorar um país.

        • janca

          Nem sempre tenho paciência, mas tenho respeito ao internauta. Quando consigo tempo para responder, tento dar uma satisfação ao internauta.

  • Dani

    João, mais uma vez parabéns pelo texto. Sou fã do Paulo André e das suas colunas, João. Continue assim. Paulo André é um ótimo profissional e tem feito um trabalho fora do campo muito bom. O Brasil precisa de mais gente como ele. E a quem não teve oportunidade que leia o livro do Paulo André. Vai entender melhor o que vive um jogador de futebol antes de falar besteira. Li o livro depois que você indicou no Lance, João. Beijo pra você, Dani

    • janca

      Também achei o livro muito interessante. Até por isso fiz uma coluna na época sobre ele, Dani. Obrigado pelas palavras, João

  • Raphael

    Eu quero saber qual a contra partida que o BOM SENSO oferece para os clubes, todo mundo sabe que tem muito jogador que não são bons profissionais, fazem contrato longo e se esconde no DM ou finge contusão para ser dispensado e receber uma fortuna. Quero saber o que o BOM SENSO pensa disso?

    • janca

      Então os clubes que não contratem esses jogadores. E se por algum caso o sujeito fingir contusão ou algo assim, desde que não fiquemos na mera especulação, é claro que o clube tem o direito de se defender e inclusive (desde que comprove má-fé da outra parte) rescindir o trabalho.

  • João

    Janca, quando eu li que os dirigentes de clubes e a CBF estavam querendo a aprovação rápida do projeto de lei que está tramitando no Congresso, sinceramente, já deduzi que não era coisa boa! Confesso que não li o projeto, mas mesmo assim cheguei a essa conclusão pois a lista de desserviços destes que queriam a rápida tramitação é enorme! Esse Marin e Del Nero, além dos cupinchas deles, não vão largar o osso tão facilmente. Vão espernear e o meu medo é que eles consigam ter êxito. Me impressiona como esses senhores parecem ser inatingíveis! Nem o Presidente da República parece ser tão imune a essa quantidade de incompetência.

    • janca

      É que eles vivem dentro de uma estrutura viciada. Tanto que o Ricardo Teixeira, de quem Marin era o vice mais velho, ficou mais de duas décadas no poder.

  • André

    A CBF apresentou o calendário dela contemplando pedidos do Bom Senso. Se os jogadores querem jogar menos, conseguiram. Vai ter um limite de jogos para cada jogador. Li hoje na Folha.

  • GUGA

    O BSFC ESTÁ MANDANDO BEM. CONSEGUIU AJUDAR A MELAR A APROVAÇÃO DESSA LEI NOS MOLDES QUE OS DIRIGENTES QUERIAM. A CBF SÓ SE MEXEU PRA APRESENTAR UM CALENDÁRIO, MESMO SENDO RUIM E QUASE IGUAL AO DE HOJE, PORQUE OS JOGADORES PRESSIONARAM. JOGADOR TB. TEM QUE FALAR E SE POSICIONAR, NÃO TEM QUE SÓ JOGAR BOLA. OS TEMPOS DA DITADURA PASSARAM

    • janca

      Concordo, mas o calendário da CBF é para inglês ver. Só para a entidade dizer que “propôs” algo. Não muda nada. Até por isso a luta e a pressão têm de continuar. Tem patrocinador da entidade, inclusive, descontente com o caos que virou nosso futebol. E com a desvalorização da Seleção. E os donos da grana têm que pressionar, pois a CBF transformou a Seleção em piada.

  • Cleibsom Carlos

    Concordo plenamente com tudo que o BSFC está propondo, acho apenas que o movimento não pode ficar resumido ao Paulo André, a batalha é muito grande para o cara aguentar o tranco sozinho…O movimento não do Paulo André, e sim dos jogadores que querem um futebol brasileiro decente! O que me espanta é o silêncio do Rogério Ceni, afinal ele tem a fama de ser um dos jogadores mais inteligente e artiticulado do Brasil.

    • janca

      Mas o movimento não é só do Paulo André, que nem no Brasil está. Há outras lideranças muito boas e com perfis diferentes. Entre elas Dida e Alex. Já Rogério Ceni tem outra visão do futebol, apesar de fazer parte do grupo.

  • Ricardo

    Avisa o Paulo André que o difícil é pegar quatro conduções pra ir e voltar ao trabalho e viver de salário mínimo, meu!

    • Lucius

      Por causa de idiotas como você o futebol não vai pra frente, Ricardo. Ridículo seu comentário.

    • janca

      O Paulo André já penou muito, especialmente no início da carreira. Recomendo que leia o livro dele. Retrata bem o universo do futebol. E de quem está começando também.

  • Lucius

    João Carlos, fora o Alex, o Paulo André, o Dida e o Ceni, q. deu uma desaparecida do grupo, tem alguma outra liderança forte? Fora o Fernando Prass tb., foi um q. mandou bem no começo do ano. E vc. não acha que o movimento errou ao ficar fazendo paralisações ano passado? Um minuto de paradinha antes dos jogos? Ameaçou greve, deu pra trás e os dirigentes e a CBF perceberam que o movimento não tinha tanto peso quanto alguns imaginavam antes. Tanto que o Paulo André mesmo saiu do país.

    • janca

      Há lideranças importantíssimas. O Fahel, o Roberto, goleiro da Ponte, o Juan e o Lúcio Flávio são alguns exemplos. Agora o Barcos tem conquistado destaque, o D`Alessandro teve relevância… E o Dida é um sujeito incrível. E uma voz importante do Bom Senso. Sobre as manifestações do ano passado achei acertadas. Foi um pontapé inicial. Agora de fato achei que o Bom Senso perdeu boa oportunidade no primeiro semestre, durante os Estaduais e especialmente depois da invasão do CT corintiano, no caso de SP, de radicalizar, inclusive com paralisação. Greve de uma rodada, por exemplo. Mas você tem que entender que eles, jogadores, estão mexendo com o poder instituído, com muitos interesses e isso gera uma reação. O Paulo André saiu do Brasil, o que lamentei, inclusive, embora compreenda e respeite, por uma série de razões. Uma delas imagino que tenha sido essa. A pressão que sofreu e o espaço que perdeu no próprio Corinthians, cuja direção não via com bons olhos, desde os tempos do Andrés, o movimento que foi surgindo e crescendo. A meu ver o Bom Senso perdeu espaço no primeiro semestre, mas como me disse o Paulo André a chama do grupo voltou. E nesse momento é muito importante que seja assim. Pois precisamos de novas vozes no futebol.

  • Fabrício

    O Roberto que você citou é um bom cara. O Dida, por toda a história dele no futebol, também é um bom cara. O Ceni com certeza só pensa no São Paulo.

    • janca

      O que também é um direito dele, Ceni, embora o que esteja em xeque hoje não seja o São Paulo, mas o futebol brasileiro como um todo.

  • Fernando

    Marin de bobo não tem nada. Temo que acabe dando um nó no Bom Senso. Na Copa começou sumido, bastou o Brasil ir avançando pra aparecer. Irritava aquela imagem do ônibus chegando e ele beijando David Luiz e outros jogadores no rosto. Os jogadores se deixam usar. David Luiz não deve conhecer o passado do Marin. Passado de Arena e ditadura militar. Espero que o Paulo André não tenha o mesmo fim. Acho que ele é mais inteligente que o David Luiz.

    • janca

      Não tem mesmo. Na Copa procurou os holofotes quando o Brasil começou a avançar, até tratei disso num dos posts durante o Mundial. E você lembrou bem. Sou fã do David Luiz, mas foi triste vê-lo beijando o Marin antes do jogo contra a Alemanha. Depois da partida o cartola sumiu, mas o zagueiro e capitão naquele desastroso jogo teve que dar a cara a bater. E acabou abandonado pelo dirigente. Sobre o Paulo André não se trata de quem é mais ou menos inteligente, até porque não sei medir QI de ninguém e hoje QI também não vale tanto (só se for o famoso Quem Indicou _até por conta disso, do velho Quem Indicou, Marin é o presidente da CBF).

  • Gustavo

    Domingo fui ao Couto Pereira que recebeu um bom publico,o dia estava lindo e jogo com televisão aberta… Alex do bom senso estava em campo e o jogo foi um dos piores que já vi na minha vida. Nesse caso não havia nada que atrapalhasse para que os jogadores proporcionassem um bom espetáculo.
    Acho legal algumas reinvidicações do bom senso e apoio mas o dentro de campo quem faz o espetáculo é o atleta então vejo muita reclamação desse pessoal e nada de ação sendo que as condições de jogo e o calendário são melhores que nos anos 90 onde chegava-se a jogar 3 vezes na semana.
    Está na hora desses caras entrarem em campo e justificarem seus altos salários pois não há razão para espetáculos tão ruins.

    • janca

      Não entendo sua crítica ao Alex, que aliás fez ótima partida contra o Grêmio na rodada anterior. E mesmo que viesse jogando mal, acontece. O que o Bom Senso quer é justamente melhorar o nível do futebol brasileiro. Se ele está ruim, vá reclamar com os dirigentes dos clubes e da CBF, que nos levaram à situação em que estamos. Os jogadores são os menos “culpados” pela má fase do nosso futebol.

      • Gustavo

        O Alex apenas foi citado como exemplo e não jogou nada assim como nenhum dos outros 21 jogadores que tinham todas as condições de realizar uma partida minimamente aceitável.
        Os atletas tem inúmeras regalias,bons salários e ficam de mimimi está na hora de entrar em campo e justificar o salário.

        • janca

          Coritiba x Corinthians foi um jogo lastimável. Pior que qualquer pelada de esquina. Os jogadores podem e devem ser cobrados, mas desde que com respeito, não com violência. E o nível do Brasileirão é reflexo de anos e anos de má administração dos clubes e do próprio campeonato, que é organizado (organizado?) pela CBF.

  • pedro salomão

    Caro Janca, estou aguardando um pronunciamento seu sobre o que está acontecendo no Corinthians. Seus presidentes sonegaram a mesma quantia que foi sonegada pelo MAU_LIXO Comissão no Botafogo: R$ 95.000.000,00. Foram denunciados pelo MPF, mas o Corinthians não teve suas receitas bloqueadas, diferentemente do Botafogo!! Se eles estão sendo denunciados e indiciados é porque existem leis que permitem isso enão havia motivo para que esses bobocas do BSFC interferisse no Congresso!! Aliás quero ver o seu posicionamento e também daquele que vc tanto admira : Juca Kfouri! Ou será que para amigos e correligionários a lei é diferente!! Quem tem o poder da mídia se obriga a ser imparcial!! Ser parcial pode não ser ilegal, mas seguramente é imoral!! Outra coisa, lugar de jogador é no campo exercendo sua profissão, Se quizer legislar que se candidate. Jogador palpitando….. Vide LEI PELÉ só sai porcaria!!!

    • janca

      Sobre a administração do Corinthians e a forma como foi viabilizado o estádio do clube já me pronunciei várias vezes, você não deve acompanhar o blog. E não tenho amigos na direção corintiana, não, você deve estar muito mal informado. Agora querer calar os jogadores é o fim da picada. E quiser é com “s”, Pedro Salomão.

      • pedro salomão

        Obrigado, de qualquer forma, pelo “quiser”. Mas já sabia que havia digitado errado ; tentei corrigir mas não consegui , pois já havia postado,. Mas gostaria que vc comentasse o caso da sonegação do Corinthians da mesma maneira que comentou o do Botafogo. Se as verbas do timão também fossem bloqueadas os salários também estariam meses atrasados. No caso do Corinthians quem foi indiciado para punição foram os dirigentes- aliás corretamente!! No caso do Botafogo foi o clube, erradamente, inviabilizando seu dia a dia!! Por isso não há o que festejar na não aprovação da LRFE, Quem sai perdendo? Governo que não recebe, clubes que ficam inviáveis , jogadores que não terão onde trabalhar e comentaristas esportivos que não terão o que comentar, Um verdadeiro tiro no pé!! Leis para punir quem não cumprir já existem, basta aplicá-las!! O MPF está aí para isso!! Cadeia neles!! Mas estamos em Pindorama, onde os mensaleiros andam soltos com beneplácito oficial !!! Agora diga-me, quem é Paulo André? Uma sumidade da área econômica formado na mais famosa Universidade americana? Qual o seu peso e sua contribuição para o futebol brasileiro? Sai fora dessa Janca. Esses caras estão querendo arranjar uma “”boquinha”‘ na tal de “”comissão”” que querem criar para fiscalizar uma coisa que não compete a eles!! Tá duro de “”largar o osso”!!!

        • janca

          Há o que festejar na não aprovação da lei, sim. Ela seria um prêmio para dirigentes irresponsáveis e incompetentes, como Maurício Assumpção, por exemplo. O Botafogo há oito meses deixou de pagar impostos esperando a aprovação de tal lei. Não dá. O clube está indo para o espaço e não adianta ficar culpando terceiros. O problema é interno. A administração do atual presidente, na qual acreditei de início, tem sido desastrosa, como é desastrosa a de muitos outros dirigentes. Veja o caso do Flamengo, do Palmeiras, do Vasco, o buraco nas contas do Santos, apesar da venda de seus principais valores, da Portuguesa e de tantos outros clubes brasileiros. No caso de Paulo André, não é nenhuma sumidade da área econômica nem formado por famosa universidade americana, mas ajudou a colocar o tema em perspectiva e lançou uma semente na tão necessária rediscussão do futebol brasileiro. As contrapartidas para o refinanciamento das dívidas dos clubes têm que ser fortes e significativas, se não daqui a alguns anos eles estarão mais uma vez pedindo novo refinanciamento. E assim não dá. E concordo que está duro de “largar o osso”. No caso dos dirigentes, que não saem do poder de jeito nenhum. Basta ver o caso do presidente do Botafogo, que ajudou a afundar o clube e já avisou que não sai de jeito nenhum.

        • janca

          E ainda sobre Paulo André, de fato não é nenhuma sumidade na área econômica, nem formado por universidade norte-americana de ponta, é apenas um jogador que tem tentado fazer a diferença fora de campo e ser ouvido. Agora te pergunto: Quem é Marin? Quem é Maurício Assumpção? Quem é Andrés Sanchez?

        • janca

          Uma última consideração: se tiverem se tiverem que bloquear recebimentos do Corinthians que o façam. O clube, pelo que consta, deixou de recolher à Receita Federal uma série de pagamentos, mas como se trata de uma ação penal os dirigentes, entre os quais Andrés, é que são acusados e não o clube. Se a legislação está certa ou não ou o que a Justiça determinou, não sei, não sou advogado e há posições contrárias entre os “especialistas em lei”. Mas aparentemente o clube foi “beneficiado” por conta dessa apropriação indébita. Pelo menos num primeiro momento, porque agora pode até ser penalizado, a dívida terá que ser paga, com processo criminal ou não contra seus dirigentes. Para ver como anda nosso futebol. Há tempos virou caso de polícia.

MaisRecentes

Paulistas com medo



Continue Lendo

A mágoa de Ceni



Continue Lendo

Alerta a Raí



Continue Lendo