Não é vida ou morte



Reproduzo, abaixo, texto que publiquei ontem no diário LANCE!:

“O que mais chamou minha atenção nos quatro primeiros jogos do Brasil na Copa foi, além da desorganização tática (ainda há enorme buraco no meio-campo), o desequilíbrio emocional de nossos jogadores. Dão a impressão de estarem carregando o país nas costas, como se dependêssemos deles pra que acontecessem mudanças essenciais no Brasil, quando não é o caso, longe disso. Não vou dizer que futebol seja apenas um jogo, porque envolve muita coisa e se tornou um esporte bilionário, uma grande indústria, enfim, com pontas e ramificações que muitos de nós às vezes desconhecemos até. Sei que tem toda uma simbologia e é ela, na verdade, que me interessa. Mas não estamos falando de um jogo ou torneio de vida ou morte, não. Acho que é isso que os jogadores precisam entender, inclusive para que possam render mais.

Talvez seja a síndrome de Barbosa, goleiro que acabou injustamente destruído pela perda do Mundial de 1950, quando o Brasil fez uma belíssima campanha, a Espanha (de 50), aliás, que o diga. Perder faz parte do jogo. E deveríamos cobrar de nossos políticos, como já disse em outra ocasião, da mesma forma que alguns cobram de nossos jogadores. Ou que os atletas cobram deles próprios, exigindo tudo e mais um pouco, como se não fossem seres humanos e não pudessem errar. E, se for o caso, perder.

Fiquei muito preocupado quando Thiago Silva contou ter ficado tão emocionado na estreia que não se reconhecia como jogador no primeiro tempo contra a Croácia. O emocional, como ele mesmo admitiu, prejudicou seu desempenho e erros continuaram a se suceder, especialmente no primeiro tempo contra Camarões e no jogo das oitavas diante do Chile, quando não fomos eliminados por um triz.

Júlio César, que parece carregar o mundo nas costas só porque falhou contra a Holanda em 2010, não precisa se sentir responsável pela eliminação do Brasil, pois ninguém perde sozinho, nem tem que se redimir agora por conta de uma falha que ficou lá atrás. Erros acontecem e espero que os pênaltis que defende contra o Chile tirem o sofrimento que o acompanha há quatro anos.

Dá pra sentir a tensão no rosto de cada jogador, caso de Jô e Willian, que entraram assustados sábado no Mineirão. E se responsabilidade é importantíssima e a própria pressão tem uma função que pode ajudar os atletas, inclusive no tocante à concentração, quando em excesso pode produzir efeito contrário. Nervosismo, erros infantis, jogadas atrapalhadas e bolas rifadas, por exemplo.

Continuo acreditando no Brasil, mas queria que os jogadores entrassem em campo com mais leveza e descontração. Que pudessem curtir um pouco o Mundial, atuar com alegria e apresentar a poesia que foi a marca de nosso futebol durante muitos e muitos anos e hoje, infelizmente, talvez não seja mais. Que eles tivessem ciência de que não são obrigados a ganhar o Mundial, ainda mais se tratando de um torneio com jogos eliminatórios e de um esporte que tem na imprevisibilidade uma de suas principais características. Relaxa, Brasil!”



  • Zico

    Tudo isso que citou é apenas o espelho do entregador de camisas. Na própria reportagem do lance , cita fatos do que é Felipão. Como é apenas motivador , se esquecendo que alguns reagem de forma diferente a críticas ,que ao invés de motivar o jogador a mostrar que ele é capaz , derruba o cara!
    A copa das confederações não é parâmetro , e se for ,parece que alguns esqueceram do sufoco contra o Uruguai .
    Se o felipão fosse com essa historinha pra cima de R10 , KAKA eles pensariam , ´´menos Felipão , menos!!“

    • janca

      Não sei o que o técnico tem conversado com os jogadores, mas de fato quando se lembram da Copa das Confederações muitos (jornalistas e torcedores) se esquecem daquele jogo contra o Uruguai, por exemplo. Tremendo sufoco.

    • Robson Pacheco

      Zico, concordo plenamente com o que você escreve a respeito do Felipão. Nunca foi estrategista, seu esquema de jogo é o mesmo desde que se destacou pelo Grêmio, defesa forte, um atacante velocista e um centro avante trombador e bom cabeceador, tanto é que sempre que tentou fugir disso se deu mal (fora a Copa de 2002, mas naquele momento, ele tinha um elenco espetacular), aliás, fora Copas do Brasil (que até Paulista de Jundiaí, Santo André e o Flamengo do ano passado ganharam, logo, pra mim, não serve de parâmetro), todos os seus títulos foram com baita times.

      Na Eurocopa de 2004, por exemplo, eu até discuti com o Janca, que entende ter sido um feito chegar à final, em casa e com um time que tinha Figo, Deco, Pauleta ,Rui Costa e Cristiano Ronaldo na reserva…respeito,mas DISCORDO FRONTALMENTE.

      Enfim, seu grande mérito sempre foi agregar o grupo e fazê-lo jogar por ele, formando as famosas “Famílias Scolari”, e quando não conseguiu, fracassou. Foi assim no Cruzeiro, no Chelsea, quando se indispôs com o Drogba (ídolo da torcida e líder do elenco), no Palmeiras, onde foi o principal responsável pelo rebaixamento (O Kleber veio á público dizer que o elenco não gostava dele, desde o momento em que ele deixou de defender o João Vitor no caso da briga com o torcedor).

      • janca

        Discordamos, Robson. Como disse queria ver se fosse Felipão o técnico de Portugal, Espanha, Inglaterra ou Itália nessa Copa, todos eliminados logo na primeira fase. O que não estariam dizendo? Sobre o rebaixamento do Palmeiras, foi um dos responsáveis, não o único nem o principal. E errou ao priorizar a Copa do Brasil deixando o torneio de lado. Mas pelo menos ganhou a Copa do Brasil. Seu substituto no Palmeiras, Gilson Kleina, que fez péssimo trabalho por lá, teve tempo de salvar o time do descenso e não conseguiu. Erraram todos. Inclusive jogadores, torcedores (responsáveis por perda de mandos de campo) e dirigentes.

        • Robson Pacheco

          Desculpa Janca, mas por na conta do Kleina a culpa pelo rebaixamento não dá, né?! Éo mesmo que dizer que o Luxemburgo foi um dos responsáveis por 2002. Ele assumiu faltando 10, 11 rodadas pro fim do campeonato, com um elenco arrebentado e teve aproveitamento melhor que o do Felipão, inclusive, com o percentual de pontos dele o Porco não teria caído.

          • janca

            Claro que dá pra colocar também na conta do Kleina. Não há um único responsável pelo rebaixamento, há vários, e entre eles estão Felipão e Kleina, que teve tempo pra conseguir os pontos que faltavam para o time não cair.

  • Mario

    concordo , mas em um pais aonde o cargo mais importante é de tecnico da seleção e não do presidente ,fico em duvida se o povão pensa igual.

    agora essa pressão foi criada pelo Felipão e sua trupe , agora q mostrem trabalho e resolvam , ganham muito bem para isso.

    • janca

      Eles ajudaram a criar a pressão mesmo, Parreira que o diga, mas acho que já se foi o tempo em que ser técnico da Seleção era mais importante do que ser presidente do país. Os tempos são outros. Abs.

  • Rafa

    E tem mais, Janca: há muitos jogadores desta seleção que estarão maduros o bastante para vencer a Copa de 2018 (lembremos dos alemães: eles não estavam prontos para ganhar em 2010, estão agora). Tudo o que não pode acontecer é o Brasil perder a Copa, crucificarmos Neymar (o garoto só tem 22 anos, fez mais que Messi em Copas com a mesma idade) e companhia e querermos começar do zero o trabalho. Isso será burrice.

    • janca

      Concordo. Mas duvido que o Neymar seja crucificado, até porque fez quatro jogos até aqui em sua primeira Copa. E ainda assumiu a responsa de bater o último pênalti contra o Chile. E marcou, mesmo com a perna daquele jeito. O que os chilenos bateram… Abs.

      • WAGNER

        ACHO QUE EM 2018, COM TÁTICA FORMADA SEREMOS CAMPEÕES. MAS QUEM FORMA TÁTICA AQUI NO PAÍS? QUAL TÉCNICO É ESTRATEGISTA HOJE?

        • janca

          Eu defendia um técnico estrangeiro pro Brasil na Copa. Agora, sobre tática, os jogadores têm de conhecer um pouquinho, atuam na Europa, muitos já trabalharam com os principais profissionais do Velho Continente, inclusive o Mourinho. E sobre o Felipão, que, tudo bem, tem deixado a desejar na Copa até aqui, o que foi de Portugal depois de sua saída? Com ele foi campeão da Euro e semifinalista do Mundial de 2014. Queria ver fosse Felipão o técnico de Portugal eliminado logo na primeira fase da Copa no Brasil o que não estariam dizendo. Ou o técnico da Inglaterra. Ou o da Itália.

          • WAGNER

            NISSO CONCORDO, MAS CÁ ENTRE NÓS, COM MATERIAL HUMANO QUE TEMOS E UMA TÁTICA RESOLVIDA E SEM CHUTÕES, DAVA PARA FAZER UM BAITA ESTRAGO, NÃO É? O ERRO FOI PERDER GUARDIOLA. MAS FELIPÃO NÃO É DOS PIORES. MAS ESTÁ A MEIO FIO DE FICAR ULTRAPASSADO. TOMARA QUE DURE ESSE REINADO ATÉ DIA 13. E SEJA COROADO NESTE DIA…

          • janca

            Também não acho Felipão dos piores, longe disso, tem experiência, tem bagagem, mas preferia um Pep Guardiola. Estaríamos, pelo menos, jogando bonito.

          • WAGNER

            COM ELA NO CHÃO, O QUE É MAIS IMPORTANTE.

    • Robson Pacheco

      Perfeito o exemplo da Alemanha, primeiro, porque a torcida entendeu que futebol não é, nem de longe, a coisa mais importante do mundo, coisa que me parece, não acontece no Brasil. E mais que isso, abraçou sua seleção mesmo tendo sido eliminada antes da final.

      Quanto ao Neymar, acho que em caso de insucesso da seleção, será sim, muito cobrado, chamado de pipoqueiro e tals, porque é dele que mais se espera, mas acho também que ele vai absorver bem tudo isso, até por não jogar aqui.

      • janca

        Agora concordamos. A Alemanha deu um show abraçando a seleção e a apoiando até a disputa de terceiro lugar e comemorando como se fosse título. Usou a Copa para fortalecer o futebol local, unir o país e plantar para o futuro. Sobre Neymar tenho minhas dúvidas, acho que pra Cristo pegam o Thiago Silva (pelo menos até aqui tem sido criticadíssimo), mas se forem pra cima dele, Neymar, o ex-santista consegue tirar de letra. É um dos jogadores que têm sabido atuar na Copa com certa leveza. E espero que siga assim.

      • Zico

        Olha Robson , em relação a futebol no Brasil comparando com a Europa é complicado. Primeiro como citou , não é o futebol o primordial . Aqui no Brasil é diferente. E com as declarações do Marin , Parreira e Felipão (disseram que a Copa é nossa) eles mesmo , deram combustível para críticas e cobranças por uma perda do título. Quem tem noção de futebol sabe que o Brasil não tinha um time forte e que não era favoritíssimo ,como eles colocaram!
        Quanto ao Neymar por parte da mídia (principalmente Globo) será blindado , e não será crucificado.

        • janca

          Com todo respeito vou discordar de você num ponto. Acho que temos um time forte. O problema é que ele não tem sabido jogar. Não consigo ver um esquema tático do Brasil nessa Copa, vamos ver se mudanças ocorrem, pelo menos na forma de o time jogar, amanhã.

  • lm_rj

    Esses mariquinhas choroes do time brasileiro sao uns frouxos
    sentem pressao?

    imagina se tivessem nascido italianos na epoca das copas de 1934/1938 nem entrariam em campo…

    “Em 1938, na terceira Copa, disputada na França, Mussolini manteve o mesmo treinador, Vittorio Pozzo, e voltou a enviar as mesmas mensagens para cada um dos jogadores, todas as noites anteriores a cada partida, com a sucinta mas “eficaz” sentença: “vencer ou morrer”. Assim, a Itália voltou a triunfar, se tornando a primeira seleção bicampeã mundial da história do futebol.”
    http://rollingstone.uol.com.br/edicao/edicao-92/vencer-ou-morrer

    • HECK_BR

      OUTROS TEMPOS, NÃO ACHA? MAS COMO LITERATURA É INTERESSANTE LEITURA.

    • luiz felipe

      Agora imagina, se você estivesse lá?

    • janca

      Eficaz sentença o tal de vencer ou morrer? Felizmente não estamos nos tempos de Mussolini. E os jogadores brasileiros não são frouxos, não, são muito valentes, têm dado a cara pra bater, não vejo problema no choro desde que não comprometa o desempenho de alguns em campo, o que infelizmente tem acontecido. Por isso eles têm de colocar a cabeça no lugar. Mas se perderem faz parte do jogo. O que quero é ver a Seleção jogando bem, algo que não aconteceu até aqui. Mas nada de Mussolini, era só o que faltava.

  • Gargamelvio

    Tome vergonha na cara Felipão, o time é esse:

    Julio Cesar

    Maycon
    David Luis
    Thiago Silva (o frouxo)
    Maxuel

    Henrique
    Hernanes
    Paulinho
    William

    Hulk
    Neymar

    • janca

      Willian? A meu ver não começaria como titular, não. Estava muito tenso contra o Chile e ainda bateu o pênalti daquela maneira… Mas quem escala não somos nós, vamos aguardar o que diz Felipão.

    • Zico

      Henrique você brincou ! Nem no fraco Flamengo eu queria..

      • janca

        E o David Luiz? Tem sido um gigante. E pode ser gigante como zagueiro ou como volante.

  • luiz felipe

    Grande Janca.

  • @Sal_R9

    Quando os cornetas da imprensa e torcida conseguiram derrubar o Mano eu avisei: Mano tentava trazer o futebol brasileiro pro seculo 21 taticamente falando, e com Felipão voltariamos 20 anos no tempo.

    Copa das Confederações, ou Copa das Ilusões, como diz Mauro Cezar Pereira da Espn, conseguiu enganar a torcida brasileira pela terceira vez consecutiva.

    Agora não adianta chorar o leite derramado, vamos aos trancos e barrancos, parece que é assim que a imprensa e torcida gostam.

    • janca

      E com Mano seria diferente? Nem na Copa América ficamos entre os quatro melhores, imagine numa Copa do Mundo. E a Copa das Confederações não foi a Copa das Ilusões. A Espanha que o diga. Começou sua derrocada lá. E bem ou mal estamos entre os oito melhores do mundo, podendo chegar entre os quatro, com muita disposição desse time. Mas que o Felipão tem mandado mal na Copa, tem.

    • HECK_BR

      O ERRO DE MANO FOI CONFIAR NO EMPREGO. MAS NO FUNDO ELE E FELIPÃO SÃO DA MESMA ESCOLA. O FELIPÃO HOJE TALVEZ SEJA O MANO DE AMANHÃ.

      • janca

        Difícil, porque Felipão já tem uma história no futebol. Mano ainda não.

        • HECK_BR

          CONCORDO, MAS MANO É MAIS NOVO.

          • janca

            Mais até agora não mostrou nada. Série B pelo Corinthians é muito pouco. Copa do Brasil? Até aí o Tite, em termos de títulos e trabalhos, mesmo também sendo mais novo do que Felipão, tem mais a apresentar.

MaisRecentes

Itaquera-2018



Continue Lendo

Brigas no Fla



Continue Lendo

Paulistas com medo



Continue Lendo