Nova sede pra 2022



Ingleses e franceses dão como certo que a Copa de 2022 não será no Qatar.

No domingo a imprensa britânica revelou que o país pagou a membros do Comitê Executivo da Fifa a fim de ganhar a eleição que determinou a sede do Mundial de 2022.

Entre os acusados de receber grana está Ricardo Teixeira, que comandava a CBF.

Até presidentes de federações nacionais que não votavam para escolher a sede mas eram influentes no Comitê Executivo teriam recebido agrados.

O Brasil, que, antes de ser escolhido para abrigar a Copa de 2014, sonhou receber torneios anteriores, chegou a realizar amistosos na década retrasada contra países cujos presidentes de federações, mesmo não fazendo parte do Comitê Executivo, tinham força no colegiado e podiam assegurar votos ao país.

É muito diferente, no entanto, da acusação que pesa contra o Qatar, que configuraria corrupção e deve obrigar a Fifa a fazer nova votação.

Para ingleses e franceses, além da denúncia de compra de votos, pesa em favor de uma outra votação a percepção pela própria Fifa de que fazer a Copa no Qatar é inviável.

Além da falta de tradição esportiva do país, o forte calor de junho/julho é um ponto contrário ao país do Oriente Médio. A ideia de mudar o período de realização do evento chegou a ser cogitada, mas grande parte dos países europeus é contra.

Os Estados Unidos, um dos derrotados pelo Qatar, há tempos faz lobby em Zurique para receber o Mundial de 2022.

Mas certamente terá disputa. A Inglaterra, derrotada pela Rússia para abrigar a Copa de 2018, quer concorrer pela de 2022. E a Austrália, que perdeu com norte-americanos e japoneses a disputa com o Qatar, também será candidata.

A decisão de fazer nova votação só deve ser anunciada após a Copa no Brasil, que tanta dor de cabeça tem dado à Fifa. Mas a de 2022, se mantida no Qatar, tende a dar problemas ainda maiores à entidade que dirige o futebol mundial. Bem maiores, aliás.

E vale lembrar que Michel Platini, cujo nome foi envolvido no escândalo, assim como o de Zinedine Zidane, um dos embaixadores da candidatura do Qatar, têm preferido o silêncio, embora o primeiro, em ocasiões anteriores, tenha negado ter recebido um centavo dos árabes para apoiar sua candidatura por 2022.



MaisRecentes

Galo pega fogo



Continue Lendo

Cornetas no Palestra



Continue Lendo

Grêmio ainda reclama



Continue Lendo