A intolerância prevalece



Reproduzo abaixo coluna que publiquei na última terça no LANCE!. Continuo impressionado com a estupidez humana, que parece não ter limite. Falta de educação, preconceitos, bairrismos, homofobia, agressividade, comentários e ataques que muitos fazem via redes sociais escondidos sob um suposto anonimato chamam a atenção. O mesmo suposto anonimato que muitos devem sentir no meio da multidão em grandes jogos de futebol, quando viram valentões. Enfim, segue abaixo o texto:

“Fico impressionado com o nível dos comentários em blogs, especialmente os de esporte, mas também os de política, já que ambos se misturam e envolvem paixões e fortes interesses, clubísticos ou partidários. Estupidez, falta de educação e intolerância prevalecem no cenário.

Pego como exemplo o caso do Bom Senso F.C., movimento de jogadores com propostas para mudar nosso futebol e que levantou duas importantes bandeiras, de reformulação do calendário nacional e implantação do fair play financeiro, ambas absolutamente legítimas. Uma parcela dos torcedores ficou irada com o grupo e extravasou sua irritação ou ódio mesmo nas redes sociais, hostilizando o movimento e alguns de seus líderes, especialmente o zagueiro Paulo André, que acabou saindo do Corinthians para se refugiar, não consigo encontrar outro termo, no futebol chinês.

Muitos dos comentários seguem na linha de que o atleta tem que se preocupar apenas em jogar bola, render bem em campo e justificar o salário que ganha, não discutir calendário ou fair play financeiro, que seriam da alçada dos cartolas. Como se esses estivessem interessados em mudar alguma coisa…

Não foram poucos os que passaram a xingar os jogadores, dizendo que ganham muito, não têm que usar transporte público, defendem apenas seus interesses, querem gozar de mais férias e ter maior pré-temporada e que não passam de uns privilegiados com uma agenda própria, como se houvesse algum problema nisso. Os insultos são inacreditáveis, inviabilizando inclusive a possibilidade de diálogo.

Continuo dizendo que se ganham bem, isso é ótimo pra eles. A questão é discutir se os clubes que aceitam pagar salários milionários, gastando fortunas com sua folha de pagamentos, inclusive para comissões técnicas com “professores” que fazem mais do mesmo, têm condições de banca-los. São os dirigentes, não os jogadores, que devem ser cobrados sobre a questão financeira. Basta ver o caso do Botafogo, cujos atletas têm feito protestos contra o atraso no pagamento de salários e passaram a ser chamados de mercenários por parte da galera depois da derrota da semana passada pela Libertadores.

É uma pena que a ira da torcida acabe dirigida para os atletas, como se fossem responsáveis por todas as mazelas de nosso futebol, quando não são. Quantas vezes Paulo André, enquanto esteve no Brasil e antes de sair de foco partindo para a Ásia, não foi questionado sobre assuntos que não eram de sua alçada nem da do Bom Senso? Foi o caso do imbróglio que marcou o final do Brasileiro do ano passado, com brigas de torcidas e definição do rebaixamento no tapetão. Queriam que ele se posicionasse a respeito e tomasse partido de A ou de B, quando não eram o zagueiro nem o movimento que deviam explicações, mas a CBF, como organizadora do campeonato, e os clubes, boa parte dos quais tem relação umbilical com suas organizadas, várias delas envoltas em casos policiais.

Atrás dos ataques vejo, além de intolerância e agressividade, grande inveja contra os que se dão bem nos gramados. Como se fosse errado faturar jogando bola. Vida de boleiro também é complicada…”



  • Janca , isso não parte só dos leitores . Essa intolerância parte de toda a estrutura da sociedade. O próprio movimento Bom Senso já deu sinais claros de intelerância , ao não aceitar críticas , respondendo-as de forma grosseira ( vide resposta do Paulo André ao Eurico Miranda e a carta aberta dirigida a FERJ ). A imprensa também está inserida nesse contexto , com o seus protecionismos , os seus bairrismos ( que influenciam o público ) , as suas invenções de notícias e o seu interesse mercadológico/financeiro. E isso se estende aos cartolas , aos políticos , aos dirigentes e as instituições. Na verdade ninguém se acha culpado. A responsabilidade é sempre do outro.

    • Mario

      Silvio o BSFC e Paulo podem ter sido grosseiros , mas infelizmente tem que ser assim com nossos cartolas , eles só entendem a liguagem da porrada , propor ideias , debater ou conversar civilizadamente com esse povo não dá futuro , por isso o BSFC deveria ter feito a greve mostrando “os dentes” , infelizmente não tiveram coragem

      • Me desculpa , mas não concordo. Um erro não justifica o outro. Tambèm discordo da firma como esse Bom Senso se posiciona . Eles ouviram o público , que é quem paga a conta ? Ouviram os clubes , seus empregadores ? O problema do futebol brasileiro não se resolve unilateralmente , fazendo uma lista de reivindicações esperando ser cumprida . Tem que negociar , tem que ouvir todas as partes , tem que buscar aliados , enfim não podem se posicionar com salvadores da pátria. Vejo muita gente apoiar esse movimento muito mais por modismo ou por influência de parte da imprensa do que por consciência. Não sou contra a iniciativa , sou contra a forma. Aliás , muito contra.

        • Mario

          não precisa pedir desculpas , é sua opinião é a minha é outra , como vivemos numa democracia temos o direito de debater livre , mas sempre sem ofender .

          é um mundo perfeito ou melhor ou num pais menos corrupto te daria razão , mas vc acha que Marin , Del Nero , Eurico e os outros cartolas q estão a decadas querem debater ou arrumar o futebol?
          existe alguem q queria do lado dos cartolas melhorar o futebol ou só querem manter a mamata?

          e outra coisa o BSFC não impos , chamou para um debate , infelizmente os cartolas preferiram fazer o que fazem sempre que é minar quem tem ideias para debater e fazer nada.

          o futebol brasileiro esta em decadencia a decadas com essa gente no poder , só no dia q alguem como os clubes ou um movimento como o BSFC tomarem uma atitude unilateral o futebol vai melhor.

          esse papo de ouvir o povo é complicado , por q cada um tem uma opinião , ainda mais no brasil q cada canto pensa de um jeito e iriamos ficar seculos discutindo sem nunca chegar a algum lugar , igual a constituição de 1988 …..

          pergunta vc contra o bsfc e qual é a sua proposta? vc acha q tem manter como esta?

      • janca

        Concordo com você, Mario, eles deveriam ter sido mais duros não só na linguagem como nas ações. Perderam grande chance de mostrarem os dentes e fazerem uma greve e só conseguiram, até aqui, que os Estaduais desse ano começassem com uma semana de atraso. É muito pouco.

    • janca

      Sem dúvida a própria imprensa está inserida nesse contexto também, embora eu discordo de você quando diz que ninguém se acha culpado e que a responsabilidade é sempre colocada no outro. Tem gente que se culpa o tempo inteiro e deveria, pelo contrário, se julgar com menos rigor, mas isso é outro assunto, enfim. De qualquer forma não acho que o Paulo André tenha dado sinais de intolerância nos dois casos que você citou.

  • Mario

    falando nesse assunto adorei a reação do jogador de basquete que foi atacado com gritos racistas ,a imagem do covarde fugindo mostra como esses caras são bundões e como as sociedade é fraca , por que todo mundo vai segurar o jogador , mas expulsar o imbecil ninguem se mexe .

    todos os atletas deveriam apoiar esse jogador e imita-lo , só assim teremos mudanças.

    http://www.youtube.com/watch?v=1tf8_nxLh7I

    • janca

      O que não faltam, Mario, são covardes travestidos de valentões protegidos, como costumo dizer, por suposto anonimato (seja em redes sociais, seja no meio da multidão).

  • Caçador de gayvotas

    Caro Janca, concordo plenamente com tudo que disse, como semppre concordo. Mais uma coisa é certa, homofobia…Não tem como gostar de corintiano, eu sempre serei homofóbico.

    • Caçador de gayvotas

      Sei que é crime, mais eles acham que não gostamos deles só porque são pederastas. Não verdade! São outros motivos.

      • flavio

        Quero que seu pai, sua mão e seus filhos vão todos para o inferno., pois é o melhor lugar para demônios como você!!

  • João Simão

    As reinvindicações do BOM CENSO são legítimas. A maioria dos clubes não tem como pagar o que assinam nos contratos de trabalho. Eles podem até merecer os salários astronômicos, mas os clubes não tem como pagar. Nossos jogadores deveriam exigir garantias dos clubes antes de assinar contratos, que todo mundo sabe, inclusive eles, que não serão cumpridos.
    Outra coisa que é preciso esclarecer; os líderes do movimento, com toda razão, alegam que o fair play financeiro e o calendário racional elevariam o nível do espetáculo. Com certeza todos nós ganharíamos com isso. Mas como alguém que enaltece a qualidade do jogo enquanto espetáculo, pratica o anti jogo, faz cera e outras coisas afins. Me desculpe, mas todos eles fazem isso. Coerência meus amigos, coerência! Exijamos nossos direitos, mas cumpramos nossas obrigações. Cobrar necessita do exemplo de que cobra.
    Com relação a essa intolerância que domina a sociedade não cabe comentário. Estamos vivendo numa sociedade doente, incapaz de evoluir. E assim caminha o Brasil das negociatas, dos acordos espúrios e onde a lei só é justa pra quem e quando ela o beneficia.

    • janca

      Não é porque um jogador faz cera, recebe um amarelo ou comete falta para vermelho que não pode reivindicar. Pode. Mas concordo que a postura dentro de campo tem de mudar também. Sobre a sociedade estar doente, concordo. Aliás sugiro a leitura de um livro muito interessante, do Mario Vargas Llosa, que se chama “A Civilização do Espetáculo”. Mostra onde fomos parar…

      • João Simão

        Janca, só pra deixar claro, eu não sou contra as reivindicações, mas acho que certas atitudes precisam seguir o discurso.
        Obrigado pela dica de leitura. Abç.

        • janca

          Entendi sua posição e também acho que os jogadores deveriam mudar algumas de suas atitudes em campo. Mas isso não inviabiliza que entrem em outras searas, como a discussão de um novo calendário para o futebol brasileiro ou a implantação do chamado fair play financeiro. Abs. e bom domingo, Janca

  • Jocinei

    Concordo com você Janca , muitos leitores infelizmente escrevem com clubismos e bairrismo . O Bom Senso é criticado por alguns por que dizem que o movimento e de jogadores ricos e em fim de carreira , então para que entrariam numa luta para diminuir no máximo em 10 partidas para eles por ano e querer calendário para os pequenos ? Simples , fizeram o movimento pois ninguém teve coragem de bater de frente com os cartolas e ninguém melhor do eles para isso ,pois se fosse um movimento de jogadores menos conhecidos , nem seriam percebidos . Todos criticam o calendário , e na hora que aparece um movimento para tentar mudar ele ,muitos não concordam .Acredito que um movimento que tem apoio de Flavio Prado e Juca Kfouri ,não pode ser ruim assim . O mais difícil vai ser dialogar com a CBF , que agora vai ter Marco Polo del Nero,incrivel uma eleição que uma federação como Roraima que tem 6 times ,seu voto ter o mesmo valor de uma Federação Paulista , Carioca e de times como Flamengo e Corinthians .

  • Nicolas

    Janca, concordo sobre o assunto referente aos comentários, mas isso não ocorre só na internet, na vida real também e muito pior. Agora, sobre o Bom Senso, não concordo com sua posição, pois entendo ser um movimento que pensou somente no bem dos jogadores, não para o futebol. Uso como exemplo o caso Elias: Um jogador interessante para várias equipes e que não é aproveitado pelo Sporting. Aí, a imprensa todo dia: “Abre o olho, Elias tá no mercado!!” e o torcedor pensa: “Porquê meu time não contrata?” Só que não falam que ele, mesmo não sendo aproveitado, prefere ficar sem atuar ganhando sei lá quantos mil euros, do que vir para algum time no Brasil e, se vier, pedindo no mínimo R$500 Mil de salários, luvas pro empresário, prêmio por isso e aquilo… Janca, o Gamarra foi embora porque o Corinthians não podia arcar com US$200 mil de salários!! O GAMARRA, no auge!! Outros tempos, outra economia… Acredito que não! Veja o caso do Neílton: Um moleque, que nem é profissional e pedindo um salário absurdo. O Jean Chera é outro! Isso o Bom Senso não vê…

    • janca

      Quando o Bom Senso traz para discussão a questão do fair play financeiro ele está tocando nesses pontos que você cita, sim. Um clube não pode continuar pagando (ou prometendo pagar) aquilo que não tem. Fora que os dirigentes deveriam ser responsabilizados por seus atos, não podem seguir fazendo loucuras e jogando o abacaxi para os sucessores, como vemos em tantas e tantas agremiações.

      • Nicolas

        Desculpa, mas o fair play financeiro abordado pelo Bom Senso ainda não criou diretrizes sobre a forma de redução salarial, somente como os clubes devem arcar com suas despesas. “Primeiro eu recebo, depois que me aposentar, pensamos em como diminuir…” Concordo que, não só o clube, como nenhuma empresa pode prometer aquilo que não pode cumprir, mas entenda o lado do clube: Se ele não prometer que vai pagar aquele valor, o moleque vai embora e o clube fica sem nada, ou seja, todo o investimento vai pro ralo. O Fágner é reflexo disso, Neílton provavelmente será, Jean Chera, entre tantos outros… Quanto o São Paulo não perdeu com o Kaká, porque o empresário falou que não adiantava, ele não iria renovar? Esse empresário fez o mesmo com o Lulina. A mesma coisa com o Oscar, rompeu contrato para ganhar mais. Quanto o Corinthians perdeu com o Luizão e o Nilmar? Um porque não recebeu luvas e o outro porque não recebeu direito de imagem. E todos sabemos que luvas e direito de imagem são formas de burlar o sistema de arrecadação de impostos. Se fosse a lei do passe, bastaria vender o jogador, criar uma lei obrigando que o valor da venda fosse inteiramente para o pagamento da dívida com o jogador e o restante ainda entraria para o clube, mas não, o clube perde o jogador de graça e ainda ganha uma dívida. Porquê o Bom Senso não cria uma diretriz onde todo jogador deverá receber integralmente pela CLT e pagar a quantia justa de imposto como todo cidadão? Porquê o movimento não solicita à câmara ou ao senado que se crie essa lei? Gostaria de ver a posição desse movimento caso o governo intervisse, do mesmo modo que o governo francês fez em relação aos impostos… Responsabilizar o dirigente, se ele for remunerado para excercer aquela função, concordo. Agora, falar que é um bem para o futebol receber em dia, diminir o número de jogos por ano para que se tenha um maior tempo de preparação e não diminuir o salário de um monte de jogador medícore, assim até eu!

        • janca

          As propostas do Bom Senso não são definitivas, são para serem debatidas, um ponto inicial para o diálogo. E não se trata de diretrizes para redução salarial, mas de medidas para os clubes ajustarem suas contas, comprometerem-se a pagar o que podem, não inflar a folha e outros gastos, fazendo loucuras para contentar os torcedores sem pensar no médio/longo prazo.

        • Felipe Lima

          Nicolas falou algo que eu concordo (e acho que já disse aqui). A questão do “Fair Play Financeiro” tem de ser revisto pelos dois lados (clubes e jogadores). Eu acho uma tremenda injustiça tanto clube como jogador utilizar essa manobra do “direito de imagem” para burlar a Receita. Se bem que a Receita, quando quer, pega qualquer coisa!

          Podemos analisar os cenários que se formariam, em teoria:
          1) O clube não faz nenhuma loucura com sua folha de pagamento, decide gastar menos do que arrecada. Esse clube irá cumprir provavelmente seus compromissos mensais, com um elenco sem “medalhões”, mas existe a possibilidade de perder peças para equipes que paguem mais (lê-se Europa/Oriente Médio). Dependendo de como o contrato foi elaborado, pode ganhar uma fatia com multa ou não. De certa forma, eu vejo num médio prazo o êxodo de atletas aumentar consideravelmente (não vejo os clubes se reerguendo tão rápido assim).
          2) A estrutura continua como está – o clube gasta os tubos pra impressionar torcida e rivais, que não irão ficar atrás, e farão o mesmo. A situação tende a ficar mais próxima da falimentar, e os cartolas irão apelar para o poder público pra salvar suas dívidas.

          • janca

            Essa questão do direito de imagem deveria ser reavaliada, também acho. E para os clubes equilibrarem suas finanças (minimamente que seja) leva tempo, não dá pra pensar em algo mágico de um dia para o outro.

  • Rodrigo

    (O mais interessante é que, até agora, e por algum motivo, este post rendeu apenas uns pingados comentários, todos argumentativos e não ofensivos, oriundos de autores que não se ocultam sob a alcunha “Anônimo”. Conclusão: a maioria dos (agora sumidos) baderneiros, ao que parece, tem pelo menos algum rudimento de autocrítica.)

  • Raphael

    Aqui no Brasil nada vai dar certo nunca, a necessidade de atrapalhar os rivais sempre vai prevalecer. Quem estiver por cima da carne seca nunca vai aceitar. Pena que os dirigentes não enxergam que o futebol brasileiro é cíclico e não se pensa em melhorias de longo prazo.

    • janca

      É aquela história de cada um estar mais preocupado em levantar vantagem, defender os próprios interesses, pensar no próprio umbigo, enfim, do que no todo, Raphael.

  • JOBERT SP

    Acho o Bom Senso mto teorico demagogico e q na pratica não rendera mto.

  • WAGNER

    OLÁ JANCA E PESSOAL QUE O LÊ, BOM DIA OU TARDE OU NOITE. SOBRE A SITUAÇÃO DO BOM SENSO, INFELIZMENTE ACHO UMA CAUSA PERDIDA, NÃO PELO MOVIMENTO QUE É MUITO INTERESSANTE MAS COMO NÃO TEM CORAGEM DE “MOSTRAR OS DENTES” COMO DITO ANTES ACIMA, NÃO ACHO QUE VÁ LONGE. O CASO MAIS EMBLEMÁTICO É DO CALENDÁRIO. INDEPENDE DOS JOGADORES. SÃO ENROLADOS ATÉ ONDE DER E DEPOIS COLOCAM A CONTA NA FALTA DE DATAS. FAIR PLAY FINANCEIRO É UTOPIA… VIA COM BONS OLHOS O QUE O PALMEIRAS ESTÁ FAZENDO PARA MELHORAR A FORMA DE PAGAMENTOS DOS SEUS ATLETAS, MAS APÓS OUVIR UM COMENTÁRIO DE QUE NINGUÉM ACEITARIA JOGAR DESTA FORMA (OU SEJA, NÃO É SÓ RECEBER E JOGAR É RECEBER INDEPENDENTE DE JOGAR…) ACREDITO QUE SEJA MAIS UM CAPITULO PERDIDO DE NOSSO FUTEBOL. INCLUSIVE UMA PERDA DE AVANÇAR 10 ANOS NO TEMPO. VEJO O PAULO ANDRÉ COMO UM CARA SOCIALIZAVEL ONDE DEFENDE A MAIORIA E NÃO GRUPOS ELITISTAS. QUEM CRITICA EM REDE SOCIAL É AQUELE CARA QUE TEM POUCO A DIZER A PRÓPRIA VIDA POIS NÃO VOTA DIREITO, NÃO SABE SE COMUNICAR(VIDE OS COMENTÁRIOS RACISTAS) E DÁ A DESCULPA QUE É POR SEU TIME É MAIOR QUE TIME A OU B. DEMOCRACIA TEM DISSO, MAS ACHO QUE COMO DISSE O ROGER DO ULTRAJE, NÃO ESTAMOS EM UMA DEMOCRACIA E SIM EM UMA DITADURA MODERADA. VOCÊ PODE FALAR O QUE QUISER DO PRÓXIMO MAS NÃO PODE MEXER COM AUTORIDADES. ISSO É DEMOCRACIA? O CARA PODE SER RACISTA OU HOMOFÓBICO MAS NÃO PODE DAR OPINIÃO NO GOVERNO… ACHO QUE É AÍ QUE QUERIA CHEGAR, POIS O BOM SENSO NÃO TEM PODER PARA MUDAR REGRAS. SE TIVESSE ADOTADO A GREVE, “TALVEZ” ALGO TERIA MUDADO, MAS A PRIMEIRA DERROCADA DE UM TIME, VOLTARIA UM EURICO DIZER QUE ” ESTÃO VENDO, VOCÊS PEDEM, A GENTE FAZ E CONTINUAM A NÃO JOGAR NADA”, COMO SE UM DIRIGENTE JÁ TIVESSE CHUTADO UMA BOLA NA SUA VIDA. O ASSUNTO É TÃO COMPLEXO QUE NÃO ENVOLVE O BOM SENSO, A MÍDIA, A CARTOLAGEM E SIM A TODOS E ATÉ QUEM NÃO GOSTA DE FUTEBOL. COMO PODE UM CIDADÃO SE SENTIR SEGURO SE AS VEZES ELE USA UMA CAMISA QUE NÃO É DE TIME DE FUTEBOL MAS É VERDE(SOU CORINTIANO, MAS CIDADÃO ANTES DE TUDO) E SER INTIMADO A TIRAR A BLUSA POR CAUSA DE SUA COR EM UM TRASPORTE PÚBLICO. NINGUÉM ESTÁ A SALVO DESTA BESTA CRIADA CHAMADA SOCIEDADE. ACHO QUE PARA MUDAR O QUE TEMOS HOJE SERIA PRECISO MAIS UMAS 3 GERAÇÕES, MAS QUEM CRIARÁ ESTA GERAÇÃO? OS MESMOS QUE TEM ESTES PRECONCEITOS DE HOJE? SABIAS PALAVRAS AS QUE DIZEM PARA MUDAR A SI MESMO, NUNCA ESPERAR MUDANÇA NO OUTRO, POIS SENÃO HÁ UMA GRANDE DOSE DE FRUSTRAÇÃO… E ACHO TAMBÉM QUE ESTE QUE CRIOU ESTA FRASE É BRASILEIRO, PORQUÊ SE MORAR NA EUROPA OU NA ÁSIA OU NA AMÉRICA DO NORTE PENSARIA EM OUTROS PROBLEMAS… ESPERO MAIS DE MIM DO QUE DO BOM SENSO… E NÃO CRITICANDO A CAUSA, MAS SIM ACHANDO QUE ELES NÃO TEM TANTO PODER COMO ALGUNS PENSAM.

MaisRecentes

Alerta a Raí



Continue Lendo

Os erros do Verdão



Continue Lendo

Vencer ou vencer



Continue Lendo