Um banco de respeito



Não sei se o Brasil vai ganhar a Copa, até acho mais provável que não, é um torneio com adversários dificílimos e o futebol é interessante também por ser um dos esportes mais imprevisíveis que existem, mas que ganhamos muito desde que Luiz Felipe Scolari assumiu o time não tenho dúvidas.

Mesmo não sendo o primeiro nome na minha lista quando sacaram Mano Menezes. Eu defendia uma mudança mais radical com a contratação de Pep Guardiola, o que acabou não acontecendo dado o receito da CBF de arriscar com um técnico estrangeiro. De qualquer forma, como publiquei há semanas no LANCE!, coluna que reproduzo abaixo, temos um banco de respeito:

“Na África do Sul, onde o Brasil realizou o último amistoso antes do anúncio dos 23 convocados para a Copa, o lateral Daniel Alves foi direto ao ponto. Disse que a Seleção ganhou muito com Luiz Felipe Scolari porque experiência é algo que conta demais e “a gente precisava desse respeito no banco de reservas”, olhar para lá e sentir que há quem possa passar segurança ao grupo.

Com Mano Menezes, isso não acontecia. Pelo contrário. Eram os jogadores que tinham de transmitir tranquilidade ao técnico, algo que muitas vezes não conseguiam fazer e tivemos um vexame após o outro. A eliminação precoce na Copa América, quando nem entre os quatro o Brasil ficou, o apagão diante do México na final da Olimpíada, o receio de pegar equipes de primeiro nível, o que fez a Seleção enfrentar um Iraque ou os reservas da China só para garantir bons resultados e alguns ainda festejaram dizendo que daí estaria surgindo um esqueleto para o time. Não estava surgindo nada, como atesta Daniel Alves.

Os jogadores sentiam, ainda de acordo com o lateral do Barcelona, que as convocações eram confusas, sem constância e que nada estava claro. Não havia a tal filosofia de trabalho ou ideias mais definidas a respeito do que queria a comissão técnica, que estava acuada e descontrolada emocionalmente. Hoje isso mudou e é motivo para comemorarmos. Ter alguém acostumado a trabalhar com pressão ajuda muito. E Felipão já provou que sabe atuar assim, como no penta de 2002 ou liderando Portugal no Mundial de 2006, quando colocou a equipe europeia entre as semifinalistas do torneio.

Scolari sabe unir um grupo e trabalha-lo para uma competição, muitas vezes escolhendo um inimigo comum, geralmente a imprensa ou a opinião pública. Aquele papo de somos nós contra o resto do mundo. Em 1994, foi o que fez Carlos Alberto Parreira no tetra nos Estados Unidos, quando a contestação sobre a forma como jogava o Brasil era geral. Em 2002, a pressão era pela convocação de Romário. Agora não. A Seleção de Felipão é a que todos nós escolheríamos, talvez com uma ou outra alteração, não há muita polêmica em relação a nomes ou à convocação. Não vejo contestações, o que talvez seja positivo, já que teremos a enorme pressão de jogar o Mundial em casa, com o risco de perdê-lo em nossos domínios pela segunda vez.

Talvez o ponto positivo seja justamente o que aconteceu na Copa das Confederações, o povo nas ruas contestando uma série de coisas, entre elas os gastos com o Mundial, deixando o futebol em campo em segundo plano, o que deu mais liberdade para Felipão trabalhar. Ele soube usar os protestos a favor do grupo, vide a cantoria do Hino Nacional. Tem tudo para repetir o clima agora. Como a sequência do Brasil na Copa não é brincadeira, passando da primeira fase, uma pedreira após a outra a partir das oitavas, uma conquista seria ainda mais valorizada. Algo impensável nas mãos de Mano, mas possível nas de Scolari.”



  • Mario

    Falar do Mano Menezes na seleção é perda de tempo , um assunto encerrado.

    Para mim Felipão é um tecnico ultrapassado e mostrou isso nos ultimos clubes trabalhou tanto que conseguiu derrubar o Palmeiras para serie B.

    Mas a seleção é diferente clube , lá quem tiver um pouco de experiencia do que é seleção vai se dar bem , tanto que o Dunga ganhou tudo antes da copa com um futebol de retranca e perdeu a copa em 45 minutos por ser fiel demais a o grupo que montou , sendo que Dunga usou a mesma tatica de Parreira em 1994 e Felipão em 2002 para fechar o grupo colocando a impressa como a “inimiga” , mas agora não existe “um inimigo” , não existe cobrança por um jogador um jogador ou contestação do trabalho depois da copa das confederações e Felipão provoca para criar um rusga para usar com o grupo sendo que sem essa “briga com a impressa” ele vai ter que achar um argumento para motivar a seleção .

    A seleção brasileira sempre é favorita , jogando em casa é muito mais , a juizada que é fraca e caseira vai sempre favorecer o time da casa no caso o Brasil , tanto que Inglaterra conquistou seu unico titulo em 1966 jogando em casa , Coreia do sul chegou as quartas de final da copa de 2002 , mas a pior de todas foi a Argentina campeã em 1978 , a copa de 78 deveria ser anulada.

    • janca

      Não é preciso brigar com a imprensa para unir o elenco. O Felipão soube, por exemplo, usar as manifestações de 2013 para motivar o grupo. E conseguiu organizar taticamente o time muito bem. Não acho que seja técnico ultrapassado, isso é chavão e nem sempre os chavões estão com a “razão”. E acho que ele errou com o Palmeiras, sim, mas a queda para a Série B teve muitos fatores e muitos responsáveis, inclusive Gilson Kleina, que dirigiu o time numa série de jogos e foi um tropeço após o outro.

      • Mario

        vai me dizer q Felipão não provoca a impressa para comprar briga?

        Hoje Felipão quando tem que trabalhar ali no dia a dia de um clube se complica com os jogadores , na seleção que meses sem ter que conviver com jogadores ele leva na boa.

        apontar o Gilson Kleina que chegou na reta final é facil , questionar o Felipão que largou o inicio o inicio do Brasileirão p/ser campeão da copa do brasil é dificil .

        se Felipão não é ultrapassado em clubes qual foi o motivo de ter fracasso no Chelsea ou não ter mais recebido nenhuma proposta de um time grande da europa?

        • janca

          Não acho que o Felipão seja um sujeito fácil, mas quem é? E em clubes ele fez ótimos trabalhos. Em seleções também. Brasil e Portugal que o digam.

    • Glasan

      Eu acho é que ele conseguiu ser campeão da Copa do Brasil com o Palmeiras que foi rebaixado… Mérito dele.

  • Zico

    Assim como em todo lugar que precise de um grupo de trabalhadores, uma equipe com um coordenador, um time se quiser derrubar esse ´´comandante“ sem sombra de duvidas ele consegue!! E acontece isso na seleção.. É sabido a panela do Dani Alves que pra mim é quem dá as cartas no ´´grupo“. Foi campeão de tudo no temido Barça, portanto ninguém questionaria seu futebol. É muito ´´chegado“ do melhor jogador em atividade.
    Juntando ao Neymar , que é o xodó da seleção e foi o próprio Neymar que ´´colou“ no Dani no Barça fica claro tudo que postei!!
    E quem deve sair no lucro é o Robinho que de bobo não tem nada e direto tá com Neymar!
    Família pra quem entende é PANELA!!

    • janca

      Não entendi o que você quis dizer. Acha que o Daniel Alves derrubou ou ajudou a derrubar o Mano Menezes? De jeito nenhum. E o Robinho duvido que vá para a Copa, apesar de estar no álbum de figurinhas do Mundial. Mas posso estar equivocado…

      • Zico

        Ajudou. Essa é a questão. O próprio Mano não tinha apoio da maioria dos torcedores.. Os maus resultados contra os grandes ajudaram a CBF tomar uma atitude, que realmente eu acho que passa por alguns jogadores, e o Dani pra mim é o principal!
        Em relação ao Robinho (a segunda maior farsa do futebol brasileiro, só perdendo pro Pato) diante da fase ruim do Jô, não ficaria nada surpreso sua convocação!

        • janca

          Os resultados do Mano foram pífios e ele não conseguia dar um padrão de jogo ao time, tanto que o próprio Marin interferiu na convocação. Não acreditava no trabalho do técnico, que entrou pelas mãos de Ricardo Teixeira e não passava confiança ao time, e optou por sua saída. Uma decisão acertada, a meu ver.

          • vaz

            Mano pagou o preço da eterna mania da renovação radical diante das derrotas. Cobram a mudança total na seleção, jogam atletas na vala dos fracassados e chegam a tornar alguns personagens “malditos”. Foi assim após 98 para só retornarem com os “amaldiçoados” em 2001/02 quando a água batia no traseiro e Felipão partiu para o vai ou racha já que ninguém tinha saco para contestar diante da ameaça de desclassificação da seleção para a copa. Depois de arrancar na raça a vaga ninguém tinha moral para falar mais nada. O mesmo aconteceu após a Alemanha onde colocaram Dunga para fazer o serviço sujo e deu no que deu. Mano entrou pelos mesmos motivos e com a mesma missão e ninguém falava em outra coisa. era a mudança total ou nada. Mudanças radicais não funcionam e se observarem o time do Felipão é na maioria o mesmo das convocações do Mano. Felipão percebeu e o que mudou? Simples, não há mais tempo para testes então chama quem já conhecemos e vamos para o tudo ou nada. Se der certo, é gênio, se perder vamos para a tal renovação, versão 2015. Dunga, Mano, Parreira são técnicos ruins? Não, apenas estavam no lugar errado na hora errado (os dois primeiros talvez não tenham ainda o perfil para a seleção) e mais: qualquer um teria caído do mesmo jeito. É por isso que nem Felipão ou Muricy toparam.

  • Cleibsom Carlos

    Pode até ser um chavão, mas na minha opinião Felipão é um técnico ultrapassado, sim. No sexo ele seria um papai-mamãe, sem carisma e ousadia, além de monótono. Há quem goste, e eu respeito essas pessoas, mas para aqueles que não se preocupam apenas em vencer e que vêem o futebol como espetáculo, não têm como gostar do bigodudo. Felipão é um técnico de tiro curto e por isso o Brasil tem grandes possibilidades de ganhar a copa, seu discurso motivacional demagógico, intolerante e calcado na auto-ajuda não tem como perdurar por uma temporada inteira em um time com bons jogadores e com pessoas que sejam minimamente inteligentes. A longo prazo seus métodos funcionam apenas com botinudos iguais à ele quando jogava, vide seus títulos com Cricíuma, Grêmio e Palmeiras.

    • janca

      O Brasil deu espetáculo na Copa das Confederações, assim como já havia dado com Dunga na Copa América, nas eliminatórias e também na Copa das Confederações. O time de Felipão sabe jogar bonito também. E tem muita gente de talento.

  • SHAOLIN

    Sinceramente vou torcer pelo fracasso dessa seleção de Brasilgeiros. Maior roubo da história aos cofres publicos, q aliás só vai beneficiar apenas uma minoria, q os mais esclarecidos sabem. Torci pela seleção brasileira de futebol só até 1970, qdo realmente todos jogadores atuavam no Brasil, e jogavam por amor a camisa. Hoje só estão interessados quanto vai ser a premiação em caso da conquista do titulo, e qto vão ser valorizados la fora. Futebol hoje só acompanho jogos e notícias do Santos FC, clube que nunca precisou do dinheiro dos cofres publicos para se manter.

  • joe LHP

    Nessa seleção o Felipão é o motivador, o paizão, o carismático e com uma copa no currículo e o Parreira é o cara por trás da tática, o estrategista, estava queimado por 2006 e tinha uma enorme rejeição, essa dobradinha veio pra completar um ao outro, se vai dar certo eu não sei pois futebol é um esporte que não é exato, mas é valida a aposta, quanto ao Mano creio que faltou empatia e confiança a ele.

  • João

    Concordo com tudo Janca. Entretanto, acredito que tenha um fator que muitas pessoas esquecem de colocar nesta conta. Assim que o Mano Menezes entrou na seleção, haviam poucos jogadores brasileiros com destaque no cenário mundial. E não me refiro somente a jogadores preponderantes em seus clubes, pois quase não existiam jogadores nem mesmo em posição secundária de destaque. Se você olhar a seleção que ganhou a copa das confederações, poucos haviam se destacado no cenário mundial a três anos atrás. Neymar, Oscar, Paulinho, Luiz Gustavo, Hulk, David Luiz, entre outros, eram praticamente desconhecidos. Então além da contribuição do Scolari, a evolução e o amadurecimento desses jogadores contam muito nessa evolução do time, o qual acredito que será bem mais forte na copa de 2018. Isso infelizmente ocorreu pois jogadores da geração passada, como Robinho, Kaka, Adriano e até mesmo o Ronaldinho Gaúcho, que deveriam assumir a responsabilidade ainda nesta copa, não estavam disponível, por motivos diversos, para atuar e representar o Brasil como anteriormente estavam. Enfim, creio o trabalho do atual técnico foi de grande importância, mas sem jogadores é difícil fazer um time competitivo.

  • Raphael

    Não acho o trabalho do Felipão melhor que o trabalho do Mano, o Felipão se apóia na Copa das Confederações que até o Dunga ganhou. O Mano jogou com a seleção apenas em campos europeus perdeu alguns jogos mas no geral foi bem, fez um jogo igual contra a Argentina de Messi e contra seleções de menor patamar venceu. Na minha opinião a contratação do Felipão foi um retrocesso, pois voltamos a jogar um futebol feio. Ah, perdemos para Suiça.

    • janca

      Em geral o Mano foi bem? Na Copa América foi uma desgraça, nem entre os quatro o Brasil chegou. Não ganhava de nenhuma seleção de primeiro nível e teve que enfrentar Iraque e reservas da China da vida. Aquele jogo contra a África do Sul no Morumbi, então, uma desgraça. Com o Felipão a seleção voltou a jogar como grande e concordo com as observações do Daniel Alves. Ah! E com o Mano até derrota para a Argentina era comemorada. Lembra daqueles 4 a 3?

      • Raphael

        Qual foi a grande seleção que o Felipão ganhou jogando na Europa???. Uma coisa é jogar com 80 mil pessoas apoiando no maracanã e outra completamente diferente é jogar na Europa com torcida neutra. Para comparar o trabalho dos dois treinadores tem que se apoiar em amostras iguais, com o Felipão perdemos para Inglaterra, Suíça e empatamos com a Russia e os três jogos jogamos mal, ganhamos apenas da Africa do Sul. Em relação ao Daniel Alves que vocês da imprensa adoram, é apenas um jogador médio, não sabe cruzar, não sabe marcar, consegue se sobressair no Barcelona porque joga em um campeonato fraco que tem apenas 2 equipes. Agora se você acha que ganhar da Africa do Sul e perder para Suíça é sinal de que jogamos com equipe grande lamento muito.

        • janca

          Jogamos contra equipes grandes, sim. Jogamos contra França, Inglaterra (duas vezes, por sinal), Uruguai, Espanha, Itália… São times pequenos? E com o Felipão, quando pegamos a África do Sul, jogamos fora de casa e goleamos. Com o Mano, no Morumbi, aquela vaia e o 1 a 0 chorado. Sobre os amistosos na Europa não foram tantos assim para fazermos uma avaliação: Itália, Inglaterra, Rússia e Suíça, salvo engano. De qualquer forma seleções que estarão na Copa. Não reservas da China, Iraque…

  • rafael

    Oi Janca, o futebol é imprevisível mas em se tratando de copas do mundo nem tanto. É só observar que frequentemente o país sede está na final. Inglaterra e França conquistaram suas únicas taças em casa. Uruguai, Argentina, Alemanha também foram campeãs em casa. Acho que o Brasil chega na final, não vai contrair a história das copas e tem um time muito bem armado, vai ser difícil bater o Brasil.

    • janca

      Eu acho imprevisível mesmo em Copas do Mundo, embora tenhamos pelo menos quatro grandes favoritos agora, a meu ver, Brasil, Argentina, Espanha e Alemanha. Mas não dá pra dizer que uma Inglaterra, uma Holanda ou de repente uma outra seleção que começar a crescer na competição não vá surpreender. Espero que cheguemos à final, mas confesso que tenho minhas dúvidas, Rafael…

MaisRecentes

Contas corintianas



Continue Lendo

Timão em 2018



Continue Lendo

Verdão aflito



Continue Lendo