Recuo do Barça?



Após a renúncia de Sandro Rosell, no mês passado, situação e oposição do Barcelona têm dialogado na tentativa de esfriar o caso da nebulosa transferência de Neymar para o clube catalão.

A situação luta para que o contrato, que está na Fifa, não seja tornado público, já que tem cláusula de confidencialidade e poderia abalar a credibilidade, posta em xeque após as denúncias contra seu ex-presidente, do atual campeão espanhol.

Mesmo Jordi Cases, sócio do Barça que levantou o caso que culminou com a saída de Rosell, anda dizendo já ter ficado satisfeito com a queda do principal dirigente do clube, a quem fazia oposição ferrenha.

Enquanto isso o Santos e especialmente o grupo DIS, que detinha parte dos direitos federativos do atacante, seguem esperneando.

O clube da Vila acionou a Justiça na tentativa de conhecer o acordo entre os espanhóis e o pai de Neymar, selado em 2011.

Já o grupo DIS irá processar não só o pai do jogador, como também Santos e Barcelona. Alega ter sido prejudicado no negócio, cujos detalhes afirma desconhecer até hoje, e quer parte dos mais de R$ 200 milhões que o atleta e seu pai, Neymar da Silva, teriam recebido.

Ao grupo presidido por Delcir Sonda coube menos de R$ 20 milhões pela transferência mesmo a empresa possuindo 45% dos direitos federativos do atleta.

A Fifa já avisou que não irá tornar público o contrato e o caso segue sob investigação da Justiça espanhola e passou a ser alvo também da brasileira.

Neymar, que pelas redes sociais defendeu com veemência seu pai, não quer mais se manifestar sobre o assunto. Seu estafe alega que está concentrado em se recuperar de lesão sofrida no mês passado e o foco, além do Barça, será a Copa do Mundo no Brasil, que começa em junho.



MaisRecentes

Nova caminhada



Continue Lendo

O desabafo de Cuca (ainda)



Continue Lendo

As críticas de Cuca



Continue Lendo