Liquidação de ingresso



Depois do São Paulo ter colocado entradas a dez reais atraindo muitos torcedores a seus jogos mesmo quando estava na zona de rebaixamento, o Santos vai cobrar preço mínimo de um real para quem quiser vê-lo contra o Bahia, quinta, no Pacaembu.

Acho justo e uma decisão que cabe a cada clube mandante decidir. E que deve se repetir, como já está acontecendo, com outros times nessa reta final de Brasileiro. O próprio Bahia já promoveu liquidação de ingressos para seus últimos jogos em casa, decisivos na luta para escapar do rebaixamento.

A decisão de reduzir preços, no entanto, segue deixando o ex-presidente corintiano Andrés Sanchez e a cúpula da Odebrecht, que constrói o estádio de Itaquera, irados. Afinal a ideia na nova arena corintiana não é colocar entradas a preço de banana, como se diz por aí. Mas o exemplo de São Paulo e Santos, entre tantos outros clubes que optaram pela redução, deve ser seguido por aqueles que tiverem interesse em fazê-lo.

Sinceramente não vejo razão em Sanchez criticar a postura são-paulina ou agora a santista. Na hora de negociar os direitos de TV e seus valores, pensou no interesse do Corinthians. É o que as diretorias de São Paulo e Santos estão fazendo, olhando para o interesse de seus respectivos públicos, ao promover a tal liquidação de ingressos.



  • Victor Dunstan

    Fala Janca…Andrés reclama pq o corinthians não tem de onde tirar grana e repassar a odebrecht…e a mesma cobra o andrés pelo naming rights…ou seja um rolo só!! Andrés foi a europa dizendo ir conversar com a diretoria da Emirates,espalhou pra inúmeros jornalistas…e quando volta fala de preço do tricolor..uai cadê o naming??…Acharam que ia ser fácil tão quebrando a cara

    • janca

      Os administradores das novas arenas querem ver o preço dos ingressos em outro patamar e não estão muito satisfeitos com o que estão fazendo alguns clubes, caso do São Paulo. Como se não fosse direito deles reduzir o preço…

  • Jocinei Mendes

    Acho que o preço do ingresso tem que depender do jogo e da necessidade do clube . Não vejo problema quando um clube necessita de fazer pressão em determinado jogo ou em jogo sem apelo de publico , como ja fez o São Paulo , quando estava mal das pernas , como o Santos vai fazer nesse jogo contra o Bahia e etc . Tambem acho um absurdo o preço do Paulistão a R$ 40,00 , não digo num jogo que envolva um grande clube , mais sim quando jogam 2 clubes pequenos . Agora cada clube tem autonomia para fazer o que lhe parece mais atrativo .

    • janca

      Também acho qeu o preço do ingresso tem de depender de uma série de valores, não pode ser fixo nem tão alto como, pelo jeito, querem Andrés e a Odebrecht e demais administradoras das novas arenas no Brasil. E o Paulistão, um torneio desprestigiado, tem que repensar a questão do “quanto vale o show”.

  • Thiago Ferreira

    Santos, São Paulo, e outros podem jogar até de graça.
    Nunca irei assistir jogos deles mesmo que joguem em frente a minha casa.
    Estou muito contente com os preços que pago como sócio torcedor do Timão.
    Sanchez não precisa se preocupar, a arena Corinthians já arrebentou até com isso.
    Rendas de jogos dos rivais, que na verdade conseguem levar no máximo duas kombis de torcedores.
    Futebol a R$ 1,99, se for considerado como “progresso” em um pais que chora quando um time não contrata um jogador, revela como somos reconhecidos como “complexados de vira-latas”.
    Que tal, a F1, esporte de elite, em um autodromo mantido com nosso dinheiro publico (e ninguem pede hospitais e creches a troco) estrutura para uma corrida pra rico por ano, receber as criiticas dos jornalistas esportivos na mesma proporção com que destilam seus venenos contra o futebol?

  • Entendo as críticas do Andrés à essa postura dos clubes de fazer liquidação. Não concordo com ela mas entendo.
    Na visão dele é uma conta simples: Se o preço dos ingressos aqui está baixo, não há retorno com o estádio e se não há retorno, não há como vender o naming rights por um preço que ele queira pois todos os interessados argumentarão que pode não haver retorno do dinheiro investido.
    Aí virão aqueles que dizem “poxa, mas não falam tanto que a marca Corinthians vale isso, vale aquilo?” Na visão de negócios, pro inferno com a marca. A única coisa que vale é o quanto irei ganhar com isso e não importa a marca.
    Também acho que cada clube tem não só o direito mas como o dever de fazer o que achar melhor para colocar torcedor no seu estádio. E também sabe muito bem quanto vale seu “espetáculo, seja ele 300, 50, 10 ou 1,99 reais.

    • Thiago Ferreira

      Felipe. Saiu ontem no blog do Rubens do Estadão. O “naming rights” já foi vendido por 450 milhões, à Emirates, por 20 anos. 50 milhões a mais do que o Corinthians esperava.
      E porque esses 50 milhões a mais?
      É só pensar um pouco que você descobre.

      • Nem preciso. No fim, é tudo questão de negociação pq o futebol hoje é negócio puro.
        Mas o Corinthians tem potencial de consumo para isso mesmo.
        E nos dias atuais eu desconfio de tudo que sai na imprensa sobre o timão, afinal, sou gato escaldado (sem ofensas Janca, gosto muito das suas opiniões).
        Penso de fato que cada um tem que fazer o possível para defender o seu, como nós fazemos todos os dias. Pessoalmente não me agrada muito essa “promoção” de ingressos, mas cada um cada um.
        E de novo eu digo, cada um tem que defender o seu da melhor forma.

MaisRecentes

Carille questionado



Continue Lendo

Ainda dá?



Continue Lendo

Saída de Lucas Lima



Continue Lendo