A bronca de Gobbi



Muito se discutiu ontem que Mário Gobbi, o presidente corintiano, teria dado uma bronca em Paulo André por conta de sua participação no Bom Senso, movimento de jogadores que tem como objetivo discutir mudanças no futebol brasileiro, a começar pelo calendário.

Até se especulou-se em emissoras de rádio que o zagueiro seria afastado do elenco como uma espécie de “cala a boca”.

Gobbi não é contra o Bom Senso nem contra a participação do atleta no debate, mas, como seu antecessor, Andrés Sanchez, preocupa-se se Paulo André não estaria mais voltado ao movimento, que lhe dá projeção fora de campo e boa imagem com a imprensa, do que ao próprio Corinthians.

O que o presidente tem cobrado do zagueiro, um dos líderes do grupo, e de Tite é que o time passe a jogar mais futebol e melhore o desempenho ainda neste ano. Lembra, inclusive, que todos são bem remunerados, recebem em dia e que torcida e diretoria seguem insatisfeitas com o rendimento no segundo semestre.

Ontem, diante do Vitória, a equipe colheu mais um empate no Brasileirão, pelo menos não passou em branco, anotando um golzinho, mas que pode produzir muito mais do que vem rendendo, pode.

Assim como não vejo chances de ir à Libertadores do ano que vem, cair tampouco acho que caia, já que a disputa pelo rebaixamento começa do Coritiba, que tem 40 pontos, e vai até o Criciúma, com 33.

Há três vagas em disputa na zona de degola, pois o Náutico já caiu.

Das três tentam escapar, além do Coxa e do Criciúma, Ponte Preta, Vasco, Fluminense, Bahia e Portuguesa. As próximas rodadas, como tenho dito, prometem.

Ao Corinthians resta o desafio de recuperar um pouco a confiança, melhorar o poderio ofensivo e começar a se reestruturar para 2014, pois a cobrança deve continuar forte.



MaisRecentes

A matemática do futebol



Continue Lendo

A melhor do mundo



Continue Lendo

Aprender a perder



Continue Lendo