Fla x Maraca



A diretoria do Flamengo e o Consórcio Maracanã, que ganhou o direito de gerir o estádio, seguem em conflito e trocando farpas e acusações.

A mais recente reclamação do Mengão, rebatida pelo Consórcio liderado pela Odebrecht, é de que o torcedor que foi acompanhar o jogo contra o Cruzeiro, na última quarta, sofreu com o que chama de desorganização da gestora da arena.

Protesta contra as longas filas para entar no estádio, falta de contagem dos giros das catracas, o que impossibilitaria o cálculo do número de pessoas que foram ao Maraca, com risco de evasão de renda, superlotação e descontrla da arrecadação.

O consórcio defende-se, dizendo que não foi responsável pela comercialização total dos ingressos, já que 20% deles foram negociados pelo próprio Fla, por meio de seu programa de sócio-torcedor. Ainda defende a concessão do estádio à iniciativa privada _no caso ao próprio consórcio_, lembrando que a Prefeitura de São Paulo fará o mesmo com o Pacaembu, o que, para mim, não quer dizer nada, já que um erro não justifica o outro.

E o consórcio afirma ainda que a administração do estádio vem melhorando a cada dia e que tem a aprovação da maioria dos torcedores, constatação que teria sido feita após entrevista com frequentadores da arena. Que entrevistas foram essas, quais as perguntas feitas, em que jogos, em qual quantidade, enfim, nada disso é explicado pelo grupo gestor.

Enquanto isso a celeuma com o Flamengo, que tem preferido jogar no Mané Garrincha, em Brasília, onde os ingressos têm sido mais caros, continua… E não tende a acabar logo, pois as divergências entre o clube e o consórcio são grandes e não é de hoje.



  • Julio Cezar de Carvalho

    O que os diretores do Flamengo querem é que o Maracanã volte a ser aquela zona que era antes da concessão, zona esta que enriqueceu diversos ex-diretores que passaram pela Gávea, tais como: Márcio Braga, Kléber Leite, Michel Assef, Edmundo Santos, entre outros menos cotados.
    Gostaria de saber quais vantagens os clubes terão com a administração do Maracanã nas mãos da Suderj? Todo mundo sabe que esta entidade sempre foi um cabide de empregos e que lugar nenhum do mundo civilizado os estádios são administrados pelo governo.
    No modelo do Fluminense, com aquele público de Fla x Cruzeiro, o clube certamente arrecadaria perto de R$ 1,5 milhões.
    É como diz o ditado: “o mal do malandro é achar que todo mundo é otário”, este é o verdadeiro problema do Flamengo, achando-se o rei da cocada prêta pensou que todo mundo lhe beijaria a mão, porém, quando se lida com empresários profissionais acaba percebendo que o buraco é mais embaixo.
    Saudações Tricolores!

    • José Leonardo

      “No modelo do Fluminense, com aquele público de Fla x Cruzeiro, o clube certamente arrecadaria perto de R$ 1,5 milhões.” Pelo jeito o Flu não vai arrecadar 1,5 Mi nunca então!!!
      O problema real é que o consórcio é ruim para os clubes sim, o lucro é muito maior para ele, sendo que os donos dos espetáculos são os times.
      Sei que o consórcio tem que ter seu lucro, mas daí querer dar migalhas ao clubes já é demais.
      O Fla não está querendo que volte para Suderj não, quer que os grandes clubes do Rio administrem o Maraca, o que concordo, pois no contrato que o Fla fez com a administradora era para dividir tudo em 50%, e quem insiste em camuflar os valores totais é o Consórcio e assim ter que ir no “confie nos valores que eu passo” fica difícil!
      Saudações Rubro-negras!!!

    • Paulo

      Prêta?! Depois falam que nós, mulambos, não temos educação…

  • francotimao

    Ola, João, eu nem entro no mérito se o consorcio é melhor ou pior pro Maraca ou se viável pros clubes, porque basicamente eu sou contra a entrega do estadio a iniciativa privada ou menos da forma como foi feita, ou seja, só lucros pro consorcio e um estadio novinho de graça, ou melhor as nossas custas…Abs!!!!!!!

  • t.

    Que o consórcio tem levado muito e fazendo pouco e mal, tem sido evidente e noticiado internet afora. se a proposta do flamengo é melhor, não sei. administrar o maracanã não é tarefa fácil, mas também nada impossível para gente interessada, competente e trabalhadora, o que parece faltar neste país, principalmente no rio de janeiro, em diversas áreas, ainda mais nas altas esferas do governo.

    contudo, janca, o que mais me impressiona é ler que o flamengo precisa ter seu próprio estádio. ótimo, que clube não quer contar com isso? porém, sempre penso: onde, pra quando e quanto e com que dinheiro? falam em a partir 45 mil torcedores, já que a torcida do flamengo é a maior (e é). mas tenho a impressão que essa gente não tem percebido o que está acontecendo ao futebol brasileiro.

  • Polaco

    Se não quiser pagar, para jogar no Maracanã, então construam um estádio para vocês, oras bolas. Povo sem vergonha, sem brio, sem descência

  • Antônio

    A cada Corinthians x Flamengo, se comenta sobre “o confronto entre os dois clubes com as maiores torcidas do Brasil”, “uma disputa entre 60 milhões de pessoas”, “o clássico do povo”.

    De fato, Corinthians e Flamengo possuem ambos torcidas gigantescas; segundo as pesquisas de opinião, são “as duas maiores do Brasil”. E as semelhanças ficam por aí mesmo, na dimensão das torcidas. Pois a natureza da relação dessas torcidas com seus respectivos clubes é muito diferente. Resultado de histórias radicalmente distintas.

    .-.-.

    O Corinthians nasceu da gente humilde e sempre foi o Time do Povo (“O Corinthians vai ser o time do povo e o povo é quem vai fazer o time” – palavras de Miguel Bataglia, o primeiro presidente corinthiano). O Flamengo nasceu da elite, foi elitista, discriminou quem não era da elite, e depois se popularizou.

    O Corinthians foi fundado por um grupo de operários e artesãos, na rua. debaixo da luz de um lampião, em 1910. Um ano depois, em 1911, O Flamengo, clube de remo, acolheu os dissidentes do Fluminense F.C. (quase o time titular inteiro), e se tornou também um clube de futebol. Clube de gente fina: do time bicampeão carioca de 1914-15, nove jogadores eram estudantes de medicina, um era estudante de direito e um não fazia nada (“filhinho de papai”).

    .-.-.

    O Corinthians começou na várzea (que era onde os times formados por pessoas das classes sociais menos privilegiadas podiam jogar bola). Após alguns anos como “Galo da Várzea”, surgiu a oportunidade, em 1913, de disputar uma seletiva para participar do campeonato da LPF, devido à saída de equipes dissidentes que fundaram a APEA (as equipes da APEA queriam ser a elite da elite). O Corinthians ganhou a seletiva, o Time do Povo passou a jogar com os clubes da elite e exerceu papel fundamental na popularização do futebol em São Paulo. Mas houve, logo no início, uma traição: campeão paulista na LPF já em 1914, o Corinthians recebeu um “convite” para participar do campeonato da APEA de 1915. Quando o Corinthians pediu a desfiliação da LPF, veio a negativa da inscrição na APEA. E o Corinthians ficou “na cerca” em 1915… Até o final do ano, quando foi chamado para participar de um torneio beneficente contra os campeões da APEA e da LPF (torneio beneficente tem que dar renda; para dar renda, é preciso torcida; e quem tinha torcida era o Corinthians). O Corinthians bateu os dois campeões, e se tornou o Campeão dos Campeões. No ano seguinte, voltou para a LPF (após nova seletiva…) e conquistou seu segundo título paulista.

    Uma história marcante da época do amadorismo do Flamengo não é nada edificante. Em 1923, o Vasco participou pela primeira vez da primeira divisão do campeonato carioca. Com um time formado majoritariamente por negros e mulatos, o Vasco ganhou de quase todas as demais equipes, majoritária ou exclusivamentemente formada por brancos. Na penúltima rodada, a chance de ser campeão, contra o Flamengo, nas Laranjeiras. A zona sul se uniu contra o Vasco. Criou-se um clima de guerra para a partida. A playboyzada pitbull do departamento de regatas do Flamengo levou seus remos embrulhados em jornal. Durante a partida, qualquer vascaíno que se manifestasse nas arquibancadas levava um golpe de remo na cabeça. O Flamengo, com seus onze jogadores brancos, ganhou por 3×2, e o Vasco saiu revoltado com um gol não validado pelo árbitro (o benemérito do Botafogo, Carlito Rocha), em lance em que a bola teria entrado. O carnaval que a vitória do Flamengo provocou na zona sul durou pouco, pois o Vasco acabou conquistando o título. Mas os clubes grandes da elite carioca não aceitaram o desaforo: exigiram que o Vasco se desfizesse de seus jogadores negros e mulatos se quisesse participar do campeonato do ano seguinte. Diante da recusa, Flamengo, Fluminense, Botafogo e América fundaram uma nova liga, para não ter que jogar contra o Vasco.

    Nesse contexto, é importante destacar que, pouco tempo antes, em 1922, na conquista do campeonato sul-americano, pela primeira vez um jogador considerado negro havia atuado pela seleção brasileira: Tatu, do Corinthians (na verdade, houve Friedenreich, que jogou pela seleção antes de Tatu; mas, ao contrário do corinthiano, não era visto como negro, pois era mulato claro, filho de pai alemão, tinha olhos verdes, usava o cabelo alisado e era jogador do Paulistano).

    .-.-.

    As conquistas da época do amadorismo tornaram o Flamengo popular, e o Corinthians ainda mais popular. Com o advento do profissionalismo, o Flamengo contratou os maiores jogadores negros do futebol carioca (Domingos da Guia, Leonidas, Fausto), intencionando se tornar o clube de maior torcida do Rio e do Brasil. Aqueles jogadores teriam um papel duplo nessa empreitada: conquistariam as vitórias, que por si propiciam mais seguidores; e atrairiam a simpatia do povão carioca, que se identificava naqueles ídolos. O Corinthians, curiosamente, enfrentou uma crise na transição para o profissionalismo: tricampeão paulista, sofreu um desmanche provocado pelas equipes italianas, que levaram os seus destaques (um deles Filó, tornou-se o primeiro brasileiro a conquistar uma copa do mundo, a de 1934, graças à dupla cidadania italiana obtida). Mas o Corinthians retomou o caminho das glórias, com um novo tricampeonato no final da década de 1930, no qual teve participação decisiva o artilheiro Teleco.

    Com o advento da época de ouro do rádio (década de 1940), o futebol se tornou ainda mais popular. As vitórias dos clubes eram difundidas pelas emissoras de rádios. As mais influentes em escala nacional eram as emissoras cariocas (sediadas na então capital da República). Dentre os radialistas esportivos cariocas destacavam-se Ari Barroso e Jorge Cury, ambos rubro-negros fanáticos, que não tinham o menor pudor em, diante do microfone, pender para o seu clube do coração. O Corinthians não tinha tanta “sorte” assim: a mais importante rádio paulista, em termos de esporte, era a Panamericana (futura Jovem Pan), propriedade de Paulo Machado de Carvalho, são-paulino histórico e diretor do SPFC por décadas. Paulo Machado de Carvalho chegou a comandar um conglomerado de mídia que incluía a TV Record, a Rádio Record, a Rádio Excelsior, a Rádio São Paulo e a Rádio Panamericana (Jovem Pan). Quando se tem em conta que o mais importante jornal paulista, O Estado de São Paulo, sempre foi de propriedade da família Mesquita, a qual participou da fundação do SPFC, não fica difícil deduzir qual clube paulista é o tradicional “queridinho” da mídia local.

    Mas a popularidade corinthiana é imanente, é essencial, e não depende de tratamento benevolente dispensado pelos “veículos formadores de opinião”. Tanto é assim que, em 1956, o diário Última Hora resolveu fazer uma enquete, no Rio de Janeiro e em São Paulo, para saber qual era “a maior torcida do Brasil”. O vencedor foi o Time do Povo, o Corinthians, com 737 mil votos. Em segundo lugar, ficou o Flamengo, com 538 mil votos.

    .-.-.

    O martírio de vinte e dois anos sem conquistar um título paulista afetou a torcida corinthiana. Mas não como afetaria qualquer outra torcida do Brasil: cresceu o tamanho e o amor da Fiel por seu time. A história do Corinthians é repleta de glórias, mas é pontuada de grandes dificuldades e de sofrimento. Nada foi tão demorado e sofrido quanto a espera pelo fim da fila. Quando ocorreu a Libertação, o que se viu foi a maior e mais intensa comemoração de título de um clube brasileiro em todos os tempos. Mais que uma festa, foi uma catarse de milhões, uma mistura de carnaval com Juízo Final, um acontecimento irrepetível. A partir do qual o Corinthians era ainda maior do que já havia sido (e, antes da fila, o Corinthians já havia se tornado o maior de todos).

    Coincidente com o jejum corinthiano foi o advento da televisão nos lares brasileiros. A primeira emissora a estabelecer uma rede nacional de transmissão foi a Rede Globo, sediada no Rio de Janeiro, que teve um crescimento imenso, desproporcional em relação às concorrentes, durante o regime militar. A Globo continuou e transcendeu o trabalho que as rádios faziam de difusão do futebol carioca, com atenção especial ao nome do Flamengo, tratado de modo constantemente ufanista e festivo.

    .-.-.

    O resultado é o gigantesco contingente de seguidores que o Flamengo angariou. Mais do que torcedores, boa parte é de admiradores: pessoas que gostam e acompanham o Flamengo como a uma novela, que lhes oferece entretenimento, emoções e ídolos.

    Muito diferente é a relação da Fiel com o Corinthians. Aqui trata-se de uma devoção, quase uma religião. O Corinthians, para grande parte de seus torcedores, é a coisa mais importante da vida. O corinthiano tem a sua família, o seu trabalho, a sua religião; alguns dão mais importância para isso, outros para aquilo; mas o que está sempre presente, o que condiciona a sua vida, é a paixão pelo Corinthians.

    Quando se enfrentam Corinthians e Flamengo, não se trata de um confronto entre iguais, entre “irmãos”. Ocorre o confronto ente dois clubes que congregam duas imensas e díspares legiões de seguidores: os admiradores do Flamengo e os fanáticos torcedores do Corinthians. Os flamenguistas, adeptos do oba-oba, querendo mostrar a sua alegria; os corinthianos, apaixonados e sem vergonha de mostrar a sua devoção. O Flamengo, festivo, de raizes na elite, que conseguiu fazer frutificar um enorme contingente de admiradores. O Corinthians, razão do viver dos seus torcedores, Time do Povo desde o seu surgimento.

    Corinthians, o time da Fiel, a maior e mais apaixonada de todas as torcidas.

  • Roberto Gomes

    Quanta bobagem hein meu caro Antonio e ainda perde tempo escrevendo essa longa jornada. Nao tem o que fazer nao. Vai procurar fazer alguma de mais util meu rapaz. Que vergonha!!!

MaisRecentes

Contas corintianas



Continue Lendo

Timão em 2018



Continue Lendo

Verdão aflito



Continue Lendo