A concessão do Maraca



O consórcio liderado pela Odebrecht, que assumiu a gestão do Maracanã, está preocupado com a decisão do governo do Rio de cancelar a demolição do Célio de Barros, estádio de atletismo, e do Parque Aquático Júlio Delamare, contrariando o próprio edital de licitação do estádio.

Apresentou carta ontem ao governo informando que considera que o contrato para administrar o Maraca continua válido e apresentou alternativas para novo projeto arquitetônico em área ainda não definida pelo poder público.

A preocupação do consórcio com a questão se justifica, porque há quem entenda que lhe caberia uma indenização depois de o governo ter mudado as regras do jogo quando a licitação já tinha um vencedor.

Há também quem entenda que seria o caso de uma nova licitação, sem falar nas vozes das ruas, contrárias à concessão, que fizeram o governador Sérgio Cabral se mexer. Tanto que voltou atrás na decisão de demolir o Célio de Barros e o Júlio Delamare só depois que as manifestações populares começarem.

A confusão pode acabar na Justiça, mas o consórcio entende que o negócio é válido e interessante para ele mesmo com as novas regras. Se é interessante para o estado e a população é que não sei. Lembrando que faz parte do consórcio vencedor empresa do grupo Eike Batista, cujo conglomerado, aliás, está fazendo água há tempos.



MaisRecentes

Seleção no divã



Continue Lendo

Seleção magoada



Continue Lendo

O emocional, de novo



Continue Lendo