A concessão do Maraca



O consórcio liderado pela Odebrecht, que assumiu a gestão do Maracanã, está preocupado com a decisão do governo do Rio de cancelar a demolição do Célio de Barros, estádio de atletismo, e do Parque Aquático Júlio Delamare, contrariando o próprio edital de licitação do estádio.

Apresentou carta ontem ao governo informando que considera que o contrato para administrar o Maraca continua válido e apresentou alternativas para novo projeto arquitetônico em área ainda não definida pelo poder público.

A preocupação do consórcio com a questão se justifica, porque há quem entenda que lhe caberia uma indenização depois de o governo ter mudado as regras do jogo quando a licitação já tinha um vencedor.

Há também quem entenda que seria o caso de uma nova licitação, sem falar nas vozes das ruas, contrárias à concessão, que fizeram o governador Sérgio Cabral se mexer. Tanto que voltou atrás na decisão de demolir o Célio de Barros e o Júlio Delamare só depois que as manifestações populares começarem.

A confusão pode acabar na Justiça, mas o consórcio entende que o negócio é válido e interessante para ele mesmo com as novas regras. Se é interessante para o estado e a população é que não sei. Lembrando que faz parte do consórcio vencedor empresa do grupo Eike Batista, cujo conglomerado, aliás, está fazendo água há tempos.



  • Julien Jacques Nery

    FORA CABRAL, SACANA MAFIOSO!

    • JEAN FERREIRA

      CONCORDO!!!!!

  • t.

    o pior de tudo é que não importa o responsável, público ou privado, não será um bom administrador, como temos visto. se não é uma tarefa das mais fáceis, contudo não é das mais complicadas. mas essa gente parece estar vivendo no país do discurso do governo e certa parte da imprensa em vez daquele do dia-a-dia.

  • Marcelo Tricolor

    A empresa do Eike Batista só tem 5% (cinco por cento) o negócio, ou seja, quase nada. A concessão é importante para o Estado que economiza na manutenção do estádio e ainda ganha algum dinheiro. Sendo ele quem administra, será mais uma vez um ralo do dinheiro público, com um cabide de emprego que sempre foi a SUDERJ, e daqui a pouco tempo, será realizada outra reforma para melhorar as finanças de alguém ou de algum partido. A privatização do estádio tem que ser mantida, sem, obviamente, a demolição do Célio de Barros e do Júlio Delamare. Quanto ao Museo do Índio tem que ser recuperado e entregue a população do Rio de Janeiro, como um museo. Chega dessas manifestações de “meia dúzia” de universitários do PSOL e do PSTU que nunca entraram no Maracanã. O importante é que a longo prazo o Estado do Rio de Janeiro ganhará com a privatização ao invés de estar sempre perdendo.

    • Edgar

      a longo prazo vai ganhar com as privatizações é? Pelo que entendo o estado perde mas um patrimônio público… só para que conste: sou um desses universitários que você mencionou… estou aqui lendo o Lancenet, e já fui inúmeras vezes ao Maracanã

    • Gabriel

      Financeiramente para os clubes e para o povo foi um péssimo negócio a privatização nesses moldes. Os clubes ganham uma merreca, os torcedores pagam altos preços pelos ingressos. Os principais “artistas” do Maracanã são os clubes, sem eles o estádio não é economicamente viável, em qualquer lugar do mundo os artistas do espetáculo são remunerados pelas suas apresentações, o consórcio parece fazer um favor aos clubes deixar eles jogarem no Maracanã, quando na verdade o consórcio precisa dos clubes para manter o estádio. No contrato de concessão deveria estar definido como deveria ser feita obrigatoriamente a divisão de receitas relativas aos jogos de futebol, sendo definido os custos do estádio e o divisão das receitas entre o Consórcio os Clubes e o Governo. Os clubes precisavam se unir e tomar uma atitude coletiva contra as praticas desse consórcio. Mas os invés de negociar um contrato coletivo com a definição dos termos para se jogar no Maracanã existe um clube com dirigentes com complexo de inferioridade que prefere ter alguns ingressos de esmola a juntar com os outros clubes e negociar termos melhores para todos. Sem os clubes o Maracanã não é viável, mas é preciso que eles tomem uma atitude conjunta pra fazer pressão no consórcio.

  • francotimao

    Ola, João, com elação a este tema já emiti minha opinião aqui no blog, ou seja, sou contrario a privatização dos estádios (leia-se, entrega de mão beijada), pra mim é no minimo um absurdo incomparável gastar-se dinheiro publico ( no caso não é financiamento) dinheiro de todos nós e simplesmente entregar a iniciativa privada para gestão do estadio, prestem atenção, esse consorcio ira explorar o estadio e não ira investir nada nele e o tempo será senhor desta razão…Abs!!!!!!!!

  • levi lemke

    UM POLITICO DAR UM TAPA NA CARA DO POVO E DOS CLUBES ISTO É LAMENTAVEL

  • Julio Cezar

    Estão dando cobertura demais a estas manifestações contra a concessão do Maracanã. Elas não retratam a vontade da maioria, pois traduzem pensamentos arcaicos, como este de que o governo continue controlando estádios, isto não existe mais em lugar nenhum do mundo, só em países mais atrasados.
    O Maracanã está excelente, deve apenas olhar com mais carinho o valor dos ingressos, mas isto a lei da oferta e da procura corrige com o tempo. Vontades partidárias não se alinham com os reais anseios da população, que é o de ser bem tratado, coisa que o Estado nunca conseguiu fazer.
    Saudações Tricolores!

    • born to be fire

      Tá bom, então que a iniciativa privada construa os estádios.

      • janca

        É cômodo, a meu ver, administrar um estádio do porte do Maracanã depois que o governo colocou quase R$ 1,5 bilhão para reconstruí-lo. Penso como você. Então que a iniciativa privada, se quer gerir um estádio, que se dê ao trabalho e faça o investimento necessário para construí-lo.

        • gero

          É assim mesmo. os consorciados que deveriam investir e depois explorar. Fica muito fácil. O Governo (isto é, com o nosso dinheiro) investe e depois entrega de mão beijada para esses caras. Desse jeito fica muito fácil. UMA V E R G O N H A!!!!!!

  • Julio Cezar

    A empresa do Eike Batista detém somente 5% das ações do Consórcio, ou seja, quase nada.
    A Odebrecht vai muito bem, obrigado.
    Mantenham a concessão, poder público não sabe gerir estádios, nunca soube, haja vista que nós sempre fomos tratados como gado no Maracanã.
    Saudações Tricolores!

    • Fernando de Freitas

      É isso mesmo Julio. A Suderj ganhou muito dinheiro às custas dos clubes e nunca ofereceu nada em troca aos torcedores. Show de incompetência. O quadro móvel sempre foi uma quadrilha que desviava ingressos das bilheterias para revender com os comparsas no entorno.
      IMX tem apenas 5%. Não apita nada.
      Show de demagogia barata. E parte da imprensa ainda cai nessa esparrela.

      • janca

        Coitadinha da IMX, só 5%… 5% para o Eike Batista, que administra os negócios dele sabemos como, o mundo X simplesmente ruiu, já é muita coisa. E o governo gastou mais de R$ 1,2 bilhão para fazer o estádio. Torrou uma fortuna para entregá-lo agora à gestão privada por um aluguel simbólico perto do lucro que os gestores _entre os quais a Odebrecht, sempre ela_ poderão ter.

        • Reinaldo

          Putz, a briga será dura entre o Poder Público e o Eike Batista pra saber quem administra melhor … rsrsrsrs … Mas pra não ficar em cima do muro eu ainda vou dar um crédito pro governo ..kkkk

          • janca

            Risos. Eu já não dou crédito a ninguém, Reinaldo. Até porque o governo, especialmente via BNDES, virou sócio do Eike há muito tempo… E nos levou junto na empreitada.

        • Pcorrearic

          Estatizar agora seria NÓS O POVO assumirmos novos custos e investimentos (inclusive pagarão aqueles que nunca passarão perto do maracanã). Se privatizarmos fica mais justo porque quem pagará a conta será sempre a parte do POVO que vai ao maracanã através do seu ingresso. O que o governo investiu (leia-se investiu e não deu) terá retorno em impostos quando a copa chegar aqui.

          • janca

            O povo vai ao estádio? Depende muito da política de preços… Em Brasília, por exemplo, os ingressos estão muuuito caros. E sobre retorno em impostos durante a Copa, conta outra. Não diziam que não haveria um centavo público em estádios? Não houve outra coisa que não isso. E os preços sempre acima do projetado inicialmente. Você acredita em fadinhas?

  • Paula

    Só tenho lido coisas negativas a respeito da privatização. Fui então me aprofundar no assunto e passei a ser a favor da mesma. A concessão não foi algo de outro mundo, não é esse bicho de sete cabeças. Não vamos falar daquilo que não sabemos bem. O Governo gastou muito? Sim! Mas nada tem sido em vão não.

  • NÃO É JUSTO QUE SE CONSTRUA UM ESTÁDIO COM
    O DINHEIRO DO CONTRRIBUINTE E SE ENTREGUE A
    GRUPOS ECONÔMICOS PODEROSISSIMOS SE ENCHEREM
    DE DINHEIRO QUE O GOVERNO ARRANCA SEM DÓ NEM
    PIEDADE DESSE POVO BRASILEIRO JÁ TÃO EXPOLIADO.
    ISSO É ROUBAR DOS POBRES PARA ENCHER OS BOLSOS
    DOS TRILHONÁRIOS EMPRESÁRIOS LADRÕES.
    POLÍTICOS SALAFRÁRIOS, LADRÕES SEM VERGONHA, ATÉ
    QUANDO O POVO VAI SUPORTAR TANTA SAFADEZA?

    • Fernando de Freitas

      Entregar ???? Mão beijada ????
      O Consórcio vencedor, em contrapartida da concessão, seria responsável por:
      Construir um novo parque aquático e demolir o Julio Delamare.
      Construir um novo estádio de atletismo e demolir o Célio de Barros.
      Construir uma nova escola e demolir a escola Friedenreich
      Construir um estacionamento para 4 mil vagas.
      Construir um shopping para tornar o complexo mais rentável (e que após a concessão seria do Estado).
      Construir uma penitenciária em Gericinó.
      Investimento necessário e obrigatório para fazer tudo isso: R$ 600 milhões.

      Vc acha que ter a obrigação de investir 600 milhões é “entregar” ? É “dar de mão beijada” ???
      Vc é um teleguiado que fica lendo as bobagens que boa parte dessa imprensa demagoga publica. Informe-se mais. Leia opiniões de especialistas no assunto e não apenas de jornalistas corneteiros.

      • janca

        A regra do jogo já mudou. A licitação dizia uma coisa, a história agora é outra. Não tem que demolir o Júlio Delamare nem consgruir novo parque aquático. O mesmo vale para o Célio de Barros. Informe-se melhor antes de escrever, por favor.

        • Andre

          MAs, a mudança não foi por causa da empresa que ganhou a licitação. Antes ela era obrigada a fazer tudo o que o amigo acima relatou.

          • janca

            Foi por conta da administração pública, que é o poder concedente. Mas quem participou da licitação (ou iria participar) estava em mente com outras regras, não com as atuais, o que gera discussão jurídica. Há diferentes interpretações. Não seria o caso de anular a licitação e indenizar o consórcio vencedor? Mesmo a questão do aluguei, com a mudança nas expectativas de lucros e nos investimentos que o consórcio terá de fazer, pode mudar. Parece piada. Foi tudo feito, pelo jeito, na base do improviso e o resultado está aí.

  • Reinaldo

    Há juristas que entendem que o princípio da supremacia da supremacia do interesse público deveria deixar de existir por algumas barbaridades desses administradores da coisa pública. Como pode o poder público fazer uma licitação, onde são colocadas previamente todas as regras do jogo, e depois mudar de ideia repentinamente? Não estou falando nem que deveria haver a demolição do Célio de Barros e do Parque Aquático Júlio Delamare, nem muito menos que deveria haver a concessão do Maracanã, porém se fizeram uma besteira dessas e se arrependeram posteriormente que o Estado indenize o ganhador da licitação e haja a responsabilização das autoridades públicas, no caso, o governador do RJ. É mais um abuso de poder desses caras…e o pior de tudo é que com tal decisão populista o povo vai achar o governador o “máximo”…piada !!!

    • janca

      É isso o que penso. Como podem os administradores da coisa pública decidirem, subitamente, muda de ideia e modificar o que havia sido acordado na licitação? Não estou falando contra a desistência das demolições do estádio de atletismo e do parque aquático, mas isso tinha que ter sido visto antes. E tempo para tal o governo teve de sobra. Será que não cabe indenização ao consórcio, mesmo que A ou B possa não gostar da turma que, bem ou mal, venceu a licitação? Há advogado que diz que cabe, sim. E também penso que cabe. E toda essa situação só mostra como as decisões, que deveriam ser sérias, são tomadas no país. Mudaram a regra do jogo. Simplesmente depois de a licitação já ter um consórcio ganhador. É caso para a esfera jurídica. E grave, Reinaldo. Caso grave e emblemático.

  • Francisco Carlos Pereira da Costa

    Enquanto tivermos a figura do empresário nas hostes do mais querido do mundo. Não me associo e nem vou aos estádios! Fóóóóóóóóraaa Paulo Pelaipe; Mano Menezes; Carlos Eduardo; Val; Bruninho; Paulinho; Nixon; Marcos Gonzales; Walace; João Paulo; Gabriel; Victor Cáceres Luiz Antônio e todos os empresários de jogadores que andam por lá!

  • born to be fire

    Se as coisas não melhorarem, não darei mais dinheiro prá essa corja, vou abandonar o futebol.

  • gabriel

    Marcelo Tricolor disse:
    27 de agosto de 2013 às 14:45
    A empresa do Eike Batista só tem 5% (cinco por cento) o negócio, ou seja, quase nada. A concessão é importante para o Estado que economiza na manutenção do estádio e ainda ganha algum dinheiro. Sendo ele quem administra, será mais uma vez um ralo do dinheiro público, com um cabide de emprego que sempre foi a SUDERJ, e daqui a pouco tempo, será realizada outra reforma para melhorar as finanças de alguém ou de algum partido. A privatização do estádio tem que ser mantida, sem, obviamente, a demolição do Célio de Barros e do Júlio Delamare. Quanto ao Museo do Índio tem que ser recuperado e entregue a população do Rio de Janeiro, como um museo. Chega dessas manifestações de “meia dúzia” de universitários do PSOL e do PSTU que nunca entraram no Maracanã. O importante é que a longo prazo o Estado do Rio de Janeiro ganhará com a privatização ao invés de estar sempre perdendo.

    • janca

      A concessão é importante para a Odebrecht, construtora que está em quase todas, e não quer abrir mão do negócio que pode ser muito lucrativo pra ela, não para o governo. Ou você acha que a Odebrecht está pensando em auxiliar o governo? Não sejamos ingênuos…

    • janca

      E privatização é um termo que a Odebrecht e a empresa do Eike Batista odeiam. Eles preferem concessão. E no caso do Eike, com todo respeito, 5% do Maraca é muuuuuita coisa.

  • marcio

    Acho que é caso de se anular a licitação, pois afinal houve uma alteração do escopo do contrato e nesta situação as empresas concorrentes apresentaram uma proposta baseada numa situação que agora se apresenta completamente diferente.

  • Pcorrearic

    Estatizar agora seria NÓS O POVO assumirmos novos custos e investimentos (inclusive pagarão aqueles que nunca passarão perto do maracanã). Se privatizarmos fica mais justo porque quem pagará a conta será sempre a parte do POVO que vai ao maracanã através do seu ingresso. O que o governo investiu (leia-se investiu e não deu) terá retorno em impostos quando a copa chegar aqui.

    • janca

      Terá retorno na Copa? Se fez tudo sem planejmaento adequado… Se não tem dinheiro para investir em saúde, educação, segurança e transporte público… Como perguntei anteriormente você acredita em fadas?

  • Paulo Beto

    Que o melhor seja feito. Cabral viu o que era melhor e voltou atrás. Sabemos que a princípio não foi uma atitude que agradou a população, mas ele voltou atrás e tá tentando consertar um erro. Atitude plausível. É isso… vamos ver o que acontece…

  • Ademir Santino de Lima

    Que tal contestar-mos outras concessões? Estradas, Barcas, Ônibus, Light, Ampla, Telefonia…
    O que é mais importante pra população?
    O Maracanã não representa nada para o bem estar do povo. O Futebol hoje esta elitizado. Não vai servir pra nada ter ou não ter maior ou menor torcida, pois o futebol será espetáculo para poucos.

  • JEAN FERREIRA

    ACHO QUE NEM VOU DORMIR HOJE !!!!

  • leonardo

    QUEM LEMBRA DO ESQUEMA FERJ-SUDERJ ANTES DO MARACANÃ SER PRIVATIZADO? HAAAAAAA, FAREMOS DIFERENTE. DUVIDO!! PAÍS QUE DEPUTADO PRESO CONTINUA DEPUTADO, ALGUEM AÍ ACHA QUE VAI SER DIFERENTE? SÓ VAI DAR MAIS FORÇA PARA RUBINHO E CIA. GOSTARIA DE PENSAR DIFERENTE, MAS NÃO ME ILUDO. COM O CONSORCIO É RUIM, SEM ELE É PIOR.

  • Cezar

    Acho que tem muito Framerdista reclamando dos preços do novo Maracanã rsrsrsrsrsrs Pra mim tá ótimo, o Maracanã não está tão fedido cheirando a urubu quanto antes kkkkkkkkkkkkkk. Pode colocar os ingressos há R$ 200,00 que pra mim tá bom, estou indo na boa, sou sócio, entro tranquilamnte e a casa é dos caras então peço licença e sento no lugar que me é oferecido. Pode continuar privatizado sim é só não demolir nada e outra, as privatizações que o PT foi contra quando FHC era o presidente e que ele (PT) continuou fazer, sempre deu resultados positivos que empresas que viviam em vermelho. Quem tá reclamando são aqueles que devem ficar em casa assistindo pela TV no gato net mais querem ir pra lá com os suvacos fedendo a CC para arrumarem brigas, Pronto falei kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

MaisRecentes

Revolta corintiana



Continue Lendo

Pela saída de Levir



Continue Lendo

Apoio a Jô



Continue Lendo