Ditadura na base



Reproduzo, abaixo, coluna que publiquei ontem no diário LANCE! sobre os conceitos de Alexandre Gallo para as categorias de base do futebol brasileiro:

“Especialmente por ser o cara chamado para reformular as categorias de base do futebol brasileiro, a postura de Alexandre Gallo merece uma análise à parte. Bem no estilo que encanta José Maria Marin, cujo passado político está atrelado à ditadura militar, o técnico segue firme no propósito de adotar linha dura com a garotada. Em recente entrevista ao “Estadão”, mandou seu recado. Não quer jogador de brinco, cabelo comprido ou com corte diferente, nem usando fone de ouvido. Em relação aos brinquinhos e ao corte de cabelo talvez consiga alguma coisa, já com os fones de ouvido, sei não, sei não…

Só que o problema não é usar ou deixar de usar brinco, uma decisão de cada garoto que não cabe a Gallo coibir, é a maneira como ele próprio já se posiciona, parecendo um ditador. Diz que os jogadores não vão ser convocados em primeiro lugar pela capacidade, mas pelo caráter, como se ele fosse capaz de definir o caráter de alguém. Com base em que conceitos dirá se um garoto tem boa ou má índole, se é bom ou mau caráter? Age como se não houvesse um meio termo, como se o ser humano fosse isso ou aquilo e não um ente complexo, cheio dos mais variados anseios, esperanças, angústias, dores, erros e acertos. Agora quem contestar o chefe, mesmo com bons argumentos, ficará de fora? É obedecer ou obedecer?

Não que futebol não precise de ordem e comando, mas experiências presentes e passadas mostram que necessita de espaço para o diálogo também e, ao adotar a postura que escolheu, Gallo vai contra tudo isso. Inclusive contra Neymar, o maior ídolo da Seleção principal, que sempre chamou atenção pelo belo futebol e talento único que tem, mas não deixou de cuidar do visual e do cabelo.

Couro cabeludo à parte, a base do Brasil não será resolvida assim. Após o vexame no Sul-Americano Sub-20, quando acabamos eliminados na primeira fase, perdendo a vaga para o Mundial, “feito” que não acontecia desde 1979, algo tinha que ser feito, mas não isso. A saída passa longe da disciplina militar e a estrutura, que deveria ser rediscutida, segue a mesma.

Anos atrás, em conversa com Zico, lembro de ele reclamar como era complicado manter o CFZ, clube que criara no Rio, porque investia em atletas e quando se dava conta muitos já estavam nas mãos de empresários ou fundos de investimentos, que queriam decidir o destino deles. Sem falar no assédio de agentes e clube X a jogadores em formação no clube Y, algo que tem gerado celeuma no Brasil.

Falta-nos tudo, inclusive política esportiva. A Alemanha não investiu mais de R$ 2 bilhões nos últimos 12 anos para formar novos talentos? Construiu mais de 200 centros de treinamento e capacitou profissionais para comandar o setor. Há algo minimamente parecido por aqui? Por parte da CBF, de Marin, e do governo federal, não. Prevalecem mesmo o improviso e a visão de curto prazo, ficando o futuro a deus-dará.”



  • Mario

    é a total inversão de valores , essa é a direção furada do nosso futebol força e disciplina aonde é mais facil proibir do q orientar ,p/eles o talento é coisa de gente ultrapassada , bom é o robotico padronizado.

    p/mim pelo tamanha do pais e necessidades de desenvolvimento deveriamos copiar o sistema de educação e esporte americano aonde as crianças praticam esporte nas escolas ate a faculdade depois vão ganhar milhões nas ligas e acabar com a base corruptas dos times aonde só faz peneira quem tem empressario ou amigo conselheiro do clube.

    • janca

      Direção furada mesmo.

  • francotimao

    João, não é possível querermos levar a sério o esporte no Brasil e o pior é q “os caras” q comandam a “bagaça” se sentem msm profissionais, mas no fim eu não os culpo por esse posicionamento, afinal isto é em decorrência de longos anos de “experiencia” em não ser profissional pois penso q a profissionalização dos “mandatários” passa necessariamente por uma politica para o esporte no Brasil e infelizmente não vejo qualquer sinal positivo neste sentido..Abs!!!

MaisRecentes

Protestos à vista



Continue Lendo

Ajustes no São Paulo



Continue Lendo

Mattos em xeque



Continue Lendo