Pra frente Brasil



Interessante ver na TV uma parte da mídia, auxiliada por propagandas de parceiros comerciais ligados ao futebol, tentando criar um clima de “Pra Frente Brasil”.

Apesar das campanhas que tentam mobilizar a população para a Copa das Confederações, vejo, a seis dias do início do evento, um clima de distanciamento. Não que os estádios _ou arenas, como quiserem_ não ficarão lotados, porque a procura por ingressos foi das melhores, seja para amistosos ou jogos do Brasil, seja para partidas de outras equipes. E as arenas estão mesmo muito bonitas.

Mas o futebol da seleção, independentemente do jogo de hoje, contra a França, ainda não empolgou como podia. E as mazelas na preparação (ou falta dela) do país para a Copa do Mundo, realizando muito pouco em termos de infraestrutura, deixaram suas marcas negativas. Sem falar no custo dos estádios, que uma parte da imprensa acaba ignorando, em geral muito maior do que o prometido inicialmente. Arenas, vale lembrar, feitas com dinheiro público, quando a promessa inicial é de que seria feita com verba privada. Mas promessas…

Emblemático o caso do Engenhão, que só deverá ser reaberto em 2015. A grande obra do Pan de 2007 foi literalmente para o buraco. Isso, porém, é assunto para outro “bloco”. Quem pagará a conta, afinal? As empreiteiras responsáveis pela obra, pelo jeito, não.

O clima de oba oba, enfim, parece artificial. Fabricado. Talvez durante a Copa das Confederações, inclusive com cobertura intensa da imprensa, ele mude e se torne natural. Mas será que muita gente vai às ruas festejar a Copa das Confederações? Mesmo se o time de Felipão se transformar em um sucesso, tenho minhas dúvidas.



MaisRecentes

Nova caminhada



Continue Lendo

O desabafo de Cuca (ainda)



Continue Lendo

As críticas de Cuca



Continue Lendo