Pra frente Brasil



Interessante ver na TV uma parte da mídia, auxiliada por propagandas de parceiros comerciais ligados ao futebol, tentando criar um clima de “Pra Frente Brasil”.

Apesar das campanhas que tentam mobilizar a população para a Copa das Confederações, vejo, a seis dias do início do evento, um clima de distanciamento. Não que os estádios _ou arenas, como quiserem_ não ficarão lotados, porque a procura por ingressos foi das melhores, seja para amistosos ou jogos do Brasil, seja para partidas de outras equipes. E as arenas estão mesmo muito bonitas.

Mas o futebol da seleção, independentemente do jogo de hoje, contra a França, ainda não empolgou como podia. E as mazelas na preparação (ou falta dela) do país para a Copa do Mundo, realizando muito pouco em termos de infraestrutura, deixaram suas marcas negativas. Sem falar no custo dos estádios, que uma parte da imprensa acaba ignorando, em geral muito maior do que o prometido inicialmente. Arenas, vale lembrar, feitas com dinheiro público, quando a promessa inicial é de que seria feita com verba privada. Mas promessas…

Emblemático o caso do Engenhão, que só deverá ser reaberto em 2015. A grande obra do Pan de 2007 foi literalmente para o buraco. Isso, porém, é assunto para outro “bloco”. Quem pagará a conta, afinal? As empreiteiras responsáveis pela obra, pelo jeito, não.

O clima de oba oba, enfim, parece artificial. Fabricado. Talvez durante a Copa das Confederações, inclusive com cobertura intensa da imprensa, ele mude e se torne natural. Mas será que muita gente vai às ruas festejar a Copa das Confederações? Mesmo se o time de Felipão se transformar em um sucesso, tenho minhas dúvidas.



  • Iuri

    Concordo. Tudo bem pasteurizado. Apenas as ‘neymarzetes’ demonstram alguma euforia.

    • janca

      É mais ou menos por aí, Iuri. Um clima esquisito. Pasteurizado, talvez, artificial. Estranho. Ou esperado. Nada daquela euforia que tentam nos vender os comerciais na TV.

      • t.

        janca,

        se nem a seleção brasileira joga pra frente, como todo o resto poderia estar, não? eheh.

        mas tá brabo mesmo de aturar a tudo que está acontecendo com a desculpa da copa e da olimpíada. o fechamento do engenhão, com a clara conseqüência de favorecimento a certos grupos que se beneficiarão com isso, enfeia ainda mais a coisa.

  • Sou brasileiro, presenciei os dois últimos títulos da C. das Conf. e nunca vi brasileiros nas ruas comemorando Copa das Confederações e , não sei se dessa vez será diferente, ainda que jogando em casa.

    Aquele almoço em família em dia de jogo, fogos na hora do gol, acho q não teremos, mas nem por demérito dessa seleção, mas pq o povo não valoriza mesmo C. das Confederações ou Copa América. Agora……vai perder pra ver a quantidade de críticas……também tem esse lado!

    É o tipo de competição em que não contagia, mas em contra partida será usada para crítica se não ganhar.

    • janca

      Se bem que esse ano tem algo diferente, que é o fato de o torneio ser disputado no Brasil, Rodrigo. Agora sobre eventual perda do título acho que o torcedor já está preparado para a possibilidade, que existe, claro. Não será um torneio fácil. O principal é o Brasil apresentar um bom futebol, algo que não vinha fazendo. Hoje, contra a França, o time melhorou.

  • francotimao

    João, concordo novamente com tbm não vejo clima de empolgação nas ruas, mas sim uma frieza enorme e um sentimento de desconfiança q diga-se de passagem quem creditou foram as atuações pífias da própria seleção, acredito tbm q se o Brasil começar a ganhar possa voltar essa confiança do torcedor mas não a ponto de “comoção”…

MaisRecentes

Verdão vai às compras



Continue Lendo

Contas corintianas



Continue Lendo

Timão em 2018



Continue Lendo