Flamengo campeão



E não é que o Flamengo foi o campeão do Novo Basquete Brasil, vencendo o time de Uberlândia na final?

Estão de parabéns o clube carioca e seus torcedores, que souberam empurrar a equipe, especialmente no quarto final.

O técnico Hélio Rubens, que comandou o Uberlândia, antes mesmo da decisão já reclamava do formato da disputa, achando inconcebível a finalíssima acontecer em um jogo só. Queria que fosse em até cinco partidas, como nas fases anteriores, oitavas, quartas e semifinais, ou mesmo em até sete, seguindo o formato da NBA. Acha injusto ter que decidir tudo em um jogo só.

Não acho que ele esteja errado, mas a questão é a TV. A final do NBB acontece em um jogo só, respeitando os interesses da Globo, que o exibe em TV aberta. As demais disputas e a fase de classificação ficam com o Sportv, que também mostra a decisão.

É a melhor alternativa? Em termos esportivos provavelmente não, mas o esporte tem outros ingredientes, entre os quais a exposição e os direitos de TV, que devem ser respeitados.

Decidir uma Copa do Mundo em um jogo só é justo? Também tenho minhas dúvidas, embora garanta, pelo menos em tese, mais emoção. E seria complicado fazer um torneio como o Mundial de futebol num período superior a um mês, levando-se em conta o calendário mundial, interesses de clubes e seleções.

Reclamações de Hélio Rubens à parte, o Flamengo jogou muito pra levar o título, deixando sua torcida, anda ressabiada com o time de futeobl há tempos, feliz. E com o grito de campeão podendo sair da garganta… Mas de parabéns estão também o próprio Hélio Rubens e seus comandados, que ajudaram a fazer uma grande decisão e jogaram com esportividade, assustando várias vezes a torcida do Fla. Ficaram com o vice. E um vice de muito respeito.



  • Mario

    parabens p/o Flamengo , com ctz playoffs de 5 ou 7 jogos é muito melhor p/o basket q um unico jogo , alem q deveriamos copiar e adaptar o programa esportivo americano aonde a NBA é só uma pontas finais do sistema.

    sobre a Tv não adianta estar na emisora numero 1 do pais (a Globo) se o basket é tratado como produto de segunda linha e escondido na grade de programação , seria muito mais interessante estar em outras emisoras menores p/ter destaque e um tratamento melhor , igual ao volei na Band nos anos 80 e UFC qnd estava na rede tv.

    • Felipe Lima

      Cara, concordo com você!

      Eu até sou a favor do jogo único, mas esse “evento” deveria ser melhor trabalhado no aspecto de promoção. Se não tem-se capacidade para isso, façam playoffs na final, garante uma renda extra pelos jogos a mais.

      Quanto à TV, eu já disse: enquanto as federações continuarem olhando apenas para o fato de “estarem na Globo” não garantirão uma maior exposição de seus eventos, já que ficam ao bel-prazer da emissora. A Superliga está tentando a transmissão via internet – deu umas capengadas, mas não foi ruim; pode ser uma saída válida. Ou então endurecer, tentar valorizar seu produto, aceitar a proposta de maior valor, sei lá!

      • janca

        Oi Felipe. Talvez você tenha razão. Estar na Globo certamente é muito importante para a visibilidade do esporte, mas não é tudo. Há outras mídias, outros veículos de comunicação e outras estratégias que podem ser adotadas. Com o Luciano do Valle o vôlei começou a crescer nos anos 80 em outro canal que não a Globo. Enfim, há alternativas. E os dirigentes têm de ver quais são as melhores para suas modalidades. Algo que não necessariamente envolve a Globo, por mais poderosa que seja a emissora.

MaisRecentes

Goleiro são-paulino



Continue Lendo

Protestos à vista



Continue Lendo

Ajustes no São Paulo



Continue Lendo