COL silencia sobre salários



O Comitê Organizador Local da Copa de 2014 resolveu se calar sobre o que chama de “vencimentos” de seus dirigentes, funcionários e colaboradores. O motivo é que José Maria Marin ficou irritado ao ver seguidamente na imprensa que ganha entre 110 mil e 115 mil reais mensais por atuar no comitê. Na CBF ele aumentou seu salário de cerca de 90 mil reais quando assumiu o cargo no ano passado, após a saída de Ricardo Teixeira, para 160 mil mensais.

Tanto na Copa da Alemanha, em 2006, quanto na África do Sul, em 2010, os comitês divulgavam os salários e prestavam contas à sociedade sobre seus gastos, inclusive o de viagens, hospedagem e alimentação de dirigentes, funcionários e colaboradores, muitos dos quais tinham que percorrer o país _e viajar ao exterior_ por causa da organização do Mundial. No Brasil o COL não costuma fazer o mesmo.

O mesmo acontece com o Comitê Organizador Local dos Jogos do Rio-2016, que tampouco gosta de tratar de salários, preferindo “blindar” seus dirigentes. Postura diferente da adotada pelo Comitê Organizador dos Jogos de Londres, no ano passado, que divulgava quanto pagava a cada um de seus colaboradores, inclusive à alta cúpula que o comandava.

Vale lembrar que, pela primeira vez na história, a Copa do Mundo tem o presidente da confederação nacional (CBF) no comando do COL, assim como a Olimpíada tem o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, como mandatário do COL do Rio-2016.

E não custa recordar, também, que Marin, aquele que não gosta de falar de salários, foi quem ajudou a divulgar quanto recebia na CBF o técnico Mano Menezes _pouco mais de 515 mil reais. Uma forma de desgastar ainda mais o treinador (e Andrés Sanchez, que o defendia), mostrando que Mano ganhava muito pra produzir extremamente pouco. Até concordo que, pelo trabalho que fez (ou não fez), os “vencimentos” de Mano eram uma piada de mau gosto, fortuna jogada no lixo, mas não é o único que tinha salário desproporcional ao que fazia (ou não fazia). O próprio Marin que o diga. Ganha para fazer o quê? Aparecer em foto? Sucatear a entidade? Trabalhar na campanha de Marco Polo Del Nero à sua sucessão? Que fase, que fase…



  • Flávio_tricolor

    Juvenal para presidente da CBF !!!!!!

    • Vaz

      Poderia ser engraçado se não fosse trágico. É a entidade máxima do futebol a serviço do interesse deste ou daquele clube e depois não entendemos e nos revoltamos com a CBF e FPF.

    • Mario

      já que é p/avacalhar TIRONE P/PRESIDENTE DA CBF KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      • janca

        Risos.

      • PÔ , faltou a PATRICIA AMORIM……. kkkkkk

        • janca

          Risos.

    • janca

      Era só o que faltava, Flávio…

  • Mario

    o mundo mudou , kadafi morreu , sadam morreu ,mubarak morreu só por aqui esses ditadores não morrem

    • Vaz

      Os mais antigos diziam: vaso ruim não quebra. Os caras vão de muleta, cadeira de rodas, equipamentos de sobrevivência e até se bobear de maca mas não largam a boquinha. Este país é o único lugar do planeta onde o sujeito cai para cima.
      Comemoraram a queda do RT. Surpresa, o cara continua ganhando o salário e não é pouco , penso serem outros 150, 160 paus e não duvidem ainda continua apitando na CBF, isso sem contar que embora sem cargo continua como conselheiro no COB e na organização das Olímpiadas ou seja até 2016 está garantido. Depois como por aqui a memória é curta……..
      Partindo da “filosofia” avacalhado por avacalhado que tal Tirone, Juju e Dualib? É para pegar o boné e ir embora mas tenha certeza que vai ter alienado aplaudindo e achando uma boa.

      • janca

        O Ricardo Teixeira ganha cerca de 120 mil reais por mês, mais do que recebia como presidente da CBF.

      • Felipe Lima

        Só alterando um pouquinho o velho ditado (o pessoal do “Pânico” comprovou):

        “Vaso sanitário é que não quebra!”

  • alessandro

    BOA NOITE JANCA,SO GOSTARIA DE SABER DE ONDE VEM O DINHEIRO DO COL SE FOR PUBLICO NAO TEM CABIMENTO E AI O MINISTERIO PUBLICO TEM QUE ENTRAR EM AÇAO PARA BARRAR ISSO.SE FOR DINHEIRO DA CBF DESDE QUE NAO TENHA VERBAS PUBLICAS,NADA A FAZER,POIS A CBF E UMA ENTIDADE PRIVADA PAGA QUANTO QUER A QUEM QUISER E NAO PODEMOS NOS METER,AINDA QUE ACHEMOS ERRADO!!!!E AINDA SE A CBF TIVER SUBSIDIOS PUBLICOS A UNICA COISA A FAZER SERIA CORTAR OS BENEFICIOS!!!!

    • janca

      O COL tem recursos oriundos da Fifa, mas, que eu saiba, recebe isenções fiscais por parte do governo, que deixa, portanto, de arrecadar um montante em virtude do comitê. E aí, então, entraria verba pública. No caso da CBF, acho que o papel da entidade tem que ser rediscutido, tenho insistido nessa tese, porque tem monopólio da administração de um dos principais produtos nacionais, que é nossa seleção. E faz dela e com ela o que bem entender, o que não acho correto. Beneficia um grupinho e gerencia mal a seleção, que está desvalorizada e desconectada do torcedor brasileiro.

      • Vc está certo Janca, mas a pergunta é como? Eles tem influência de sobra para perpetuar a obra RT na CBF por gerações se brincar. Transformaram a Seleção Brasileira em um negócio (e não há mal nenhum nisso) mal administrado por pessoas que não entendem nada do assunto administração, muito menos de marca, marketing e fidelização. Novamente, temos dinossauros que pensam apenas em eles próprios e estão mandando um dos maiores patrimônios de arte deste país latrina abaixo.
        E cada dia que passa a seleção é menos brasileira e mais “empresariada”.

        E concordo que o MP tem que investigar essa questão dos salários pagos. Afinal se tem isenção, indiretamente tem dinheiro publico investido.

        • janca

          O que eu acho, Felipe, é que o governo e a sociedade civil _especialmente a sociedade civil_ deveriam rediscutir o papel e o modo de funcionamento da CBF. Não só da CBF, mas do COB, que vive mamando nas tetas do governo _nosso dinheiro. Por que não limitar mandatos? Ampliar o quadro eleitoral, hoje um sistema viciado? Tirar a panela, enfim, que usa os cargos que têm. Transformaram-nos em profissão, em forma de ganhar dinheiro. Até acho que a seleção, nos tempos de Teixeira, teve momentos importantes, inclusive a CBF, explorando bem o marketing, fechando contratos comerciais, ganhamos duas Copas do Mundo, focamos em Copa América e Copa das Confederações, o que não fazíamos antes, mas… Houve uma série de denúncias de corrupção que culminaram na saída de Teixeira e a tropa de choque continua a mesma. O vice mais velho assumiu e quer fazer de Del Nero seu sucessor. Não dá. E no COB são 17 anos de Nuzman com resultados pífios, evolução mínima _se é que houve_ de 1996 para 2008. Fora o Pan de 2007, cujo legado foi mínimo e o orçamento acabou multiplicado por não sei quantas vezes. O que é isso?

          • No final das contas, entramos naquela zona proibida de discussão (politica, futebol e religião) e precisamos fazer isso cair por terra.
            Além de ser paixão nacional e patrimônio do país, é algo que merece uma atenção maior e uma maior transparência também.
            Você disse que em dados momentos a administração do RT teve seus méritos como os títulos, marketing e etc etc e isso está correto. Mas concorda comigo que isso teve um preço alto demais para o sucesso alcançado? E é notório que a perpetuação de dirigentes no esporte é tão nocivo quanto um câncer em um ser vivo com exemplos de Dualib no meu Corinthians, JJ no SPFC. O melhor exemplo foi seu mesmo com o Nuzman que conseguiu um nada no esporte olímpico. Um exemplo é o caso do velódromo do RJ onde o dinheiro investido vai virar escombro, literalmente falando. Querendo ou não, era obrigação dele (mesmo que indiretamente) ter visto se estava nos padrões olímpicos.

          • janca

            Claro que concordo que o sucesso alcançado pela seleção teve um preço altíssimo para nosso futebol, vide as denúncias de corrupção que derrubaram o próprio Teixeira. E acho que falta transparência sim, Felipe, como você bem colocou. Sobre perpetuação dos dirigentes concordo que é algo nocivo, até por isso defendo a rotatividade do poder. Eles confundem função com profissão.

    • Vaz

      Desculpe Alessandro mas não é simplesmente cortar benefícios, os benefícios foram usados e devem ser investigados e as destinações ou isenções cobradas e não deixarem para lá pois não podemos fazer nada. Podem sim meu caro e ninguém está acima da lei, portanto mesmo uma empresa privada se incorre em falcatruas pode ser fechada e seus dirigentes presos (basta ver o processo que corre com o Banco Pan Americano só para exemplo) . Apenas para determinarmos o poder de pressão que o governo tem e não usa a não ser fazer biquinho como nossa presidente e não receber os caras que estão se lixando para ela, basta cortar a grana para a Copa e a Olimpiada. São bilhões rolando sem nenhuma mudança na CBF e COB em troca. Estão dando dinheiro e não fazem nenhuma pressão, não interessa pois vai bater de frente com o Lula e os prórpios interesses partidários que tem nestes eventos a menina dos olhos.
      Finalizando e para vermos como temos muito poder para alterar este estado de coisas basta dizer que a solicitação de uma CPI sobre a CBF com assinaturas suficientes e esperando entrar na ordem do dia e uma foi feita em relação ao RT e a CBF e só não deu em nada em razão dsa operação abafa do próprio governo e a base aliada, portanto eles podem sim ser investigados assi sim
      Não esqueça ainda que CBF e COB são entidades sem fins lucrativos para efeito legal e portanto devem ser objeto de rigoroso controle da Fazenda Pública e não ficar a solta distribuindo salários para amigos enquanto o cidadão recolhe até 38% de impostos diretos fora os indiretos.

MaisRecentes

Pela saída de Levir



Continue Lendo

Apoio a Jô



Continue Lendo

Os preços da Seleção



Continue Lendo