O racismo e a Uefa



Não é que a decisão do Milan de abandonar o campo contra o Pro Patria, time de quinta categoria da Itália, devido aos cânticos racistas da torcida rival não repercutiu muito bem na Uefa?

A entidade que dirige o futebol europeu vai fazer uma reunião para discutir o episódio, que considera um precedente perigoso. O temor de Michel Platini é que, a partir de agora, todo time que tiver um jogador hostilizado com gritos racistas por torcedores rivais deixem o estádio e exija os três pontos ou a marcação de novo jogo em estádio neutro.

Para assessores de Platini, os casos de racismo devem ser tratados na esfera criminal e não nos tribunais de futebol. A obrigação dos times e a de seus jogadores, hostilizados pelos cantos que forem, é de jogar até o final, acredita a Uefa. No caso do Milan, a partida contra o Pro Patria era um simples amistoso, mas e se não fosse?, pergunta a cúpula da entidade. Que medida seria tomada?

Platini vê o racismo como um problema social e não do futebol, que seria apenas a válvula de escape para uma sociedade racista e xenófoba. Eu discordo. Vejo a atitude do ganês Kevin-Prince Boateng, que saiu do campo após receber um insulto atrás do outro, todos eles racistas, da torcida do Pro Patria, como uma atitude exemplar. Que foi seguida pelos seus companheiros de Milan. E que, sendo repetida em outros jogos e por outros jogadores, pode significar um marco na luta contra o racismo, que não adianta ser combatido com medidas paliativas, como faixas antes das partidas carregada por atletas pedindo uma sociedade mais tolerante.

Se outros jogadores, como fez Samuel Eto`o certa vez, seguirem a atitude de Boateng as autoridades, os clubes e os torcedores terão que se mexer. Sei que futebol envolve muito dinheiro e talvez justamente por isso a Uefa queira jogar a sujeira embaixo do tapete, mas racismo é crime _ou deveria ser. É para ser tratado na esfera criminal, claro, mas também na esportiva. O esporte não pode aceitar como faz há tempos ações como a da torcida do Pro Patria, time da quarta divisão da Itália e com parte da torcida, como ficou comprovado no amistoso contra o Milan, literalmente de quinta.



MaisRecentes

Nova caminhada



Continue Lendo

O desabafo de Cuca (ainda)



Continue Lendo

As críticas de Cuca



Continue Lendo