A meia-entrada no futebol



Depois de muito tempo de cada um por si, representantes dos principais clubes de futebol do Brasil devem se reunir no início do ano para discutir a questão da meia-entrada em eventos esportivos e tomar uma posição a respeito de projeto de lei que tramita na Câmara em regime de urgência.

Ao lado de artistas e produtores culturais ligados ao teatro, a espetáculos musicais e à indústria cinematográfica, eles reclamam que o governo estabelece um benefício a estudantes e cidadãos com mais de 65 anos, mas quem paga a conta é o setor privado _no caso, quem organiza o evento.

O projeto determina um teto para o desconto, que seria de no máximo 40% dos ingressos colocados à venda. Os dirigentes, ainda assim, temem que ele possa prejudicar programas como o Sócio-Torcedor, que no caso de alguns clubes, especialmente Corinthians, Grêmio e Inter, têm preenchido boa parte das arquibancadas, seja no torneio que for. Além do mais, ainda segundo os clubes, a meia-entrada os obriga a colocar o preço da entrada lá pra cima a fim de compensar o pagamento, por estudantes e idosos, da metade do preço.

Cadeias de cinema fizeram um levantamento que indica que mais de 60% dos bilhetes são vendidos para quem tem o benefício, enquanto no teatro a porcentagem é maior: 80%. Os clubes ainda não fizeram o seu.

Uma outra questão que eles levantam é quem tem, de fato, direito à meia-entrada, já que alguns municípios e estados do país dão o benefício também a outras “categorias”. Sem falar em denúncias de fraude em emissão de carteirinhas de estudante, que se concentra nas mãos da União Nacional dos Estudantes, uma entidade partidária, como temos visto em muitas ocasiões, e dependente da taxa cobrada para fazer a carteira.

A discussão promete e é legítimo que os clubes participem dela. Mas eles têm que rediscutir também _e é o que pretendem fazer a partir do encontro de janeiro_ como fazer para pagar as dívidas com o governo _seja municipal, estadual e federal. Porque não dá pra ficar rolando a conta permanentemente, dependendo de uma Timemania que até agora não vingou ou fazendo mais gastos que não têm como quitar.

Que a reunião realmente aconteça e traga frutos positivos. O futebol precisa de novos ventos e os clubes necessitam firmar posição, discutir calendário, mudanças na CBF, cujo debate, como tenho insistido, tem de ganhar força também na sociedade civil e no governo, até porque a CBF administra um dos principais produtos nacionais como se fosse seu. E o administra mal, diga-se de passagem.



  • Francotimao

    Ola, Janca, acredito q a discussão seja mais profunda q somente a 1/2 entrada, outros aspectos são tão ou mais relevantes q esse tema, sou contra a concessão da meia-entrada, assim como sou contra idosos viajarem de graça, não q não mereçam esse deferimento, mas é pela hipocrisia do legislativo q faz Lei pros outros cumprirem, ou seja, dão o beneficio, mas niguem deles perde nada, as empresas q fiquem com o prejuizo, pra mim isso é um absurdo…Abs!!!!!!!

    • janca

      Eu, particularmente, não sou contra a meia-entrada, mas acho questionável a iniciativa privada arcar com boa parte do ônus. Enfim, é uma discussão que está aí e acho saudável os clubes participarem dela, como o pessoal do meio artístico está fazendo. E o papel da UNE, pelo menos a meu ver, deveria ser rediscutido também, o monopólio na confecção das carteirinhas de estudante rende muita grana e não deixa de ser um comércio para uma instituição que vive atrelada a um ou dois partidos políticos, tornando-se o braço deles no meio estudantil. Enfim… Abs.

      • Francotimao

        Janca, basicamente sou contra, primeiro porq a iniciativa privada é q sempe paga a conta e segundo porq não é possível controlar-se esse tipo de coisa..Abs!!!!!!

  • Vaz

    No fundo a 1/2 entrada virou isto sim uma grande bagunça. Alguns aspectos no entanto chamam a atenção e acabam sempre obscurecidos e deixados de lado na discução que acaba sendo parcial e tendenciosa.
    Como os próprios reclamantes afirmam é a iniciativa privada que paga a conta: mentira quem paga a conta somos todos nós como eles mesmos afirmam logo abaixo com a colocação “ainda segundo os clubes, a meia-entrada os obriga a colocar o preço da entrada lá pra cima a fim de compensar o pagamento, por estudantes e idosos, da metade do preço” e isto ocorre com todos e não só o futebol. Nunca vi um estudo demonstrando com números claros o quanto cairia o preço do ingresso se não houve-se a tal 1/2 entrada. Eu aposto com quem quiser e já tivemos dezenas de exemplos no país que assim que eliminado o benefício a queda no preço não atingirá nem 10% pois aparecerão dezenas e dezenas de justificativas para manterem os mesmos preços (qfv

    • Rodrigo

      Oi, VAz. No link abaixo tem uma citação sobre um estudo a respeito e o argumento que você procura.

      http://super.abril.com.br/cotidiano/ingressos-seriam-mais-baratos-se-nao-houvesse-meia-entrada-634666.shtml

      Em miúdos, diz que o preço integral das entradas já é inflacionado justamente pra compensar as meias entradas. Ou seja, quem paga meia, na verdade paga inteira, e quem paga inteira na verdade paga uma e meia. Eficiência capitalista é foda.

    • janca

      É bem possível mesmo, Vaz, que mesmo sem meia-entrada eles mantivessem o preço lá em cima, não só em espetáculos esportivos, mas musicais, teatro, cinema e outros mais. E quem acaba pagando a conta é realmente a galera que não tem direito à meia-entrada, com os preços jogados para o alto. Continuo dizendo que não sou contra o conceito de meia-entrada, acho justo, mas deve ser mais estudado para evitar problemas como os que temos visto tanto no setor esportivo quanto no cultural.

      • todos nos pagamos a meia entrada, pois quem ñ tem direito pega o seu itau card e consegue pagar meia nos jg de futebol, cinemas e etc. por isso eu falo quem pg meia pg inteira e quem ñ tem direiro paga com itau card

        • janca

          Eu, pelo menos, não tenho o cartão. E o cartão, no caso, nada tem a ver com o projeto de lei proposto no Congresso.

  • Rodrigo

    Oi, VAz. Tem aqui uma citação sobre um estudo a respeito e o argumento que você procura.
    .
    Em miúdos, diz que o preço integral das entradas já é inflacionado justamente pra compensar as meias entradas. Ou seja, quem paga meia, na verdade paga inteira, e quem paga inteira na verdade paga uma e meia. Eficiência capitalista é foda.

  • TRi MUNDIAL DOOM

    Tomara que ao invés de setores de meia entrada, tenha meia entrada em todos os setores, comprou o ingresso e sendo estudante ou maior de 65 anos que compre o ingresso enao o esgote com setores limitados…Ja o calendario poderia modificar com estaduais bem curtos, 16 equipes – 4 grupos – 2 classificados em cada grupo – quartas e semi com ida e volta e uma final com 1 jogo só,o que torna emocionante a partida q provavelmente teria rivais, o Carioca e outros estaduais alem dos times pqnos tem tb duzentas finais inuteis pra dizer quem vai a final real, isso tira a objetividade de uma preparacao para umBrasileirao… Tendo um torneio estadual rapido, nao precisariamos de jgar copa do brasil, libertadores tudo simultaneo, faz o estadual como preparacao e comeca brasileiro, libertadores e copa do brasil distribuidos durante o ano, se a Libertadores e a su americana nao forem o ano todo, nao adianta mexer no calendario brasileiro…tendo um calendario limpo e claro, lotar o estadio e ter patrocinio forte será questão de tempo…

    • janca

      Não sei se os Estaduais deveriam ser reduzidos, o atual formato é que não dá mais, nem a presença de times grandes disputando este tipo de torneio, que não tem a graça de outrora, de janeiro a maio, uma perda de tempo total, sem falar na falta de interesse em boa parte dos centros brasileiros.

  • TRi MUNDIAL DOOM

    O milionario futebol ingles que tem o Manchester United como um dos com melhor patrocinio, tem isso, por causa da organizacao e estrutura e o principal, a torcida que é em quantidade, amesma do Botafogo e Bahia, se tivessem organizacao, estrutura proximas do Manchester teriam décimo segundo e décimo terceiro melhor patrocinio no mundo atras de outros 11 brasileiros, mas nao querem ser…

  • Wellington

    Janca e caros amigos, bom dia!

    Isso é um absurdo, querem acabar ou reduzir a meia entrada dizendo que quem tem prejuizo é o setor privado, o mesmo setor que coloca os preços dos ingressos para balancear essa cadeia, o absurdo é ainda maior no que tange ao futebol, onde os ingressos de meia entrada muitas vezes dependendo do jogo vai para o cambista ou gente associada ao clube e quando nos estudantes vamos compra-los a resposta é que estão esgotados. Ja no tocante aos cinemas e teatros e outros shows os ingressos também são um absurdo se levarmos em conta a renda minina do proletariado e ainda querem tirar esse beneficio, depois gastam com propaganda incentivando irmos ao teatro, cinema, valorizar o teatro a cultura o cinema, isso e aquilo.

    Fica aqui meu desabafo!!!

    FELIZ NATA E PROSPERO 2013 A TODOS

    • janca

      Não se trata de querer acabar com a meia-entrada, trata-se de quem vai pagar a conta, se o governo ou a iniciativa privada _ou nós próprios, já que há produtores que admitem que colocam o preço lá em cima por conta do benefício. Sou favorável à meia-entrada, mas a questão de quem paga a conta, assim como a questão de leis de incentivo à cultura e ao esporte, deve ser muito bem discutida. O Cirque du Soleil, um espetáculo pra pouquíssimos e com preços exorbitantes, teve benefícios, que afinal de contas são pagos por nós, contribuintes, para se exibir no Brasil… Há muita coisa a ser repensada, Wellington. Bom Natal e ótimo 2013 pra você, Janca

      • Rodrigo

        Digo e repito: no Brasil não existe meia. A metade da entrada que a empresa não recebe ela simplesmente embute na entrada integral. Como a meia é calculada em cima da integral, ambas saem mais caro. Não sou contra pagarem meia, o problema é que ninguém está levando em conta que a outra metade tem que ser paga por alguém, e esse alguém não é a empresa.
        Por mais estranho que possa parecer, se todo mundo pagasse entrada integral, o valor dela seria um pouco mais baixo que o atual.

        • janca

          Mas aí quem está pagando a inteira é que financia quem paga meia. Mas ainda assim o produtor cultural ou esportivo, devido à elevação do preço, corre sério risco de ter público ou platéia menor.

  • Janca, até entendo a questão do prejuízo causado pela meia-entrada. Entretanto, acredito que, se ela não existisse, o preço seria jogado lá no alto do mesmo jeito – não acho que baixaria o suficiente para se tornar uma atração popular sem o benefício da meia-entrada.

    Muitos produtos, mesmo com a redução dos impostos e até mesmo o início de fabricação no Brasil, não têm seus preços reduzidos – e é simplesmente pelo fato de haver compradores para esse produto.

    • janca

      É bem provável que mesmo sem meia-entrada os preços acabassem sendo inflados mesmo, Rodrigo, afinal não vejo uma política de preços no Brasil, não quando se trata de muitos eventos esportivos e espetáculos culturais também.

  • renato

    Os Governos Federal, Estadual e Municipal poderiam contrapor a seguinte proposta:
    “Extingue-se a Meia Entrada, porém extinguem-se todos os benefícios dados pelo governo, todas as leis de incentivo, todas as concessões de espaço público, dodos os financiamentos a fundo perdido, todas as verbas advindas das loterias”

    Pronto! Cada um por si!

    • janca

      Risos. Essa seria uma boa…

  • Victor Dunstan

    Jamcaa cansei de ver que a FiFa não gosta de lugares vazio passando na TV,o governador do RJ definiu que Copa e Olimpiadas não haverá aulas e sem meia entrada…vai ter muiita gente tapando ”buraco” e de graça.

    • Victor Dunstan

      Janca*

    • janca

      Mas a discussão, no caso da meia-entrada, em relação ao projeot de lei que tramita no Congresso não diz respeito à Copa. No Mundial a Fifa teve que ceder e as “regras” brasileiras serão respeitadas. Abs.

  • Victor Dunstan

    Fossem respeitadas não teríamos Cerveja

  • ñ tem jeito a meia entrada e integral e a maioria paga meia, cerca de 90% pois quem e estudante paga meia, quem não e estudante paga meia tambem,com a promoção do itau card
    por isso eu tenho certeza que a meia e inteira e a inteira não exite

  • Alexandre

    Eu mudaria a regra da meia-entrada.
    Por simplificação ela valeria para os menores de 18 anos e para os maiores de 65 anos.
    Só para estes.

MaisRecentes

Oposição santista



Continue Lendo

Santos em SP



Continue Lendo

Fuga de patrocínio



Continue Lendo