O papel de Andrés



O diretor de seleções da CBF, Andrés Sanchez, tem dito que foi voto vencido na decisão da CBF de demitir Mano Menezes. Não é verdade. Ele nem direito a voto teve, pois a saída do técnico havia sido tomada em conjunto por José Maria Marin e Marco Polo Del Nero sem consultar o ex-presidente corintiano. Apenas o comunicaram da demissão.

Não custa lembrar que Andrés foi escolhido para o cargo por Ricardo Teixeira, que via nele um possível sucessor depois da Copa de 2014 e queria um escudo junto ao time e à comissão técnica enquanto ele próprio se defendia de uma série de denúncias de corrupção, entre as quais o recebimento de propina na Suíça.

Com a saída de Teixeira, Marin, o vice mais velho, e Marco Polo Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol, tomaram conta da entidade e fizeram de Andrés uma espécie de “rainha da Inglaterra”. Nunca esconderam o descontentamento com o trabalho de Mano, que tinha todo o apoio de Andrés. Só não descartaram o ex-presidente corintiano porque ele ainda pode trazer dividendos políticos à CBF.

Assim como fizera com Teixeira, a presidente Dilma Rousseff tem evitado contatos com Marin, que iniciou sua trajetória política na ditadura. Apesar de ele próprio ter trânsito em Brasília, Marin sabe que Andrés, que é próximo do ex-presidente Lula e petista de carteirinha, pode ser uma peça importante numa tentativa de aproximação do governo federal. Como diretor de seleções, no entanto, seu papel segue bem esvaziado. Quem manda na área é Marin ao lado apenas de Del Nero. Não se trata de um triunvirato, mas de um dueto. Por enquanto Andrés tem apenas dito amém. Até quando?



MaisRecentes

Fernando Diniz na berlinda



Continue Lendo

Deuses da Bola



Continue Lendo

Galo pega fogo



Continue Lendo