O choro é livre



O brasileiro Luiz Adriano, que desrespeitou o “fair play” e marcou para o Shakthar Donetsk quando os adversários estavam parados para atendimento a um jogador, segue alvo de críticas na Europa e fora dela.

Deve ser mesmo julgado na próxima terça e espero que seja punido. Não defendo o “politicamente correto”, mas se há prêmio para o “fair play”, o chamado “jogo limpo”, por que não punir quem o desrespeita como fez Luiz Adriano?

Não se trata de uma jogada qualquer. Os Nords, time da Dinamarca, venciam por 1 a 0, o árbitro interrompera o jogo devido à contusão de um atleta, o brasileiro Willian deu um chutão para a frente, todos pararam para esperar o atendimento menos Luiz Adriano. O atacante pegou a bola quando todos estavam parados, driblou o goleiro e anotou o gol. Para piorar, depois do jogo usou as redes sociais para dizer que “o choro é livre”.

Ontem, diante do anúncio de que será julgado pela Uefa, a entidade que administra o futebol europeu, disse que só entendeu o que aconteceu quando viu o vídeo da partida e pediu desculpas. Então tá.

Não sei se a atitude de Luiz Adriano reforça a imagem que muitos têm do brasileiro, que é a do “malandro esperto”, “malandro esperto” quem nem sempre se dá bem, mas o lance me trouxe à mente trechos da biografia de Hope Solo, goleira da seleção norte-americana de futebol.

No livro que lançou nos Estados Unidos, ela cita algumas vezes as meninas brasileiras. Elogia nosso estilo de jogar, mas diz estranhar o comportamento das jogadoras, que ficam muito focadas no árbitro, tentando enganá-lo, simular faltas, fingir que foram agredidas, cavar pênalti, fazer cera…

Quem acompanhou o Brasileirão deste ano e segue de perto (ou mesmo de longe) nosso futebol pode ver que não é uma característica apenas do nosso futebol feminino. Pelo jeito foi importada do masculino, porque muitas vezes os atletas parecem mesmo mais interessados em enganar a arbitragem do que em jogar futebol.



  • Flavio Rodrigues

    Malandro é o gato, que já nasce com bigode… Infelizmente sempre tem um espertinho querendo levar vantagem, tá certo que tem coisa que passa, mas nesse caso a cara de pau é que impressiona, fico pensando se o cara não sentiu vergonha de fazer “aquilo” no meio de tanta gente…

    • janca

      Foi uma cena impressionante mesmo. E ele ainda saiu pra comemorar… Mas acho que a comissão técnica e seus companheiros de equipe poderiam ter feito alguma coisa, por exemplo, dar um gol aos dinamarqueses. Foi muito feio. O brasileiro não chegou a desrespeitar a regra do jogo, não o que está escrito, mas foi uma atitude, pelo menos a meu ver, lamentável. Ontem pediu desculpas, disse que não tinha percebido, mas após o jogo havia escrito que o choro era livre…

      • O problema é insistirem com isso de “Fair Play”. Existe a necessidade de atendimento? O juiz paralisa e dá bola ao chão. Esperar atitudes de cavalheirismo não é a situação mais adequada.

        E o Luiz Adriano não foi o primeiro a desrespeitar o Fair Play. O Kanu já fez isso jogando pelo Arsenal há alguns anos. E o Edmundo ficou furioso na final da Copa de 98 por causa disso. Não seria o momento de repensar esse “Fair Play”?

        • janca

          Talvez seja a hora de rediscutir, porque até encontraram uma brecha _conduta antidesportiva_ que pode ser usada pra punir o Luiz Adriano. Não sou contra o “fair play”, mas acho que o Luiz Adriano extrapolou.

      • Flavio Rodrigues

        Sou a favor do fair play como está, o Luiz Adriano fez isso aí, mas são casos raros, o fair play tem a motivação de educar, mas com alguns só educar não é suficiente… mesmo assim sou contra colocar na regra… é como fazer uma regra para as pessoas dizerem obrigado, por favor, com licença… seria um exagero… dá mesma forma que acho que não deve receber punição, não seria coerente pois não está na regra e mesmo que casos isolados apareçam, eu acho que conscientizar em casos com este é mais importante do que impor.

        • janca

          Talvez seja por aí mesmo…

  • Tato I

    No mínino “sem noção” porém não devemos esquecer que o lance foi originado num “migué” do time adversário tentando simular uma agressão (cotovelada) que nem chegou a acontecer. Sem querer justificar a atitude equivocada de Luiz Adriano, o fair play deve ser regulamentado. O que ele fez é permitido pela regra, então não vejo como pode caber punição. Não se pune por um ato que não é tipificado como irregular ou qualquer coisa do tipo. Subjeções não podem gerar punições Janca.

    • Tato I

      E sem falar que o “fair play” deve ser uma iniciativa EXPONTÂNEA do adversário, então não se deve ficar esperando que aconteça. No lance, o zagueiro TINHA que ir na bola e não ficar esperando que o L.A. tivesse uma atitude “nobre”.

      • janca

        Não é bem assim… Se fosse o Luiz Adriano nem iria parar num comitê disciplinar da Uefa. E o zagueiro deve ter levado um baita susto, assim como o goleiro. Os próprios companheiros de time do brasileiro ficaram pasmos, deu pra ver pela reação…

    • janca

      Talvez você tenha razão, se bem que o caso dele vai ser analisado. Talvez não caiba punição, não sei dizer, não sou especialista em legislação e odeio burocracia _rs. Quem gosta? Mas como você bem escreveu foi no mínimo “sem noção”, ou pior, talvez tenha sido o contrário, “com noção”… Foi uma atitude muito feia, atrapalha um jogo, foi algo que surpreendeu os próprios companheiros de time e estragou a partida.

      • Tato I

        Uai Janca, não cabe punição pelo simples fato de não ser contra a regra do jogo. Por isso disse que o “fair play” deve ser regulamentado para que não dê margens a interpretações. Ou isso ou que parem de cobrar “fair play”.

  • adams

    Janca, honestamente ñ tenho uma opinião formada sobre a atitude do L. Adriano. Acho q deveria acabar essa parada de fair-play. Já vi jogadores se jogando no gramado, qd o adversário puxaria um contra-ataque perigoso, e o juiz parando o jogo pro atendimento e o jogador levantando tranquilamente. E tem outra coisa: o time dos kras, perdeu de 5×2…vai reclamar de UM gol? E quer ver a hipocrisia em ação? O técnico do time do L.Adriano, pediu desculpas ao adversário pela falta de fairplay. Então, pq ele ñ pediu pra q seus jogadores ñ fizessem um gol contra para reparar o ‘erro’ do L.Adriano??

    • janca

      É um lance que gera discussão realmente, mas eu não gostei _opinião minha. O “fair play” talvez tenha que ser rediscutido mesmo, não digo que devam parar com o “fair play”, mas no mínimo rediscutir. Só que o que o Luiz Adriano fez foi muito feio, não dá pra comemorar um gol assim. Mas discordo de você em relação ao fato de o jogo ter sido 5 a 2, quando ocorreu o lance estava 1 a 0 para os dinamarqueses, salvo engano meu, não? E o placar não é o mais importante, é a atitude do brasileiro. Sobre o técnico da equipe ucraniana, concordo que também errou. Deveria ter pedido pra seu time fazer um gol contra, pedir desculpas não bastava. Pecou, no mínimo, por omissão.

  • Mario

    eu ñ gosto tambem do politicamente correto ter achar q tem muita falsidade, mas o L.A. foi muito mane o mundo inteiro sabia q o Shakthar era muito superior ao Nords tanto q goleou e nem ia precisar desse gol,agora é aquilo essa é a cultura da maioria dos brasileiros(e muitos outros sul-americanos exemplo Valdivia),por isso temos o governo ,policia e saude publica q temos ,jeito é evoluir muito dentro e fora de campo senão sempre seremos terceiro mundo

    • janca

      Não sei se essa é a cultura da maioria dos brasileiros como você diz, Mario. Talvez não. Talvez seja a imagem que nós temos de nós mesmos… Vejo com muitas ressalvas o chamado Primeiro Mundo também. As duas grandes guerras do século passado ocorreram por lá. E começaram com povos teoricamente bem educados. Civilizados já não sei… É difícil generalizar. Talvez o problema seja mesmo o ser humano. Os daqui e os de lá.

  • Esse post pode até não ter a intenção, mas de certa forma complementa o anterior.
    Se é certo ou errado depende de que lado você esta. pelo menos no Brasil para muitos é assim, se é a seu favor: _Pode claro! O que é que tem? Normal, normal…
    Agora se é contra: Um, não sei não…
    É só uma das multi-facetas do “jeitinho brasileiro”, do “para os amigos tudo, para os inimigos a lei”,

    • janca

      Pode ser, Chacal. Se bem que, no caso do Luiz Adriano, tenho um receio, que me veio à mente agora. De repente ele pode ficar estimagtizado pelo lance, que achei lastimável, mas de uma forma ou de outra _talvez seja este o ponto que você tenha mencionado_ muita gente ficou ao lado dele. Pelo menos no momento do gol. Seus companheiros de time não fizeram um gol contra pra deixar o jogo como estava. Acabaram aceitando, a seu favor, o gol de Luiz Adriano. O técnico até pediu desculpas, mas só desculpas são suficientes? O gol pro seu time foi validado e ele não pediu pra que marcassem um logo depois pro adversário…

  • Roberto Junior

    Janca, esse tipo de comportamento acaba, sim, queimando o filme dos brasileiros, sobretudo dos jogadores de futebol, lá fora.

    Não à toa não temos mais boleiros do país pentacampeão protagonistas de grandes da Europa.

    Abraço.

    • janca

      Talvez queime, sim. Já escutei um sociólogo e um historiador defendendo essa tese _a da imagem do malandro brasileiro, que ficaria reforçada com a atitude do Luiz Adriano. Mas ainda assim tenho minhas dúvidas… Sobre a presença de boleiros do Brasil na Europa também não podemos nos esquecer que o continente europeu está em crise. Não acho que seja fator que aponte a decadência do futebol brasileiro, ainda defendo que nossa safra é boa, embora muitos discordem e entendo os motivos. Abs.

  • Joe LHP

    O grande perdedor dessa história é o proprio Luiz Adriano, essa atitude manchou e ofuscou o grande trabalho que ele vem fazendo no time ucraniano, as manchetes da imprensa poderiam ser os gols que ele fez ou as grandes partidas na champions, mas não, hj só se fala no absurdo que ele fez, uma pena mesmo.

    • janca

      Concordo. Acabou sendo um gol contra…

  • sergio motta

    Malandro e o Pato que ja nasce com os dedos grudados para não colocar aliança. Ta loco fala serio, o Brasileiro em si é assim, politicos, médicos, policiais, juizes de futebol, todo aquele que ocupado um cargo onde há a possibildade em se “dar bem”, todos corruptos, só pensam em si, no seu proprio bolso, dane-se se caso alguem for prejudicado, ou até morto. Temos um pais cheio de belezas naturais, somos conhecidos com o pais do futebol, onde não temos terremotos, furacões, tornados, mas temos o fenomeno chamado “vou me dar bem”. Sinceramente, as vezes me envergonho, o futebol no resto do mundo esta em franca ascenção, estão criando novas táticas, novos posicionamentos, novos treinos para os jogadores, nã se vê jogador se jogando, simulando, agora aqui, as vezes da ate nojo de assistir. Esta na hora do Brasil acordar, alias, passou da hora !!

    • janca

      E por que teria que colocar aliança? _rs. Não sei se o brasileiro é assim, como você coloca. O sistema é muito complicado e talvez leve a ações, no mínimo, complicadas. Sobre parte dos políticos brasileiros, sem comentários, mas mesmo neste caso não acho que possamos generalizar. As generalizações são muito complicadas. Prefiro ver caso a caso, Sergio. Ah! Em relação a táticas de futebol estamos de acordo. Estamos defasados pacas e não encontramos o nosso jeito de jogar.

  • francotimão

    Caro, Janca, O brasileiro foi profundamente infeliz nesse lance, é óbvio q ele nem pestanejou no portanto não pensou um segundo sequer no q estava fazendo e, concordo também q no minimo o time dele deveria ao sair a bola do meio campo pedir pro atacante chutar diretamente no gol e o goleiro deixar passar, seria o minimo esperado restituindo assim o “fair play” e seguiria o jogo normalmente…abs!!!!!!!!!

    • janca

      Às vezes a gente toma uma atitude impulsiva e depois se arrepende. Espero que ele tenha aprendido com o episódio, mas também não seja feito de bode expiatório, afinal o futebol tem problemas muito mais sérios, os dirigentes que o digam… Mas é um ato pra ser discutido, inclusive porque estava de acordo com as regras do jogo, né? Abs.

  • Fabio

    Boa tarde Janca.

    O último paragrafo do seu post é interessante e intrigante. Esse negócio de simulação já passou dos limites há anos. A maioria do povo e da mídia parece que não vê ou não quer ver.
    Pra mim é uma falta de fair play também, mas se formos esperar alguma coisa nas regras mudar neste sentido, jogador ser penalizado por simulação, vai demorar hein…

    Só pra iniciar, teríamos que banir o Neymar….kkk

    • janca

      Risos. Se bem que no caso do Neymar _agora falando sério_ acho que faz parte da forma de ele jogar, não sei até que ponto é uma estratégia pra enganar a arbitragem, não. Talvez escreva isso porque sou fã do Neymar _e sou mesmo_, ele tende a cair mais porque está sempre procurando o drible e vai pra cima do adversário, não que não simule vez ou outra. Mas acho que tem sido um mal do nosso futebol _não o Neymar, mas a simulação e jogador tentando apitar o jogo.

  • Rafael

    Janca.

    Concordo que o que o Luiz Adriano fez foi muito errado!
    Mas não é hipocrisia julga-lo ?
    E onde fica o Fair Play quando o Neymar vive caindo na área?
    E quando alguem simula socos que não existiram?

    Concordo que o brasileiro estava errado, eu vi o lance, e inclusive o brasileiro foi vaiado no estádio!

    O que acha Janca?

    • janca

      É que o lance do Luiz Adriano ficou escancarado pra todo mundo ver e acabou sendo patético. Não sei se é hipocrisia a Uefa julgá-lo, mas acho também esquisito ver tanto jogador no Brasileirão, por exemplo, fingindo que levou cotovelada, murro no rosto etc. etc. etc.

  • Rafael

    Malandro é o cavalo marinho, que finge que é peixe pra não puxar carroça!

    • janca

      Risos. Essa não conhecia…

  • Flavio

    Não esqueçam da malandragem contrária, ou seja, aquela em que o jogador se atira no gramado SIMULANDO uma lesão, cuja dor desaparece misteriosamente após uma aguinha e um passeio no carro maca.

    Se tivéssemos uma regra de que jogador lesionado, cujo lance resulte na interrupção da partida não pudesse mais voltar a campo, sabe quantos lances desses teríamos ? Quase NENHUM.

    Outra coisa que irrita e é um desrespeito ao espetáculo é o goleiro. Já notaram que o goleiro só se lesiona quando o seu time está em vantagem no placar ou no campeonato ??? Quando seu time está perdendo, mesmo que suas costelas quebrem ele não se joga ao gramado… mas se seu time está em vantagem, QUALQUER defesa que ele faça ou não faça, é motivo para se contorcer bizarramente no chão.

    Acho que poderia ficar atrás do gol o goleiro reserva, que entraria imediatamente no jogo caso o titular se jogasse ao gramado ou pedisse atendimento.

    Sinceramente não vejo diferença alguma entre o que fez o Luiz Adriano e o que faz o Rogério Ceni quando está precisando amarrar o jogo.

    Abs

    • janca

      Você está pegando no pé do Rogério Ceni _rs. Muitos goleiros fazem cera mesmo, sinceramente nunca percebi se o Rogério faz mais ou menos do que a média. Nem teria dados pra avaliar. Mas a cera, a simulação de lesão que não aconteceu, tudo isso, enfim, cansa. O problema é que quando beneficia seu time (o do torcedor X), muitas vezes ele defende. Quando é contra critica.

  • Vinicius Posterari

    Janca,

    Estava errado, sem dúvidas. Ouvi dizer que o segundo gol deles saiu por conta de um pedido do técnico, não foi não? Talvez tenha demorado, mas sei lá.

    E acho que realmente devemos levar o debate à frente, mas sem punir o jogador. Não tá na regra, não tem porque gerar punição. Seria também uma baita falta de “fair play” inventar uma punição pra um caso que é velho conhecido e que nunca foi incluido nos regulamentos.

    Quanto às simulações, já se falou e continua falando muito. É uma praga no futebol brasileiro, mas todo mundo faz e todo mundo aceita (quando é a favor). Pouquíssimos defendem verdadeiramente o fim desse negócio. O Tite falou do Neymar, depois o Paulo André fez, tomou bronca, mas tudo ficou por isso mesmo.

    Por outro lado, não é falta de fair play enrolar a cobrança de tiros-de-meta pra retardar um jogo que está em resultado favorável. Jogadores cairem no chão e gastarem minutos se contorcendo por “cãibras” duvidosas? E isso ocorre no mundo todo. E todos aceitam.

    A grande verdade é que o futebol está ficando muito chato e hipócrita. Quando eu jogo futebol, quem bate nem reclama quando alguém segura a bola e pede falta. Também era assim na escola, na rua, na quadra do prédio… É uma das poucas coisas que é mais suja no “profissional” que no “amador”.

    Grande Abs

    • janca

      O segundo gol saiu em outras circunstâncias, outro momento, não quando estava 1 a 0… Mas o debate, concordo, tem de ser levado adiante. Até porque o conceito do “fair play” é meio genérico. E neste caso meio quer dizer muito. Abs.

  • ANDRE

    Boa Tarde!

    Sempre acompanho, mas nunca comentei em seu blog. Parabens! Acho o seu um dos blogs mais sinceros do futebol brasileiro. Não que eu concorde com tudo o que vc escreve, mas percebo que vc nao escreve para agradar ninguem, e isso é legal!

    sobre o assunto do post, RIDÍCULA a atitude do Luiz Adriano. São atitudes como essa, em setores altamente explorados pela mídia, que resultam no aumento do preconceito que há contra brasileiros. Mas ainda pior do que fazer, é se desculpar depois de ficar sabendo que vai ser julgado, é o chamado ‘arrependimento de fachada’… porque o verdadeiro sentimento ele expressou nas redes sociais com o título do post.

    No mais, concordo que o time deveria ter dado um gol ao adversário, porém na hora ali isso naum deve nem ter passado na cabeça de ninguem, visto que os proprios companheiros dele ficaram atônitos!

    Parabésns de novo pelo blog

    • janca

      Oi André. Obrigado pelos elogios e também por chamar a atenção de um ponto que tinha passado batido. Até por isso a questão é bem delicada… Ninguém falou, mas você tocou numa questão interessante. Talvez os próprios companheiros tenham ficado tão atônitos que não souberam como agir. Dizer agora que o ideal seria que tivessem marcado um gol contra _e acho que seria_ é fácil. No calor do momento é que é complicado. O mesmo não se aplica, a meu ver, ao Luiz Adriano, porque ele continuou insistindo no “erro” depois, desabafando que o “choro é livre”. O pedido de desculpas demorou 24 horas para acontecer _ou quase isso.

  • RANHO

    Brasileiro é idiota isso sim, sempre se achando malandro e mais esperto que os outros … depois quer reclamar do governo ….

    O Luiz Adriano tinha que tomar uma bela punição, pra servir de lição pra ele e pra servir de exemplo pros demais …

  • advogado criminalista

    só digo uma coisa ao janca e à todos que concordam em punir o atacante luis adriano: oh, ingênuos!

    primeiro que, ao menos para causas terrenas (sic), não existe punição contra algo não regulamentado.

    em segundo lugar, tentativa de ludibriar o árbitro (fingir uma cotovelada) é muito mais punível (oras, isso sim é regulamentado) do que não respeitar fair-play e ninguém (ou quase nínguem) critica.

    por isso ganho dinheiro pra caralho, tanta ingenuidade das pessoas me dá alegria…

    • janca

      Quem vai julgá-lo por conduta antidesportiva é a Uefa, não sou eu.

  • Estou seguro de que o insigne colunista só comprou o livro da srta. Hope Solo para tocar punhetas para a chupabilíssima arqueira ianque, na expectativa de que ela narrasse, em suas memórias, as orgias lésbicas que certamente rolam no vestiário norte-americano.

  • Dimmu Borgir

    Simples, acaba com o Fair Play e deixa isso com o arbitro.
    Tem que parar com esse negócio do time adversario chutar a bola para fora quando o jogador se machucar, pois muitas vezes não é nada sério e o jogador finge ter lesão.
    O árbitro é que deveria parar a jogada, se achar que deve parar.

MaisRecentes

Alerta a Raí



Continue Lendo

Os erros do Verdão



Continue Lendo

Vencer ou vencer



Continue Lendo