Guardiola no Brasil



Outro dia li uma nota no “Estadão” dizendo que um brasileiro havia encontrado Pep Guardiola em Nova York e comentado que seria muito bom tê-lo no comando da seleção brasileira em 2014. O espanhol respondeu que até agora não recebeu convite.

Não é que a cena se repetiu com outro casal brasileiro? Viram Guardiola em Times Square, pediram pra tirar uma foto com ele e perguntaram o porquê de estar parado e se haveria chances de dirigir o Brasil. A resposta? Está parado pra curtir um período sabático, parte do qual resolveu passar em NY, frequentando aulas/seminários na Columbia e na NY University, duas das principais universidades norte-americanas, mas uma hora retorna ao futebol. Ida pra seleção? Se for chamado, por que não?

Não sei se o ex-técnico do Barça já voltou à Espanha ou se segue nos Estados Unidos, mas que está aberto a convites pelo jeito está. Continuo achando, por mais que o Brasil tenha apresentado um futebol melhor contra o Japão, no último amistoso que disputamos, que precisamos de um choque no comando. E o choque poderia ser Guardiola, que entende muito de futebol, inspirou-se no estilo brasileiro de jogar pra montar o Barcelona e poderia devolvar a seleção a suas raízes. Um futebol mais alegre e menos burocrático.

Pena que a CBF continue jurássica e não se mexa, talvez com receio de experimentar um técnico estrangeiro numa Copa no Brasil. Acho que o torcedor receberia bem o Guardiola, pois quer alguém competente, com experiência, capacidade de liderança e trabalho. Não vejo nome melhor do que o dele. O desafio, pra Guardiola, seria enorme e ele parece propenso a conversar. O problema é saber se a CBF está. E me parece que não.



  • marcos

    Seria muito bom tê-lo no comando da seleção, apesar de achar pouco provável que ele aceite um convite da CBF, pois em uma reportagem ele disse que o barça faz o que o Brasil já fez, e também não acredito em um título logo na primeira competição. Trazer uma filosofia ao nosso futebol seria muito bom.

    • janca

      Oi Marcos. Também acho que seria muito bom tê-lo à frente da seleção e não acho improvável que ele aceitasse o convite, pelo contrário. O que acho improvável é a CBF fazer o convite. Ele era fã do futebol brasileiro, aquele jogado nos anos 70 e 80, no qual o Barça se inspirou, e por isso acho que poderia nos ajudar a resgatar as origens do nosso futebol, futebol que anda tão burocrático. Traria uma nova filosofia à seleção e aos clubes, poderia ficar mais tempo por aqui e não precisa ganhar a Copa de 2014, como Mano tampouco precisa. O que precisamos é voltar a jogar futebol de verdade, pois nossa safra de jogadores segue sendo boa. Já a de técnicos… Abs. e boa terça pra você, Janca

      • Concordo, em parte, tanto com você Janca, quanto com o Marcos. Resgatar essa filosofia futebolística à seleção canarinho seria magnífico; que saudade daquele time do Telê!
        Observo que aquilo era um time, não uma seleção.
        O problema é que o tempo urge, a Copa 2014 já está aí.
        Creio que, estando Guardiola no comando e mesmo com um fracasso, já que o tempo e outras questões, digamos, burocráticas sejam grande empecilho para o êxito, valeria a pena. Mas valeria a pena somente se o trabalho pós 2014 fosse continuado.
        Aí eu me pergunto: 1- “será que o Pepe estaria disposto a correr este risco?”; 2- “para a CBF é melhor deixar como está, considerando que ainda tem chance de êxito, se desculpar no final, em caso de fracasso, empregando aquelas máximas de que “futebol é assim mesmo”, “nem sempre o melhor ganha”, “é uma caixinha de surpresas”, ou, apostando neste novo empreendimento os riscos serão maiores?
        Sei não! Torço para que aconteça, mas duvido!

        • janca

          Sabe que não sei se para a CBF é mesmo melhor deixar como está? Porque corremos o risco de fazer um papelão na Copa, ainda mais com o discurso derrotista do Mano Menezes, que fala como se estivesse dirigindo uma seleção de segunda quando não está. Vejo a CBF _e José Maria Marin_ perdida. Seja em relação à seleção, seja em relação ao calendário nacional, seja em relação à arbitragem.

    • Luiz Fernando Sigolo

      Olá Marcos, eu também acharia bom se o Guardiola viesse pra Seleção Brasileira, mas também acho pouco provável que isso aconteça, infelizmente o tecnico parece que a CBF já definiu, que é o Mano, agora o jeito vai ser torcer pro Neymar estar bem durante a Copa.

      • janca

        Também já começo a achar que teremos Mano Menezes até a Copa, apesar dos erros que demonstrou em competições como Copa América, onde passamos vexame, e nos Jogos de Londres.

  • Eduardo Junior

    Quem dera!

    Mas acho que ele se queimaria aqui, ou pediria conta quando ver a burocracia, a covardia, e deslealdade das convocações que só servem para atender aos interesses financeiros da cúpula da CBF.

    Quando se depará com esse balcão de negócios ele pede as contas, fora a pressão do povo brasileiro de resultados imediatos, mas acredito que se tratando dele a galera terá mais paciência.

    Técnico igual, ou melhor que ele, não existe mais, o último foi Telê Santana que deu uma aula particular para ele no mundial de clubes entre SPFC e Barcelona, onde ainda era jogador. Tenho certeza que dali surgiu sua inspiração de ser treinador de futebol.

    vou falar uma para vc Janca! antes perdendo a copa no Brasil jogando com os melhores e apresentando um futebol bonito, como aquela seleção de 82, do que ganhar com os “selecionados ” da CBF jogando um futebol burocrático como tem jogado.

  • Rafael

    Janca,

    Seria realmente muito bom ter o Pep no comando da seleção!
    Mais do jeito que a CBF é.. daqui a pouco vão querer colocar o Tite!
    Enquanto não trocar a cúpula da CBF, cortar o mal pela raiz, não adianta ficar trocando de técnico!
    Se bem que o pep ia fazer esse time jogar bola hein?

    O que acha Janca?

    Abraços

    • janca

      Ah! Confio no trabalho dele e daria uma outra cara pra seleção, Rafael. Mas a cúpula da CBF e a estrutura da entidade teriam de mudar. Do jeito que está ela não tem conseguido gerenciar a seleção brasileira que, como costumo dizer, está cada vez mais desvalorizada. E a seleção é um produto e um patrimônio nacional, a CBF trata como se fosse dela e faz o que bem entende, até ceder nossos amistosos para uma empresa na Arábia Saudita administrar. Não dá. O contrato, assinado por Ricardo Teixeira antes de renunciar, interessa a quem? Certamente não ao futebol brasileiro. Abs.

  • Mario

    com ctz ter Guardiola na seleção seria uma evolução ou uma volta a nossas origens realmente , mas temo q ele sofreria muita encheção de saco com setores da nossa impressa q iria querer resultados imediatos e cobrar ele loucamente p/terem midia .

    • janca

      Que seria cobrado, seria, mas ele tem boa estrutura _e ótimos resultados no passado_ para responder os críticos.

  • Vaz

    No dia seguinte a contratação seria o dia do armagedon. Janca a idéia seria revolucionária pois como você já cansou de ler meus cometários penso que o atual estado de coisas no futebol brasileiro, da falta de profissionalismo da grande maioria dos “atores” envolvidos no dia a dia nosso. O futebol brasileiro precisa para ontem de um choque de modernidade, de abandonar “dogmas” e crendices mas ao contratar o Guardiola teríamos algo pior que o furacão Sandy. Nossos dirigentes, técnicos, comentáristas (a turma do boleiro/torcedor), jornalista tacanho que ainda restam e a cartolada vai entrar em pé de guerra. Se com técnico brasileiro os caras querem puxar o tapete no primeiro dia imagino com “gringo”.
    Gostaria de ver esta mas infelizmente não é só a CBF Ju

    • janca

      Eu concordo. TEmos de abandonar o velho paradigma, como diriam alugns, ou dogmas e crendicis e contratar o Guardiola. Precisamos de um choque no nosso futebol e Guardiola seria uma enorme mudança. Mas com os dirigentes atuais fica difícil imaginar a contratação do espanhol.

  • Vaz

    desculpe mas deu problema no meu computador. Concluindo; Não é só a CBF que está no Jurásico mas a maioria dos personagens do futebol está é no Cetáceo. Continuamos discutindo a mesma coisa a décadas e não muda e seria um choque de mudanças mas sei não as reações seriam desastrosas. Gostaria de ver.

    • janca

      Por maior que fosse (ou que seja) a reação a uma eventual contratação do Guardiola, precisaríamos de alguém com peito pra bancá-la. Chega de mais do mesmo.

  • Fabio

    Boa tarde Janca.

    Desculpa fugir do assunto, mas você leu a coluna do Damato sobre pessoas de fora vendo o jogo na TV e auxiliando os árbitros?
    É a isso que me referí naquele post antigo, do quarto árbitro ver o jogo na TV e auxiliar, mas não só em lances capitais, em faltas também, para diminuir as simulações.

    Manjo pra caramba de futebol hein, rsrs…..só falta a FIFA se modernizar. Abraço
    Obs: se a moda pega Santos e Curintia tão na roça…kkkk

    • janca

      Li, claro, mas isso não é permitido, Fabio, aí está o “x” da questão. Ou se usa a tecnologia ou não. E ela não é permitida, não o uso de imagens de TV, digo.

  • Lucas Araújo

    O mundo hoje é algo completamente interligado. Culturas diferentes cada dia mais interagem entre si e se completam, evoluem com as idéias que adquirem umas com as outras. Só que a CBF ainda não absorveu isso. Ainda acha que o Brasil por si só ainda é a potência-mor, que ainda pode resolver tudo com soluções caseiras. NÃO! Pra início de conversa, o esquema que o Mano introduziu (4-2-3-1) é de escola européia, muitos times da Europa o utilizam e o aprimoraram. Prova inequívoca de que precisamos pensar diferente, precisamos reciclar os pensamentos, necessitamos aprender com outras metodologias, culturas e profissionais que obtiveram sucesso. E o Guardiola é um deles. O mundo é muito grande, é necessário ampliar os horizontes, a mente. Mão-de-obra (jogadores) nós temos de sobra, só que não adianta nada mão-de-obra se os comandantes não sabem que rumo tomar.

    • janca

      É o movimento da globalização, Lucas, mas apesar dele acho que temos de pensar nas raízes de cada lugar, pensar “localmente”, não só “globalmente”. A globalização, a meu ver, tornou o mundo muito chato e padronizado. Não que não tenha pontos positivos _tem e muitos_, mas deve ser tratada com mais calma. E por mais paradoxal que possa ser acho _e continuo achando_ que um técnico estrangeiro como o Guardiola poderia nos ajudar a reencontrar nossa essência em relação ao futebol. A escola brasileira, que não é pior nem melhor do que a europeia. É diferente.

  • Cairia como uma luva na Seleção, e seria bem recebido pelo povo brasileiro, por ser um vencedor !

    • janca

      Eu também acho as duas coisas: cairia como uma luva e ele seria bem recebido pelo torcedor, que quer ver o Brasil jogando um futebol bonito.

  • Francotimão

    Ola Janca, confesso a vc q não tenho uma opinião formada (favoravel ou não) a presença de guardiola no comando da seleção brasileira, estou disposto a aceitar essa solução até msm em nome de mudanças, como vc msm ja disse “chega do msm”, mas estou reticente qto a isso ocontecer neste momento ( antes da copa de 2014), penso seria melhor essa experiencia ocorrer depois da copa, é claro imediatamente após, vençamos ela ou não…abs!!!!!!!

    • janca

      Entendo sua posição, mas pra mim seria melhor que ela _a troca de treinador_ fosse feita antes da Copa. E seria um baita desafio pro Guardiola comandar o Brasil numa Copa aqui no nosso país.

  • Ton

    Janca,

    Não é de hoje que defendo a ideia de um técnico estrangeiro no comando da seleção. Quando o Luxemburgo saiu em 2000, na minha opinião o substituto teria que ser o sérvio Bora Milutinovic que tinha experiência no comando de várias seleções ou então o Bianchi que dirigia o Boca na época e era o atual campeão da libertadores e o escolhido foi o Leão, então técnico do modésto Sport (sem querer faltar com respeito ao Sport). O que quero dizer é que, infelizmente a CBF é um poço de incompetência para definir um cargo tão importante como é o de comandante da seleção penta campeã do mundo. Se o Mano caísse, o nome ideal seria o do Guardiola pela filosofia de jogo que ele implantou no Barça se assemelhar á cultura do futebol brasileiro, mas entendo que ele não seria escolhido porque sempre há outros “interesses obscuros” envolvidos. Por que o Dunga ( que nunca tinha sequer treinado um clube) foi escolhido como substituto do Parreira? Eu acredito que o Ricardo teixeira queria alguém submisso ás suas vontades lá e embora, pelo bem do futebol, ele não esteja mais no comando, não concedo crédito nenhum ao Marin e toda sua corja de idosos obsoletos que colocam interesses pessoais acima dos interesses da nação. É parecido com que ocorre na política . Afinal, o problema é cultural. Espero viver o suficiente para um dia ver o “merecimento” prevalecer na hora de alguém ocupar determinados cargos, postos e etc. Abs.

    • janca

      Do Bora nunca gostei muito, em termos profissionais, mas o Bianchi era um baita nome. Temos a cultura de que o técnico da seleção tem de ser brasileiro, mas será que isso não pode mudar? Na cabeça do torcedor, cada vez mais afastado da seleção por culpa, em parte, da CBF e também da atual comissão técnica, acho que há boa vontade com nomes estrangeitos de gabarito, caso do Guardiola. Abs.

MaisRecentes

Revolta corintiana



Continue Lendo

Pela saída de Levir



Continue Lendo

Apoio a Jô



Continue Lendo