O Fla nas urnas



Segue causando preocupação no Flamengo o fraco desempenho de Patrícia Amorim nas urnas. A presidente do Fla não conseguiu novo mandato como vereadora no Rio, obtendo quase 12 mil votos e ficando fora da Câmara.

Parte do estafe da dirigente, candidata à reeleição no Fla, atribui o fracasso nas urnas à campanha ruim do time no Brasileirão e às polêmicas sobre sua gestão, abalada pelos casos Ronaldinho Gaúcho e Adriano e pelas sucessivas mudanças no departamento de futebol do clube.

Outra parte minimiza a derrota e diz que, entre os sócios, ela teria tido boa votação. Na Gávea e arredores, onde vivem muitos associados do Fla, Patrícia teria conseguido cerca de 2,8 mil votos. Por que perdeu, então? Segundo a visão desse grupo de assessores, que preferem minimizar o fracasso de domingo, o principal motivo é que, com o Fla dividido politicamente e às vésperas de eleições presidenciais, ela não pôde se dedicar como queria à campanha nas ruas.

Outro motivo lembrado é que o ex-jogador e técnico Andrade, cujo nome também é ligado ao Fla, concorreu para vereador, tirando votos da presidente. Detalhe: ele tampouco foi eleito, embora tenha conseguido quase 5 mil votos a mais do que Patrícia.

Por falar em política quem também não entrou em São Paulo foi o ex-ministro do Esporte, Orlando Silva (PC do B), mesmo com apoio da União Nacional dos Estudantes, que ele já presidiu, e de celebridades do esporte, caso da ex-jogadora Hortência. Como não custa lembrar, Orlando saiu do ministério atolado por denúncias de corrupção e usou as imagens de Lula e Dilma na campanha. Esperava o triplo da votação em São Paulo, mas não conseguiu. Não é só a bola que pune. As urnas, às vezes, também.



MaisRecentes

A matemática do futebol



Continue Lendo

A melhor do mundo



Continue Lendo

Aprender a perder



Continue Lendo