Centro de Recuperação Flamengo



Desde quando o Flamengo virou centro de recuperação? Depois de conduzir muito mal o caso Ronaldinho Gaúcho, que terminou no Galo, o clube da Gávea conduz tão mal quanto o caso Adriano, que já faltou a três treinos em menos de dois meses no Fla.

Para Zinho, gerente de futebol, Adriano, que seria uma aposta pessoal sua, está confuso e atrapalhado e só seguiria na Gávea se topasse receber apoio psicológico, como se o Flamengo fosse um centro de terapia, quando não é. Apoio psicológico quem tem de querer é Adriano, não adianta lhe impor “tratamento” se o próprio não tem vontade de segui-lo.

Zinho diz que está pensando no “ser humano”, mas é pago para pensar no Flamengo. Poderia ajudar Adriano de outras formas e ser ele próprio um pouco mais profissional para o clube que o remunera. Ao passar mais uma vez a mão na cabeça do artilheiro está sendo tão pouco profissional quanto o jogador, o que só mostra como o Mengo segue mal administrado.

Adriano já recebeu três advertências, poderia ser dispensado, teve parte do salário cortado, mas insiste que vai continuar no Fla. Interessa ao clube sua permanência? A meu ver, não. Não que o estado psicológico de Adriano não preocupe. Preocupa e muito, mas não cabe ao Flamengo, que ainda não teve o jogador uma vez em campo desde que ele saiu rompido com o Corinthians, arcar com o tratamento do atacante e ainda funcionar como centro de reabilitação. Há lugares muito mais apropriados e com profissionais muito mais competentes para tanto. Basta Adriano, amigos, empresário, assessores e familiares procurarem, pois a recuperação depende mais do jogador do que do clube. Muito mais do jogador, aliás.



MaisRecentes

Flamengo procura…



Continue Lendo

Pela renúncia de Peres



Continue Lendo

Briga por Alan Kardec



Continue Lendo