Em defesa dos atletas



Posso estar equivocado, mas senti uma certa revolta ou irritação de parte do público brasileiro com a atuação de alguns atletas em Londres, especialmente em competições individuais.

Fabiana Murer foi criticada nas redes sociais por não ter tentado o último salto, dizendo-se prejudicada pelo vento. Rafaela Silva, desclassificada por um golpe ilegal no judô, trocou ofensas com internautas e depois se desculpou. Cesar Cielo mostrou-se irritado com os seguidos questionamentos sobre seu bronze e muitos não aceitaram sua justificativa de que estaria desgastado por ter tentado a sorte em outra prova antes, não focando na que é especialista. Ah! Só para não deixar de lado esportes coletivos, as meninas do handebol foram “acusadas” de descontrole emocional nas quartas de final, quando caíram diante da Noruega, depois da belíssima campanha na primeira fase.

Não acho que todo atleta seja “santo” ou não possa errar, vitórias e derrotas fazem parte da vida, o que acho é que o foco tem de ser outro. Deve estar na condução do esporte brasileiro. Em vez de criticar os atletas, por que não questionar os dirigentes? São eles que recebem e administram verba pública (meu, seu, nosso dinheiro) e devem responder pelos gastos e investimentos que fazem ou deveriam fazer.

Os atletas têm o direito de estar em um mau dia, caso da Fabiana Murer, ou de estar em um bom dia, caso do Arthur Zanetti, ouro nas argolas.

Acho que psicologia do esporte é uma ferramenta importantíssima e não sei se tem sido usada adequadamente. Estamos em um país em que não é raro ver atletas tirando dinheiro do próprio bolso (ou de pais, amigos e familiares) para custear seus treinamentos, ou seja, muitas vezes psicologia esportiva é um sonho de consumo. E um sonho distante…

Há muito a melhorar. Mas ainda assim acho que nossos atletas nos representaram bem em Londres. Os que venceram e os que saíram sem medalha, o que não quer dizer que tenham perdido. Muito pelo contrário.

Feio acho o que aconteceu nas quartas de basquete entre França e Espanha, jogo que terminou em briga na quadra, com os espanhóis acusados de terem deixado o Brasil vencer no encerramento da primeira fase, a fim de fugir do confronto contra os Estados Unidos antes da final. Mais feia ainda a declaração do ala-pivô Pau Gasol sugerindo que o Brasil, sim, teria feito corpo mole, poupando inclusive Nenê do jogo. Se fizemos pouco caso do jogo, o que não vi acontecer, por que vencemos?

Se faltou espírito olímpico _e faltou_ foi para a Espanha. Caímos diante da Argentina, mas saímos de cabeça erguida no basquete masculino e o trabalho tem de continuar.

Em diversas modalidades, porém, caso da natação e do atletismo, muito tem que mudar. Sem falar em esportes em que poderíamos ser fortes, como na luta olímpica, para ficar em apenas um exemplo, e nos quais quase nem figuramos.

Em vez de cobrar os atletas, cobremos quem está acima deles. São eles que devem explicações. E que adoram um holofote nas vitórias, mas na hora das derrotas muitas vezes deixam os atletas sós, dando a cara a bater.

Volto a postar na próxima terça, dia 14, mas até lá, dentro do possível, sigo respondendo os comentários de vocês. Bom final de Olimpíada a todos, João Carlos



  • Maria Helene

    Tem atleta q. merece defesa, mas teve atleta que não se esforçou tanto. A Fabiana reclamou do vento, vento todas elas enfrentaram. Vc. chega nas Olimpíadas e desiste? Ela recebeu investimento, tinha condições de competir e desiste? Foi uma decepção. Acho errado as pessoas xingarem, mas ficarem dececpionadas eu entendo.

    • Maria Helene

      Duas outras situações que me recordo no momento. O Diego Hipólito, da ginástica, ele amarelou. Ele disse que amarelou. Não tinha previsto isso? Se estava nervoso, por que não falou pra ninguém antes? O César Cielo achei metido, fez pouco caso do bronze. Quando você perde pode reconhecer que o outro foi melhor. Ele é um que não pode reclamar de dinheiro. Treinou nos melhores lugares do mundo, universidade americana, teve tudo do bom e do melhor. Faz comercial direto na TV. Acho que virou até modelo. Não dá pra reclamar de falta de condições. No boxe e no taekwondo é diferente. No atletismo tem atleta que passa fome, corre em pistas sem condição. Esses são os heróis.

      • Pedro Esquirio

        Concordo com tudo que foi dito pela Maria Helene.

        • Barbosa

          De acordo com o Marcus Vinicius do departamento tecnico do COB, atleta nao pode receber dinheiro vivo, se nao acaba comprando Tv plasma, trocando de carro, etc. Esse é o pensamento do COB. Nao é a toa que quando nossos atletas ganham medalhas desabafam e pedem mais respeito. Apenas ilustrei um exemplo que revela o pensamento desrespeitoso dos dirigentes do COB com os atletas. Esta seria uma boa hora paras os atletas boicotarem o COB e exigirem mudancas do governo, inclusive nas Confederacoes. Os atletas tem um poder extraordinario, e se eles se unirem em um grupo organizado e unido, o COB nao aguenta nem uma semana. Nao da mais para aguentar esta arrogancia dos nossos dirigentes. Vamos boicotar os Jogos Rio 2016 ate que o governo tenha coragem pra fazer as mudancas no esporte.

          • janca

            Oi Barbosa, confesso que não vi essa declaração do Marcus Vinícius, mas existe a bolsa-atleta, se bem que não é suficiente. Mas se uma confederação trabalha bem, dá condições de treinamento boas para o pessoal, equipe técnica, médica, alimentação, transporte, viagens, afinal o intercâmbio é importantíssimo, enfim, se faz sua parte e ainda trabalha para os atletas se manterem e manterem suas famílias, seja via ações de marketing, seja da forma que for, é um trabalho significativo. A questão é: isso é feito? Veja que bonita a história dos irmãos Falcão no boxe. É bem possível que a confederação os tenha ajudado. Mas até que ponto? Poderia ter feito mais? Por eles e por outros? Ou eles estão lá mais por mérito pessoal do que qualquer outra coisa? E mérito do pai, Touro Moreno, que foi o primeiro treinador dos dois, num ringue montado no fundo do quintal. Uma história bonita e que só agora ficamos conhecendo pelo feito olímpico impressionante dessa dupla de ouro.

      • janca

        No caso da Fabiana Murer não dá pra dizer que ela não se esforçou. Ela não conseguiu saltar e desistiu. Talvez no instante em que fosse saltar o vento estivesse um pouco mais forte do que instantes antes, não sei, criticar é fácil. Só ela sabe o que aconteceu. E com certeza não foi a Londres para desistir, sonhava com uma medalha e uma posição melhor, imagino. Sobre o Diego Hypólito ele mesmo admitiu que faltou estrutura emocional, chegou a dizer que amarelou, deve ser crucificado por isso? De jeito nenhum. Pode levar como lição de vida. E em relação ao Cielo talvez tenha sido arrogante em um momento ou outro, não digo que não, mas se hoje tem apoio e faz comerciais _o que é um direito dele_, lembro que treinou muito com ajuda dos pais e da família e graças à estrutura, salvo engano, do Esporte Clube Pinheiros. E ele não reclamou de falta de condições. Já em outras modalidades, como o boxe, você tem razão. E o desabafo da nossa medalhista de bronze foi bem oportuno.

        • Santana

          Caro Janca, comparo o caso da Fabiana com o do Chines Liu Xiang que se espatifou no chao tentando correr os 110 metros com barreiras machucado. Ele sabia que nao dava, mas mesmo assim correu a prova. O mais comovente foi ver os atletas ajudando Liu no final da prova. A Fabiana nao mostrou ter essa coragem, compromisso. Pisou na bola feio! Eu nao associaria a marca da minha empresa a ninguem que pelo menos nao tentasse saltar, ainda mais numa Olimpiada. Francamente uma decepcao!

          • janca

            Mas também houve insinuações sobre o chinês, não é a primeira vez que ele se machuca. Tem gente que acha que não se machucou, não. Pra ver como é a boca do povo… O que foi comovente para alguns é algo de dúvida e suspeita para outros, que acham que ele sentiu que não dava, caiu e chegou ovacionado e carregado à linha final. Que teria tentado imitar aquela suíça _lembra dela?_, essa sim protagonista de uma das chegadas mais emocionantes da história da Olimpíada.

          • vitor

            absurdo comparar um salto com uma corrida com barreiras…
            eu, que não entendo nada, vi vários homens hoje desistindo do salto pelos mesmos motivos.
            E ouvi do comentarista da coragem do salto pois o atleta deve se lançar de costas e confiar no equipamento… coisa nós vimos partindo em 3 pedaços ontem…
            Absurdo pensar q ela devia saltar só para os desequilibrados e sem talento brasileiros resmungões não condena-la. Ela é uma atleta de ponta e sabe quando dá ou não.
            INFELIZ SEU COMENTÁRIO!!!

    • Patricia Abreu

      Concordo Maria! Se eu tivesse a chance da Fabiana, podia vir um furacao que eu ia saltar de qualquer jeito. Faltou coragem? Ficou com medo de se machucar? Bem, se eu fosse patrocinador dela, eu cancelava. O Ronaldinho Gaucho perdeu o patrocinio da Coca Cola por um descuido menos serio do que o da Fabiana. Uma atleta como ela nao pode se recusar a saltar numa Olimpiada por causa do vento forte. Nao sei se a ficha caiu pra ela, mas esse episodio deixou uma mancha na boa imagem que ela tinha. Espero que ela consiga dar a volta por cima, mas neste momento estou decepcionada com a atitude dela.

      • janca

        Já eu não estou, Patricia, mas opinião é opinião e respeito a sua, claro, como a da Maria Helene também. Se eu estivesse na posição da Fabiana e tivesse a chance dela com um furacão certamente desistiria _rs. Mas com uma ventania, sentindo que não conseguiria ultrapassar a barreira, possivelmente faria o que ela fez. Não sei dizer. É difícil, não estou na pele dela.

    • eu acho que deveriam olhar para as escolas de uma forma ampla ,pois teríamos condições de descobrir novos atletas em diversas modalidades, e conseguiríamos melhorar o empenho de crianças e jovens sobre estudo. mas o q vemos é escola sem nenhuma condição de educar o aluno que dirá descobrir um atleta. estaremos sempre nas ultimas colocações por causa de investimento em educação como condição de um Brasil melhor, porem msm assim parabenizo nossos atletas sao verdadeiros heróis.

      • janca

        Concordo, mas isso passo por uma ampla reforma do nosso sistema educacional, que deveria estar atrelado ao esporte e à cultura. Investimento em educação teria que ser prioridade, ao lado de saúde, transporte e segurança pública.

  • Leo Assad

    Caro joão Carlos,
    Escrevi sobre isso no Blog do seu colega intitulado (“O Brasil não merece os atletsa que tem”…parecido com isso). Digo exatamente o que: não podemos concordar com esse tipo de comportamento, esse vandalismo. Temo que ser compreensivos, SIM!!!! afinal, medalha é medalha: o que dizer do boxe, do judô. Não temos cultura de esporte olímpico e, a nossa cultura de futebol é a que nós conhecemos: instintiva, até certo pronto bárbara (como está no blog: “Ei , juíz , VTNC!!!”). No entanto, temos que observar o que se transforma os veículos de comunicação em época de olimpíada: transformam-se os atletas em barbadas, às vezes até por gente ligada à própria modalidade, e não se coloca uma realidade correta do que é a competição olímpica. Exemplos com volei feminino do Brasil, que passou as finais e fez uma primeira fase sofrível. Com um cenário de euforia, a constatação das derrotas, vista por uma sociedade que não tem padrão de esporte olímpico ( dirigentes incompetentes + sem incentivo de governo + etc…) tem como efeito decepção e revolta. E aí os posts homófóbicos, racistas e sem critério que nós vemos. A cobrança sempre vai existir, e tem que existir pois se não houver não há melhora do desempenho (lógico, que falo de pessoas especializadas) mas, aqui é feita de maneira estapafúrdia!!! Há exemplos vindos de fora também não, nos enganemos. Com o advento de redes sociais, internet, e bla, blas… isso vai se acentuar. Só com aumento de incentivo, educação do povo, sáude e outras coisas que estamos cansados de saber, é que vamos melhorar, ou pelo menos amenizar..

    • janca

      E eu concordo com você, Leo. A reação de algumas pessoas é exacerbada e injustificável, execrando nossos atletas e muitos dos que hoje xingam amanhã podem aplaudir ou se xingam é porque estão escondidos e “protegidos” pelo anonimato. E as análises tendem a ser muito imediatistas e superficiais, o que reflete muito a falta de investimentos na educação (e no esporte, que deveria estar atrelado a ela) em nosso país. Grande abraço e boa sexta pra você, João Carlos

  • Luiz Marfetán

    Totalmente de acordo, a garota do boxe deu nos dedos do presidente, quando ganham saem na foto, como dizendo “olha nosso investimento aqui gente” e na verdade estão pouco se lixando para o atleta. E como ela disse ate humilhada pela figura foi!

    • janca

      Tem razão, Luiz, o que há de dirigente que gosta de sair numa fotinho… Ego, vaidade, mas preocupação com o atleta não é todos que têm, não.

  • José Carlos

    Bom dia meu amigo concordo que nao devemos criticar nossos atletas e que oproblema esta acima deles mais acho incrível que nem onde somos os favoritos consigamos ganhar nos passamos todos os anos antes das olimpíadas sendo campeões em todas as categorias de vôlei no judo na vela na ginastica e etc chega nas olimpíadas nos perdemos e fazendo feio em algumas no caso do César na natação dizer que foi mal Porque nadou em outra categoria então o americano recordista de medalha que nada em varias categorias e o q um super humano eu sei de uma coisa a gente cria expectativas em cima do que eles criam durante todo o tempo antes das olimpíadas e eles chegam lá e perdem e vcs comentaristas esportivos acham que nos nao devemos nem ficar decepcionados vai dizer que vcs estão felizes com o desempenho brasileiro em Londres

    • janca

      Mas chegamos à final do vôlei de quadra (feminino), estamos nas semi no masculino, fomos prata no vôlei de praia (masculino), bronze (feminino), ganhamos ouro na ginástica, quando não éramos favoritos, nem tanto ao céu nem tanto à terra, José Carlos. E decepções fazem parte da vida. Assim como surpresas. Positivas e negativas.

    • Carlos Alexandre

      Voce é maluco onde pode ter visto a ginastica e o judo ganharem todas as categorias.o volei sim tem bom desempenho.

  • Vaz

    Bom dia Janca! Ontem comentei sobre alterações na reeleição de dirigentes esportivos e acabei postando os endereços onde o assunto foi abordado não sei se houve tempo de você ler. De qualquer forma segue um que é matéria da própria Lance e outra originária da agência Estado para que os leitores acompanhem o assunto e que começemos a pressionar nossos “queridos” parlamentares.
    Se aprovadas (estão no Senado e na Câmara com projetos distintos mas de mesmo teor, sendo que o do Senado é mais abrangente). Não acho que seja a panacéia (péssimo hábito este nosso que achamos que tudo se resume a um única ação) que vai resolver tudo mas será um bom começo para tirarmos este bolor das nossas instituições esportivas. http://www.lancenet.com.br/minuto/Camara-aprova-reeleicao-dirigentes-federacoes_0_734926622.html
    http://www.administradores.com.br/informe-se/cotidiano/projeto-do-senado-visa-impedir-nepotismo-e-reeleicao-ilimitada-de-dirigentes-esportivos/57362/

    • janca

      Concordo com a necessidade de o governo, que financia o COB, por exemplo, pressionar as entidades e proibir, via mudança de estatuto, que os dirigentes se perpetuem no poder. No máximo uma reeleição e rotatividade no poder, Vaz. Como é o governo que financia, via loterias, renúncia fiscal, estatais e Ministério do Esporte o esporte olímpico, que exija mudanças. Se um COB da vida não mudar o estatuto, por exemplo, e seguir com um presidente eterno, para de receber verba pública. Precisamos pressionar o Congresso para mudanças na lei. Concordo também que só isso não basta, as mudanças têm que ser muito maiores, embora não deixe de ser um pequeno passo. Um passo importante, aliás. Grande abraço, Janca

  • Cristiano Santos

    Bom dia à todos.
    Gostaria muito que nossa história fosse diferente, no Basquete, todos acabam torcendo pelos USA, porque são os melhores do mundo e investiram muito para isso, então acho justo que eles sejam sempre campeões, um basquete lindo de se ver, com jogadas de efeito, cestas precisas de vários setores da quadra, enfim…os caras são muito bons e mesmo assim quando entram em quadra, entram pra ganhar e não pra disputar, acho que essa é a diferença de China e USA em relação aos outros países, além do investimento em tecnicas e tecnologias, os caras preparam os “competidores” para GANHAR e se dedicam pra isso…sinceramente, não consigo acreditar em um Nenê que joga a tanto tempo com os melhores do mundo, errar lance livre…e os dois ainda…o Rubé Magnano, na minha opinião é um herói pra Brasil e Argentina, que é o que é hoje graças a esse cara!
    Enfim amigos, peguei como exemplo apenas o basquete pq perdemos pra Argentina, Sulamericana como nós, então acho que podemos ser melhores…fora no Hipismo, Volei de Areia, futebol feminino, maratona aquática (hipotermia por falta de planejamento e preparação e ponto), enfim, enquanto entrarmos pra “competir” apenas, não ganharemos nunca!!!

    • janca

      Mas sabe que no caso do basquete algumas boas ações foram feitas? A NBB, a volta da TV ao esporte, a contratação do Magnano, um baita técnico… O feminino que não está bem. Mas o trabalho tem de continuar, tem de ter sequência. E só uma coisa: eu não torço pelos norte-americanos no basquete por eles serem os melhores do mundo, torço até contra, porque tendo, muitas vezes, a torcer para os mais fracos. Abs.

  • marcelo

    Prezados,

    O tordedor brasileiro é realmente muito cruel. E a imprensa é pior. São as cobranças da imprensa que alimentam esta furia dos torcedores. Mas há um fato nesta história. Quando o atleta aceita fazer parte deste “jogo” ele tem de jogar. Portanto, de todos os casos, o da Fabiana Murer é o mais emblemático. Ela simplesmente não tentou. Ah porque podia quebrar a perninha? Para o torcedor, e eu me incluo neste grupo, não ha perdão mesmo. Quem não tem competência não se estabelece, já dizia minha vó. Já o Diego, normal, tentou, caiu, bola pra frente. Mas com medo ou sem medo, tentou. Ai o torcedor faz piada mas entende. Mas o caso da FAbiana entra pra história como falta de fibra. FAzer o que? Não foi ela que anunciou nas revistas que queria ganhar o ouro etc?

    • janca

      Eu concordo em dois pontos, discordo num terceiro. Concordo que a imprensa ajuda a alimentar essa onda toda e tem que rever seu papel. Concordo que o Diego tentou na ginástica e se esforçou ao máximo. Mas discordo no caso da Fabiana Murer. Ela, mais do que ninguém queria ganhar o ouro. Se não quisesse competir inventava uma desculpa e não competia. Ou dizia simplesmente “não vou”. Só de entrar na pista ela tentou. Tentou duas vezes, na terceira desistiu porque sentiu que não conseguiria. Errou? Sem dúvida e reconheceu que errou. E o erro faz parte da vida. Sinceramente não sei dizer se isso é falta de fibra, porque lidar com a cobrança e os julgamentos depois não é fácil. O sujeito tem que ter muita força interior para enfrentar uma sociedade que muitas vezes não perdoa. Perdoa nossos políticos, mas não nossos atletas.

      • @R9Sal

        …Mas discordo no caso da Fabiana Murer. Ela, mais do que ninguém queria ganhar o ouro. Se não quisesse competir inventava uma desculpa e não competia…

        Ela inventou a desculpa e não competiu. Culpa do vento? Faça-me o favor

        • janca

          Isso foi na terceira tentativa.

  • Luiz Fernando

    João,
    Acho que temos alguns pontos de vista para serem analisados:
    1 – Errar é humano e a pressão em uma olimpiada faz o atleta cometer erros que não está acostumado. Por isso concordo com você no item de psicologia esportiva, SIM ela deve ser utilizada!!!
    2 – Sem experiencia em grandes competições não se faz nada, por isso disputar outras competições importantes dentro e fora do país é fundamental. Porém aqui no país não temos grandes competições, além dos esportes que fazem sucesso, como futebol e volei.
    3 – Mostramos que com um pouco de “seriedade” e com os recursos chegando na ponta é possível sermos um país de bons resultados.
    4 – O que não podemos aceitar é atletas conceituados e com patrocinio privado abandonarem a prova por precaução de ficar machucado, como foi o caso de Fabiana Murer. Trabalho com Comunicação e se sou um patrocinador dela corto meu investimento, afinal na competição mais importante e com maior exposição ela simplesmente desistiu por precaução!!! Diferente é o caso do Diego Hipolito que, como ele mesmo falou, “amarelou”, este é um caso de psicologia!!
    5 – Assisti a uma entrevista do presidente Ari Graça da CBV, logo após a derrota da Larissa e Juliana no volei de praia e ele disse que chegou a ambas falando que a derrota era passado e que o importante era a medalha de bronze!!! Não costumamos aceitar nada diferente do Ouro, o que é um erro pois ser o terceiro não significa que você é ruim e sim que tem outro melhor que você no momento!!! Me “entristeceu” ver a entrevista do atleta do Taekwondo que disse que voltaria ao buraco por não ter a medalha.
    Porém de tudo acho que não podemos nos contentar com o importante é competir e sim devemos buscar ganhar e ser o melhor, o atleta deveria ser isso, querer ganhar sempre e esforçar-se para isso.
    Claro que se o atleta perde, por pior que tenha sido, não podemos ofende-los e nem cometer os erros que foram cometidos, pode ter certeza que a pessoa mais chateada é ele!!!
    Abraços.

    • janca

      Concordamos em alguns pontos, em outros não. Veja o caso da Fabiana Murer, que de repente pode ter patrocínios cortados. Ninguém mais do que ela queria ganhar o ouro. Não conseguiu saltar, desistiu, acontece. Talvez tenha tido medo mesmo de se machucar, não vou execrá-la por isso. No caso do taekwondo os problemas e a falta de apoio a muitos dos atletas não são de hoje. É uma realidade triste mesmo, como a de tantos outros esportes no país. E devemos saber que muitas vezes um oitavo lugar pode ser mais bonito do que um ouro. E pode mesmo. Mas ofender os atletas não. Temos que cobrar de alguns deles, sim, cobrar o que aconteceu, mas sempre de forma civilizada. Mas cobrar principalmente dos dirigentes.

      • janca

        E quando falo em cobrar eu me refiro, por exemplo, ao caso da natação. O Thiago Pereira, que conseguiu uma prata, disse que as meninas da natação não tiveram comprometimento. Isso é sério. Não tiveram mesmo? O que os dirigentes da natação acham disso? Por que não fizeram nada antes? Esse tipo de problema _eventual falta de comprometimento, por exemplo_ tem de ser analisado, pois isso sim é sério.

      • Luiz Fernando

        Janca,
        Sobre a Fabiana, eu vi a entrevista…As condições está lá para todas!!! Se o vento mudou, o que aconteceu com a que competiu logo depois? Foi lá e pulou!!!! Por isso, como profissional de comunicação e marketing, não consigo entender como não dar retorno a quem investiu tanto em uma pessoa. Tenho projetos na área de cultura, e sempre me preocupo com o patrocinador, pois no final é quem paga a conta!!! Independente de ser dinheiro público ou privado!!

        • rubens

          acho engraçado que agora aparecem um monte de especialistas em salto com vara, dizendo o que era para ser feito ou não. Pára né. Se a Fabiana não saltou é claro que foi porque percebeu q a tentativa poderia resultar em um acidente grave. Porque não aparece um especialista de verdade para avaliar a decisão da atleta? Eu sinceramente não me sinto em condições de criticar, falar é fácil mas só quem conhece o esporte que pode fazer avaliações construtivas, o resto é essa mania do brasileiro de criticar justamente quem não merece. Concordo com o Janca, se o desempenho em Londres não é dos melhores a responsabilidade são dos dirigentes incompetentes do esporte.

          • Luiz Fernando

            Rubens,
            Não sou especialista em esporte e nem quero ser!!!
            Acontece que sou especialista em comunicação e marketing e deste lado, não posso aceitar alguém com medo de perder e se machucar….Machucar-se é inerente ao esporte, se não quer, não pratique!! Temos exemplos maravilhosos de atletas que se superaram simplesmente por terminar uma prova e não ganhar….Isto é respeito a quem paga a conta, o patrocinador!!!! Não podemos responsabilizar somente os dirigentes!!! Concordo que parte da culpa é deles (como no caso do Taekwondo, ciclismo, tiros, nado cincronizado, etc). Mas em casos de atletas com patrocinio privado muitas vezes é culpa deles sim!!!!

        • janca

          Se ela tivesse saltado e não conseguido pela terceira vez seria crucificada também. E o vento pode mudar em questão de segundos. Como o comportamento de cada atleta diante de uma situação adversa, seja ventania, seja torcida contra, o que for, é única. Ela errou? Já disse que sim. Não sou o patrocinador dela. Se ele quiser cortar o patrocínio que corte, direito dele, desde que estaja estabelecido em contrato. Acho que a preocupação com o patrocinador é importantíssimo como você bem diz, seja ele público ou privado, mas se alguém vai pagar o preço pelo fracasso em Londres é ela. E que, insisto, reconheceu que errou. Falhou. Há coisas piores na vida… O fato é que faz parte do jogo. Entendo sua posição, mas neste ponto, ao contrário de boa parte das pessoas que estão comentando, vou na contramão. Abs. e bom final de tarde pra você, Janca

          • janca

            Ops, boa tarde, pois ainda demora um pouco pro final da tarde…

    • janca

      Ah! Um ponto importantíssimo em que você tocou é a experiência em grandes competições. Disputar competições dentro e fora do país. Conhecer o sistema, seus adversários, os árbitros, a plateia, o ambiente… E de uns tempos pra cá tivemos uma evolução neste ponto, que é o intercâmbio. E temos que continuar avançando para obter resultados, como aconteceu no judô, por exemplo, como acontece no vôlei há tantos e tantos anos, agora com mais ênfase no handebol, já há algum tempo na ginástica…

      • Luiz Fernando

        Concordamos nisso! De fato é fundamental e de uns anos para cá está acontecendo em alguns esportes!Abs.,

  • Rafael

    Não acho que atletas tenham amarelado Janca!

    O Atleta treina durante 4 anos para o evento, não pode simplismente amarelar, creio que o psicológico afetou bastante.
    Feio foi realmente a espanha fazer corpo mole no basquete.
    Basquete que no caso do Brasil, não me canso de elogiar, assisti o jogo contra a Argentina (que tem um time muio bom no basquete), e me orgulhei do que vi, o Brasil buscou a vitória o tempo todo, ficaram muito abatidos com a derrota.
    Não sei se passariam pelos EUA, mais que seria um jogão seria.
    Sairam de cabeça erguida e de parabéns, com direito a aplauso em pé por minha parte.
    Fiquei muito feliz de ver o jogo de basquete, handball entre outros.
    Apesar de todas as dificuldades que os esportes (exclua o futebol) passam, os atletas fizeram o possível.

    Abraço Janca.

    • janca

      Amarelar acho até possível que aconteça, por conta justamente do emocional ou do psicológico, como você coloca, mas não se trata de falta de esforço, isso não. E também gostei muito do nosso basquete, mas a Argentina mereceu a vitória. E como você acho que os atletas fizeram e estão fazendo o possível. Abs., Rafael, Janca

  • Diego

    O que acontece é o seguinte, temos atletas de alto nível espalhados no Brasil, mais como você bem disse Janca, falta o investimento necessario e o comprometimento desses pesos mortos que chamamos de políticos para peneirar e fortalecer o esporte olímpico brasileiro. O Brasil tem potencial para se transformar em uma potencia olímpica, mais só a dedicação dos atletas não é sulficiente, precisa haver dedicação das pessoas que deveriam apoiar e não apoiam, e pior roubam um dinheiro que seria destinado ao fortalecimento do esporte. Muito bom seu post Janca, cabe a nós colocarmos pressão nesses “governantes”, e não nos atletas!
    Abraço Janca.

    • janca

      É o que acho. O problema está muito mais na classe dirigente do que na qualidade e na coragem, como alguns questionam aqui, de nossos atletas. Valeu pelo elogio, Diego, abs. e bom final de semana, Janca

  • Maurício Viegas

    Janca, discordo em alguns pontos de vc. Acho que são coisas diferentes. Uma coisa é a “questão fomento ao esporte”, “massificação do esporte”, “gestão do esporte”, “definição e implantação de políticas públicas para o esporte”, etc. Outra coisa são as performances individuais.
    É claro que faz parte do esporte perder e vencer. Talvez o que tenha irritado os brasileiros em relação a determinados atletas, e eu me incluo nesse caso, esteja menos ligado ao resultado, mas à algumas atitudes e, principalmente, às “justificativas” e desculpas.
    Vejamos a Murer. Ela está lá, com um sonho na cabeça, treinou durante 4 anos para desfrutar daquele momento, e perder faz parte. Mas sequer tentar ???? Reagir quase como uma menina mimada, e alegar um motivo que era igual para todas. E todas saltaram. Será que daqui 20 anos não vai ficar na cabeça dela a pergunta: “E se eu tivesse tentado e conseguisse êxito ???”. Em saltos isso é comum. O atleta tem dificuldades com uma determinada marca, mas atinge com facilidade marcas até maiores. Será que essa duvida não irá permanecer na cabeça dela pelo resto da vida ??? Desculpe Janca, mas eu, ainda mais numa Olimpíada, saltaria até de muletas. E além disso, onde fica o espírito olímpico ? E o respeito por aquelas milhares de pessoas no estádio que pagaram caro e gostariam de ver a disputa dela com a russa (que perdeu, mas tentou) ? Acho que ela pisou na bola. Com ela mesma, e com milhões de pessoas.
    Cielo tb poderia ter simplesmente dito: “50 metros é detalhe de décimos e centésimos. Hoje outros 2 atletas foram melhores”. E ponto final. Dizer que disputar os 100 metros o deixaram cansado, e insinuando que isso poderia tê-lo prejudicado, não foi legal. O rapaz que venceu tb disputou outras provas. Vários atletas nadam uma prova e 20 minutos depois já caem na água de novo. Porque só ele ficou cansado ? A preparação foi ruim ?
    Lembro ainda Janca, que só se cobra de quem pode ser cobrado, ou seja, de quem tem qualificação para isso.
    Ninguem criticou atletas de modalidades que ainda estão distantes do pódio. Mas dos “astros” a cobrança é natural (afinal, os astros, pelo fato de serem astros, recebem atenção da mídia, grana de patrocinadores, etc). Existe uma grande diferença entre derrota e fracasso. Alguns perderam, outros fracassaram. Abs

    • janca

      Como não? Criticaram a Rafaela Silva, do judô, criticaram as meninas do handebol, se bem que quase todas têm a oportunidade de estar atuando na Europa, criticaram até a pugilista que ficou com bronze porque alguns acharam que deveria ter reclamado antes da confederação e não agora, que fica fácil reclamar com o bronze no bolso. Sobre fomento ao esporte, massificação do esporte, políticas públicas etc. etc. etc. tratei várias vezes durante os Jogos, em posts como “A base da pirâmide” e “O exemplo da Coreia”, entre outros. Sobre a Fabiana ela assumiu o erro. E como disse a Isinbayeva, outra criticada por não ter conseguido o ouro, ela, Isinbayeva, não é uma máquina. Ninguém é. Nem o Usain Bolt, apesar do feito extraordinário que conseguiu. No lugar da Fabiana não sei o que faria, então não posso julgar. Que o Cielo poderia ter sido mais humilde e dar o mérito ao vencedor e ao medalhista de prata… Concordo, poderia. E você tem razão quando pergunta se houve erro na preparação. É possível. E ele pode ter errado. Erros acontecem… Entendo quando você diz que alguns perderam, outros fracassaram, talvez tenha razão. Mas neste caso não vou atirar pedras. Acho lastimável, sim, o que aconteceu no jogo França e Espanha de basquete. Sobre espírito olímpico os espanhóis ficaram numa situação difícil. E não por patriotismo escrevo isso, escrevo porque realmente achei, é uma lástima fazerem insinuações contra a seleção brasileira. A de vôlei certa vez entregou o jogo, lembra? Feio, muito feio. A de basquete agora não. Pelo menos não a nossa. Abs.

      • Maurício Viegas

        Há que haver espírito esportivo e olímpico acima de tudo. Se amanhã o nosso time feminino de volei conquistar a medalha de ouro, será em função justamente do espírito esportivo do time americano, que poderia ter “amolecido” contra a Turquia e afastar o Brasil, que é sempre perigoso, da disputa. Pois bem, fizeram o certo, ressuscitaram o Brasil, e podem pagar caro por isso. Mas se acontecer, merecem todos os aplausos.

        A Espanha no basquete masculino, e a Noruega no handebol feminino, nem mereceriam receber as medalhas que irão ganhar. Fizeram um papelão.

        • janca

          E pior ainda a Espanha no basquete masculino ficar fazendo insinuações sobre o Brasil…

  • Marcos

    PÔ JANCA, claro né,na China a Maurren consegue perder o seu instrumento de trabalho “as varas”, como voce pode perder o instrumento de trabalho,agora não salta, a outra Murer,ganha a medaqlha de ouro,assim como o Cielo, acho eu que deveriam estar preparados para no mínimo ganhar o bronze. Pois são considerados atletas de ponta, apesar de não saber de qual ponta.

    • janca

      Você está confundindo a Murer com a Maurren, não?

      • sandrofla

        Uma correção: em Pequim um dos organizadores da prova recolheu por engano as varas de salto da Murer.
        Ela não teve culpa e isso, com toda a razão, a desconcentrou demais!

        • janca

          Isso mesmo.

  • Claudio

    Como disse em outra oportunidade, o brasileiro acompanha esporte de 4 em 4 anos, desconhece o esforço, as dificuldades que nossos atletas passam e depois acha que tem o direito de cobrar, criticar e desqualificar o trabalho de alguns de nossos atletas. Triste isso! É falta de cultura esportiva do nosso país. Lembro que no Pan 2007 eu nunca me senti tão envergonhado ao presenciar na final da ginástica artística por aparelhos brasileiros no ginásio vaiando atletas de outros países que disputavam contra os brasileiros finais. Depois, o mesmo ocorreu no atletismo. Será que em 2016 vamos vaiar Bolt e não ficar em silêncio antes de uma largada dos 100m? Será presenciaremos vaias a Roger Federer antes de seu saque? Uma vergonha imensa e que temo acontecer em 2016.

    • janca

      Imagino que não, Claudio, mas concordo com o que você diz sobre boa parte das pessoas dar a impressão de desconhecer o esforço e as dificuldades de nossos atletas, que não são obrigados a vencer. Se o Brasil ganhar amanhã do México, muitos vão dizer que futebol não vale nada em Olimpíada e que não fez mais do que a obrigação. Se perder, a casa cai. É complicado.

      • sandrofla

        …rsrsr se perder o Mano cai…!

        • janca

          Sabe que acho que mesmo perdendo ele fica? Mas é apenas impressão minha.

  • sandrofla

    Eu percebo que nossos atletas chegaram pouco empolgados nestas Olimpíadas. Uma série de fatores influenciam e o principal esta na direção do atletismo brasileiro.
    Em resumo, se o COB voar, o atleta corre mas se o COB sentar o atleta se deita.
    Incentivo ao atletismo, boa gestão e respeito ao atleta como indivíduo!

    • janca

      Confesso que não os senti pouco empolgados como você viu, mas talvez você tenha razão. E no atletismo temos muito a melhorar.

  • O Brasil é um país que vive de excessões no esporte, não tem uma política que agregue boa educação e prática de algum esporte.
    Olhe todas as nossas medalhas e o tamanho deste país: 1 medalha na ginástica por esforço pessoal!
    Nossos atletas não merecem lutar por este país, mas lutam, e ainda tem muito mal educado (também por falta de uma boa educação) que chegam a ofender com comentários sem fundamentos.
    E pra 2016 ainda será por excessão: um ou outro se destacará, porque em 4 anos não se formarão atletas com qualidade. Isso só acontecerá quando acontecer o que aconteceu na China: formação de base.

    • janca

      Em quatro anos não se fabrica medalha mesmo, Marcelo, o trabalho deveria ter começado lá atrás, mas começou muuuito devagar e com uma série de problemas, a meu ver. Pelo menos algumas boas ações pontuais nós temos. E em esportes coletivos, como o vôlei, estamos mandando bem. Aliás põe bem nisso. Chegamos a duas finais, no masculino e no feminino.

  • Augusto

    Todos tem que assumir sua parcela de culpa, os atletas que tinham chance de ganhar e que por conta muitas vezes da fama, se perdem no momento da preparação para uma olimpiada, pode ver Diego hipolito, Cesar Cielo, Fabiana Murer etc. todos aparecem nos comerciais de TV, dão um monte de entrevista e na hora da preparação ficam devendo e chega na hora não rendem nada ou muito pouco, já os dirigentes de federações tem que se explicar como se gasta tanto dinheiro das loterias, da lei de incentivo ao esporte e outros mais e não conseguimos nunca evoluir em outras modalidades, são sempre os mesmos que disputam medalhas, enquanto vemos esportes como o basquete que quase deixou de existir no país e o atletismo que não ganha quase nada, perdendo para países como cuba e jamaica é ridículo. Temos que parar de ser passados pra trás, até quando o povo brasileiro vai acreditar nestes caras, que vão fazer a Copa do Mundo e Olimpiada mais caras da história e com benefícios mínimos para o país.

    • janca

      Concordo, mas certamente não são os comerciais (a publicidade) que atrapalham os atletas olímpicos. O problema é mais sério, como você mesmo aponta. Os dirigentes devem explicar melhor os gastos. Não podem aplicar nosso dinheiro a fundo perdido, digamos assim.

  • Vinicius Posterari

    Janca,

    Eu vejo isso por dois lados. O primeiro é que é muita desculpa numa olimpíada só. As vezes me incomoda mesmo o fato de tantos primeiros de rankings mundiais não chegarem a brigar pelo ouro (Guilheiro, Canto, Murer, Hypólito, etc). Isso eu acredito que seja devido a um péssimo preparo psicológico dos brasileiros, que pode até talvez ter a ver com as participações em si, com falta de confiança (afinal, um americano é ovacionado por ganhar uma medalha, mas não vai ser ovacionado como é aqui), com uma postura errada (é difícil ver atletas argentinos favoritos, por exemplo, perderem. Talvez seja cultural, talvez seja a questão da ambição. Se o cara sabe que é o melhor, se comporta como tal. O caso do Bolt, por exemplo, salvo as proporções porque o cara é um fenômeno).

    Por outro lado, temos de pensar na estrutura. Exceto a final dos 50m, onde tínhamos Cielo e Fratus, onde mais temos múltiplos representantes com chances de medalha? Na final dos 200m ontem a Jamaica tinha só 3. Os EUA têm mais de um na grande maioria dos esportes. Isso é questão de estrutura. Isso vem junto com a emblemática questão dos fenômenos brasileiros eventuais. Isso porque, exceto futebol e vôlei, que esporte no Brasil tem grande estrutura, é jogado nas escolas e promove a descoberta de novos grandes atletas? Não podemos nos esquecer que os gênios do esporte têm um talento fora do comum, porém pra isso surgir o cara precisa, ao menos, conhecer o esporte e ter chance de praticar. Aí pensamos que, sendo o 5o país mais populoso do mundo, é inadmissível ter tão poucos expoentes nas diferentes modalidades.

    Enfim, continuo achando mais importante nos preocuparmos com o sistema educacional, mas também acredito que a partir dele podemos revolucionar o esporte.

    Abs

    • Edgard Vasques

      Concordo inteiramente com você Vinicius. O problema do Brasil é estrutura na base, na identificação e preparação de possíveis talentos nas mais diversas modalidades, não só no futebol. Se houvesse esta cultura do esporte no nosso país talvez não seria nem a Fabiana nos representando nas Olimpíadas, talvez seria uma Marcia, uma Joana… Estava vendo a ginástica com minha esposa e parei para observar que a maior parte, ou todos talvez, dos atletas americanos que lá estão não estiveram no panamericano aqui no Rio anos atrás. Em compensação, os atletas brasileiros são sempre os mesmos. As competições internas aqui no Brasil são fracas quando comparadas a outros paises. Assim, temos que cobrar é de nossos “líderes”, estes sim os responsáveis pelo baixo resultado positivo dos atletas brasileiros. E cobrar é algo que temos feito pouco por aqui. Abs!

      • janca

        Temos que cobrar de nossos “líderes” mesmo como você coloca, mas eu não me atenho ao quadro de medalhas, que para muitos está aquém do esperado. Desde o início dizia que a mim não faz muita diferença se vamos ficar com 15 medalhas, como previra o COB (teremos mais no final dos Jogos), ou com 20, como previra e esperava o governo. Não é essa a questão. A questão é que falta uma política esportiva para o Brasil, seja para a base, a fim de massificar a prática de esportes e usá-los como instrumento de inserção social, seja para o topo. Abs.

    • janca

      Concordo sobre a estrutura (ou falta dela), mas não acho que seja muita desculpa pruma Olimpíada só, como você coloca. Em 2000, quando não ganhamos uma de ouro, foram seis de prata e seis de bronze, a história era a mesma, de falta de preparo psicológico. Não acho que o Leandro Guilheiro tenha perdido por conta disso. Já o Arthur Zanetti, que não era o favorito, ganhou. Derrotas e vitórias acontecem, Vinicius. E acho que você se confundiu quando citou o Canto, ele estava como comentarista do Sportv, acho que quis se referir ao Tiago Camilo, mas também não considero que ele tenha perdido por falta de preparo psicológico. O limite entre uma vitória e uma derrota às vezes é muito tênue. Grande abraço, Janca

  • janio cesar

    Antes de recriminar e criticar um atleta, ponha-se no lugar dele. Mesmo quem nós achamos que falhou, que fraquejou na hora H, deve-se ter um porém. Imaginem a Fabiana Murer, foi massacrada por críticas oriundas de todos os cantos do Brasil. Mas, ela, que treinou exaustivamente, disputou competições internacionais e nacionais, sacrificou horas e horas de treinamento e nada conseguiu, aí vem dezenas de pseudo-comentaristas, críticos diversos e afins avacalharem ela. Como disse no início, ponham-se no lugar dela. Ela não queria sair do Brasil e passar por esse vexame. E tudo o que ela fez antes???? e todo o esforço???? Foi ela que sentiu isso, foi ela que vivenciou isso. Quando ela ganha, aí vem os aplausos, os tapinhas nas costas. Não esqueçam: As mãos que aplaudem são as mesmas que se juntam à boca e vaiam. Todos nós sabemos disso no dia-a-dia em nossos trabalhos. Se vamos reclamar de alguém, são desses dirigentes de fachada, que só passeiam pelo mundo com o dinheiro público. Pensem bem antes de vaiar……

    • janca

      Eu penso como você, Janio Cesar. Certamente ela não queria ter saído do Brasil, passado por tudo isso e agora ser julgada e criticada por todo mundo. Abs. e bom sábado pra você, Janca

  • Caro JANCA”,acertou na mosca,to revoltado sim,mas nao com os atletas,e sim ao ver o quadro de medalhas e saber que o potencial brasileiro esta muito acima disso!

    • janca

      Estaria acima disso, Roger, se tivéssemos uma política esportiva no Brasil, mas infelizmente isso não existe. Nem por parte do governo, nem por parte do COB, que vive de verba pública e “desperdiça” muito dinheiro com sua estrutura, burocracia e executivos. Sobra muito menos do que poderia para preparar atletas seja no atletismo, seja no ciclismo, seja na esgrima, seja na natação, seja nos saltos ornamentais… Política que existe há anos para o vôlei, por exemplo, há mais de duas décadas, e o resultado está aí. Abs.

  • Corinthiano da Gávea

    Dá vergonha do governo, do Ministério dos Esporte, do COB e dos de muitos atletas, principalmente das suas desculpas esfarrapadas.
    Hoje eu preciso fazer faxina em casa, dar banho no cachorro, ir ao supermercado, lavar o carro e cortar a grama, mas não vou fazer nada disso por causa do cometa Halley que passou há uns 25 anos. Sim, a culpa da minha preguiça é do cometa.
    Abraços Janca e bom fds.

    • janca

      Não exagera, Corinthiano da Gávea. Pior foi o que aconteceu hoje com nosso futebol. Que vexame!

  • Corinthiano da Gávea

    Dá vergonha do governo, do Ministério dos Esporte, do COB e de muitos atletas, principalmente das suas desculpas esfarrapadas.
    Hoje eu preciso fazer faxina em casa, dar banho no cachorro, ir ao supermercado, lavar o carro e cortar a grama, mas não vou fazer nada disso por causa do cometa Halley que passou há uns 25 anos. Sim, a culpa da minha preguiça é do cometa.
    Abraços Janca e bom fds.

  • Alberto Pereira

    A midia confunde o povo. É campeão “mundial” disso, campeão daquilo! Vcs sabem por exemplo que a dupla alemã, do voley de praia, não disputou o circuito mundial, se preparando paras os jogos? enquanto isso, os brasileiros ganharam tudo, e pronto, eram os franco favoritos!O volley de praia feminino dos EUA tambem não disputa o circuito, têm campeonato próprio, mas a midia informa isso ao povo? O nosso atletismo e nossa natação são uma vergonha, pelas condições climáticas de nosso país, era para sermos de ponta, mas mais do que outros, estes esportes refletem a saúde e educação de um país!

    • janca

      Concordo sobre atletismo e natação, discordo sobre vôlei de praia, temos ótimas duplas tanto no masculino quanto no feminino.

  • cosme

    muito se tem falado dos torcedores brasileiros nesta olimpiada,e com certa razão,os brasileiros tem exagerado na falta de educação nas redes sociais,xingamentos,ofensas de todo tipo,uma baixaria sem sentido;mas por outro lado a falta de equilibrio de nossos atletas é visível,e muitas competições os brasileiros entraram como favoritos e fracassaram vergonhosamente,CIELO,MAUREEN MAGGIE,F.MURER,,JUDO,NATAÇÃO,GINASTICA OLIMPICA,ENTRE OUTRAS,onde o brasil entrou como favorito,perdeu e feio,o que não se ve com outros países,os americanos,franceses,russos,jamaicanos e outros onde entraram como favoritos,confirmaram seu favoritismo,aos brasileiros faltou vontade,equilibrio;hoje estamos disputando 4 medalhas de ouro e não será surpresa se novamente amarelarmos,os atletas brasileiros precisam de acompanhamento psicologico para superar este complexo de viralatas,temos atletas capazes temos que fazer valer esta capacidade…

    • janca

      Mas e no caso do vôlei? E no caso do boxe? E no caso do Arthur Zanetti? E no caso da Sarah Menezes? Não vamos generalizar, Cosme, e colocar todos no mesmo saco.

  • Corinthiano da Gávea

    Juro que torci para o México.
    Se o Brasil ganha essa medalha de ouro no futebol, iria mascarar todos os problemas do esporte brasileiro.
    Há males que vem para o bem.
    Arriba México!

    • janca

      Eu não. Mas confesso que fiquei bem irritado e decepcionado com a forma como jogamos hoje…

  • Edgard

    O Brasil leve 20 atletas para ganhar 1 prata. A Jamaica leva 1 atleta para ganhar 3 ouros. O problema é o foco. Abs.

    • janca

      Mas isso é um caso particular. O que precisamos é melhorar nosso atletismo, potencial temos, faltam dirigentes, não atletas. O que falta é condição para nossos atletas treinarem.

      • Edgard

        Não vejo como um caso particular Janca. A questão aqui é que a Jamaica como muitos outros países perceberam que quando se pensa em Olimpíadas o foco tem que ser os esportes individuais, principalmente quando não se tem dinheiro para investir corretamente em todas as modalidades. Investiram no atletismo selecionando desde a base os melhores e tá aí o resultado. A verdade é que com exceção do futebol (cultura brasileira) do vôlei (iniciativa privada) e judô (tradição) não se investe em nada quando o assunto é esporte. E se não há investimento não pode haver cobrança. Quando falo em investimento não é só dinheiro, até porque não acredito que a Jamaica invista financeiramente o que o Brasil investe no esporte. Abs

        • janca

          É que estamos tratando de questões diferentes. Você está focado no número de medalhas _e concorco que se focarmos em esportes individuais tendemos a melhorar nossa posição no quadro_, eu estou mais preocupado com o esporte como política de governo. Abs.

MaisRecentes

Contas corintianas



Continue Lendo

Timão em 2018



Continue Lendo

Verdão aflito



Continue Lendo