Todos contra um



Ou seria um contra todos? Revoltados com os gastos milionários do Paris Saint-Germain, os demais clubes da primeira divisão francesa querem uma reunião com o governo para pedir urgência na averiguação da origem do dinheiro do rival.

O PSG é de propriedade de um grupo do Qatar e teria comprado o sueco Ibrahimovic e o brasileiro Thiago Silva com grana de xeiques árabes, inflacionando o mercado local.

Nas duas transações Nasser Al Khelaifi, presidente do PSG e dono do Qatar Sports Investments, teria gastado mais de 100 milhões de euros, revoltando também a ministra do Esporte, Valerie Fourneyron.

Especula-se que o atacante sueco vá receber líquidos 14 milhões de euros por ano, enquanto o zagueiro brasileiro receberia a metade. Para que isso aconteça, o PSG teria de desembolsar cerca de 35 milhões de euros, garantindo os 14 milhões de euros para o sueco. Com provável mudança da alíquota e criação de imposto de 75% para rendas superiores a 1 milhão de euros por ano, o desembolso seria superior a 50 milhões.

Só com o pagamento do salário de Ibrahimovic o PSG estaria gastando mais do que o orçamento anual de pelo menos três equipes da primeira divisão francesa, revoltando os rivais, que questionam a origem do dinheiro.

O brasileiro Leonardo, diretor esportivo do PSG, tem afirmado que a iniciativa do xeique do Qatar serviu para colocar o futebol francês em evidência. Ele tem sido muito critado em Milão, especialmente por, graças ao dinheiro dos árabes, estar tirando jogadores do Milan, time que já defendeu como jogador, técnico e dirigente.



MaisRecentes

A matemática do futebol



Continue Lendo

A melhor do mundo



Continue Lendo

Aprender a perder



Continue Lendo