Importação de craques



As contratações do holandês Seedorf pelo Botafogo e do uruguaio Forlán pelo Internacional não só esquentam o Brasileirão como mostram o potencial que têm o futebol brasileiro e seus principais clubes de importarem ótimos jogadores. Ou, dependendo do caso, repatriarem alguns.

A economia brasileira está na corda bamba, com aumento da inadimplência, redução do crescimento industrial e sérios problemas com o PIB, mas a europeia se encontra ainda pior. Só na Espanha, por exemplo, mais da metade dos times da elite está com graves problemas financeiros, o que levou ao risco de intervenção do governo. É chegada a hora, portanto, de o futebol brasileiro se apresentar como um “global trader”, ou seja, mostrar sua capacidade de negociar com o mundo todo e trazer para cá ótimos reforços.

Alguns dizem que a melhor fase de Seedorf já foi, outros acham que Forlán não é aquilo tudo, mas discordo. Seedorf tem muita experiência e muito a contribuir com seus companheiros no Fogão, enquanto Forlán há dois anos foi simplesmente o melhor jogador da Copa da África do Sul. Jogou muuuito pelo Uruguai.

Há tempos que os clubes brasileiros têm trazido jogadores que atuavam na Argentina, Chile ou Uruguai, mas dá pra notar que o momento agora é outro e podemos pensar em contratar grandes jogadores da Europa também. Inclusive sul-americanos que atuam ou atuavam por lá, como foi o caso de Forlán.

Se em outros setores da economia trabalhadores espanhóis, portugueses, italianos e gregos têm procurado o Brasil, no futebol fenômeno parecido pode acontecer. E acho que não só em relação a jogadores, mas também em relação a técnicos. Treinadores estrangeiros poderiam vir para oxigenar nosso futebol com novas ideias. Precisamos delas. Pra ontem.



MaisRecentes

O emocional, de novo



Continue Lendo

A cabeça de Neymar



Continue Lendo

Crise no Peru



Continue Lendo