Toque de recolher



Os organizadores dos Jogos de Londres têm incentivado à população a trabalhar em casa e evitar maiores deslocamentos durante o período olímpico, facilitando assim o trânsito local.

Muitos reclamam que durante a Copa no Brasil as cidades-sede irão decretar feriado em dias de jogos, além de o Brasil ter decidido antecipar as férias escolares em 2014, mas acho uma medida saudável.

Em Londres já há mais de 200 empresas de médio e grande porte que chegaram a um acordo com o Comitê Organizador Local dos Jogos e adotaram medidas pra manter boa parte de seus trabalhadores em casa durante o evento.

Segundo estimativa da organização, isso significa que pelo menos 400 mil funcionários não circularão de 27 de julho a 12 de agosto, período em que acontece a Olimpíada.

Por mais que tenha investido em transporte público, uma tradição que não é de hoje, Londres vendeu quase 9 milhões de ingressos para os Jogos, que terão ainda cerca de 225 mil pessoas na organização, e a demanda por trens, metrôs e ônibus no período não será pequena. Ainda mais porque quem tiver ingresso não pagará entrada no dia em que ele for válido.

A diferença em relação ao Brasil é que na capital inglesa os investimentos em mobilidade urbana não foram poucos, ao contrário do que acontece por aqui. Boa parte das obras pra melhorar o transporte para a Copa não saiu nem deve mais sair do papel enquanto o Comitê Olímpico Internacional já começa a reclamar da lentidão nos preparativos para os Jogos de 2016.

 



  • Alexandre

    Isso tudo cheira a improviso. Se eles tivessem investido certo em transporte público não precisariam de uma campanha “toque de recolher”. Brasil tá no mesmo caminho. Não investiu vai ter caos. Rio+20 vai dar uma noção de como tamos pras Olimpíadas.

    • janca

      Discordo, Alexandre. Uma campanha pra evitar tanto trânsito acho interessante _como acho interessante decretarem feriado em dias de jogos da Copa e anteciparem férias escolares por aqui_ mesmo com investimento adequado em mobilidade urbana. E no caso do Brasil não acho que a Rio+20 dará uma noção de como será o movimento durante a Olimpíada, um evento não tem comparação com o outro.

      • Denis

        Feriado interessante? só se for pra você que não precisa ganhar o seu dinheiro todos os dias!!!! Feriado é uma m……!!!!

        • janca

          Não em tempos de Copa, Denis, quando o trânsito nas cidades-sede pode ficar pior em dias de jogos. E preciso ganhar dinheiro todos os dias, sim, tanto que trabalho todos os dias. Mesmo em feriados…

        • janca

          E sobre feriado ser uma m… depende do ponto de vista, como disse uma atendente portuguesa, certa vez, depende do lado do balcão em que você se encontra. O excesso de feriados, sim, pode ser uma m… Mas ainda assim depende do seu ponto de vista.

          • Denis

            O problema que no Brasil já tem feriados em excesso.

          • janca

            Isso é outra questão, aí concordo.

  • Luiz Marfetan

    Alem do que gastaram uma ninharia, comparado com o que estão e vão gastar aqui. Wembley 450 milhões, zero, novo. Reforma, re-for-ma do maracana, mais de 1 bilhão. ATE AGORA!

    • janca

      Confesso que não sei quanto gastaram com Wembley, Luiz. No caso do Maracanã, juntando com a reforma de 2007, a do Pan, digo, que deixaria o estádio nas condições exigidas pela Fifa e não deixou, já se aproxima de 1,5 bilhão de reais o que está sendo gasto com o estádio. Que pode nem receber jogo do Brasil na Copa, caso a seleção não chegue à final. O que considero outro erro. O que lamento é que nem 5% das obras de mobilidade urbana começaram ainda. Especialmente pra Copa. Mas Olimpíada também tem caminhado muito devagar, tanto que o próprio COI começa a reclamar. E quem deveria estar reclamando somos nós, que pagamos a conta. Pan de 2007: orçamento multiplicado por dez, legado reduzido a quase nada e a conta? Nossa.

    • Sergio

      Wembley custou muito mais do que um 1 bilhão.

      • janca

        Mas ficou pronto no prazo previsto e não fugiu do orçamento inicial.

    • Braublei

      Wembley custou £827milhões, não sejam mal informados – são LIBRAS ESTERLINAS, OK… faça as contas.

  • Julio Gimenez

    Caro Janca, eu acredito que o Brasil fará uma excelente olímpiada em 2016, bem como uma bela Copa do Mundo em 2014. O Brasil está no caminho certo. Desde que o Lula assumiu em 2002 o país só tem andado pra frente. As vezes me preocupo sim com a organização desses eventos, pois são de grande porte e problemas podem ocorrer. Mas quando lembro que temos o PT no comando disso tudo, com pessoas competentes e sérias, fico mais tranquilo. Claro que problemas ocorrerão, mas serão minimazados pelos diversos acertos que o governo terá. O Lula é o Deus do Brasil, sem ele não seríamos nada. Temos que agradecer. É bom vê-lo recuperado para brigar pela presidência em 2014, ele tem que dar continuidade, todos os brasileiros querem isso. Um governo limpo, com alianças com pessoas sérias e trabalho a longo prazo. Não tenho dúvidas que esses eventos esportivos serão muito bons. Janca, peço que confie no PT, esse partido já provou pra todo mundo que é sério e tem uma gestão eficiente. Parem de reclamar e apoiem nosso Lula, pq ele merece o apoio de todos os brasileiros. Vamos Brasil!

    • Esse comentário não me parece sério de tão inverossímil, e o autor (com todo respeito) conseguirá, no máximo, desviar o foco da discussão.

      O problema (ou a solução) não está num partido político, posto que todos que lá estiveram, roubassem o dinheiro público. Assim sendo, a questão, ao meu ver, Janca, não é de investimento, mas sim de desvirtuamento do que deveria ser aplicado e que acaba sendo desviado.

      A Folha de ontem traz uma matéria sobre a potencial liderança sul-coreana em sustentabilidade; e por quê? Porque lá o assunto é tratado com seriedade e respeito ao cidadão, dando a ele o que é de direito e exigindo-lhe o que é dever. Enquanto isso, no Brasil, para a construção de uma simples ciclovia de 20 km, leva-se uma eternidade, há desvio de dinheiro e a obra é de péssima qualidade, incompleta e inadequada.

      Precisamos amadurecer nossa consciência social.

      Abraço,

      João Sassi

      • janca

        Oi João. Acho que é por aí mesmo, a questão, a meu ver, nem é sobre essa ou aquela sigla partidária, de uma forma ou de outra todos parece que se equivalem, umas um pouco melhores do que as outras ou “menos piores”. A questão é mais sobre políticas públicas e como implementá-las. Os entraves burocráticos ainda não um sério problema. Seu exemplo da ciclovia é perfeito. Abração e mais uma vez sucesso pro seu blog, Janca

    • nilu

      Julio vc deve estar de brincadeira, ou só lê nos jornais e na internet sobre esportes._rs
      E mesmo assim, lendo este blog, teria tido boas informações sobre as denúncias e corrupção que vem ocorrendo e já ocorreram neste governo que vc tanto elogia!!! Mas muito obrigada, vc me fez _sorrir_nessa manhã de caos em São Paulo, com chuva apenas, imagine como ficará com a Copa.
      Tenha um ótimo dia, e por experiência própria, te aconselho: muitas vezes é melhor ficar quietinho. Nilú

    • Denis

      KKKKKKKKKKKKKK… só pode ser um brincalhão… Governo mais corrupto da história!!!! Imagina quanto dinheiro desviado na copa e olimpiadas… só por Deus.

    • Tato

      Nada melhor que uma boa dose de humor para começarmos o dia, ahahahahaha. Obrigado Julio Gimenez. Agora voltemos a programação normal.

  • Társilo

    Caros Janca e leitores,

    Compartilho com vocês a preocupação com o andamento das obras para os eventos que estão por acontecer nos próximos anos no Brasil. Entretanto, gostaria de fazer aqui algumas ressalvas que talvez ajudem a elucidar uma série de pressupostos e sugestões feitas pelo jornalista e comentaristas que confundem, muito mais do que informam quando o debate precisa ter um aprofundamento maior. Não questiono aqui a opinião, mas somente aquilo que é apresentado como dado objetivo, pelo menos em tese. Para começar, a comparação com Londres é descabida completamente pelo simples fato que historicamente o investimento em transporte público de todos os tipos na capital Inglesa é infinitamente maior do que nas maiores cidades Brasileiras. exemplo disso é o tamanho da malha ferroviária urbana Londrina em comparação à cidades como Rio de Janeiro e São Paulo. Só de metrô são 402 km contra 40.9 do Rio e 74.3 de São Paulo. sendo que uma cidade do tamanho e importância de São Paulo construir apenas 2,5 km por ano de metrô e nada, zero, repito, zero em corredores de ônibus deveria servir de motivo de vergonha para seus governantes. Segundo, o estádio de Wembley custou aos cofres públicos 798 milhões de Libras, convertendo a Real na data de hoje, algo em torno de 2,5 bilhões de Reais. O estádio antigo já era espetacular, mesmo assim se deram ao luxo de reconstruí-lo. Dizer que não estamos preparados para sediar eventos de grande porte como copa e olimpíadas tem seu lado verdadeiro e crítico. Dizer que não somos capazes já vai uma distância muito grande. A preparação está em curso e não esperem um padrão europeu de organização, pois não somos europeus felizmente. Recentemente, há duas semanas o jubileu da rainha foi comemorado por todos os cantos do país e Londres simplesmente travou. Por mais eficientes que sejam os transportes, eles não deram conta. O mesmo pode ocorrer no Brasil, porém não se pode negar que os eventos apressam investimentos que talvez levassem muito mais tempo para ocorrer. Sem falar que para a imprensa esportiva não faltará pauta e empregos, uma vez que nesses tempos de crise na europa, tal oportunidade de sediar tais eventos estaria sendo comemorado, enquanto que nós aí, por razões diversas, vestimos a carapuça vira-lata que por tanto tempo nos quiseram fazer crer ser o nosso estigma.

    • janca

      Oi Luiz, ops, Társilo, desculpe. Seguinte: comparações não são descabidas, a meu ver, quando se trata de duas cidades (Londres e Rio) que vão abrigar os Jogos. Temos que respeitar as características de cada uma? Sim, claro, mas eu mesmo coloquei que o investimento em transporte público em Londres não é de hoje, os números que você apresenta apenas comprovam isso. Jamais disse que não somos capazes de receber uma Copa ou uma Olimpíada, a questão é de que forma e a que preço. Não espero um padrão europeu de organização, nem norte-americano, espero um padrão brasileiro e o padrão brasileiro pode ser de muita qualidade, sim. E concordo que por mais eficiente que seja o transporte há sempre risco de caos, mesmo com a malha ferroviária urbana de Londres, por isso acho que a campanha pra deixar os trabalhadores atuando mais em casa no período é boa, como é boa a iniciativa de feriados nas cidades-sede da Copa-2014, quando tiverem jogos, claro, e a antecipação de feriados escolares. Comemorei e continuo feliz por termos a oportunidade de receber a Copa e a Olimpíada aqui, o que lamento é o que o benefício pra população brasileira poderia ser maior e o custo, menor, e pelo jeito seguimos no caminho do Pan, com legado multiplicado por dez, no caso do Pan-2007, e legado reduzido a quase zero. É minha opinião. A sua está aí. Mas ainda há tempo de mudar. Não estou me referindo à sua opinião, que respeito, embora não seja exatamente a minha. Divergências de opinião fazem parte da vida, como costumo dizer. Ainda há tempo de mudar o rumo da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016 também. Que só não está tão em foco pois antes teremos o Mundial.

      • Társilo

        Oi Janca,

        Como você pode observar no meu comentário eu compartilho das suas preocupações, principalmente com relação aos valores e fiscalização dos investimentos feitos. Sei também que você não questiona a nossa capacidade de organizar o evento, e sim a nossa seriedade com relação à gestão de recusrsos públicos, o que eu também estou de pleno acordo. Nessas quastões o meu comentário foi mais uma argumentação aos comentaristas. Porém, no que diz respeito à comparação das duas cidades acho realmente que não se pode ter como parâmetro Londres, mesmo que a única semelhança entre as duas seja o fato de serem sedes. Sem querer ser insistente ou até mesmo impertinente, a história do investimento público é muito discrepante. O ponto de partida para se preparar para eventos desse porte não é o mesmo. A comparação poderia ser feita para com países que possuíam estruturas parecidas com a nossa antes e depois dos eventos. Com relação aos benefícios não acredito que seja possível medir ou mesmo reduzir a dados objetivos, pois outros fatores como auto-estima, orgulho, esperança também são legados importantes. Medidas como feriados e suspenção de aulas e trabalho em casa são bem vindas sim. Com relação ao legado objetivo, aí sim cabe a comparação entre Olimpíadas, Copa do mundo e Pan. Não tenho dúvidas de que em termos de movimentação econômica e oportunidades de empreendimento e empregos, os dois primeiros podem gerar muito mais benefícios. Por fim, democracia é assim mesmo. Discordaremos quase sempre, quando concordarmos o resultado é geralmente obtido com mais maturidade.
        Abraços cordiais,

        Társilo

        • janca

          Oi Társilo, entendo o que você quer dizer e acho que nossas preocupações são bem parecidas, sim. A única coisa que vejo um pouco diferente é a comparação com Londres. Acho que estamos falando de coisas distintas. Entendo quando você diz que Londres não pode ser parâmetro e estou de acordo com você. Não pode mesmo. Mas acho que alguns acertos deles podemos copiar, por que não?, e alguns dos erros podem servir de exemplo pra não os repetirmos aqui. No caso do incentivo e da campanha pra tirar gente local das ruas durante os Jogos, a campanha do “trabalho em casa”, por exemplo, acho um ponto bacana. E que pode ser usado aqui, especialmente na Olimpíada de 2016, já que não faz sentido decretar três semanas (ou quase) de feriado. Mas antecipar férias escolares sim, bem como decretar feriados nas cidades-sede da Copa quando elas forem abrigar Jogos. Abs. cordiais também, Janca

  • renato sa

    Nos cálculos de rentabilidade da Copa14 não entram os Custos destes possíveis feriados.
    Os jogos serão, em sua maioria, nas maiores cidades brasileiras, nas que mais contribuem para a geração de renda. Imagine parar São Paulo nos dias de jogos? Fábricas, Comércio, Serviços, tudo parado. Quanto se perde, em termos de produção e renda, com um dia de feriado? E serão mais de um, serão vários em um só mês.

    Fora as perdas em parar, tem as perdas em funcionar. Se é feriado, o pagamento da mão de obra é dobrado, é contabilizado como hora extra.

    Quem paga essa conta? O governo (população), a FIFA/CBF, os turistas? Perde o Brasil com esses feriados. Tudo pra que 35 – 50 mil pessoas possam ter seus 90 minutos de lazer potencializado nos estádios, enquanto milhões bancam esse divertimento.

    Sou extremamente contra os feriados. Se alguém quiser ver o jogo no estádio, saia mais cedo do hotel e de casa e vá, como é no nosso cotidiano.

    • janca

      Respeito sua opinião, mas não é a minha. O excesso de feriados no ano, sim, pode ser discutido, mas num evento como uma Copa, que acontece aqui pela segunda vez na história, não vejo problema em decretar feriado na cidade que estiver recebendo jogo. Perde-se de um lado, ganha-se de outro. E a Copa pode trazer grandes oportunidades pra muita gente, inclusive quem está no comércio.

      • nilú

        Oi João

        O comércio, pelo menos nos Shoppings de São Paulo, não fecha mais em nenhum feriado, as lojas só vão ficar fechadas, caso o sindicato dos comerciários se coloque em posição contrária e não se consiga um acordo, tudo é possível…
        O próprio funcionário, principalmente o comissionado, quer trabalhar , pois além das vendas aumentarem, creio eu, recebe outros benefícios em função da abertura no feriado, o que já acontece hoje.
        Está aí um lado bem positivo. Bom fim de tarde. Nilú

        • janca

          É verdade, Nilú. E o comércio, com a Copa, tende a ganhar muito. Seja com os turistas de fora, com os próprios turistas brasileiros, enfim, a Copa gera boas oportunidades. O que mais me preocupa é a questão do orçamento e a do legado. E você tem razão ao citar o exemplo dos shoppings. Imagino que dependendo dos feriados as vendas até aumentem, não sei, talvez você tenha uma noção melhor do que eu. Bom final de tarde pra você também, João

          • nilú

            Pois é João, mas ninguém pode pensar apenas no próprio benefício e esquecer do todo, e do todo quem entende bem é vc.
            Tem mais coisas negativas que positivas nesse processo, né? Infelizmente!
            Nem precisa responder…

            E a Ucrânia venceu!! Nilú

          • janca

            Venceu, Nilú, e mereceu. Até achava que venceria por ser o time da casa, mas também achava que a Polônia passaria pela Grécia e não passou. Amanhã que tem tudo pra ser um jogão, Polônia x Rússia, pena que só vou conseguir ver o final do jogo, mas tudo bem. E hoje valeu pelo Schevchenko, dois gols importantíssimos que entraram pra história do futebol ucraniano. João

          • renato sa

            Penso não nos grandes industriais, nem nos comércios mais bem localizados como em shoppings e locais turísticos. Penso no dono do mercadinho, lojinha ou outro pequeno comércio de um bairro de periferia. Nesses pequenos comércios, que empregam muita gente (micro e pequenas empresas concentram mais de 50% da mão de obra CLT brasileira, segundo MT) os donos recebem quase que o mesmo que seus empregados, e são esses que sofrerão tendo que dar 3 ou 4 dias de feriado em um só mês. Duvido que a Copa14 movimentará bairros de periferia.

            E do mais, se a idéia é decretar feriado para os trabalhadores não precisarem se deslocar e assim não atrapalharem o trânsito dos turistas, por que haveria de funcionar o comércio e os serviços (setor responsável por grande parte da mão de obra dentro dos grandes centros). Se estes serviços funcionarem o deslocamento da população será quase que o mesmo, só que à um custo maior (feriado = hora extra dobrada).

          • janca

            É uma situação especial, Renato. Posso estar equivocado, mas no caso do comércio e do setor de serviços, você até pode faturar mais em outros dias devido à própria Copa do Mundo mesmo, Copa do Mundo que pode ter impacto positivo em relação aos pequenos comerciantes, sim, movimentando mais bairros da periferia. Há um impacto geral, podendo estimular o torcedor/consumidor brasileiro de bairros da periferia também, por que não? Isso acontece em outros países, não tem porque não acontecer por aqui também. E quando você escreve que “se estes serviços (setor de serviços e shoppings, imagino) funcionarem o deslocamente da população será quase o mesmo”, não é verdade. Em dias de feriados “normais” o fluxo de pessoas é bem menor. E não se trata de três ou quatro feriados por cidade, há jogos que caem aos domingos. Sem dizer que, segundo sua tese, as férias escolares também reduzem o consumo em algumas regiões, como pequenos comércios perto da escola e, portanto, imagino que não deveriam ser dadas. As férias, digo. E isso faz parte da vida. Não vejo grandes prejuízos não num mês atípico em que alguns podem perder por um lado mas faturar, com criatividade, do outro.

  • Johannes

    Boa tarde João Carlos,
    Londres comprova, ao meu ver, que automóveis particulares são um veículo obsoleto para as grandes metropóles no modelo em que elas se desenvolveram, e que para se locomover em regiões superpovoadas em horários de pico é necessário transporte público de qualidade, rápido e seguro. Não dá pra fazer remendos constantes na malha viária de uma cidade sem causar transtornos imensos ao tráfego e a população. Os carros no padrão atual e seu modelo de deslocamento são um modelo falido e os fabricantes sabem disso. Mas o capitalismo é assim, você têm que vender e criar uma demanda nem que a água estoure os canos por onde passa… Acrescente-se o fato de que não se segue planejamento urbano nas grandes cidades do Brasil, molha-se a mão de fiscais e você constrói dezenas de arranha-céus em áreas de poucos quilômetros quadrados…talvez com cidades mais horizontais o carro de passeio em larga escala fosse possível…enfim ou se mudam os transportes ou os modelos urbanos…possivelmente os dois…senão trava mesmo.

    • janca

      E é curioso ver o governo dando incentivo às montadoras pra venderem mais e mais carros, o que só vai aumentar o caos nas grandes cidades brasileiras. E incentivar os cidadãos a gastarem o que têm e o que não têm, já que boa parte está no limite do endividamento, Johannes. Grande abraço e contagem regressiva, hein?, Janca

      • Johannes

        é isso João Carlos…esperando a pequenina. Abraço a você tb.

  • Sergio

    Dizer que não está sendo feito nada sobre transporte publico no Rio é uma tremenda ignorancia.
    A cidade está passando por um revolução nunca antes vista no transporte publico como o BRT e o VLT.
    Se informe melhor.

    • janca

      Está sendo feito muito menos do que poderia e do que havia sido prometido. Aliás não só no Rio, em todas as cidades-sede da Copa.

  • Rubem da Silva Moreira Neto

    eu não sei dizer em relação a outras cidades,mais aqui no rio,estão fazendo obras pra caramba,para a copa talvez nem fique tudo pronto,mais em materia de transportes publicos,dessa vez o carioca vai finalmente tirar o pé do lodo.

    • janca

      Assim espero, Tricolor. Abs.

  • Luiz Fernando

    Janca,
    Acho este assunto complicado e muitos são os fatores que interferem em um evento, quem trabalha no setor sabe, ainda mais em um evento de grandíssimo porte como é uma Copa e uma Olimpíada. Concordo que a ideia de fazer um esquema de home-office é boa e que feriado nos dias de jogos também. Problema de mobilidade todas as cidades tem os seus!!!! Podemos fazer um evento digno e com grande visibilidade, porém deveria ser do tamanho do nosso “bolso”…. Poderíamos fazer algo com um impacto impressionante para a população, o que pelo nosso planejamento não será realizado. É uma pena que vamos perder a chance!!! Abs.

    • janca

      É uma pena mesmo, mas concordo com você sobre fazermos um evento do tamanho do nosso “bolso”, dentro das nossas características e peculiaridades. Abs. Janca (Ops, quando digo características não estou me referindo ao “jeitinho brasileiro”, pelo contrário, temos muitas coisas boas a oferecer e a mostrar a quem vem de fora e podemos quebrar alguns paradigmas e alguns estereótipos, Luis Fernando)

      • Luiz Fernando

        Concordo plenamente!!! Sempre me referi a coisas boas e dentro da lei.

MaisRecentes

Contas corintianas



Continue Lendo

Timão em 2018



Continue Lendo

Verdão aflito



Continue Lendo