Hotéis Lego na Copa



Pelo menos seis dos aeroportos de cidades-sede da Copa de 2014 deverão ganhar hotéis colados neles para receber passageiros em trânsito.

Os hotéis, desenvolvidos com material sustentável, serão erguidos em módulos, numa espécie de Lego, apelido que o empreendimento ganhou de alguns.

O primeiro será erguido no Galeão a um custo aproximado de 30 milhões de reais e poderá receber até 350 hóspedes. O segundo deverá ser em Fortaleza, o terceiro, em Natal.

Guarulhos, onde fica o aeroporto de Cumbica, o principal do país, Porto Alegre e Recife estão fora do programa, pois já têm hotéis bem próximos para servir os passageiros e tripulantes, embora estudos apontem que não em quantidade suficiente.

A hotelaria segue sendo um dos principais problemas do Brasil para o Mundial e, por isso, os hotéis do tipo Lego ou hotéis-contêineres, como também são chamados, seguem como necessidade para contemplar turistas que não queiram gastar tanto com hospedagem.

A cidade com maior deficiência na rede hoteleira, por incrível que pareça, é o Rio. Só no feriado de Primeiro de Maio a cidade teve 90% de sua capacidade hoteleira preenchida e para a Rio+20, em junho, já avisou que não tem como atender a toda a demanda. Não por acaso as autoridades já pediram para a população se mexer e alugar quartos e aposentos para os turistas estrangeiros e brasileiros que vierem para o evento.

Uma oportunidade para 2014 e 2016 está aí. Mas para quem pensa em se tornar um polo turístico aplicar no setor hoteleiro é uma necessidade. Que cabe à iniciativa privada. Ao setor público, a meu ver, fica a questão da mobilidade urbana. Aeroportos e rodoviárias, inclusive. Que no Brasil seguem na Idade da Pedra. Ou quase.



  • Fernando

    Caro Janca, sou formado em administração hoteleira e vejo a questão sob dois ângulos distintos. Não sei se você viu mas na terça o secretário Carlos Minc falava da situação precária para hospedagem no Rio. Ele pedia pra presidenta Dilma intervir no setor como fez na poupança semana passada. O Rio tem cerca de 22 mil quartos e para a Rio+20 esperava-se 55 mil a 60 mil turistas. Normal em grandes eventos como esse a demanda não ser atendida e cidades vizinhas serem acionadas. O que não é normal é o dia-a-dia. Você bem disse que a capacidade hoteleira do Rio mal deu conta do feriado de 1 de Maio. Se o Brasil quer atrair turista a iniciativa privada deve investir em hotéis e o governo (isso achei que você não disse) tinha que montar uma estratégia para o turismo. Aí concordo com a sacudida pedida pelo secretário Carlos Minc. Os dois setores têm que trabalhar unidos, o público e o privado. Parabéns por levantar o assunto, Janca, Fernando

    • Fernando

      Preço dos hotéis e da hospedagem é tema que o Brasil tinha que estar discutindo há muito tempo e não está. Li que uma delegação estrangeira, da Europa, desistiu de vir pro Rio+20 reclamando do alto custo da hospedagem no Rio. Rio e São Paulo são duas das cidades mais caras do mundo. Você não pode investir apenas e tão somente em hotéis de luxo. Daí serem necessários hotéis do tipo Lego ou contêiner como você os apelidou.

      • Fernando

        Digo mais: albergues da juventude quase não existem no Brasil.

        • janca

          Vamos por partes, sua resposta foi muito complexa _rs. Não sei a que sacudida exatamente o Carlos Minc se referiu, mas acho que cabe ao governo sim preparar uma política de turismo, que não temos. E cabe investir em rodoviárias, aeroportos, estradas, transporte, mobilidade urbana. Em hotel acredito que não. É função da iniciativa privada que tem de saber aproveitar as oportunidades. E elas estão em diversos nichos, como tenho insistido aqui. Há consumidores (e turistas) dispostos a ficar em hotéis de luxo, cinco estrelas, mas há aqueles com restrições orçamentárias. Então investir em hotéis para um público com orçamento mais apertado poderia ser pensado por empresários do setor.

          • janca

            Ah! Lembrando que em Copenhagen, na Dinamarca, quando aconteceu aquela Conferência do Meio Ambiente, nem todo mundo pôde ficar hospedado na capital dinamarquesa. Por falta de quartos em hotéis. Por isso partiram para cidades vizinhas e se espalharam pela Escandinávia, o que não é anormal. Helsingborg, se não me engano é esse o nome da cidade que fica perto de Helsingor, na Dinamarca (Helsingborg já é na Suécia), recebeu uma leva de turistas durante o evento. Eles não precisam ficar agora no Rio. Uma parte pode ir pra Niterói, por exemplo.

          • RAfael

            Pois é, como você disse, cabe ao governo investir em infra estrutura, como rodoviárias, estradas, portos, etc etc, portanto, enquanto isso não existir, a iniciativa privada não investirá nem explorará o mercado potencial que é o turismo no Brasil. turistas dispostos a ficar em hotéis 5 estrelas, sim tem em todo o mundo, mas será que estes estão dispostos a ficar 2h no trânsito para visitar um museu, ou o Corcovado, ou chegar e ser assaltado nas praias e em pontos turísticos, ter que esconder sua câmera porque sabe que no Brasil ele pode ser assaltado ao meio dia em frente a postos de polícia?!?!

            Não é só de estradas aeroportos rodoviárias que o turismo precisa. Segurança é fundamental.

            morei 2 meses em Montreal e voltando de uma festa, peguei o metrô à 1h da manhã, tranquilamente algumas pessoas no vagão e vi uma menina dormindo com sua bolsa semi aberta e ninguém chegou nem peerto dela, será que no Brasil isso seria possível, começando pelo metrô funcionando pela madrugada.

          • janca

            Eu estive em Israel e tive a mesma impressão que você no Canadá. Andava tarde da noite tranquilamente, por aqui, dependendo do lugar, assusta. E à luz do dia. Segurança pública é fundamental mas não apenas na Copa, pois na Copa até acho que haverá segurança e boa, como houve em 92 no Rio, lembra? A questão não é a de grandes eventos, é a do dia a dia da população e da imagem que passamos para o mundo e para nós mesmos, que é a da insegurança, como você bem relatou aí. Abs.

  • Fernando

    Digo mais e encerro: boa oportunidade alugar apartamento para temporada ou quarto em casas ou apartamentos para turistas em eventos tipo Copa e Olimpíadas. Mas lembre-se que isso não é política pública. É um remendo pra tentar melhorar uma situação em que o setor hoteleiro falhou. Abraços

    • janca

      Aproveitando que citei Helsingborg e Helsingor, na Suécia e na Dinamarca respectivamente, são duas cidades incríveis. E você pode fazer a travessia num ferry, coisa de 40, 50 minutos. Fiz quando era criança. É muito bacana.

      • janca

        E sobre faltar política pública para o setor hoteleiro concordamos. Aliás falta política pública para quase tudo no Brasil. Em São Paulo nem se fala. Mas no Nordeste também. O Ministério do Turismo está aí não sei com que finalidade. Talvez a de ajudar a fortalecer a base aliada… Mas isso é outro assunto, outro assunto. Abs.

  • Capixaba

    Tem que investir também em mão-de-obra qualificada para o setor. Isso falta especialmente quando a gente vai pro Nordeste e pro Norte. No resto do Brasil o nível é melhor.

    • janca

      Não sei não. Depende da sua experiência. Eu fui muito bem recebido no Nordeste nos hotéis em que fiquei, tive alguns problemas no Sul e Sudeste, principalmente no interior de SP. Em Santa Catarina nada. Depende da sua referência. Mas que o Brasil, como um todo eu diria, precisa investir em mão-de-obra para o setor estamos de pleno acordo. Abs.

  • Jaison

    a fauta de hoteus eh um problema janca. os europeus que virem pra ca vao quere boas acomodassoes, eles sao acostumado com luxo…acho q vamos te dificuldades de se adapta nos padroes dos paises da europa. mas esse hoteu lego parece q pode funssionar….vai ajudar mto. agora tem q fica de olho nas reforma dos aeroportos..pq os estadio jah tao ficando bom…inclusive o do meu Corinthians…itaquerao vai fica lindo.
    Saudassoes Corintianas!
    Jaison.

    • janca

      Acho que os estádios não são nossa maior preocupação, tirando um caso ou outro, como o de Recife e o Maracanã. O que mais me preocupa é o dinheiro público torrado em todos eles. Sobre acomodações, há europeus que querem gastar muito _e hospedagem de luxo temos por aqui, não sei se em quantidade suficiente mas temos_ e há aqueles com orçamento limitado. E para esses _e um turista que não quer gastar o que não tem_ sinto que a oferta é pouco. Inclusive para os turistas brasileiros que às vezes preferem ir ao exterior e não ao Nordeste, por exemplo, porque certos pacotes pra fora saem mais em conta. Abs. Janca

      • RAfael

        Não acredito que a oferta seja pouca, mas acredita que os hotéis na época vão elevar os preços, e um hotel de 2 estrelas vai cobrar como se fosse um de 4 estrelas.

        E como você disse, é mesmo mais barato passar 1 semana na Europa ou em Cancún (casal com tudo incluso) que passar 3-4 dias no Nordeste (somente com café da manhã – individual)

        • janca

          Eu acho que a oferta em alguns lugares é muito pouca, sim, mas que os preços vão aumentar e um hotel duas estrelas cobrar como se fosse três ou quatro, de acordo, o que é uma lástima. Mas… Oferta e procura… Abs.

    • RAFA

      Meu Deus, amigo vc assassinou a língua agora.

  • Cléber

    Viajo muito a trabalho pelo Brasil e sinto falta de uma boa estrutura de hotelaria nos aeroportos do país. Em Guarulhos há algumas opções de hotel pra quem tá em trânsito, opções pra hospedagem, fazer reunião de trabalho, pois o aeroporto é tão distante que se você for pro centro pode levar duas, três horas em horários de pico. Na Europa e EUA os bons aeroportos têm hotéis não só ao redor, têm hotéis acoplados aos próprios aeroportos, daí numa escala você pode pegar um quarto e descansar por quatro, cinco, seis horas. Isso é política de turismo.

    • janca

      É mesmo e como você sinto falta disso no Brasil. E sinto que público _consumidor_ pra esse tipo de hotel não falta. Ainda mais com a bagunça que são nossos aeroportos.

  • Cléber

    Rodoviárias e estradas nem se fala. Tá acompanhando a série do “JN”? Papel da imprensa denunciar.

    • janca

      Concordo. E uma parte da série consegui acompanhar, sim. Abs.

  • Corélio

    Como construir hotéis perto de aeroportos se, muito provavelmente, serão usados aeroportos militares pra Copa?
    Tudo será feito na base da gambiarra: aeroportos militares, férias coletivas no país durante os jogos para mascarar a falta de investimento na malha viária.
    O único legado que tanto Copa do Mundo quanto Olimpíadas deixarão para o país será a conta a ser paga pela população para cobrir os cofres públicos tão roubados por políticos e empresários. Só teremos uma herança maldita com estes eventos.
    Como eu queria que fosse cancelada ao menos a Copa no Brasil…

    • janca

      Mas não serão usados apenas aeroportos militares, os “normais” também serão, mas pelo jeito não darão conta da coisa. Assim sendo os hotéis podem ser necessários sim e não apenas pra Copa. Pro ano todo, pra outras temporadas, digamos assim. E o investimento tem que ser privado. Como parece que será de fato o caso, se bem que em casos de hotéis acoplados aos aeroportos eles precisam de concessão e licença especial. E têm que passar por um processo licitatório. Sobre o resto infelizmente estou quase concordando com você, o legado será mínimo e os gastos maximizados, mas a história poderia ser diferente. E ainda pode ser. Com pressão da sociedade, como acontece no caso do Código Florestal, que alguns pontos, a meu ver, embora não todos, deveriam ser vetados pela presidente.

  • Janca, algumas observações sobre esse processo de organização da Copa:

    1 – O Governo Federal vai abraçar toda a causa. O possível uso de aeródromos militares no evento demonstra isso. Esqueça as obras de mobilidade urbana, meu caro. A partir de agora vai apenas se dar o velho “jeitinho” para que a Copa do Mundo aconteça e, sobretudo, não queime o filme da Dilma nas próximas eleições.

    2 – A conversa dos hoteis “Lego” ajudam a corroborar a tese do item 1. É solução de emergência pra resolver o que deveria ter começado a ser resolvido há tempos, precisamente quando o país se voluntariou para sediar o torneio.

    3 – Se não falha a memória, nunca ouvi ninguém na imprensa, me perdoa e corrija se estiver enganado, imputar a devida parcela de responsabilidade ao Sr. Lula pelas merdas que estão acontecendo agora, já que foi ele quem arreganhou as pernas para a FIFA, além de ter prometido mundos e fundos que o país, comprovadamente, não tinha como cumprir.

    4 – Imagina, meu caro, a roubalheira ainda maior que vai rolar com esse regime de urgência.

    5 – Como é constrangedor aquela propaganda de Ronaldo e Pelé, juntos, afirmando que o Brasil realizará a melhor Copa de todos os tempos…

    Abraço!

    • RAfael

      Acredito que o país tinha como cumprir o acordado com a FIFA, caso tivesse começado a se mexer há alguns anos, quando fomos confirmados como sede do Mundial, ou então bem antes quando fomos o único país Sulamericano a apresentar uma proposta para o Mundial.

      Agora faltando pouco mais de 2 anos, sim será tudo na correria, obras sem licitações, superfaturamento, “gambiarras”, “jeitinho brasileiro”, sujeira debaixo do tapete e o Governo achando tudo lindo porque “conseguiu” fazer “dar certo” quando poucos acreditavam que poderia ser “feito”.. e daqui outros 3 anos será a mesma coisa com as Olimpíadas no Rio, e depois com a Copa América, e assim vai…

      Fora as obras ditas “para a Copa” que só serão finalizadas após o evento.

      A copa vai ser ótima, ou melhor, está sendo.. vcs sabem para quem.

      • janca

        Concordo, Rafael, poderíamos e deveríamos ter iniciado o planejamento lá atrás. Fomos oficializados como sede da Copa em 2007, há cinco anos, mas antes disso já sabíamos que o Mundial seria aqui. Deixamos tudo pra última hora o que prejudica quase tudo, mas beneficia alguns, principalmente os “tocadores de obras”. Abs.

    • janca

      Vamos por partes, Roberto. Vou dar minha opinião sobre os pontos que você levantou:
      1) Concordo com você. O governo vai abraçar praticamente tudo e já está fazendo, inclusive construção e reforma dos estádios, o que é uma lástima. Tudo com nosso dinheiro e um legado final mínimo. Uma lástima. Teria que ser diferente. Poderia ser. E ainda pode se a sociedade se mobilizar, mas mesmo assim já entrou muita água no barco e tudo leva a crer que o exemplo negativo do Pan-2007 será repetido agora;
      2) Aí discordo. Porque seja pelo apelido, Hotel Lego, Hotel-Contêiner, o que for, acho uma necessidade e uma carência que temos não apenas para a Copa. E devemos pensar, perto ou longe dos aeroportos, em desenvolver e levantar hotéis _mas a iniciativa privada, não o governo. E no caso do “Hotel Lego” falo da iniciativa privada;
      3) Confesso que tenho minhas dúvidas sobre a avaliação na imprensa, mas minha opinião pessoal é que ele prometeu uma série de coisas e devemos arcar com grande parte delas, tratei até disso numa coluna, que depois reproduzi aqui no blog intitulada “Soberania Nacional”, com a qual imagino você não vá concordar, mas tudo bem (rs);
      4) É…;
      5) Assino embaixo, põe constrangedor nisso…
      Abs.

  • “2 – A conversa dos hoteis “Lego” ajuda a corroborar a tese do item 1. É solução de emergência pra resolver o que deveria ter começado a ser resolvido há tempos, precisamente quando o país se voluntariou para sediar o torneio.” Respeitemos a normas de concordância verbal rsrsrsrs

    • janca

      É verdade _rs. Tinha lido e passei batido no erro de concordância, que acontece nas melhores e piores famílias também _rs. Grande abraço, Janca

  • A situação no Brasil está precária, copa do mundo não é só estádios, tem toda uma infraestrutura por trás de eventos desse porte, precisamos melhor na setor hoteleiro, Transporte, Aeroportos, Saúde, e etc.
    Mas infelizmente falta muito pouco tempo para o inicio do evento, por isso deve ser feito as melhorias o mais rápido possível para não passarmos tanta vergonha .

    • janca

      Acho que nem é questão da vergonha. Mais do que isso é a questão de uma oportunidade de ouro que estamos jogando no lixo… Porque uma Copa e uma Olimpíada podem alavancar oportunidades, deixar um legado, gerar emprego, melhorar a infra, mas não do jeito que estamos nos preparando para recebê-las. Ou que não estamos nos preparando… Abs.

  • Johannes

    Boa Tarde João Carlos,
    não sei se é apenas boato mas, ouvi falar que existe a possibilidade de decretar-se feriado em dias de jogos em uma ou outra sede, para “solucionar” os problemas de tráfego…

    • janca

      Oi Johannes, boa tarde pra você também, espero que esteja tudo bem por aí… Não é boato, não, é verdade e nem sou contra isso, sou favorável, pois de fato minimiza os problemas de mobilidade urbana. Mas o legado que poderíamos ter se mexessem na infra de verdade e com preços condizentes ao do mercado ficará pra trás. E é isso que lamento. Grande abraço pra você, João Carlos

      • Johannes

        Entendo seu ponto de vista João Carlos, mediante as circunstâncias pode ser que seja a única alternativa, pois se para as delegações e autoridades os batedores resolvem ás vezes, para o torcedor comum tanto brasileiro quanto estrangeiro pode ser um baita transtorno.
        Por aqui tudo bem, graças a Deus, mais uns 40 dias e recebemos a nova dona da casa…rs

        • janca

          Show, Johannes. No fundo (e no raso também) é isso que vale na vida. Grande abraço e pelo jeito vai nascer perto do meu aniversário, João Carlos

        • nilú

          Oi Johannes!!!
          Fico muito feliz com a notícia, vc não falou mais nada e para ser sincera, fiquei meio sem jeito de perguntar !!! Como o tempo passa…
          Afinal como vai se chamar a pequena?
          Uma nova vida, pode sempre ser para todos , uma nova vida!!!
          Um ótimo momento para vcs!!!
          FELICIDADES !!!!!
          Nilú
          Ps. Vc está rindo, mas essas capetinhas , acabam mesmo tomando conta de tudo, creia!!!

MaisRecentes

Revolta corintiana



Continue Lendo

Pela saída de Levir



Continue Lendo

Apoio a Jô



Continue Lendo