Um “gringo” pra seleção



Reproduzo, abaixo, coluna que publiquei ontem no diário LANCE! e em que trato, mais uma vez, da questão do técnico pra seleção brasileira. Com a ideia, a ser debatida, claro, de trazer um estrangeiro para comandá-la.

“A seleção é um produto nacional, composta por jogadores brasileiros, mas por que não podemos ter um técnico estrangeiro a comandá-la?

Para muitos pode parecer um contrassenso, ainda mais sendo a próxima Copa do Mundo justamente no Brasil, mas não vejo assim. Seria uma forma de reciclar nosso futebol e, por incrível que pareça, voltar às nossas origens. Porque vejo boa parte dos técnicos brasileiros babando para o que é feito na Europa e tentando copiar o modelo europeu com resultados risíveis, enquanto o técnico estrangeiro poderia fazer justamente o contrário.

Como os europeus admiram nossa forma de jogar (ou admiravam) e muitos têm verdadeira adoração pela maneira como o Brasil atuou em 1970, no México, ou em 1982, na Espanha, poderiam ajudar a recuperar nossa essência.

Ótimos profissionais lá fora existem e em abundância. Para ficar em dois exemplos mais do que batidos poderíamos citar Pep Guardiola, do Barça, e José Mourinho, do Real Madrid. O argentino Marcelo Bielsa é outro que admiro muito. Qualquer um deles teria a maior honra e prazer de dirigir o Brasil no Mundial de 2014. E poderia contribuir para o resgate de nosso futebol.

Craques nós temos, vide a geração de Neymar, Leandro Damião, Ganso, Lucas, Oscar e cia., sem falar nos “velhos” Kaká e Robinho que, bem “explorados”, ainda têm muito a oferecer à seleção.

Não sou contra os técnicos brasileiros e acho que Muricy Ramalho tem feito um bom trabalho no Santos, que tem mostrado enorme amadurecimento neste início de temporada, mas neste momento não consigo ser a favor deles. É uma classe desunida, à mercê dos dirigentes e que há tempos deixou a criatividade de lado para entrar num “cientificismo” de araque.

Com todo o respeito ao Mano Menezes, para me restringir ao trabalho do atual técnico da seleção, em quase dois anos no comando ele formou um arremedo de time, uma equipe que nem cara tem, como já admitiu o próprio Andrés Sanchez, que quer acabar com o período de experiências. Mas que experiências? O vexame que passamos na Copa América? Os jogos contra Gabão, Bósnia e outras equipes do mesmo naipe quando a CBF percebeu que não tínhamos condições de enfrentar os grandes do futebol europeu sob o comando de Mano?

Temos uma Olimpíada pela frente e quase nada foi feito para preparar o Brasil para tentar ganhar o inédito ouro no futebol masculino. Deveria ser prioridade, mas a CBF chegou a dizer que não era mais, agora voltou atrás e ameaça sacar Mano Menezes se o Brasil der vexame.

Vamos a Londres sem planejamento, pois o que falta fora dos campos nos preparativos para o Brasil receber o Mundial de 2014 falta também para a seleção, tratada com todo o descaso.

Se importamos mão de obra em outros setores, por que não podemos fazer o mesmo no futebol? Técnicos de gabarito no exterior não faltam e poderiam fazer a diferença para o nosso futebol. Uma diferença de que precisamos. Para ontem.”



  • Tiago

    Idéia boa se não se tratasse da seleção brasileira. O Brasil como já dizia Nélson Rodrigues é a pátria de chuteiras. Se não podemos ter um presidente da república estrangeiro, não podemos ter um técnico estrangeiro dirigindo o Brasil na Copa. Principalmente numa Copa no Brasil como você mesmo lembrou, Janca

    • janca

      Oi Tiago. Não é bem assim. A Constituição, a Fifa e a própria CBF não proíbem o Brasil de ter um técnico estrangeiro. E podemos testá-lo na Copa do Mundo do Brasil já que nossa safra de técnicos anda de mal a pior. Faz tempo que não vejo tão fraca.

      • Tiago

        Não falo de Constituição, Janca, falo do público. Você acha que o torcedor brasileiro ia aceitar um gringo dirigindo o Brasil? Jamais. A maioria prefere o Muricy.

        • janca

          Tiago, as coisas não são estáticas, tampouco a cultura futebolística. Hoje já acho que boa parte dos brasileiros aceitaria sim um estrangeiro comandando nossa seleção. Mas não sei dizer se seria a maioria ou a minoria, como também não sei se a maioria defende o Muricy pois não tenho pesquisas a respeito. Nem sobre o Muricy nem sobre um possível técnico estrangeiro.

          • Tiago

            Valeu tar respondendo minhas perguntas e debatendo, poucos blogueiros fazem isso, Janca. Mesmo assim não consigo entender essa tese. Quase todo mundo que eu converso não aceitaria um estrangeiro na seleção. E você exagerou. Citou até o Bielsa. Um argentino. Tem que levar tudo isso em consideração. O cara pode ser bom, mas não pro Brasil.

  • Tiago

    Acha que o brasileiro aceitaria um argentino dirigindo a seleção? Nunca. Primeira derrota e o cara taria na rua.

    • Tiago

      Você citou ainda o Guardiola. Acha que ele largaria o Barcelona, o melhor time do mundo, pra dirigir o Brasil? Nunca também. Nunca. Chance zero, Janca. Sua proposta gera debate mas é utopia.

      • janca

        Não é utópica não, é viável, especialmente hoje em dia com a globalização do futebol e a escassez de técnicos de ponta no Brasil. Aliás de dirigentes idem, mas isso não é de hoje. Claro que acho que um técnico como o Guardiola e outros do mesmo nível aceitariam dirigir o Brasil na Copa. Seria um baita desafio pra eles e pra nós. E acho que valeria apostar em algo assim. Sobre o Bielsa, hoje acho que temos maturidade pra ter um argentino treinando a seleção. E gostaria de vê-lo dirigindo o Brasil na Copa, sim. Das três opções que citei, pra ser sincero, é a que mais me agrada.

        • Tiago

          Se fosse escolher entre Guardiola, Mourinho e Bielsa ia escolher o Guardiola pra seleção. Mas estrangeiro não pode. O Muricy ainda é o melhor. Abraços pra você, Janca, Tiago

          • janca

            Questão de opinião. Eu escolheria o Bielsa. E opinião cada um tem a sua. Abs. e boa quarta, Janca

  • Janca, também sou fã do El Loco Bielsa. O que ele tem feito nos últimos clubes e mesmo na seleção argentina. Eu apostaria tranquilamente nele. Acho super válido, principalmente, por isso que você disse do orgulho. Os treinadores de fora se matariam para ter essa oportunidade.

    Além disso, eles sim, buscam estudar o que acontece no futebol e conseguiriam trazer ótimas ideias para a nossa seleção.

    Mourinho não me agrada.. Mas Bielsa, Loco Bielsa, Andre Vilas Boas, Alex Fergurson, Arsene Wegner são nomes que me agradam para o comando da nossa seleção..

    Abraços!!
    http://cademeucamisa10.com

    • janca

      Oi Camisa 10. Penso exatamente como você. Pra ser sincero, apesar de considerá-lo um bom treinador, o Mourinho, pelo estilo e personalidade, não me agrada, mas sou fã do Loco Bielsa. E você tocou em dois pontos certíssimos, pelo menos a meu ver. A questão do orgulho que, por paradoxal que possa parecer, um estrangeiro poderia trazer para a seleção e para nossa torcida, e o fato de os estrangeiros se matarem, no bom sentido, claro, pela oportunidade ímpar de dirigir o Brasil. Ainda mais numa Copa no Brasil. Acho que seria demais. Pode ser utópico, como disse nosso amigo Tiago, mas utopia faz parte da vida. E se tivéssemos dirigentes mais ousados eles iriam atrás disso. De mudanças. E inovações. Grande abraço, Janca

      • Janca sem utopia não conseguimos construir nada. É lógico que nem todos nossos sonhos se concretizarão, mas somente sonhando que alguns deles acontecerão.

        Essas questões de orgulho são frutos da nossa cultura, que foi construida a base “da lei de Gerson” que apesar de entitulada para ele, vem desde o surgimento da “Ilha de Santa Cruz”. Nosso país foi criado sob o aspecto do individualismo, do cada por um si.. Isso reflete na falta de orgulho, de reconhecimento dos ídolos..

        Tem clube hoje que tem ídolo com 100 partidas nas costas, enquanto aquele que dedicou sua vida ao clube com 500, 600 partidas, mas na fase final da carreira já não correspondia tanto, foi tratado como um qualquer no clube..

        Basta ver a forma como Del Piero é tratado na Juventus..

        Abraços e vamos sonhar..

  • Martinho

    Janca, o brasileiro é muito orgulhoso pra aceitar um treinador estrangeiro, ainda mais se for argentino. Infelizmente acho que vamos ter que nos contentarmos com estas tranqueiras que temos aqui no Brasil. Muricy Ramalho? que piada é essa. Um treinador rabugento, covarde, foi tri-campeao brasileiro pelo Sao Paulo abusando da bola parada e do jogo truncado. Isso pode ser tudo, menos treinador de qualidade. Certa vez vi a declaracao de um treinador europeu de respeito, cujo nome nao me lembro, ele disse que o melhor tecnico nem sempre eh o que vence. E ele tem razao. Pergunte a qualquer entendido de futebol quem foi melhor: Parreira ou Tele Santana. Olha, o trabalho do Mano é ridiculo, mas entre ele e outro treinador brasileiro, melhor deixa-lo por la mesmo e evitar o desgaste. Se fosse pra trazer um treinador de verdade, teria que ser estrangeiro, já que no momento nenhum brasileiro está a altura de treinar a selecao mais importante do mundo.
    Abraco Janca

    • janca

      Sabe que acredito de fato que algumas coisas mudaram? Que com a globalização do futebol e os seguidos fracassos recentes de nossa seleção muita gente já aceitaria um técnico estrangeiro, inclusive argentino? Sinceramente penso assim. E seria uma forma de mexer bastante com nosso futebol e nossos técnicos também. Reciclar e, por paradoxal que seja, retomar a essência do nosso futebol. Que nossos técnicos parece que esqueceram mas muitos treinadores estrangeiros, inclusive os argentinos, não. Grande abraço e uma ótima quinta pra você, Janca

  • Elio Larese

    Parece que o pessoal que é partidário de um técnico estrangeiro no Brasil não conhece a nossa Mídia nem os nossos torcedores. Aposto que na segunda ou terceira derrota ia começar a cornetada, a partir daí a cornetada aumentaria numa Progressão Aritmética e para a mortal Progressão Geométrica seria o Fim…

    • janca

      Mas com um técnico brasileiro isso também acontece. E é um risco que deveríamos assumir pois sei que o “grito” com um técnico estrangeiro seria maior.

      • janca

        Há momentos em que vale tentar o novo. Em que vale arriscar. E no caso da seleção e do futebol brasileiro acho que o momento é agora, Elio. Abs.

  • Elio Larese

    Janca, eu quero ver algum técnico do primeiro escalão não saber da situação que ele teria aqui, logo nenhum deles viria trabalhar aqui.

    • janca

      Ah! Com certeza muitos viriam. Seria um tremendo desafio.

MaisRecentes

Saída de Lucas Lima



Continue Lendo

Dorival bombardeado



Continue Lendo

A grana de Nuzman



Continue Lendo