Estádios enxutos



Os estádios para a Copa de 2014 ficam cada vez mais caros. O último a ter o valor ampliado foi o de Brasília. Tão grave quanto é não ainda não sabermos como eles serão mantidos depois do Mundial.

Para o ex-consultor da Fifa Manoel Espezim, que me enviou e-mail com sugestões para as arenas brasileiras, as construções deveriam ter sido diferentes, atendendo às exigências da Fifa, mas também antevendo a dificuldade de mantê-las depois da Copa.

Para ele uma base de concreto para 25 mil torcedores ou pouco mais do que isso e estruturas metálicas removíveis teriam sido uma solução, embora descartadas no Brasil, com exceção para o estádio corintiano, que terá uma parte das arquibancadas para ser retirada depois. Paga, aliás, pelo governo do Estado de São Paulo, assegurando assim a abertura da Copa para a capital paulista.

Espezim lembra que na Copa Coreia-Japão viabilizar as arenas após o torneio de 2002 foi uma das principais construções ao erguê-las ou reformá-las. Na Copa dos Estados Unidos também.

Ele defende, no entanto, que a administração do espaço seja feita depois pela iniciativa privada, mas aí tenho minhas dúvidas. Acho que cada caso é um caso. Se o poder público bancou a reforma ou a construção da arena só deve transferi-la para grupos do setor privado caso o processo seja lucrativo para o governo. Se não for, não. Afinal ônus público, bônus privado, não. E é a tendência que parece prevalecer no Brasil.

 



  • Olavo

    Vinte e cinco mil torcedores é pouca coisa. Um estádio ideal tem que ser pra 50 mil.

    • Fred

      50 mil muita coisa pra cidades como Natal e Manaus, que mal têm campeonatos de futebol. A capacidade fixa tem que varia de cidade pra cidade, a demanda varia.

      • janca

        Acho que realmente varia de lugar para lugar, de cidade para cidade, talvez entre 30 mil e 40 mil lugares fixos esteja mais próximo da realidade. Abs.

  • Fred

    Orçamento sanfona dá nisso, Janca

    • janca

      Uma margem de manobra no orçamento é sempre bom ter mas até hoje, com mais de quatro anos passados da escolha do Brasil como sede da Copa, ainda não temos noção de quanto será gasto com o evento. Nem o governo tem. O que é trágico. Abs.

      • Fred

        Nas Olimpíadas também é assim, Janca. O problema lamentavelmente não se restringe à Copa, embora todos só falem nele se esquecem de que dois anos depois tem Olimpíadas no Rio.

        • janca

          Como foi no Pan. De 400 e tantos milhões de reais para quase 4 bilhões na hora de fecharem as contas…

  • Afonso

    O Brasil tá muito preocupado com estádios, o problema é outro. Transporte dentro das cidades, aeroportos crescendo com puxadinhos, segurança, sem falar em educação e saúde porque se formos falar são páginas e mais páginas de reclamação.

    • janca

      E segundo a Fifa a maior preocupação é com os aeroportos, depois hotelaria. Os estádios devem ficar OK, o problema é o que fazer com eles depois do Mundial.

  • Janca nós, brasileiros vamos ter pessimas noticias alguns dia ou meses após a copa do mundo vai ser um absrdo o tamanho da roubalheira,isto vai ser em todos os setores seja no privado ou estatal, mutita gente ficando rica e muitos outros ficando mais ricos ainda. E depois o governo vem com aquela ladainha que não tem verba para educação,saúde e outras coisas primordiais para nós contribuintes trabalhadores honestos, este vai ser o grande legado que esta copa vai deixar para o povo brasileiro.Abs

    • janca

      É, Walter, e quanto mais atrasadas as obras mais caras elas ficam. E ontem o Aldo Rebelo defendendo o uso de dinheiro público em arenas privadas. Uma vergonha. Abs.

      • Gui

        O Aldo caiu no ministério de paraquedas, porque o ministério virou acampamento do partidão. Deveriam colocar técnicos para encabeçar os ministérios, mas quando colocam os políticos reclamam e ameaçam tirar o apoio ao governo no Congresso. Somos reféns dos poíticos.

MaisRecentes

Pela saída de Levir



Continue Lendo

Apoio a Jô



Continue Lendo

Os preços da Seleção



Continue Lendo