O filho de Sócrates



Após a morte do Magrão, três pensamentos passaram pela minha cabeça.

O primeiro foi a seleção brasileira de 1982, a que mais me encantou até hoje. Seleção do povo, como Sócrates queria, verdadeiramente brasileira, não europeia muito menos de Ricardo Teixeira, como é a de hoje.

O segundo foi o horário do enterro em Ribeirão Preto, bem no início do jogo do Corinthians. O que mostra que a vida e a morte, que faz parte dela, são muuuito mais importantes do que um jogo de futebol. E que o Timão que jogou ontem, de Andrés Sanchez e Ronaldo, os dois maiores escudos de Teixeira, não era o mesmo Corinthians de Sócrates.

O terceiro foi Gustavo, um dos seis filhos do Magrão e o único que cheguei a conhecer. Seguindo os passos do pai, luta para dar voz aos jogadores, só que como advogado.

Um dos idealizadores do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo, chegamos a ter bastante contato quando eu trabalhava na “Folha”.

Gustavo sempre me lembrou mais o tio Raí do que o próprio pai, Raí que se dedica à Fundação Gol de Letra e era diferente do irmão. Mais preocupado com a aparência, por exemplo.

A última vez em que vi Sócrates, num bar da Vila Madalena, em São Paulo, ele estava com Raí, não com Gustavo. Brincava que o irmão havia pintado o cabelo e perguntava se o pessoal tinha achado legal… Coisas de Sócrates.

Não sei como era o relacionamento dos dois, Sócrates e Gustavo, mas espero que Gustavo fique bem. Que siga seu trabalho e consiga mexer, por menor que seja, na estrutura do futebol brasileiro. Que precisa tanto de mudanças. Mas isso é assunto para outro post.



  • Pedro da Fiel

    Vi agora no Lancenet seu post e achei bacana. Sou corintiano fanático, gosto do Tite, acho que o Andrés fez um bom trabalho para o Timão, mas não sei se esse é mesmo o Corinthians do Sócrates. Sou fã de carteirinha do Doutor, será que o verdadeiro Corinthians não é uma mistureba dos dois? Porque o Magrão mesmo nunca foi campeão brasileiro, tinha no currículo três títulos paulistas e era isso. Fica aqui minha mensagem pros seus leitores pensarem. Valeu!!!

    • janca

      Algumas considerações, Pedro. Não sei qual o verdadeiro Corinthians ou mesmo se há um verdadeiro Corinthians _então haveria um falso? O que sei é que simpatizo mais com o do Sócrates. E você tem razão que ele nunca foi campeão brasileiro, mas se lembre do contexto, por favor. Os três títulos paulistas que ele conquistou, em 79, 82 e 83, eram campeonatos de verdade, muito mais valorizados do que os estaduais de hoje. Os tempos e os campeonatos mudaram também… Sócrates foi um vitorioso. Não à toa estava na Cultura e na “Carta Capital”. Ou só presta quem está na Globo? Abs.

      • Pedro da Fiel

        Não, Janca. Presta quem está na Cultura e quem está na Globo. Prestava o Sócrates como presta o Andrés. Ele tem o direito de se aliar com quem quiser.

        • Alexandre

          E o Janca e qualquer outro têm o direito de gostar ou não…

          • janca

            Valeu Alexandre, pois é o que penso. O Andrés tem o direito de se aliar com quem ele quiser e nós temos o direito de gostar ou não das alianças que ele faz. Eu sinceramente não gosto. Abração pra você, Alexandre, abração também pra você, Pedro, mesmo que tenhamos opiniões diferentes, o que faz parte da vida, Janca

  • Pedro da Fiel

    Mais: na seleção é a mesma coisa. Não discordo de você, mas o Brasil de 82 não foi campeão mundial. Bem ou mal o de RT ganhou o título duas vezes. Antes que me acusem de parceiro do RT não tenho nada a ver com ele!!! Mas que ele tem um mérito de ter levado o Brasil a ganhar duas Copas do Mundo e cinco Copas Américas tem, Janca. Pense nisso.

    • janca

      Não vou dizer que título seja um mero detalhe, pois não é. Aquele Brasil de 82 não ganhou o Mundial mas fez história de verdade. E a história não é feita só de vencedores. Aliás o limite entre a vitória e a derrota é tênue. Com todo respeito ao Vampeta ele foi campeão mundial. É mais vitorioso do que Sócrates? Pense nisso…

      • janca

        Sobre RT, ganhou duas Copas com o Brasil, sim, mas quantas perdeu dando vexame? Sinto que ele tem desvalorizado a seleção cada vez mais. Enquanto os uruguaios não têm medo de enfrentar a Itália, o Brasil precisa buscar resultados contra Egito e Gabão. Alguém aguenta ver jogo deste time? Veja o que o RT está fazendo com a amarelinha, não é uma história de sucesso. E se já foi está rumando para o fracasso mais uma vez… Abs.

        • Janca, acompanhei a Copa de 2010 numa comunidade bem carente aqui de Brasília, o Varjão. E lá, ao contrário de tudo o que li e aprendi com as Ciências Sociais, não vi ali o orgulho de ser brasileiro. A cada jogo, menos torcida, menos camisas amarelas, menos interesse.

          Há poucos dias, quando o Brasil pegou Gabão e Egito, os bares de lá nem abriram… Peludinho, o dono de um deles, assim resumiu: “Ôxi, rapá! E quem é que perde tempo vendo essas coisas?”

          Ou seja, Pedro da Fiel, não perca seu tempo se iludindo com os fogos a espocar no céu enquanto cá em baixo, todos (inclusive você), ficamos com cara de pastel.

          Abraço rubro-negro,

          João Sassi

          • Pedro da Fiel

            João Sassi, seu exemplo é distorcido. Você pega a Copa de 2010, como poderia ter pego a de 1990. E em 1994? E os lindos jogos, tirando a final, de 1998? E 2002? Ao pegar o Gabão o Brasil está dando a chance de eles verem nossos jogadores, o que mostra que somos um país democrático.

    • Pedro, não quero “vencer” discussões com argumentos distorcidos. Aliás, estou me baseando numa pesquisa acadêmica, e não na minha opinião pessoal.

      Se ela valer de alguma coisa, sou da mesma opinião que Victor Birner (UOL), cuja conclusão é a de que o povo se “divorciou” da Seleção a partir de 1989, quando RT assumiu e transformou a CBF em uma empresa de negócios vultuosos e escabrosos, ao invés do balcãozinho de politicagem mantido por seus antecessores. de lá pra cá, o coração foi se esvaziando, uma vez que o torcedor passou a ser tratado como “cliente”.

      Se você nasceu em meados da década de 70 para trás, sabe do que falo, se não, talvez seja mais difícil assimilar o que era torcer para a seleça até a Copa de 82 (o Janca que o diga); uma “seleção do povo”, feita à feição daquilo que somos e almejamos ser; símbolo de um povo vira-latas renascido e moldado, agora, em traços dourados e de beleza universal. O time de 82 é mais lembrado e querido que qualquer um que veio depois. Uma título não vale mais do que o nome no Olimpo da memória coletiva. “O jogador não deve jogar pensando em vencer sempre, mas em não ser esquecido” (Sócrates Brasileiro)

      Um abraço,

      O Maltrapa

      • Pedro da Fiel

        Maltrapa, a pesquisa mais simples é a que mostra que o Brasil perdeu a Copa de 1982 e também a de 1986. Assim como tinha perdido as de 1978 e 1974. Não estou defendendo RT, mas números são números. Ganhamos em 1994 e 2002. Simples assim. Complexo de vira-latas é perder, perder e perder e dizer que pelo menos jogamos bonito. Abraço, Pedro

        • Complexo de vira-latas é achar que ganhar, ganhar e ganhar é o mais importante. Há outras formas – muito mais belas – de se mostrar a grandeza de um Povo, Pedro.

          Fique com seus números que eu fico com minhas emoções.

        • Alexandre

          Ganhamos em 94 e 2002, mas perdemos em 98 e 2010 e demos vexame em 90 e 2006.
          O saldo da era RT é tão positivo assim, Pedro da Fiel?
          E para 2014, sendo bem realista, quais são as nossas perspectivas?

          • janca

            Sei que você perguntou para o Pedro da Fiel, mas para mim as perspectivas são bem pequenas do jeito que a seleção vem se preparando. Ou não vem se preparando, eu diria. Abs. Janca

  • Pedro da Fiel

    E é nóis na fita, rumo à Liberta! O mundo nos espera! Vai Curintiá!

  • Sinto-me o filho da beleza já esquecida, da inteligência amortecida. Sou como tu e ele: sou futebol, sou arte, sou vida; sou Doutor: um ser humano de virtude; um Brasileiro de verdade.

    João Sassi

    • VASCOOOOO

      Penso que nem vc. Doutor era um só, um idealista, vai fazer falta ao mundo. Só falta mané dizer que Tite é mais importante pra história do Corinthians que o Doutor… Às vezes melhor perder com dignidade do que ganhar sem emoção.

      • Tô contigo e não abro, nobilíssimo rival! Mais vale um sonho na cabeça que uma realidade contrária aos interesses do Homem.

        O camarada da Fiel está feliz, o que é compreensível, mas um dia ele vai entender a essência do esporte e a importância de poetas, sonhadores, lunáticos e sonháticos. O idealismo do Doutor é, para mim, mais importante que os títulos do meu Flamengo.

        Tenho vergonha de ver, por exemplo, o R10 dando entrevista, pois não sai uma ideia que preste. O cara já esteve perto dos Deuses em termos de talento, ganhou tudo, mas não sabe dizer nada de relevante às nossa crianças.

        Um grande NÃO às aparências e um enorme SIM às essências!

        • Johannes

          Apóio a Sabedoria Antropólica e as palavras Malatrapilhicas !!

  • Johannes

    Bom Dia João Carlos,
    O Sócrates é um personagem único no futebol brasileiro, daqueles que enriquecem a história de um clube. Vale muitos campeonatos, um vencedor, sobretudo enquanto cidadão. Na história do Corinthians e dos grandes clubes há um monte de craques de cérebro vazio, alguns dos quais cidadãos que em nada contribuíram com a sociedade onde viveram, pessoas de ego inchado que se acham acima do bem e do mal. Como disse o Sócrates se aprende muito nas derrotas, e a vitória ás vezes enburrece.
    O Andrés Sanches teve alguns méritos como dirigente do Corinthians, a aposta no marketing e na manutenção de bons treinadores como no caso do Mano Menezes e do Tite, não resta dúvida foi eficiente sob muitos aspectos, e entende mais de futebol que a média dos dirigentes. Já em relação ao futebol brasileiro em si, prestou um deserviço ao se alinhar a CBF, que mesmo que tivesse ganho tudo que disputou não deixaria de ser uma vergonha.
    Assim que me perdoem os fanáticos por taças…Corinthiano gosta mesmo é de ser Corinthiano e foi o Doutor com sua camisa 8 e o seu jeitão único de jogar bola, que ficará como diz o hino “Eternamente dentro dos nossos corações”.. pelo menos no meu !

    • Pedro da Fiel

      Vocês todos estão distorcendo o que eu escrevi. Não falei mal do Sócrates, que é meu ídolo. Mas não dá para negar que o Andrés fez um bom trabalho. Foi o melhor dirigente que já tivemos. O melhor. Veja onde está o São Paulo hoje e onde está o Corinthians, com estádio que vai sediar abertura da Copa. Ronaldo é nosso, Adriano também, somos penta e ainda vamos conquistar Libertadores. Inveja de perdedor.

      • Alexandre

        Quem dará o estádio ao Corinthians não será o Sanchez, e sim o Erário, através de acordos espúrios.
        O Sócrates e sua memória não merecem ter fãs incapazes de entender isto, pois foi tudo contra o qual ele sempre lutou.

        • Alexandre

          Complementando: Adriano é seu, Ronaldo mais ainda. Sócrates? Nunca! Ele jogou em outra Liga.

        • janca

          De novo concordo contigo, Alexandre. O estádio está sendo erguido com verbas e benefícios públicos, o que não acho legal. Não se trata de inveja de perdedor ou vencedor, muito corintiano não tem achado bacana a maneira como o estádio está sendo construído. De onde chegam os recursos, digo. Do Erário, como colocou o Alexandre, Pedro. Pense nisso. Abs.

  • Alê

    Enquanto isso Havelange renuncia e não faz mais parte do COI. Coisa ferve… Sócrates gostaria da notícia, sempre foi contra Havelange, Teixeira, Andrés. Ronaldo não. Faz de tudo para se manter perto do poder. O “puder”…

    • janca

      Vamos ver aonde vai dar essa história do Havelange, que estaria alegando problemas de saúde, segundo a BBC, para se afastar do COI. A briga entre ingleses, Fifa, Teixeira e Havelange vai longe… E a entre Blatter + Valcke e Havelange + Teixeira, idem. A batata vai assar, não é assim que se diz? E fora dos campos Ronaldo e Sócrates viviam mundos bem diferentes. Eu era mais o do Sócrates… Abs., Alê, Janca

  • Alexandre

    “…o Timão que jogou ontem, de Andrés Sanchez e Ronaldo, os dois maiores escudos de Teixeira, não era o mesmo Corinthians de Sócrates”.
    Assino embaixo, Janca. Ipsis Literis.

    • Pedro da Fiel

      A arte de distorcer as coisas. O Timão é o mesmo de sempre, mas agora mais vencedor do que nunca porque penta brasileiro. E com estádio que vai ser sede da abertura da Copa de 2014. Alguém precisa dizer mais? Sócrates é Deus, mas Ronaldo e Andrés também são. Falei e disso, espero que entendam agora.

      • Se toda a energia que algumas pessoas gastam para tirar conclusões tão mesquinhas tivesse como fim o bem comum, Sócrates teria partido mais reconfortado.

        E nós, que utilizamos o bom senso para dialogar, e o respeito como premissa básica, gastamos a nossa saliva com troll da internet.

        Valeu, Pedro da Fiel: Andrés é nosso Deus e você é o vencedor do embate! Palmas…

        • janca

          Grande Maltrapa, discussão encerrada e vencida pelo Pedro _risos. E agora Andrés passa à categoria de Deus. E talvez o mesmo valha para Ricardo Teixeira, por que não? Com deuses como esses o Brasil e o nosso futebol estão feitos… Grande abraço, Janca

  • Ainda bem que soou o gongo… Eu já tava na lona com esse papo!

    Abraço forte e desculpe a ebulição mental!

    Abração do Maltrapa

MaisRecentes

A dívida do Verdão



Continue Lendo

O clima para Rodrigo Caio



Continue Lendo

Timão x Odebrecht



Continue Lendo