O Sonho da Copa



Quem pensa que o assunto hoje é a Copa de 2014, sonho que está se transformando em pesadelo, está enganado. É a Copa de 1930, a primeira de todas, no Uruguai.

Primeiro filme do ator sérvio Dragan Bjelogrlic como diretor, “Montevidéu _O Sonho da Copa” conta a história de 12 moradores de bairros populares de Belgrado que lutam para montar uma seleção e disputar o Mundial na América do Sul e está na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo que vai até dia 3.

Apesar de muito longo _tem 2hs20min de duração_, a obra tem cenas tocantes e mostra como das tremendas dificuldades enfrentadas pelo grupo surge uma forte amizade entre seus integrantes, elo que pode ser levado para a vida toda.

O futebol é o elemento aglutinador deste filme de ficção produzido pela Cobra Filmes, produtora de Dragan e seu irmão Goran.

E fica aqui minha lembrança de que tanto quanto a música o esporte pode ser um instrumento para levar as pessoas ao cinema e a conhecer outras formas de expressão artística.

Como a música, o esporte é elemento capaz de aglutinar e deve ser usado para inserir o indíviduo na sociedade. Mas não como tem feito o Ministério do Esporte com seu Programa Segundo Tempo, pois aquilo é para as páginas policiais e hoje nosso assunto é outro. É arte.



  • Lily Martins

    Oi João, acho que tem mais de dez filmes com a música como temática e só vi dois de futebol, o de vocês e esse uruguaio, que na verdade é sérvio (hehe). Você já colocou nesse blog mas existe uma dificuldade clara pra usarem o futebol na literatura, no cinema ou no teatro. Bom dia pra você, Lily

    • janca

      Também so vi dois, mas que futebol pode ser usado tanto no cinema quanto no teatro ou na literatura, pode. Aliás acho que já citei neste blog mas tem um livro bem interessante que coloca o Grenal como pano de fundo para contar uma bela história. Por coincidência chama-se “Segundo Tempo”, o mesmo nome do fatídico programa do Ministério do Esporte. Mas não tem relação nenhuma com a pasta. Nenhuma. Bom dia pra você também, João

      • Dani

        É “O Segundo Tempo” o nome do livro, João. De Michel Laub, ótimo escritor. Bom dia a todos, Dani

        • janca

          Deve ser _rs. Mas é muito bom, a história de dois irmãos, a relação entre eles permeada pelo Grenal do século, se não me engano. E fiquei devendo aqui o autor da biografia a que me referi num post anterior do João Saldanha. É de André Siqueira. Achei incrível. Como incrível é a de Heleno de Freitas, que vai pras telinhas, e incrível seria, pelas histórias que conheço, uma de Castilho, grande goleiro do Flu. Bom dia, João

  • Johannes

    Bom Dia João Carlos,
    O filme é uma ficção ou têm como base uma história real ?

    • janca

      Oi Johannes. Esse é uma ficção, a primeira deste sérvio como diretor. Mas tem um outro filme, que não está na Mostra, muito interessante que é um documentário. Salvo engano se chama “Mundialito”, sobre aquele Mundialito no Uruguai no início dos anos 80 e o uso que a ditadura militar local fez do evento, ganho pelos anfitriões. A Copa de 1978 daria outro documentário muito bom, se é que já não foi feito, assim como a Guerra das Malvinas. Just thinking… _rs. Abração pra você e espero que as coisas aí no Ceará andem bem, João Carlos

      • Johannes

        Bem João,
        aqui no Ceará tivemos uma greve de professores da rede estadual de ensino, que foi suspensa no Dia 7 de outubro por pelo menos um mês, pois a greve foi considerada ilegal. Embora tenham conquistado alguns ganhos significativos nas negociações os professores não tiveram todas as reiinvidicações implementadas e se reunirão novamente em assembléia até fins de novembro. Além disso a Copa das Confederações e Copa do Mundo têm sido destaque na mídia local, devido ao “êxito” de Fortaleza em relação as pretensões do Estado para a Copa do Mundo. No mais segue-se o ritmo do resto do país com suas virtudes e defeitos….ah e o Sol… chegou e não vai embora tão cedo…Viva o Ar-Condicionado !

        • janca

          Risos (pelo viva o ar-condicionado). No Sudeste o tempo está nebuloso… Abs.

  • Nilu

    Quase boa tarde…
    Mudando um pouco o papo e indo para o assunto que eu mais gosto que é música, ouvindo a trilha sonora de ” Sobre Futebol e Barreiras”, sai por um momento do conflito Israel/ Palestina e fui para o Hawai…rs. Fácil assim, pois adoro um músico de lá chamado Keola Beamer, que tem um som muito parecido, uma música que relaxa e emociona. E isso também acontece com a trilha do filme, mesmo tendo um argumento duro. Boa tarde. Nilú

    • janca

      Não conheço o Havaí, mas acho a trilha sonora incrível. Incrível mesmo. Valeu pelo comentário, Nilú, boa tarde pra você também, João

  • Nilu

    Voltando ao filme de vcs, fiquei curiosa para saber qual o critério usado na escolha dos “personagens”, acho nesse ponto muito mais empenhativo e trabalhoso realizar um documentário que uma ficção. Não sei até que ponto vcs puderam envolver com aquelas pessoas dentro e fora das filmagens, mas achei tudo muito natural por parte deles. Me impressionou de verdade. Valeu e muito ver o filme. Outra coisa, nunca fui pro Hawai..rs, mas o Havaí é aqui, o CD se chama “Malina Kea” uma delícia. Nilú

    • janca

      Na verdade, Nilú, escolhemos uma gama maior de personagens e fomos vendo quais rendiam mais, foram personagens que o grupo conheceu lá, alguns que o Arturo, um dos diretores, havia conhecido em viagem anterior, indicação de amigos… Eles tinham que ter alguma ligação com o futebol, mesmo que fosse de antagonismo _rs. E todos se comportaram mesmo de forma natural e espontânea, foram horas e horas de filmagem… Horas e horas mesmo. João

      • janca

        Mas sabe que adorei mesmo a trilha sonora e a fotografia? Claro, a história de cada um dos personagens é riquíssima, mas como você mesma já disse a trilha também. João

MaisRecentes

Protestos à vista



Continue Lendo

Ajustes no São Paulo



Continue Lendo

Mattos em xeque



Continue Lendo