A audiência corintiana



É certo Corinthians e Flamengo receberem cotas de TV maiores do que São Paulo, Palmeiras, Santos, Vasco, Fluminense e Botafogo, por exemplo? Creio que sim. Porque como os dois times mais populares do Brasil dão mais audiência. Aos demais cabe inovar e tentar faturar mais com outras possíveis fontes de renda.

Lembro de um episódio quando trabalhava no Sportv e o Fluminense faria o primeiro jogo da final da Libertadores contra a LDU, em junho de 2008.

A pedido da Globo, a partida do Corinthians contra o Bragantino foi antecipada para a quarta, mesmo dia do jogo do Flu. Assim pôde ser transmitida para a capital paulista enquanto os cariocas viam o confronto no Equador.

Na ocasião achei uma besteira, pois acreditava que a primeira partida da final da Libertadores, mesmo não envolvendo um time paulista, deveria ser exibida para SP. Achava que poucos veriam o jogo do Corinthians, válido pela Série B do Brasileiro e disputado em Ribeirão.

Mas a cúpula de esporte da Globo, muito mais experiente do que eu, mostrou ter acertado na decisão. O jogo do Corinthians foi o mais visto no horário, dando picos de quase 35 pontos de audiência. Repito: válido pela Série B e contra o Bragantino. Mas do outro lado tinha o Timão.

Detalhe: no jogo de volta da decisão da Libertadores aí sim a Globo exibiu também para SP o jogo do Flu. Deu LDU. E que eu me lembre a audiência não bateu a do jogo do Corinthians na semana anterior.

 



  • Barcelusa 2011

    O Corinthians pode dar muito mais audiência, mas hoje o dia é nosso, João. Mais três pontos e voltamos à Série A. Eu dizia. Conseguimos. Parabéns pra nossa Lusa! Bom sábado, Barcelusa 2011

    • janca

      Parabéns mesmo, Barcelusa. Ontem o time sofreu no primeiro tempo, poderia ter levado uns dois gols do Salgueiro, mas reagiu na etapa final, graças à maior habilidade individual de seus jogadores, e venceu nos instantes finais, uma resultado sensacional. Agora está a um passo da Série A. Não sei se precisa de “apenas” mais três pontos, prefiro pensar em seis. Ou em disputar com muita força os 27 restantes (27 pontos em jogo) para assegurar o título da Série B. Que seria importantíssimo para o time. Abs. João

  • Francisco José

    Lembro destes jogos. Como santista preferia ter visto a final da Libertadores. Ridículo a Globo ter mostrado o Corinthians. Não pensou nos torcedores dos outros times pra variar. Ridículo.

    • janca

      Pensou na audiência. E TV é comercial, natural que seja assim, ainda mais em TV aberta. Sobre torcedores de outros times, não faltam os que acompanham o Corinthians também. Para secar. E a finalíssima da Libertadores, vencida pela LDU em pleno Maraca, a emissora mostrou, sim. Abs.

  • Peter

    Se Corinthians e Flamengo ganharem mais porque os dois têm mesmo as maiores torcidas o Brasil vai virar uma Espanha, país de dois times só. Tem campeonato mais chato do que o espanhol? Ou da Real ou da Barça. Um tédio só. Temos que funcionar como os Estados Unidos, que são um exemplo para um mundo. Tudo controlado. Nenhum time pode ganhar mais do que X ou menos do que Y. Todos ficam na média e há o equilíbrio.

    • Fabrício

      Você quer que os times que têm menos torcida ganhem mais? E desde quando os americanos são o padrão pro mundo quando se trata de futebol?

      • Peter

        Não, quero que haja equilíbrio nos campeonatos. E os americanos são um padrão de excelência quando o assunto é esporte ou até hoje você não percebeu isso? Veja a NBA, meu filho. Aprenda um pouco sobre esporte.

        • janca

          Já metendo o pitaco na discussão de vocês, acho mais do que legítimo Corinthians e Flamengo quererem mais dinheiro da TV por darem mais audiência. E aos outros clubes cabe usar a cabeça para faturar mais de outras formas ou angariar, pouco a pouco, mais torcedores e adeptos, como aconteceu com o São Paulo nos anos 80/90 e o Santos na época de Robinho e agora com Neymar. E também não acho que o modelo americano deva ser importado para o Brasil. Não vejo risco de o Campeonato Brasileiro virar um Campeonato Espanhol, disputado por duas equipes em condições de levantar o caneco. Mas que tudo está muito concentrado no eixo Rio-SP está. Abs. aos dois e bom sábado também, claro

  • Alexandre

    Janca,
    Na minha opinião você parte do pressuposto errado. O de que a cota deve ser proporcional à audiência.
    Quem defende esta prática não percebe que em um campeonato, o produto a ser vendido e valorizado não são os clubes e sim o campeonato em si (ninguém joga sozinho!).
    E é muito fácil demonstrar que, quanto mais equilibrado for o campeonato, maior o seu valor comercial (e esportivo) e, consequentemente, maior será a cota paga a TODOS os clubes.
    Pagar cotas muito diferenciadas só atende aos poucos “escolhidos” (no caso, Flamengo e Corinthians) e, evidentemente, à detentora dos direitos de transmissão, que tem de pagar um bolo muito menor e explora “ad eternum” a audiência fácil dos clubes mais populares, sem precisar promover realmente o produto-campeonato (televisionando jogos de todos os clubes). Os outros 18 clubes e o campeonato como um todo só têm a perder.
    Ou seja, se está defendendo o que é bom para a Globo, no caso, e não o que é bom para o Campeonato Brasileiro. Por isso, ao implodir o Clube dos 13, adotou-se a prática do “dividir para governar”.
    Os efeitos a longo prazo desta decisão são facilmente verificáveis: ganha mais quem tem maior audiência, contrata mais craques quem ganha mais, tem maior audiência quem contrata mais craques,…É um círculo vicioso cujo resultado mais eloqüente é “La Liga”.
    Quer um modelo de sucesso? Não precisamos “copiar” os esportes americanos, basta nos espelharmos na muito bem sucedida Premier Ligue: http://www.futebolfinance.com/as-receitas-tv-dos-clubes-da-premier-league-em-201011
    Por fim, não poderia ser mais equivocada sua afirmação: “Aos demais cabe inovar e tentar faturar mais com outras possíveis fontes de renda”, pois é justamente nas demais fontes de receita que os clubes com mais torcida podem e devem lucrar mais que os demais: venda de camisas e produtos em geral, bilheteria, pay-per-view, sócios-torcedores,etc, ou seja, eles precisam (ou deveriam precisar) menos da renda de TV que os demais, pois tem maior potencial que os demais.

    • janca

      Muito obrigado pelas valiosas informações, Alexandre, mas continuo achando que o campeonato pode seguir equilibrado com poucos escolhidos, como você coloca, recebendo mais por suas cotas. Mas o dividir para governar é perigosíssimo e aí estou com você. Os clubes poderiam negociar em conjunto e acertar a distribuição da verba proporcionalmente entre eles, Corinthians e Flamengo, por mdarem mais audiência, recebendo um valor maior, como acontecia antes também com São Paulo e Vasco, por exemplo. O Santos recebia menos e lutava para receber mais, um direito que considero justo. Grande abraço e volto a seu comentário depois, Janca

MaisRecentes

Apelo dos santistas



Continue Lendo

Estrelismos no Verdão



Continue Lendo

Uma zaga para o Fla



Continue Lendo