Jogar para os fantasmas



Fico pensando o desafio que deve ser atuar no Duque de Caxias, lanterna da Série B e já quase rebaixado para a C, embora ainda faltem 16 jogos para terminar sua participação na segundona.

Em 22 partidas o time conseguiu apenas 9 pontos. Na última terça, fez o duelo dos piores. Enfrentou o Salgueiro, em Volta Redonda, aonde manda seus jogos, saiu na frente, mas “permitiu” a virada do rival, que segue em penúltimo, agora com 19 pontos, dez a mais do que o Duque. Lembrando que os quatro piores caem para a terceira divisão do ano que vem.

O estádio deserto, deserto, deserto. Apenas 53 pagantes testemunharam a tragédia do Duque de Caxias.

Enquanto a imprensa exalta o São Paulo de Rogério Ceni, que com muitos méritos e para minha surpresa chegou à liderança provisória do Brasileirão, já que vinha fazendo campanha irregular no campeonato, ninguém fala do Duque de Caxias.

Fico pensando o que deve ser levantar da cama, treinar, entrar em campo, viajar, sabendo que o fim parece próximo. Pelo menos o fim neste campeonato, em que o time vai de mal a pior. Como deve ser difícil se preparar para um jogo sabendo que não haverá mais do que 50 torcedores presentes. Jogar para os fantasmas.

Aonde encontrar motivação? Porque a motivação estava lá. Quando marcou seu gol, não faltou vibração ao Duque de Caxias, seus jogadores comemoram muito, olharam para os céus, agradeceram…

Então penso nas palavras do escritor Michel Laub, que escreveu um livro sobre futebol, assunto que ele mesmo chama de público, tendo o Gre-Nal como pano de fundo. Para ele o que vale na obra, “se é que algo vale”, como disse o autor a “O Globo” e eu digo que vale, são os dramas individuais que se relacionam com o todo.

Também penso assim. Mais do que a história de cada um dos mais de 60 mil torcedores que foram ontem ao Morumbi fico curioso com a dos 50 e tantos que acompanharam o jogo dos lanternas da Série B.



  • Johannes

    Bom Dia João Carlos,

    No caso do Duque de Caxias acho que o que se resta é lutar pela dignidade mesmo, senão creio que para esses profissionais tudo perderia o sentido. Acho que há dias em que o ser humano têm que esquecer seus fracassos e lembrar de tantas histórias mais sofridas e agradecer por estar vivo e saudável sabendo que pode olhar pro futuro e tentar de novo, aí levantar a cabeça e resgatar a auto-estima. Sobre os 50 pagantes….como já morei em interior sei que têm dias que o ser humano não têm nada melhor pra fazer e absolutamente não aguenta ficar em casa sob o risco de almoçar pra esperar a janta…. Também me fez lembrar do Silvio Luís, na minha opinião o melhor narrador para se assistir esse tipo de jogo na TV, pois com sua tiradas ele conseguia tornar engraçado o que era tedioso….fazia rir de um Bandeirante de Birigui x Catanduvense.. de maneira que voçê acabava até não mudando o canal só pra ouvir as pérolas …

    • nilu

      Johannes, lindo e correto esse seu pensamento , nada mais precisa ser dito. Toda vida pode valer a pena! Um bom dia, tarde. Adorei isso de verdade!!!

      • Johannes

        Valeu Nilu, é sempre bom trocar uma idéia aqui no Blog do João Carlos ele sempre tá postando coisas interessantes e relevantes . Um abraço a você.

        • janca

          Eu que sou grato à participação de vocês dois no blog. Mais uma vez meu muitíssimo obrigado, João Carlos

  • janca

    Você tem razão, Johannes, mas fico pensando _no jornalismo sempre pensei nesse tipo de coisa_ no número de histórias bacanas que um jogo como este _Duque de Caxias x Salgueiro_ não traz pra gente. Histórias de vida. E você citou bem o papel do narrador e do comentarista, você tem que tratar de forma diferente este tipo de jogo. Como jornalista eu sempre consegui, como comentarista no início tinha dificuldade, mas depois fui aprendendo a tornar divertido o que poderia parecer tedioso. E não acho vergonhoso vestir a camisa do Duque de Caxias neste momento. Acho algo muito meritoso (é assim que se escreve?), tenho o maior respeito por estes jogadores, como pelos do Guarani, que tanta raça estão dando e, dizem, sem receber salários há três meses. Abs. e obrigado pelo comentário, João Carlos

    • Johannes

      é verdade João, A parte da Série A e também da Série B onde o nível salarial costuma ser de bom a excelente, tem aí um Continente de Clubes menores no Brasil com suas histórias e seus personagens, como você disse com muita propriedade, são histórias de vida…milhares delas no campo e nas arquibancadas. A Espn Brasil têm aquele programa com o Helvídio Matos…Histórias do Esporte… que vai nessa linha que você destacou e que você gosta…também têm um muito legal que é o Brasil da Copa do Brasil…

      • janca

        Tem razão, Johannes, e quem vai muito nessa linha também é o excelente jornalista Xico Sá, que tem acompanhado o Santa Cruz na Série D. Personagens da bola no Brasil não faltam. E personagens interessantes. Grande abraço, João

  • Alexandre

    O mundo não é feito só de vencedores, mesmo a história sendo escrita por eles. Parabéns por se lembrar de quem está lá embaixo, caro Janca. Abraças e parabéns também pelo blog, muito interessantes seus textos. Alexandre

    • janca

      Concordo, Alexandre, sobre a hsitória ser escrita pelos vencedores, mas pense numa coisa: Quem disse que vencedor é que está necessariamente em primeiro? Não serão vencedores estes jogadores do Duque de Caxias? Não serão eles os heróis? A vida é um paradoxo, amigo. Obrigado pelos elogios ao blog e pelo comentário, abs. Janca

  • Fábio

    Ainda dá para o Duque de Caxias subir. Você fala como se não tivesse 16 jogos pela frente. São 48 pontos a disputar, pensou nisso?

    • janca

      Claro, que dá pra subir ainda dá. Mas um time que fez 9 pontos em 66 disputados, está a 10 do penúltimo colocado, sendo que caem 4 para a Série C… A esperança é a última que morre, mas essa está quase acabando, né? Estou sendo realista, apenas isso. Que seria legal uma reação, seria, mas considero quase impossível. Abs.

  • TRI MUNDIAL DOOM

    É Q PRA BLATTER O RIO É O FUTEBOL NO BRASIL…POR ISSO O DUQUE DE CAXIAS SOFRE TANTO…

    • janca

      Não provoca os cariocas… O Rio está péssimo na Série B, com o Duque de Caxias, os paulistas vão bem, com Portuguesa, Ponte e Americana, mas na Série A a campanha dos cariocas é muito boa. Botafogo e Vasco brigando pela liderança, o Flamengo caiu de produção, é verdade, mas o Fluminense vem subindo. Se bem que Corinthians e São Paulo também estão na disputa pelo título, firmes e fortes, o Santos é campeão da Libertadores, está pensando no Mundial, e o Palmeiras que não consegue se firmar, deixou escapar dois pontos incríveis contra o Atlético-PR. É, o futebol não é mesmo só no Rio, como quer Blatter, mas que lá está forte, está. Como em São Paulo. No momento são paulistas e cariocas brigando pelo título e por vagas na Libertadores, com o Inter correndo por fora. Abs.

MaisRecentes

Nova zaga são-paulina



Continue Lendo

O futuro de CR7



Continue Lendo

Luxa sob pressão



Continue Lendo