Oscar, Henrique e Gabriel



À noite e o começo da madrugada foram de Oscar. Herói do penta do Brasil no sub-20, três gols, belíssima atuação, jogador talentosíssimo.

Henrique e Gabriel, que tanto elogiei em um dos posts anteriores, não foram brilhantes tecnicamente na decisão. Henrique perdeu gol incrível no finalzinho da prorrogação, Gabriel falhou no segundo gol português. São coisas que acontecem. Sigo elogiando a dupla pela garra com que atuam e atuaram novamente na final.

A seleção de Ney Franco está de parabéns. Ele soube conduzir bem o grupo, já tinha conseguido a vaga para a Olimpíada de Londres, tem que seguir seu trabalho, é um ótimo treinador. Que Mano Menezes aprenda um pouco com ele, fica aqui meu desejo.

Ney Franco e seus comandados, que choraram muito com a conquista, estão no caminho certo. É uma geração que promete.

Gostei de ver a calma de Ney Franco no banco mesmo quando os portugueses venciam por 2 a 1. Passou um pouco de serenidade à molecada. E mostrou que calma é diferente de apatia.

Apatia é o que Mano demonstrou na Copa América. E seus jogadores também. Apatia, falta de vontade e resignação.

Felizmente a nova geração parece estar com outra mentalidade. Que não seja contaminada pelo espírito da seleção principal. Não, isso não. Merecemos coisa melhor.



MaisRecentes

Seleção magoada



Continue Lendo

O emocional, de novo



Continue Lendo

A cabeça de Neymar



Continue Lendo