Record volta ao ataque



A Record deve voltar ao ataque. A emissora, que vinha denunciando negócios de Sandro Rosell, o presidente do Barcelona e ex-representante da Nike no Brasil, quer voltar a explorar a amizade do dirigente com Ricardo Teixeira para esmiuçar os negócios do espanhol com a seleção brasileira.

Rosell seria um dos sócios da empresa investigada pela polícia na apuração de mais de 9 milhões de reais saídos dos cofres do Distrito Federal por conta do amistoso Brasil 6 x 2 Portugal, em novembro de 2008. A empresa teria sido constituída com capital social inferior a 1 mil reais pouco mais de um mês antes do jogo. Sem licitação, ganhou “de presente” a montagem da festa e da partida, causando rombo aos cofres públicos.

Graças a Teixeira, Rosell teria conseguido a “conta” do amistoso. O ex-representante da Nike, no Brasil, negou ter négocios no país e tem dito que se trata de uma briga comercial entre Globo e Record que levou seu nome à mídia.

Procurada pelo blog, a assessoria de imprensa da CBF reafirmou que não é Teixeira, mas uma empresa no exterior quem negocia os amistosos da seleção. Não se pronunciou sobre o fato de Rosell ter acesso facilitado à concentração da seleção brasileira na Copa América, onde estaria tentando convencer Neymar a defender o Barcelona e não ir para o Real Madrid.



MaisRecentes

Haja coração!!!



Continue Lendo

Cânticos brasileiros



Continue Lendo

Seleção no divã



Continue Lendo