Marta e o Turismo



Não, não quero entrar na polêmica das prisões ligadas a escândalos no Ministério do Turismo, embora faça duas observações. A primeira é que, por mais que possa ser criticado neste espaço, acho constrangimento imoral o vazamento das fotos dos presos, processo parecido com o que viveu o ex-prefeito Celso Pitta, detido _e algemado para a imprensa ver_ há alguns anos. A segunda é que temos que ter cuidado com escutas telefônicas, pois algumas _não todas, mas algumas_ podem ser tiradas do contexto e o contexto é importantíssimo para entendermos melhor dada situação.

Como digo que o contexto é importante, quero salientar que votei várias vezes em Marta Suplicy, inclusive para o Senado e para a Prefeitura de SP, em Gilberto Kassab não votaria de jeito nenhum. Tampouco tinha a menor simpatia por Pitta, que citei anteriormente e em quem nunca votei nem votaria, embora minha grande ojeriza, apesar de não a conhecer pessoalmente, seja por sua ex-mulher, Nicéia Pitta.

Em relação à Marta, apesar de ter votado nela, tenho uma série de restrições. Comandou o turismo e não foi boa ministra. Aquela frase no mínimo infeliz _”relaxa e goza”, foi mesmo isso o que ela disse?_ revela, antes de mais nada, total desconhecimento do que é o turismo no Brasil. Pois para ela parecia ser apenas o de lazer, quando hoje _e São Paulo é prova disso_ o turismo de negócios é fortíssimo. Ela não levava isso em conta? O que fez para diminuir o caos aéreo, por exemplo?

Mas como prefeita acho que foi a melhor _ou menos pior, sim menos pior é melhor (rs)_ que SP teve depois de Luíza Erundina, a melhor prefeita da capital paulista dos últimos tempos.

O turismo é um dos pontos cruciais a serem trabalhados por conta da Copa de 2014 e dos Jogos de 2016. Mas alguém sabe o que foi feito até agora? Se souberem, me avisem, por favor, pois não vejo um planejamento para a pasta. Não vejo nada, tirando as denúncias de corrupção.

Termino este post citando trecho da coluna de Marta Suplicy, sim, a senadora voltou a ser colunista da “Folha”, em que ela diz: “Um sistema (ela se refere ao londrino, por conta dos distúrbios na Inglaterra) que desemprega e humilha nos faz entender o porquê de uma multidão obedecer a um tuíte… (e badernar).” Encerra falando do Brasil, um país, segundo Marta, em que “ainda existem possibilidades de oportunidades e ascensão social”, pois “o futuro da juventude brasileira não é de declínio, é de esperança”. Ela vive no Brasil??? Não sei, mas entre ela e o Kassab ainda votaria nela. Se bem que prefiro Fernando Haddad como o candidato do PT e uma hora explico o porquê. Ou explico agora. Porque creio que ele investiria forte em educação, como fez Erundina há duas décadas. O Brasil precisa disso: educação, educação, educação e saúde, claro.



  • João Felipe Silva

    O mais grave é ela falar de Londres como se no Brasil não tivéssemos casos de violência um atrás do outro, a morte da juíza em Niterói chocou o Brasil e o mundo, acabou de acontecer, será que ela falou sobre isso?

  • janca

    Sobre isso não, João Felipe, pelo menos não que eu saiba. Abs. João

MaisRecentes

Estrelismos no Verdão



Continue Lendo

Uma zaga para o Fla



Continue Lendo

Vanderlei na Seleção



Continue Lendo