A Copa de 1986



Ainda adolescente, a Copa de 1986 foi a primeira das cinco que acompanhei in loco. E foi uma das melhores, apesar da eliminação do Brasil nas quartas-de-final. Mas caímos num grande jogo, em pênaltis vencidos pelos franceses.

Eram outros tempos, não sei se melhores ou piores, outros tempos… O torcedor que estava no México entrava à vontade na concentração da seleção, conversava com os jogadores, tirava fotos com eles, acompanhava outros jogos pela TV ao lado dos atletas…

No hotel em que estávamos apareciam Sócrates, Casagrande, o goleiro Paulo Victor, que iam visitar familiares, não havia o cerceamento da imprensa que há hoje, centenas de assessores, assessores de assessores, seguranças, isso e aquilo.

E éramos tratados como reis pelo povo mexicano, a ponto de um amigo ter ficado mais de duas horas numa praça dando autógrafos aos torcedores locais. Mesmo dizendo que se tratava de um “simples” torcedor, não de um jogador. Não importava, era brasileiro, queriam um autógrafo dele.

O mais bacana é que ficamos amigos nesta viagem, logo no desembarque em Guadalajara e mantivemos a amizade, mesmo ele morando no Rio, eu e meu irmão, que viajamos juntos, em SP. E seguimos amigos até hoje, 25 anos depois, ele no interior de SP, eu na capital paulista, depois de ter passado dois anos no Rio, quando ele já não estava lá.

Médico, profissional competentíssimo e humano, é pai de duas crianças maravilhosas e uma das pessoas mais decentes que conheci. Um dos meus melhores amigos. Não nos encontramos muito, mas a amizade é a mesma. Daquelas que você sabe que não vai acabar nunca.

Volta e meia ele aparece e comenta alguma coisa no blog. Chegou a se desencantar com o futebol, muito por causa dos nossos cartolas, depois se encanta novamente, desencanta-se mais uma vez, mas no fundo sei que não perde a garra e a vontade _e luta para isso_ de ver nosso futebol em melhores mãos.

Ah! Ainda nos encontramos em outras Copas, em 1998, na França, em 2002, no Japão, e em 2006, na Alemanha. Grande amigo, grande ser humano, o lado bom do futebol, um esporte que pode unir as pessoas, tecer e fortalecer amizades. E só para mostrar como somos “das antigas” _risos_, em 1986, acreditem ou não, Ricardo Teixeira não era presidente da CBF. Se bem que seu então sogro, João Havelange, já mandava e desmandava na Fifa havia 12 anos…



  • Cassiano da Fonseca

    Você captou o espírito do esporte, do futebol e da verdadeira amizade. Clubismo, bairrismo coisa e tal nao levam a nada. Incrível, como você costuma escrever _haha_, seu texto e sua sensibilidade.

  • janca

    Valeu pelo comentário, Cassiano. Grande abraço, João

  • Tarcísio Rezende

    Amigo, estou emocionado com o texto, obrigado pelos elogios a minha pessoa e a minha família.
    O melhor que aconteceu na Copa de 1986 foi ter te conhecido e assim compartilhar de sua amizade por esses 25 anos que se passaram desde então, é amigo, o tempo passa !!!
    Me lembro da gente na concentração da seleção brasileira, comendo na mesa ao lado do Telê Santana, nadando na piscina junto com o Careca e o Branco, como as coisas mudaram!!
    Hoje Rodrigo Paiva e outros assessores de Imprensa, junto com um bando de seguranças, além de jogares babacas que se acham Deuses, tornaram a seleção brasileira uma marca antipática e inacessível ao torcedor comum, que por ironia é quem sustenta toda essa palhaçada !!
    Guadalajara será para sempre a nossa referência emotiva de uma cidade única, especial e que jamais conseguirá ser reproduzida nos dias de hoje, tempos onde a grana vale mais que o homem, tanto no esporte quanto em outras esferas da vida moderna.
    Muito obrigado pelas palavras, tenho orgulho de ser seu amigo, um beijo no seu coração !

    • janca

      Pô, eu que agradeço, Tarcísio, a experiência em Guadalajara foi mesmo sensacional. E é verdade, até na piscina a gente pulava com os jogadores, sentava para conversar com o Telê Santana, outros tempos, outros tempos, mas que felizmente vamos levar para a vida toda. Grande abraço do seu amigo João

  • Dani

    Hoje em dia nem dá para imaginar uma Copa assim como vocês descrevem. Pensem então como será a de 2014, nada, nada a ver com a de 1950. Se bem que agora o grande risco é ver orçamento estourando e a questão dos aeroportos. Ontem teve gente que levou seis horas parado no aeroporto do Rio, tudo fechado, uma bagunça impressionante, mais de 200 voos atrasados. Atrasados estamos nós em relação a 2014, o que já era esperado, né não? Dani

  • janca

    Hoje em dia de fato não, Dani. Mas que aquela Copa foi sensacional e que tenho ótimas recordações de Guadalajara não há dúvida nenhuma. João

  • Sabe,
    a vida pode ser difícil , as vezes até cruel, mas todos os problemas ficam, infinitamente
    pequenos, quando vemos coisas como estas acontecerem .
    Nada mais lindo que uma amizade verdadeira e sincera, sólida, diria perfeita.
    Isto é difícil no dia a dia de hoje, neste corre -corre infernal, numa mundo egoísta e do
    salve-se quem puder!
    Fico feliz , como mãe e amiga de voces .
    Parabéns, meninos!

    beijos cariocas!

    • janca

      Obrigado, Nelly, e vou eu seguir seu blog também. Beijos paulistanos e saudades do Rio, João

  • TAmbem me lembro daquela copa, onde tinhamos a esperança de ver o futebol arte, que o brasil tinha apresentado na copa anterior fosse campeão.Infelismente não deu de novo, mas isto faz parte do esporte. Acredito muito neste nosso futebol arte, e tenho certeza que ele será o caminho para sermos campeões aqui em 2014. Não podemos abrir mão desta nossa arte, até porque o futebol no geral esta nivelado pela força e formações taticas. O que vai nós diferenciar do resto é exatamente esta arte, que hoje estou vendo nos meninos neimar e ganso. TEmos que investir nisso, sem abrir mão de organização e aplicação, pois sem isso também não chegaremos a nada. JANCA quero deixar aqui um voto de esperança, que esta copa de 2014, não seja apenas a copa no brasil, e sim a copa do brasil. Em todos os seus sentidos, a copa do samba, do churrasquinho e breja gelada com os amigos, a copa da paz, a copa do povo brasileiro, que apesar de tão maltratado, sabe receber bem nossos irmãos estrangeiros, como fomos recebidos em Guadalajara, enfim a copa da verdadeira ALMA DO POVO BRASILEIRO, tão admirado no mundo inteiro, pela sua alegria e simpatia. Vamos deixar de lado um pouco deste pessimismo que muitos insistem em ter sobre esta copa no brasil. Alias vamos nós livrar de vez da famosa SINDROME DE VIRA LATAS. Vamos provar que somos felizes e que moramos no pais MAIS LINDO DO MUNDO. É isto ai.

    • janca

      Eu também espero que seja assim, mas infelizmente não sou tão otimista como você. Ainda mais com o Comitê Organizador Local e o Ministério do Esporte, que só têm nos dados decepção e mais decepção. Abs.

      • Se formos olhar por esta lado, realmente é de se preocupar. Mas apesar dos desmandos em geral que acontessem no brasil, estamos onde estamos. Ou seja progredindo, passando pelas crises mundiais e ainda crescendo. O que quero dizer é que apesar dos vigaristas em geral que aqui agem, estamos muito melhor que muitos paises do mundo. Veja inglaterra. Aquilo tudo é sinal de rescessão, falta de emprego, falta de perspectiva da juventude. E a proxima Olimpiada vai ser la. Sou otimista sim, pois ja vi nosso pais em situações muito piores, com governantes muito mais ladrões e incompetentes do que estes que estão ai. E olha que a maioria de nós não ficava nem sabendo das maracutaias que aconteciam.

        • janca

          Eu entendo seu ponto de vista, mas aqui também temos outros problemas econômicos, como a ameaça da volta da inflação, sem falar na falta de perspectiva para muitos jovens da periferia também, péssimo sistema educacional e de saúde, denúncias e mais denúncias de corrupção no governo, enfim, não é só lá que a situação é complicada. Mas vamos torcer por uma boa Copa e uma boa Olimpíada também. Aqui no Brasil, digo. Se bem que lá também, claro. Abs. João

  • HUGO MAUAD

    Ministério do Esporte paga a conta de clubes de futebol

    Na audiência pública sobre segurança nos estádios, na Comissão de Turismo e Desporto da Câmara, o deputado Romário denunciou que o Ministério do Esporte assumiu compromissos dos clubes de futebol, contratando, instalando e dando manutenção serviços de monitoramento de imagens dos torcedores.

    Pelo serviço, o Ministério do Esporte está pagando R$ 48,3 milhões.

    Lei

    A exigência do circuito interno de TV está no Estatuto do Torcedor, desde 2003. Há oito anos, portanto.

    “Os estádios com capacidade superior a 10 mil pessoas deverão manter central técnica de informações, com infraestrutura suficiente para viabilizar o monitoramento por imagem do público presente”.

    Mas os dirigentes não cumpriram a lei, o Ministério do Esporte não fiscalizou e, pior, assumiu o compromisso.

    Orçamento

    Os R$ 48 milhões já estão no orçamento deste ano.

    O Ministério do Esporte aplicará numa conta que não lhe pertence o mesmo que destinou para a Bolsa Atleta 2011. Ou 10 vezes mais do destinado ao programa social “Pintando a Liberdade”, de recuperação de detentos, na fabricação de material esportivo.

    Novos rumos

    Este fato eu já havia contato aqui várias vezes, mas agora passou a ser questionado por um personagem de importância no esporte e na política nacionais, o ex-artilheiro Romário.

    “Pelo Estatuto do Torcedor, essa é uma obrigação do clube e não do Ministério do Esporte. Por que esse gasto sem necessidade do ministério”? – questionou o deputado, na audiência pública sobre “segurança nos estádios”.

    “Estamos encarando isso como uma questão de programa de segurança pública nacional integrada”, respondeu Sérgio Velloso, assessor especial de futebol do Ministério do Esporte.

    Os escândalos nacionais se sucedem com tanta freqüência, que fatos graves como esses no Ministério do Esporte passam despercebidos, mas o desperdício de dinheiro é inegável.

    Segurança pública sendo tratada no Ministério do Esporte?

    E ainda há outra vergonha, que tratarei em nova mensagem, referente ao cadastramento dos torcedores, com mais uma fortuna saindo do Orçamento do Ministério do Esporte.

    Assim, enquanto economiza no bolso da cartolagem, o ministro Orlando Silva repassa a fatura ao torcedor-contribuinte.

    Agora vai.

    • janca

      Não tinha essa informação, Hugo, muito obrigado por compartilhar conosco, de fato é algo de extrema gravidade o que está acontecendo, o Ministério do Esporte assumir uma responsabilidade que é dos clubes. Espero que Romário, que tem se mostrado um deputado federal combativo, entre firme no caso. Grande abraço e sempre que tiver informações importantes como essa o espaço está à disposição, pois algo tem que ser feito e a sociedade se mobilizar. Temos que cobrar dos nossos governantes. Abs. João

MaisRecentes

Nova zaga são-paulina



Continue Lendo

O futuro de CR7



Continue Lendo

Luxa sob pressão



Continue Lendo