O Flu e seus fantasmas



Jogadores do Fluminense têm reclamado da perseguição de parte da torcida, em movimento que teria sido iniciado pelas redes sociais e atingido atletas fora dos campos, em restaurantes, nas ruas, indo às suas casas…

Fred nem enfrentou o Internacional dizendo-se sem condições emocionais após suposta perseguição de torcedores do Flu.

Com as mídias sociais e as novas tecnologias fica mais fácil espalhar que um jogador está jantando fora, que foi se divertir, que está na rua depois da meia-noite…

E eu pergunto: E daí? Contanto que se esforçem em campo, vida particular é vida particular e ponto. Eles não são escravos dos clubes, apenas funcionários. Não devem satisfação sobre seus hábitos fora dos gramados. E lazer é lazer.

Segundo Luli Radfahrer, em artigo publicado na “Folha” do mês passado, “as mídias sociais e as bases de dados de comércio eletrônico acabaram com qualquer pretensão de privacidade”. De qualquer pessoa, não apenas dos jogadores de futebol.

Ainda de acordo com o artigo, “a privacidade tornou-se um mito e já que é impossível retroceder é preciso gerir essa nova imagem pública”. Vou discordar, sempre com respeito. No dia em que conseguirmos nos libertar internamente de nossos fantasmas e dos fantasmas dos outros _e leia-se aqui os fantasmas e as neuroses da sociedade, que só sabe exigir da gente_, não vamos ter que nos preocupar tanto _se é que vamos ter que nos preocupar_ com a imagem pública que exibimos por aí.

Máscaras, é verdade, temos que usar para nos proteger, pois o mundo é mau e não perdoa. Mas se tivermos força interior fica mais fácil enfrentar a sociedade. Que o inferno seja apenas os outros. E que se os outros não nos perdoam, que nós o façamos e nos abracemos. Pois antes de mais nada somos gente. Pública ou privada não vem ao caso. Somos gente e ponto.



  • Flu Mania

    Esse tipo de controle já existia antes, com as redes sociais apenas ficou mais forte. Nada contra o Fred nem contra ninguém, mas a torcida paga ingresso e pode exigir bom futebol.

    • janca

      A torcida paga ingresso e pode exigir bom futebol, sim. Ou melhor, pode exigir aplicação do jogador em campo. Mas o que ele faz fora de campo é problema dele. Abs.

  • Fantasma

    Jogador na balada não é bom sinal. Ou o atleta se cuida ou o clube fica no prejuízo. Eles ganham milhões para jogar futebol.

    • janca

      Depende. Por que jornalista, economista, advogado, médico e outros profissionais podem ir a uma balada e jogador de futebol não? Independentemente de quanto eles recebem _se recebem muito, como você diz, é porque há gente disposta a pagar_ eles podem sair à noite, sim. Claro que uma atleta tem que se cuidar pois depende muito da sua forma física. Exageros não são bons para ninguém. Mas o que o jogador faz fora de campo só lhe diz respeito e não aos torcedores. Que podem cobrar aplicação, sim, mas cobrar sem violência. E que eu saiba Fred e Rafael Moura não fizeram nada demais. E mesmo se tivessem esticado mais a noite, problema deles. Rafael Moura jogou ontem e jogou bem. Isso que importa. Abs.

  • Thiago Blazissa Martini

    João, antes da Copa América já estava esse burburinho encima do Fred. Deve ser encomendado, ele até fez gol final de semana. Torcedor trata jogador como se fosse patrimônio dele, se jogasse futebol fosse um demérito. Essa coisa de que jogar futebol e salário absurdo são sinôminos é a maior lorota. Muito jogador de futebol não ganha nada. Cada um ganha o que a empresa acha que vale. Tem engenheiro de 2 mil e de 40 mil e por ai vai. O Fred tem história, jogador de seleção e tudo, tem que ganhar bem mesmo. E tem mais: mesmo se ele chegasse bebado ao treino, seria problema dele, eu como torcedor devo ” torcer” por resultados do time e não cobrar JOGADORES, ISSO É PAPEL DA DIRETORIA DO CLUBE, pois não ganhamos nada do clube. Nós, jornalistas devemos relatar, mas porém ter cautela. Se o cara foi ao barzinho e o veículo de comunicação que o Fred quer processar criou essa celeuma toda, o Fred está certo. João, essa questão da imagem pessoal, até que ponto é importante para você? Nessa sociedade capitalista conta bastante, não? ABRAÇOS

    • janca

      Oi Thiago. Para ser sincero, nessa altura do campeonato essa coisa da imagem pessoal para mim é algo bem secundário. Mas não dá para um jogador chegar bebum a um treino, aí já é demais _risos. Claro que ele seria cobrado pela diretoria e pelos torcedores, pois treino é obrigação profissional. Valeu pelo comentário, Thiago, abs. João

  • Nilú

    Não concordo que tenhamos que usar máscaras, e muito menos que nos preocupar tanto com a opinião alheia, desde que nossas atitudes e palavras, não prejudiquem terceiros.
    O problema é que a maioria das pessoas , vive em função do que pensa o vizinho_rs, da idéia que os outros fazem delas, e assim esquecem sua essência e onde pode estar verdadeiramente sua felicidade, seu bem estar.
    Elas tem medo de serem julgadas, mas julgam o tempo todo, bem maluco isso, mas real.
    E a grande maioria da sociedade, hoje, ficou assim…
    Mas falando apenas dos jogadores de futebol, a absolvição se altera com a condenação, isto é, as criticas viram elogios e vice e versa, com tamanha facilidade, que nem da tempo para uma analise muito profunda de tudo.
    Abs. em mim._rs. Nilú

    • janca

      Aqui discordamos um pouco. De vez em quando ou de vez em muito acho importante usarmos máscaras, sim, mesmo que não prejudiquemos terceiros, pois a sociedade não perdoa e temos que nos proteger. Mas cada um com sua opinião, claro. Abs. João

  • Sem comentarios este negócio de torcedor ficar vigiando jogador. Tem gente que vai dizer que é atitude de gente ignorante, favelado, sem cultura enfim… classe baixa. Mas pelo que sabemos o fato ocorreu num bar da zona sul, que todos nós sabemos zona nobre do rio. Então chego a seguinte conclusão: Independente da classe social, a maioria dos seres humanos (nos quais eu não me incluo) vivem mais a vida dos outros do que a dele. E incluo este “viver a vida dos outros” a “viver a vida dos clubes” que eles torcem. Como se isso fosse tudo pra eles. A razão de viver, de ser feliz ou infeliz, frustrado ou não, enfim, parece que não conseguem ter vida propria. Isto é preocupante. Acredito até que, isto é algo inerente ao ser humano a muito tempo. Seria como a idolatria a idolos, no cunho religioso ou não, isso não importa. O que importa é, cultuar alguem, ou algo, fazendo disso a coisa mais importante de sua vida. Como se isso fosse algo imprecindivel para sua vida. Dai lutam com garras e dentes para defender a sua, talves, felicidade. Como se isto só fosse possivel vendo seu time ganhando. Então para estas pessoas, é inadimissivel um atleta de ponta como o fred, ficar na noite se divertindo com amigos, se no outro dia tem jogo do fluminense. É, realmente preocupante. Talves freud explicasse.Fui

MaisRecentes

Itaquera-2018



Continue Lendo

Brigas no Fla



Continue Lendo

Paulistas com medo



Continue Lendo