Amy, Orwell e Kafka



Anteontem foi encontrado em seu flat londrino o corpo da cantora Amy Winehouse, tida como a grande voz da moderna “soul music” e conhecida também por sua dependência e abuso de álcool e drogas pesadas.

Apesar de muita gente se dizer chocada era algo previsível, que poderia acontecer mais dia menos dia, porque, com apenas 27 anos de idade, todos sabiam que Amy vinha traçando seu caminho de destruição há pelo menos cinco anos.

Lidar com fama, sucesso, muito dinheiro e falsos amigos não é fácil. Com a imprensa e o público tampouco. Porque eles sugam o máximo de quem está em evidência. Invadem sua privacidade, ao mesmo tempo amam e odeiam quem está no topo e no fundo querem vê-lo lá embaixo, como todo “simples” mortal. Uma relação sadomasoquista. Parece mais fácil vibrar com a tragédia do que com o sucesso alheio.

E Amy mostrou não ter estrutura emocional interna para aguentar tudo isso. Poucos têm.

No futebol é a mesma coisa. A discussão, agora, é sobre a falta de maturidade e equilíbrio emocional para vestir a camisa da seleção de novatos como Neymar, Ganso e Pato.

A discussão está desfocada. Não é porque perderam a Copa América que não têm maturidade nem equilíbrio emocional. Os dois últimos fizeram um torneio melhor do que a maioria de seus companheiros. Melhor do que a do experiente goleiro Júlio César, por exemplo, que falhou mais de uma vez.

Eles não são os maiores responsáveis pelo que aconteceu na Argentina. O que vimos é que o Brasil ainda é uma colcha de retalhos, ao contrário do Uruguai, um time aplicado e responsável que vem sendo formado desde 2006.

Com os jogadores podem acontecer coisas parecidas com as que ocorreram com Amy. Não que irão cair no mundo das drogas e do álcool, embora alguns caiam, sim, se não agora, quando encerram a carreira e acabam no ostracismo. Mas têm de tomar cuidado com assessores, aproveitadores de plantão e a imprensa, que um dia irá chamá-los de reis, mas no seguinte os atacará até não poder mais. Porque a mídia é parte da sociedade e a sociedade é assim. A mídia, como a sociedade, é moralista e não perdoa.

 Li ontem no “Estadão” que Anders Behring, atirador confesso e responsável pela morte de mais de 90 pessoas na Noruega, é fã de Kafka, um dos meus escritores preferidos.

Autor de “O Processo”, Franz Kafka faz uma das melhores críticas à sociedade, aos governos e à burocracia que já vi. Mostra o absurdo da vida humana, como mostra George Orwell, outro escritor de que Behring era fã, autor de “1984” e de “A Revolução dos Bichos”, uma crítica aos regimes totalitários e às mazelas que assolam a humanidade.

Revi também ontem, na TV, “O advogado do diabo”, com Al Pacino e Keanu Reeves, um filme que mostra que o século passado foi mesmo do Diabo, ataca o sadismo do Deus que os homens construíram, desnuda a alma humana, cheia de vaidade e nos leva à pergunta: Que século não foi do Diabo? Porque o atual também parece ser dele. Vide a tragédia na Noruega e o crescimento de movimentos de extrema direita especialmente na Europa, que não aceita a migração de mais muçulmanos para o Velho Continente.

Em vez de as fronteiras se abrirem, como deveria ser, parece que elas se fecham cada vez mais. Uma pena. Porque tudo isso só gera mais violência. Que o digam jogadores brasileiros que vão à Europa, como o experiente Roberto Carlos na Rússia, e são vítimas de racismo quando entram em campo. Pela cor da pele, pela nacionalidade…

Ia terminar o post de outra forma mas prefiro encerrá-lo com uma pergunta que me intriga. Behring, o atirador, é um cristão fundamentalista, segundo saiu na mídia. O que é um cristão fundamentalista? Alguém sabe? Alguém me ajuda?



  • Nilú

    Bom dia João.
    Muita coisa para pensar…
    É isso ai, em que mundo estamos, o que os “humanos” se tornaram?
    Fantástico texto, mas duro, né?
    Boa segundona!!!

    • Dani

      Oi Nilú e oi João. Muita coisa para pensar, mas acho que nós “humanos” sempre fomos assim. A tecnologia e as inovações nos dão um instrumento para pensarmos que estamos evoluindo quando não estamos. Eu me preocupo com o futuro da humanidade. A Terra não dura muito, João. Como a Nilú achei seu texto fantástico. Boa segundona para vocês, Dani.

      • Nilú

        Oi Dani.
        Fico feliz que vc pense como, e mais feliz deve ficar o João, pois sua capacidade de análise, vai muito além da minha, tenho certeza.
        Adorei cada linha da sua “entrevista” com Ricardo Teixeira na Piauí, e admirei sua capacidade de convivência_rs . Parabéns, acho que eu não conseguiria.
        Espero porém que a Terra dure muuuuuuuuuito, por nós e pelos que estão vindo, porque ela é linda e viver pode ser muito bom.
        Não gosto de tecnologia, nem muito disso aqui @@@@@, para ser sincera.
        E tenho aprendido no decorrer dos meus dias, que a grande evolução do ser “humano”, tem que começar de dentro para fora…
        Abs. Nilú

  • Danilo

    A imprensa é cruel como você bem disse. Quantas pessoas não torceram contra o Cielo? O ser humano é invejoso e a resposta dele está aí, ouro nos 50 metros para todo mundo engolir. Legais seus comentários, Danilo

    • janca

      Também fiquei feliz com a resposta do Cielo dentro da piscina. Não estou defendendo nem atacando o nadador, pois de fato não sei nada sobre os bastidores da história, apenas o que vi e li na imprensa e não tenho uma opinião formada a respeito. Mas que ele já foi considerado culpado pela mídia foi. Isso eu acho. E que fiquei feliz com o ouro, fiquei. Quando ele pulou na piscina, vi pela Record News, de sábado para domingo, não tinha como torcer contra ele. Mas sei que tem gente que torceu. E não necessariamente gente da mídia, não. Gente que acha que ele errou e não foi punido como deveria. Talvez tenham razão, não quero entrar no mérito do doping e do julgamento. Só sei que torci para Cielo ser ouro. E ponto. Abs. e valeu pelo comentário, João

  • Nilú

    E ninguém te deu uma ajudinha nessa pergunta, né João?
    É muito difícil hoje em dia entender e definir posições religiosas, as pessoas alegam ser de tudo.
    Na verdade o importante não é a crença religiosa, mas sim, tentar sempre fazer o bem pelo próximo. Ajudar.`
    Isso é estar com Deus, seja ele qual for.
    Falei, mas não respondi….
    Nilú

    • janca

      É, ninguém ajudou na resposta _risos. Mas faz parte… E sabe que acho interessante terem usado o termo cristão fundamentalista? Porque costumam associar pejorativamente a palavra fundamentalista ao islamismo, o que não acho justo. Não deixa de ser uma forma de preconceito, preconceito, aliás, que não faltava ao atirador norueguês. Não sei se você viu mas ele atacou muito a miscigenação do povo brasileiro, fez pelo menos 12 comentários pejorativos a respeito, pelo jeito defende a chamada raça pura _o que é raça pura?_ como Hitler fazia no século passado. E sabemos ao que isso levou… João

  • Pra mim este termo fundamentalismo para religiões, é algo referente ao extremismo na interpretação da doutrina que sua religião segue. Extremismo este tão grande, que chega a incitar os outros “fundamentalistas”, a acreditarem que seu credo é o único que deve seguido, e que sua verdade deve ser a unica aplicada, sobe pena de sermos (os não fudamentalistas), excomungados, expurgados, ou até mesmo assassinados. E isto se aplica a todos, inclusive os praticantes da mesma religião, nas não com este, como diria, cunho fudamentalista, sei la. Logicamente isto tudo é coisa de gente doente, maluca, psicopata mesmo. Pra mim religião ja é um negócio complicado, principalmente as cristãs, ou melhor aquelas que seguem as sagradas escrituras (como eles dizem), com biblia, tora e alcorão. Pois como se percebe os lideres religiosos, são os primeiros que incitam seus seguidores, a menosprezar as outras doutrinas, chegando ao cumulo de chutar a santa como aconteceu na televisão, a algum tempo atras. Imagine se isto fosse no oriente médio? Era morte na certa. Pelo que sei, as escrituras são praticamente identicas, tirando o novo testamento da cristã (corrija-me se estiver errado). Então porque esta animosidade toda? Vou responder. Interesse economico. Isso mesmo. As religiões sempre tiveram este cujo, de poder, dominio e comercio da fé. Ou alguem acha que os imãs, sheiks, e aiatolas da vida são os unicos que praticam estes tipos de atrocidades, como limpeza etnicas ou religiosas? A igreja catolica ja fez muito isto no passado. Alguem ja ouviu falar das cruzadas? Onde se eliminava os infieis, ou sarracenos, ou mouros, enfim não importa. Este Anders Behring pra mim, não passa de um cruzado psicopata, eliminando os infieis e impuros de raça. Na sua mente doente, podem ter certeza que ele acha que ta certo.

  • Flávio Alcântara

    É isso mesmo, eu sei o que é cristão fundamentalista. É o mesmo que islâmico fundamentalista ou judeu fundamentalista. Eles interpretam todas as escrituras ao pé da letra e vão ao extremismo, chegando a matar como fez este maluco deste norueguês de merda.

  • janca

    Seja o que for acho que os antigos deuses eram mais humanos do que o Deus das religiões monoteístas, que é um Deus julgador, cobrador e em nome do qual as pessoas matam e matam e matam. Abs. e valeu pelos comentários, João

MaisRecentes

Cobranças no Fla



Continue Lendo

Santos na bronca



Continue Lendo

Saída de Rodrigo Caio



Continue Lendo